O DI­TO E NÃO DI­TO EM CAR­TA DUM CON­TRA­TA­DO DE AN­TÓ­NIO JACINTO

Jornal Cultura - - LETRAS -

om o pre­sen­te diá­lo­go, pre­ten­de-se nu­ma vi­a­gem ale­a­tó­ria e o fun­ci­o­na­men­to ale­a­tó­rio não é opa­co, apre­en­der o di­to e não di­to em An­tó­nio Jacinto. A pre­ten­são não pas­sa­rá por de­li­mi­tar as fron­tei­ras en­tre a lin­gua­gem co­no­ta­ti­va e de­no­ta­ti­va. To­da­via, en­con­trar as di­co­to­mi­as en- tre o di­to e o não di­to por in­ter­mé­dio de lei­tu­ra po­lis­sé­mi­ca, ater-se-emos no di­to co­mo a ideia prin­ci­pal e o não di­to co­mo o re­for­ço im­plí­ci­to, até cer­to pon­to, opos­to da ideia prin­ci­pal. Con­tu­do, a de­sen­vol­tu­ra do nos­so diá­lo­go po­de­rá em al­guns pa­rá­gra­fos as­su­mir con­tor­nos im­pre­vi­sí­veis. A lin­gua­gem do su­jei­to poé­ti­co é pro­vi­da de ar­gú­cia e de­se­jo ana­fó­ri­co, evi­den­ci­a­da pe­lo uso cons­tan­te da for­ma ver- bal do ver­bo «que­rer» “eu que­ria es­cre­ver-te uma car­ta amor/ (…) eu que­ria es­cre­ver-te uma car­ta amor/”. Au­sên­cia do re­cal­que, o con­tex­to não o ini­biu, dá pri­o­ri­da­de a des­co­ber­ta ilu­só­ria. Fa­la­mos em des­co­ber­ta ilu­só­ria co­mo hi­pó­te­se, o su­jei­to poé­ti­co sin­gu­la­ri­za a sua re­a­li­da­de, atra­vés do pro­no­me pes­so­al «eu». Po­rém, es­ta sin­gu­la­ri­da­de no de­cur­so do po­e­ma re­pre­sen­ta a plu­ra­li­da­de do con­tex­to “ (…) ou­tra ela não ti­ves­se me­re­ci­men­to…”. Re­to­me­mos à des­co­ber­ta ilu­só­ria, re­cri­ou o seu es­ta­do lí­ri­co em opo­si­ção à sua con­di­ção so­ci­al. Sua pre­ten­são não pas­sa­ria pa­ra a pra­ti­ca­bi­li­da­de, mui­to por cau­sa do anal­fa­be­tis­mo re­al que en­cer­ra o cor­po do po­e­ma e agu­di­za a sua in­ten­ci­o­na­li­da­de “(…) que tu não sa­bes ler/ (…) não sei es­cre­ver tam­bém”. O po­e­ma Car­ta Dum Con­tra­ta­do ad­vém de um con­tex­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.