GRÁCIA FERREIRA RE­GRES­SA A CA­SA CUL­TU­RA E IDEN­TI­DA­DE EM “JOR­NAL MURAL”

Jornal Cultura - - ARTES - ADRI­A­NO DE ME­LO

Usar o igu­ra­ti­vo e o abs­trac­to pa­ra ex­pres­sar a be­le­za e a di­ver­si­da­de das raí­zes cul­tu­rais e da iden­ti­da­de é um de­sa io ao qual a pin­to­ra Grácia Ferreira se propôs e con­se­guiu su­pe­rar com a sua no­va ex­po­si­ção, “Jor­nal Mural”, on­de a ex­pe­ri­ên­cia de anos as­so­cia-se mui­to às ino­va­ções es­té­ti­cas.

Pre­o­cu­pa­da com o le­ga­do a ser trans­mi­ti­do pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras, a ar­tis­ta apre­sen­tou ao pú­bli­co, até ao pas­sa­do dia 27, no Ca­mões - Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, uma pro­pos­ta de ar­te que ex­plo­ra tan­to a mu­dan­ça co­mo a tra­di­ção. Uma ja­ne­la pa­ra ver dois mun­dos di­fe­ren­tes.

Na ex­po­si­ção, que icou pa­ten­te du­ran­te 16 di­as, a ar­tis­ta ex­plo­ra, co­mo re­sul­ta­do dos anos de ex­pe­ri­ên­cia, du­as téc­ni­cas com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes en­tre si, nu­ma for­ma de de­mons­trar o de­sa io do ar­tis­ta mo­der­no, que tem o rep­to de pre­ser­var sem­pre a sua iden­ti­da­de, mas sem des­cu­rar “os ven­tos” do mo­der­nis­mo.

A apos­ta em es­ti­los di­fe­ren­tes re­pre­sen­ta pa­ra Grácia Ferreira a pos­si­bi­li­da­de de ex­plo­rar no­vos ho­ri­zon­tes e abrir “por­tas” a ou­tras pos­si­bi­li­da­des e ten­dên­ci­as cri­a­ti­vas aos fu­tu­ros ar­tis­tas. Pa­ra ela, que tam­bém só con­se­guiu che­gar até on­de es­tá por­que an­tes Don Se­bas lhe mos­trou os tri­lhos, é fun­da­men­tal que os jo­vens criadores te­nham a ca­pa­ci­da­de de ex­plo­rar mais o mun­do das ar­tes, sem se li­mi­tar às bar­rei­ras es­té­ti­cas.

Em “Jor­nal Mural”, a ar­tis­ta es­ta­be­le­ce tam­bém uma “pon­te” en­tre as ar­tes plás­ti­cas e a li­te­ra­tu­ra, com “tro­ca­di­lhos” de obras co­nhe­ci­das das le­tras an­go­la­nas. Grácia Ferreira vê a fu­são co­mo uma opor­tu­ni­da­de de jus­ti icar e pro­var a im­por­tân­cia do sur­gi­men­to de no­vas idei­as nas ar­tes e des­per­tar tam­bém o in­te­res­se e a cu­ri­o­si­da­de do pú­bli­co pa­ra de­ter­mi­na­dos livros.

O fe­mi­ni­no, a so­ci­e­da­de, ou o quo­ti­di­a­no e seus de­sa ios, são te­mas em fo­co na mai­o­ria dos qua­dros ex­pos­tos, 22 no to­tal, a mai­o­ria tra­ba­lha­da em téc­ni­cas co­mo acrí­li­co e óleo so­bre te­la e mis­ta. Em­bo­ra os te­mas se­jam mui­to fre­quen­tes nas ar­tes, Grácia Ferreira deu um “to­que” di­fe­ren­te ao seu tra­ba­lho ao in­tro­du­zir a li­te­ra­tu­ra.

O ob­jec­ti­vo, co­mo es­cla­re­ceu, é sim­ples: ex­plo­rar, o má­xi­mo pos­sí­vel, as ex­pres­sões re­ais do quo­ci­en­te hu­ma­no, mos­tran­do a ca­da um dos vi­si­tan­tes da ex­po­si­ção, até on­de o hu­ma­nis­mo po­de cri­ar uma so­ci­e­da­de me­lhor. Co­mo uma mu­lher sen­sí­vel e aten­ta ao seu tem­po, a ar­tis­ta fez um en­fo­que es­pe­ci­al aos as­sun­tos do quo­ti­di­a­no em to­da a ex­po­si­ção.

Na­tu­ral de Lu­an­da, Grácia Ferreira foi pro­fes­so­ra de Edu­ca­ção Vi­su­al e Plás­ti­ca e For­ma­ção Ma­nu­al e Po­li­téc­ni­ca, de 1998 a 2001. A sua car­rei­ra ar­tís­ti­ca co­me­çou quan­do o ar­tis­ta Don Se­bas, na al­tu­ra seu vi­zi­nho na Vi­la Ali­ce, viu po­ten­ci­al ne­la e a in­cen­ti­vou a en­trar na es­co­la das ar­tes.

Com o apoio do seu men­tor, a ar­tis­ta par­ti­ci­pou em di­ver­sas ex­po­si­ções co­lec­ti­vas. O seu pri­mei­ro tra­ba­lho in­di­vi­du­al, “Coi­sas e Tons do Quo­ti­di­a­no”, foi apre­sen­ta­do em 2000, no Ca­mões, em Lu­an­da. Na al­tu­ra o tra­ba­lho reu­nia dois es­ti­los: pin­tu­ra e es­cul­tu­ra.

Além de ser mem­bro da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas Plás­ti­cos, a ar­tis­ta in­te­grou o “Mo­vi­men­to dos Na­ci­o­na­lis­tas”, on­de se re­ve­lou uma mu­lher de for­tes con­vic­ções. Em 2015, in­gres­sou no cur­so de Ar­qui­tec­tu­ra, na Uni­ver­si­da­de Lu­só­fo­na, Lisboa. Ac­tu­al­men­te de­di­ca a mai­or par­te do seu tem­po à pin­tu­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.