TV ZIMBO EMITE FIL­ME “O CAL­VÁ­RIO DE JO­CE­LI­NE”

Jornal Cultura - - Artes -

29 de Mar­ço de 2008, o edi ício se­de da Di­rec­ção de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (DNIC) em Lu­an­da ruiu com um nú­me­ro sig­ni ica­ti­vo de bai­xas. A tra­gé­dia ins­pi­rou a pro­du­ção de um ro­man­ce edi­ta­do em 2011 pe­la Mayam­ba edi­to­ra. Em 2015 vi­ria a ser adap­ta­do pa­ra uma cur­ta me­tra­gem te­le­vi­si­va de 56 mi­nu­tos ao abri­go do pro­gra­ma FICTV da CPLP.

Ngou­a­bi Sil­va foi o re­a­li­za­dor, sen­do in­ter­pre­ta­do nos pa­péis prin­ci­pais por Náu­ria Cos­ta, no pa­pel de Jo­ce­li­ne, Bal­bi­na Bar­ros e Dja­ni Cunha, nos pa­péis de Samy e Sel­ma res­pec­ti­va­men­te, sen­do o pa­pel de Ge­ne­ral Bar­bo­sa in­ter­pre­ta­do por Pe­dro Fernandes. To­dos eles, ac­to­res de teatro em An­go­la. A pro­du­ção foi da Ima­gem Vip Co­mu­ni­ca­ção que con­tou ain­da com a TPA e o pro­gra­ma FICTV da CPLP co­mo co-pro­du­to­res.

O il­me de­ve­ria ser lan­ça­do em An­go­la no mês de Agos­to de 2016, tal co­mo acon­te­ceu nos res­tan­tes paí­ses de CPLP, con­tu­do, nes­se es­tá­gio cru­ci­al do pro­ces­so, a es­ta­ção te­le­vi­si­va es­ta- tal an­go­la­na de­mar­cou-se do pro­ces­so re­cu­san­do-se a emi­tir o il­me, ten­do des­se mo­do o mes­mo si­do lan­ça­do em to­dos os ou­tros paí­ses da CPLP, com ex­cep­ção de An­go­la.

A pe­lí­cu­la, foi ago­ra emi­ti­do pe­la TV Zimbo no es­pa­ço des­sa es­ta­ção de­di­ca­da ao ci­ne­ma an­go­la­no “Ci­ne Nos­so”, in­di­can­do que, ten­do ha­vi­do qual­quer cen­su­ra ao il­me, es­ta não foi das au­to­ri­da­des an­go­la­nas, mas sim tão so­men­te da es­ta­ção te­le­vi­si­va.

Nas li­nhas que se se­guem, apre­sen­ta­mos uma bre­ve en­tre­vis­ta re­a­li­za­da a Li­to Sil­va, o Ar­gu­men­tis­ta/Pro­du­tor do il­me “O Cal­vá­rio de Jo­ce­li­ne”, pa­ra fa­lar um pou­co so­bre o as­sun­to.

Jor­nal Cul­tu­ra - A TPA a ir­ma, co­mo aliás foi pu­bli­ca­do na nos­sa edição nº 152 que o il­me con­tém ce­nas que aten­tam con­tra a sua po­lí­ti­ca edi­to­ri­al.

Li­to Sil­va -

Se al­gu­ma vez al­guém per­gun­tas­se ao Go­eb­bels, por­que cen­su­ra­ria uma cri­a­ção ju­dai­ca, cer­ta­men­te ele in­vo­ca­ria um mon­te de ra­zões ra­ci­o­nais pa­ra fa­zê- lo e se­gu­ra­men­te ne­nhu­ma se­ria o mo­ti­vo de te­mer ver o füh­rer con­tra­ri­a­do. Mas is­so tam­bém se­gu­ra­men­te não ti­ra­ria o va­lor das tais obras ju­dai­cas. Por ou­tras pa­la­vras, co­mo qual­quer cen­sor, a TPA agar­rou-se ao pri­mei­ro ar­gu­men­to que lhe veio à men­te pa- ra não exi­bir o fil­me. Con­tu­do, des­cu­rou o fac­to de que é co- pro­du­to­ra, es­te­ve pre­sen­te em to­dos os mo­men­tos des­de a cri­a­ção do ro­tei­ro, apoio lo­gís­ti­co e téc­ni­co e pré vi­si­o­na­men­to, sem que as ques­tões in­vo­ca­das pa­ra a não exi­bi­ção, fos­sem se­quer aflo­ra­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.