ISABEL AN­DRÉ “A GRAN­DE QUESTÃO DO TEATRO EM AN­GO­LA É O VA­ZIO DE ESPAÇOS PA­RA REPRESENTAÇÃO”

Jornal Cultura - - Artes -

En­tre­vis­ta con­du­zi­da por JOSÉ LUÍS MENDONÇA

Pa­ra a ac­triz de teatro Isabel An­dré, a gran­de questão do teatro em An­go­la é o va­zio de espaços pa­ra representação. Não há in­ves­ti­men­to em sa­las de teatro, uma ar­te que, por si­nal, já per­mi­te ao ar­tis­ta vi­ver de­la. Nes­te en­tre­vis­ta que nos con­ce­deu, a ac­triz abre a al­ma e sur­pre­en­de­mo-la a con­tra as ma­lam­bas e o su­ces­sos de uma car­rei­ra com 30 anos con­ta­dos a su­bir aos pal­cos.

Do seu no­me com­ple­to Isabel Manuela An­dré Ma­nu­el, es­ta se­nho­ra de olhos cor de sa­va­na co­me­çou a fa­zer teatro des­de a fun­da­ção do gru­po Ho­ri­zon­te Nzin­ga Mban­di, em 1986.

“Era mui­to no­va, mui­to no­va mes­mo, ti­nha apro­xi­ma­da­men­te 12 anos”, diz a ac­triz, sen­ta­da à se­cre­ta­ria do seu ga­bi­ne­te de tra­ba­lho, à Mar­gi­nal de Lu­an­da. Isabel diz ser mui­to con­ser­va­do­ra, daí ter per­ma­ne­ci­do até à data iel ao Nzin­ga Mban­di.

As ra­zões da es­co­lha da ar­te de re­pre­sen­tar: um dia, qu­an­do era es­tu­dan­te na es­co­la Nzin­ga Mban­di, uma ami­ga che­gou ao pé de­la e dis­se-lhe “Vi­e­ram uns mo­ços e es­tão a cha­mar pa­ra fa­zer par­te do gru­po de teatro”. Es­ses “mo­ços” eram o Eze­qui­el Is­sen­gue­le e o Ade­li­no Ca­ra­col, fun­da­do­res do Ho­ri­zon­te Nzin­ga Mban­di. A ami­ga que a ha­via cha­ma­do so­be ao pal­co, mas não sa­tis­fez a de­man­da dos pro­mo­to­res. En­tão ca­ra­col vol­ta-se pa­ra Isabel e or­de­na. “So­be lá pa­ra o pal­co e vai ac­tu­ar!” E as­sim, Isabel en­trou pa­ra o teatro e nun­ca mais saiu.

For­ma­da em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, é com um cer­to or­gu­lho que ou­ve da bo­ca das ami­gas: “olha a mu­lher dos se­te o íci­os”. Ho­je, é pro is­si­o­nal de se­gu­ros, mas tam­bém fez um mes­tra­do em Ges­tão de Em­pre­sas, na es­pe­ci­a­li­da­de de Re­cur­sos Hu­ma­nos.

Po­rém, Isabel An­dré fez di­ver­sas for­ma­ções na ar­te que do­mi­na, o teatro, que “tem ver­ten­tes e agre­ga vá­ri­as dis­ci­pli­nas que de­vem ser com­ple­ta­das pa­ra que al­guém di­ga que fez teatro. Gra­ças a Deus, na­que­la al­tu­ra, ape­sar de eu ser mui­to no­va, o MINCULT da­va-nos mui­tas for­ma­ções e grá­tis. Mui­tas mes­mo”, a ir­ma a ac­triz sem re­ser­vas.

Isabel diz que o MINCULT deu es­sas opor­tu­ni­da­des de for­ma­ção na dé­ca­da de 80, e es­ten­deu-as até à dé­ca­da de 90, for­ma­ções grá­tis e com bons es­pe­ci­a­lis­tas de vá­ri­as dis­ci­pli­nas. Mui­tos dos di­rec­to­res ar­tís­ti­cos que ho­je exis­tem na nos­sa pra­ça, na al­tu­ra ize­ram es­ta for­ma­ção com Isabel e ize­ram-na cá em Lu­an­da. “Co­mo se sa­be., o teatro é di­nâ­mi­co e as téc­ni­cas tam­bém vão evo­luin­do. Pos­te­ri­or­men­te, fui fa­zen­do ou­tras for­ma­ções mais re­cen­tes”, ex­pli­ca.

Isabel An­dré par­ti­ci­pou em pro­jec­tos de ou­tros gru­pos te­a­trais, tan­to na­ci­o­nais, co­mo es­tran­gei­ros. Já te­ve a “sor­te” de par­ti­ci­par em vá­ri­as se­lec­ções de ar­tis­tas. Um gran­de pro­jec­to que a mar­cou e em que te­ve de fa­zer en­ce­na­ção e di­rec­ção ao mes­mo tem­po, “o que não é fá­cil, nem re­co­men­dá­vel, po­rém não ti­ve al­ter­na­ti­va”, foi num con­cer­to, ela co­mo ac­triz ao la­do de um mú­si­co, Ro­ber­to Ro­sat­ti, em 2016, com a pro­du­ção da em­bai­xa­da ita­li­a­na. Era uma pe­ça de teatro can­ta­da. “Ele can­ta­va, e eu re­pre­sen­ta­va e fa­la­va em fun­ção do que cons­ta­va nas mú­si­cas.”

Per­gun­ta­mos à Isabel se, na vi­da re­al, sain­do da sa­la de teatro, já al­gu­ma vez te­ve de “fa­zer teatro”, in­gir pa­ra po­der aju­dar al­guém... Se­gun­do Isabel, to­dos nós sa­be­mos que um bom po­li­ti­co tem de ser um bom ac­tor. Tem de mo­ti­var. Um bom pro­fes­sor tem de ser um bom ac­tor. O que mais exis­te nes­te mun­do, se­gun­do a ac­triz, são pes­so­as com per is adap­tá­veis, co­mo se diz em ges­tão de Re­cur­sos Hu­ma­nos. No dia-a-dia, cer­tas pes­so­as têm uma cer­ta pos­tu­ra nu­ma ins­ti­tui­ção, um cer­to per il, mas, qu­an­do sa­em da­li, ma­ni­fes­tam um per il di­fe­ren­te. A nos­sa con­ver­sa res­va­lou pa­ra a es­fe­ra su­bli­me das re­la­ções mais ín­ti­mas, as pai­xões da al­ma e o amor. Por­que o nos­so Mun­do, em vez de evo­luir no sen­ti­do da mo­ra­li­za­ção co­lec­ti­va, re­par­te-se pe­los me­an­dros de uma imo­ra­li­da­de ca­da vez mais des­pu­do­ra­da. Se­rá nes­te ti­po de re­la­ção que exis­ti­rá mais “teatro”?

Pa­ra Isabel, “es­te as­pec­to, de fac­to, é mais fá­cil de ser re­pre­sen­ta­do, até por­que na vi­da so­ci­al é o que mais tem si­do fei­to. E mui­ta gen­te até ale­ga fun­da­men­tos cul­tu­rais. Na mi­nha opi­nião pes­so­al, creio que exis­tem as­pec­tos que po­dem ser cor­ri­gi­dos com o evo­luir da so­ci­e­da­de. É fá­cil re­pre­sen­tar, con­si­de­ran­do as vá­ri­as et­ni­as exis­ten­tes, os vá­ri­os há­bi­tos e cos­tu­mes, dos quais se des­ta­ca a po­li­ga­mia.”

No fil­me O Cal­vá­rio de Jo­ce­li­ne , Isabel An­dré fez o pa­pel de se­cre­tá­ria do ins­pec­tor e gos­tou do pa­pel que re­pre­sen­tou.

No fun­do, Isabel é uma pes­soa mui­to op­ti­mis­ta. O teatro é uma ar­te de mas­sas, e tem um pe­so mui­to for­te. “Acho que se de­via in­ves­tir mais”, acre­di­ta Isabel. “O MINCULT de­via pres­tar mes­mo uma aten­ção es­pe­ci­al ao teatro. De­ve­mos evo­luir qua­li­ta­ti­va­men­te. Exis­tem mui­tos gru­pos. Uns con­se­gui­ram man­ter uma cer­ta qua­li­da­de, mas de uma ma­nei­ra ge­ral, a qua­li­da­de é pés­si­ma. O teatro exi­ge mui­to. A ar­te de re­pre­sen­tar es­tá ca­da vez mais a mo­der­ni­zar-se, não bas­ta su­bir ao pal­co, imi­tar um ve­lho, não, tem de ir- se à es­co­la, ter mais aber­tu­ras. Ape­sar de mui­tos gru­pos já irem a fes­ti­vais, tam­bém é bem ver­da­de que con­se­guem pa­tro­cí­ni­os, ca­so te­nham uma obra de gran­de qua­li­da­de. Mas is­so só não bas­ta. É ne­ces­sá­ri­os au­men­tar o ní­vel de per­for­man­ce. A As­so­ci­a­ção An­go­la­na de Teatro, da qual tam­bém sou mem­bro, es­tá com al­guns pro­jec­tos, só que não é tão sim­ples as­sim, pre­ci­sa­mos de mais apoi­os.

Qua­se em im de con­ver­sa, abor­dá­mos a la­men­ta­ção rei­te­ra­da de al­gu­mas pes­so­as so­bre a fal­ta de sa­las de teatro, prin­ci­pal­men­te na ci­da­de de Lu­an­da abar­ro­ta­da de mi­lhões de ci­da­dãos com pou­cas al­ter­na­ti­vas de es­co­lhas em ter­mos de di­ver­são.

– Es­ta é a gran­de questão. Não há in­ves­ti­men­to, e com a agra­van­te do Teatro Ave­ni­da que, até ho­je, es­tá no es­ta­do em que es­tá.

- Mas, a Isabel acha que dá di­nhei­ro in­ves­tir nes­ses espaços?

- Dá, sim Se­nhor. Até por­que de­ter­mi­na­dos gru­pos que têm as su­as sa­las con­se­guem ren­ta­bi­li­zar. Nós te­mos pou­cos, mas já te­mos al­guns ac­to­res que so­bre­vi­vem do teatro. Já é pos­sí­vel vi­ver do teatro. O teatro é o ber­ço do Ci­ne­ma, da Te­le­vi­são, etc. Mas, pa­ra sin­grar é ne­ces­sá­rio ter um bom em­pre­sá­rio, é ne­ces­sá­rio ter mei­os de sus­ten­ta­bi­li­da­de, por­que o ac­tor ven­de ima­gem, o ac­tor ser­ve de exem­plo pa­ra a so­ci­e­da­de. Acho que o em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal de­via pen­sar se­ri­a­men­te nes­te as­pec­to.

Isabel no pa­pel de rai­nha na pe­ça Ham­let

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.