UMA RE­FLE­XÃO EMBRIONÁRIA SO­BRE A TITULOGIA NA LITERATURA AN­GO­LA­NA

Jornal Cultura - - Letras -

Opro­pó­si­to da pre­sen­te co­mu­ni­ca­ção não se con­subs­tan­cia na imen­su­ra­bi­li­da­de, mas re-lan­çar a dis­cus­são em vol­ta dos tí­tu­los na literatura an­go­la­na. A sua se­lec­ção é ar­bi­trá­ria e exem­pli ica­ção ale­a­tó­ria. Po­de­rá até so­ar es­tra­nha ao ní­vel fo­né­ti­co. A pa­la­vra “titulogia”, quan­to ao seu en­qua­dra­men­to mor­fo­ló­gi­co, é um subs­tan­ti­vo, quan­to à se­mân­ti­ca po­de­rá de inir em fun­ção do con­tex­to. Em nos­so es­tu­do, ad­vém da ci­são tí­tu+lo­gia=titulogia. Se­gun­do, o con­cei­to de tí­tu­lo, o Di­ci­o­ná­rio Da Lín­gua Por­tu­gue­sa Con­tem­po­râ­nea (2001:3573) “(Do la­tim titŭ­lus). De­no­mi­na­ção de um li­vro, ca­pí­tu­lo, jor­nal, ar­ti­go (… )”. O con­cei­to de titulogia sur­ge de pro­ces­sos lin­guís­ti­cos dis­tin­tos, pri­mei­ro re­cor­re-se à que­da ou su­pres­são pro­po­si­ta­da, apó­co­pe, eli­mi­na-se a úl­ti­ma sí­la­ba “lo”. Pos­te­ri­or­men­te dá-se, im­pli­ci­ta­men­te ao pro­ces­so mor­fo­ló­gi­co de for­ma­ção de pa­la­vras, a fal­sa de­ri­va­ção por “tí­tu e lo­gia” não se tra­ta­rem con­cre­ta­men­te de su ixo e pre ixo. Com o re­fe­ri­do con­cei­to pre­ten­de-se in­fe­rir ao es­tu­do se­mân­ti­co dos tí­tu­los na literatura an­go­la­na. Por úl­ti­mo, é tam­bém um ne­o­lo­gis­mo hí­bri­do. Re­cor­reu-se a seg­men­ta­ção do con­cei­to pa­ra se apu­rar mes­mo de for­ma embrionária à sua for­ma­ção. Po­rém, por ne­nhu­ma abor­da­gem apre­sen­tar una­ni­mi­da­de e al­guns seg­men­tos da so­ci­e­da­de adop­tar a pos­tu­ra de lei­tu­ra da pes­so­a­li­da­de, pre­fe­riu-se ape­nas ci­tar os tí­tu­los das obras e não o no­me dos es­cri­to­res. Des­car­tam-se ain­da as pro­ba­bi­li­da­des de uma abor­da­gem que crie ca­dei­as ima­gi­ná­ri­as so­bre es­te ou aque­le tí­tu­lo pa­ra de­ter­mi­na­dos gé­ne­ros ou sub­gé­ne­ro, em to­do ca­so, em­bo­ra pa­re­ça pa­ra­do­xal, é im­por­tan­te que o es­cri­tor não crie as­si­me­tria en­tre o tí­tu­lo e con­teú­do. Por exem­plo, “Ri­tos de Pas­sa­gem” pa­re­ce tra­tar-se de um en­saio, qu­an­do na ver­da­de é uma obra poé­ti­ca.

De igual mo­do, acon­se­lha-se que não se ig­no­re a in­ten­ção ti­tu­ló­gi­ca do es­cri­tor. As co­mu­ni­ca­ções que sur­gem dos ab­so­lu­tis­mos es­tão pro­pen­sas ao tro­pe­ço his­tó­ri­co. Daí a ne­ces­si­da­de de se tra­zer à su­per ície dois prin­cí­pi­os ilo­só icos: um que re­la­ci­o­na em­pi­ris­mo e ou­tro a ra­ci­o­na­li­da­de. Ate­mo-nos no úl­ti­mo, Re­né Des­car­tes acre­di­ta na pos­si­bi­li­da­de de se atin­gir a ver­da­de sim­ples­men­te pe­la ra­zão. Con­ti­nua o pen­sa­dor cit. por José Eduardo Car­va­lho (2009:25), “Des­car­tes a ir­ma­va: co­mo os nos­sos sen­ti­dos nos en­ga­nam por ve­zes, de­vo su­por que na­da é aqui­lo que pa­re­ce; a úni­ca coi­sa de que não pos­so du­vi­dar é de que pen­so em al­gu­ma coi­sa (…) Co­gi­to er­go sum”. Em­bo­ra to­do co­nhe­ci­men­to co­me­ce com ex­pe­ri­ên­cia, não im­pli­ca que to­do co­nhe­ci­men­to se ori­gi­na con­cre­ta­men­te da ex­pe­ri­ên­cia. En­ten­de-se que a ra­zão ser­ve-se al­gu- mas ve­zes da ex­pe­ri­ên­cia pa­ra me­lhor apre­en­são do ob­jec­to de es­tu­do. Nu­ma lei­tu­ra her­me­nêu­ti­ca so­bre a titulogia na literatura an­go­la­na es­ta­be­le­ce-se uma in­ter-de­pen­dên­cia en­tre a te­o­ria da lin­gua­gem e a te­o­ria da in­ter­pre­ta­ção. Pa­ra que pos­sa exis­tir uma re­la­ção é ne­ces­sá­rio que não se atro­pe­le a lei­tu­ra her­me­nêu­ti­ca, is­to é, o tí­tu­lo exis­ten­ci­al por cons­ti­tuir con­tac­to pri­má­rio en­tre o su­jei­to lei­tor e a obra. Ca­da épo­ca, ca­da ci­vi­li­za­ção, em con­for­mi­da­de com o con­jun­to do seu sa­ber, das su­as cren­ças, das su­as ide­o­lo­gi­as, res­pon­dem de mo­do di­fe­ren­te e pers­pec­ti­vam a lin­gua­gem se­gun­do os mol­des que os ori­en­tam.

Se­gun­do Kris­te­va (1969:19) “a lin­gua­gem é si­mul­ta­ne­a­men­te o úni­co mo­do de ser do pen­sa­men­to, a sua re­a­li­da­de e a sua re­a­li­za­ção”. As­sim sen­do, o tí­tu­lo co­mo lin­gua­gem é ine­ren­te à obra li­te­rá­ria, pa­ra além de ser ex­pres­são in­tui­ti­va ou pré con­ce­bi­da é ma­ni­fes­ta­ção im­plí­ci­ta do con­teú­do da obra. Por exis­tir uma fron­tei­ra en­tre o su­jei­to e o ob­jec­to que tor­na, al­gu­mas ve­zes, o ob­jec­to des­co­nhe­ci­do pe­lo su­jei­to, a ra­zão, no pre­sen­te es­tu­do, co­lo­ca-se co­mo hi­pó­te­se di­an­te dos fe­nó­me­nos ti­tu­ló­gi­cos, in­ter­pre­ta-o co­mo apre­sen­tam-se e co­mo po­de­ri­am ser apre­sen­ta­dos. Ob­ser­va ain­da W. Van Zyl cit. por Luís Le­al, (1994:71) “Pa­ra além de uma fun­ção iden­ti ica­do­ra o tí­tu­lo da obra li­te­rá­ria pos­sui tam­bém ou­tras fun­ções. Es­sas va­ri­am mui­to (…) po­der-se-á a ir­mar que as mais cor­ren­tes são as de pre­pa­rar o lei­tor pa­ra o que vai ler e a de es­ta­be­le­cer uma re­la­ção di­nâ­mi­ca com o cor­po do tex­to”. Por is­so, o co­nhe­ci­men­to pa­ra Kant só se­ria pos­sí­vel se de al­gu­ma for­ma o ser hu­ma­no pu­des­se apre­en­der um con­teú­do que lhe des­per­tas­se ou lhe trou­xes­se al­gum sen­ti­do, em re­la­ção à nos­sa co­mu­ni­ca­ção o con­teú­do co­me­ça a ser des­cor­ti­na­do a par­tir do tí­tu­lo. O mes­mo ser­ve de car­tão-de-vi­si­ta da obra, a mons­tra do pos­sí­vel con­teú­do ex­pos­to. Por con­se­guin­te, que ique cla­ro que os tí­tu­los me­nos con­se­gui­do não põem em cau­sa a ex­pres­si­vi­da­de e re­le­vân­cia do con­teú­do li­te­rá­rio. Cons­ta­ta-se que tem cres­ci­do a in­ci­dên­cia de tí­tu­los me­nos con­se­gui­dos na literatura in­fan­to-ju­ve­nil, pro­du­zi­do nas úl­ti­mas dé­ca­das, “A Mi­nha Ba­ra­ti­nha”. Em­bo­ra o Di­ci­o­ná­rio In­te­gral Lín­gua Por­tu­gue­sa (2013:206), nu­ma das su­as acep­ções a pre­sen­te co­mo uma igu­ra de es­ti­lo que sig­ni ica “ir­mã de ca­ri­da­de, frei­ra”. Pre­ci­sa ser re­vis­ta, pois que ao des­cor­ti­nar-se, é um in­sec­to por­ta­dor de do­en­ças di­ar­rei­cas agu­das. A pa­la­vra “Ba­ra­ti­nha”, de pon­to de vis­ta mor­fo­ló­gi­co é um subs­tan­ti­vo co­mum-con­cre­to no grau di­mi­nu­ti­vo, a mes­ma ad­qui­re di­fe­ren­tes sig­ni ica­ções de de­pre­ci­a­ção e a de ca­ri­nho.

O pro­no­me pos­ses­si­vo fe­mi­ni­no “Mi­nha” re­for­ça a ideia de uma re­la­ção de acei­ta­ção, de con­ví­vio e so­bre tu­do de pos­se. Ter um in­sec­to-ba­ra­ta co­mo ami­ga ou ir­mã de es­ti­ma­ção evi­den­cia um con­tras­te, in­clu­si­ve os nu­tri­ci­o­nis­tas e os bió­lo­gos de­sa­con­se­lham o con­ví­vio com as ba­ra­tas. Ain­da na es­tei­ra da titulogia “Po­e­ti­ci­da­de no Dis­cur­so Pro­sai­co de Wanyen­ga Xi­tu”, O re­fe­ri­do tí­tu­lo pas­sa a fal­sa ideia de que a pro­sa se­ja po­e­sia. Ou­tro sim, ve­ri ica-se uma in­de ini­ção quan­to à obra, a edi­to­ra cha­ma de en­saio e sai co­mo po­e­sia, jul­ga­mos ha­ver um atro­pe­lo con­cep­tu­al. Sem se ater ao pu­ris­mo, a po­e­ti­ci­da­de é um ad­jec­ti­vo ge­né­ti­co da po­e­sia, di­to de ou­tro mo­do, é a lin­gua­gem da li­te­ra­ri­e­da­de na po­e­sia. Por sua vez, é sa­bi­do que o dis­cur­so es­tá en­tre as fron­tei­ras do tex­to li­te­rá­rio e não li­te­rá­rio. Por tan­to, a pro­sa co­mo a po­e­sia por se­rem tex­tos li­te­rá­ri­os é nor­mal que um ou ou­tro sai­ba in­cor­po­rar em su­as com­po­si­ções par­tí­cu­las pro­sai­cas ou poé­ti­cas, ou que ha­ja chei­ro de um so­bre o ou­tro. Foi di­to an­te­ri­or­men­te de for­ma di­fe­ren­te, re­for­ça-se que o tí­tu­lo per­mi­te ao lei­tor vi­su­a­li­zar ou ter uma ideia apro­xi­ma­da da obra li­te­rá­ria “A Cha­ve no Re­pou­so da Por­ta”, pe­la me­ca­ni­za­ção do tí­tu­lo ad­vi­nha-se im­pli­ci­ta­men­te ser obra bas­tan­te ze­lo­sa ao ní­vel dos re­cur­sos es­ti­lís­ti­cos. Em sen­ti­do con­trá­rio, os tí­tu­los bem con­se­gui­dos ao ní­vel da literatura em ge­ral, es­pe­ci ica­men­te os de au­to aju­da fa­zem com que as ven­das atin­jam nú­me­ros sur­pre­en­den­tes.

Nu­ma vi­são con­su­mis­ta e aná­lo­ga, a con­jun­tu­ra ac­tu­al por es­tar a ser co­to­ve­la­da pe­lo de­sem­pre­go, quem pu­bli­car um li­vro in­ti­tu­la­do “Téc­ni­cas Pa­ra Con­ven­cer A En­ti­da­de Em­pre­ga­do­ra”. Um ou­tro en­cai­xe se­ria, pe­lo ní­vel de ho­mi­cí­dio que é cau­sa­do pe­lo ciú­me, “Apren­da Em Se­gun­dos co­mo Li­dar Com Ciú­me”. A par­tir do mé­to­do in­du­ti­vo, con­cluí­ra-se que ven­de­ri­am pe­los tí­tu­los, sem se pôr em cau­sa a pos­sí­vel qua­li­da­de de os seus con­teú­dos. Se­gun­do Ky­ser (1976:202), “foi

A Cha­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.