APOIO AOS AR­TIS­TAS, UMA QUESTÃO DE PERS­PEC­TI­VA

Jornal Cultura - - Artes -

Ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de ler na Ga­ze­ta a se­guin­te man­che­te com ba­se nu­ma en­tre­vis­ta que àque­le ór­gão de im­pren­sa foi con­ce­di­da pe­la Mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra: "O Mi­nis­té­rio não de­ve su­por­tar os ar­tis­tas".

Le­van­ta­ram- se vo­zes, gri­tos mes­mo, a pro­pó­si­to… e por­tan­to, não sen­do nós alhei­os à questão, to­ma­mos a ini­ci­ar de tam­bém aqui dei­xar as nossas opi­niões. Cre­mos ser opor­tu­no vol­tar ao te­ma e fa­zer luz so­bre o as­sun­to, pa­ra o que se im­põe fa­zer o en­qua­dra­men­to ade­qua­do da ma­té­ria e se pos­sa com se­re­ni­da­de dis­cu­tir o cer­ne da mes­ma.

À par­ti­da e an­tes de qual­quer ou­tra abor­da­gem ou aná­li­se, im­por­ta re­co­nhe­cer que aque­la fra­se não es­go­ta aqui­lo que a se­nho­ra Mi­nis­tra da Cul­tu­ra dis­se na sua en­tre­vis­ta, na qual in­clu­si­ve in­di­cou as li­nhas de for­ça e de ac­tu­a­ção em fa­vor do de­sen­vol­vi­men­to cul­tu­ral, em vá­ri­os ân­gu­los, in­clu­si­ve o da as­sis­tên­cia aos ar­tis­tas. Pa­re­ce-me por­tan­to exa­ge­ra­do an­co­rar­mo-nos nes­sa úni­ca fra­se pa­ra dis­cu­tir­mos a questão. Aliás, tal fra­se, as­sim só, de ma­nei­ra sol­ta, aca­ba por acen­der pai­xões, mui­tas ve­zes sem ra­zão de ser. Pa­ra que não me ique por uma fra­se sol­ta, cor­ren­do o mes­mo ris­co de in­ter­pre­ta­ção avul­sa, de­vo di­zer que es­ta dis­cus­são tem mui­to a ver com a ac­tu­al ló­gi­ca in­ver­ti­da no sec­tor edi­to­ri­al no nos­so país, por um la­do, com o re­sul­ta­do prá­ti­co da ac­ção no do­mí­nio da eco­no­mia da cul­tu­ra e, inal­men­te, a con­fu­são exis­ten­te en­tre o que se en­ten­de co­mo o do­mí­nio da in­dús­tria cul­tu­ral e do show bu­si­ness e o do­mí­nio en­ten­di­do co­mo das ar­tes do es­pec­tá­cu­lo ou ar­tes per­for­ma­ti­vas.

Por ou­tro la­do, não po­de­mos ig­no­rar que há mui­tos anos o país mu­dou de mo­de­lo eco­nó­mi­co, o que tam­bém se apli­ca ao do­mí­nio cul­tu­ral.

Di­to is­to, im­por­ta­rá re­co­nhe­cer que quan­to à cul­tu­ra já é de­sa­jus­ta­do aos nos­sos di­as o pen­sa­men­to dos dois mai­o­res ex­po­en­tes da eco­no­mia clás­si­ca, Adam Smith e Da­vid Ri­chard que con­si­de­ra­vam “as ar­tes eco­no­mi­ca­men­te im­pro­du­ti­vas”. Aliás, pa­ra a nos­sa con­clu­são, bas­ta lem­brar-nos que a in­dús­tria cul­tu­ral nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, qu­an­do não ocu­pa o se­gun­do lu­gar da ba­lan­ça co­mer­ci­al, ocu­pa o ter­cei­ro, dis­pu­tan­do es­se es­pa­ço com a in­dús­tria mi­li­tar e a in­dús­tria ae­ro­náu­ti­ca, ou que em al­guns paí­ses con­si­ga re­a­li­zar 10% do PIB na­ci­o­nal; po­de­mos ain­da ter em con­ta nes­ta aná­li­se o pe­so que elas têm em paí­ses co­mo a Fran­ça ou o Bra­sil, e que nos anos 80 na Grã Bre­ta­nha foi cri­a­da uma task for­ce pa­ra po­ten­ci­ar as in­dús­tri­as cri­a­ti­vas no pro­ces­so de saí­da da cri­se da in­dús­tria trans­for­ma­do­ra que en­tão se vi­via. Des­tes da­dos, fa­cil­men­te po­de­mos com­pre­en­der o pon­to de vis­ta da se­nho­ra Mi­nis­tra da Cul­tu­ra. Por­tan­to, a questão que se de­ve co­lo­car é a de co­mo po­de­re­mos ter uma in­dús­tria cul­tu­ral for­te, e ici­en­te e com­pe­ten­te, ca­paz de ge­rar ri­que­za pa­ra os cri­a­do­res e pa­ra a so­ci­e­da­de e co­mo a mes­mo po­de e de­ve par­ti­ci­par no nos­so PIB, so­bre­tu­do qu­an­do di­ver­si icar a eco­no­mia é o de­sa io que se nos im­põe.

Ou­tra questão que se le­van­ta é aque­la que emer­ge do enun­ci­a­do pe­los pais da eco­no­mia da cul­tu­ra, W. Bau­mol e W. Bowen se­gun­do quem, se a in- dus­tri­a­li­za­ção de bens cul­tu­rais per­mi­tiu re­du­zir cus­tos em gran­de es­ca­la gra­ças aos pro­gres­sos tec­no­ló­gi­cos, is­to não é pos­sí­vel nos sec­to­res co­mo o das ar­tes do es­pec­tá­cu­lo on­de a pro­du­ti­vi­da­de es­tag­na. Tal obri­ga­ria as­sim que es­tas ar­tes en­con­tras­sem inan­ci­a­men­tos pa­ra a sua so­bre­vi­vên­cia, fos­sem pú­bli­cos, mis­tos ou pri­va­dos.

Che­ga­dos aqui, so­mos for­ça­dos a cons­ta­tar que gran­de par­te da questão em dis­cus­são, pren­de-se com a ló­gi­ca in­ver­ti­da de que pa­de­ce o nos­so mer­ca­do cul­tu­ral e a in­ca­pa­ci­da­de de as so­ci­e­da­des de ges­tão co­lec­ti­va co­bra­rem os cor­res­pon­den­tes di­rei­tos de au­tor pe­lo uso das cri­a­ções de seus as­so­ci­a­dos e re­pre­sen­ta­dos.

En­tre nós, dum mo­do ge­ral, os mú­si­cos e es­cri­to­res têm de inan­ci­ar a edição das su­as obras, pas­san­do as edi­to­ras a ser me­ros pres­ta­do­res de ser­vi­ços. Ao ní­vel mun­di­al, a ló­gi­ca da edição é a in­ver­sa. É o edi­tor quem inan­cia as edições e re­mu­ne­ra o au­tor, nos ter­mos do con­tra­to que ha­ja si­do ce­le­bra­do. A is­so, adi­ci­o­nal­men­te, en­tram nos bol­sos dos au­to­res os va­lo­res a que te­nha di­rei­to, co­bra­dos e re­par­ti­dos pe­las so­ci­e­da­des de ges­tão co­lec­ti­va, ou se­ja, pe­las so­ci­e­da­des e co­o­pe­ra­ti­vas de au­to­res que fa­zem a ges­tão co­lec­ti­va dos di­rei­tos dos au­to­res. Tais co­bran­ças têm a ver com a cha­ma­da “exe­cu­ção ou uti­li­za­ção pú­bli­ca de obras pu­bli­ca­das” (rá­di­os, te­le­vi­sões, res­tau­ran­tes, shows, en im, to­dos os espaços que usam mú­si­ca am­bi­en­te) e com a “có­pia pri­va­da”, aque­la que se faz nos CDS, DVDs, pen dri­ves, fo­to­có­pi­as. Es­tes su­por­tes e má­qui­nas de re­gis­to ou có­pia de­vem in­cor­po­rar no seu pre­ço um va­lor cor- res­pon­den­te aos di­rei­tos de au­tor pois, qu­an­do é com­pra­do um su­por­te vir­gem, su­põe-se que ne­le se vai gra­var al­gu­ma obra, mes­mo que não se sai­ba de quem. Is­to é ou­tro as­sun­to; tal pren­de-se com a “cha­ve de re­par­ti­ção”, ou se­ja, com o cri­té­rio a usar na dis­tri­bui­ção do re­sul­ta­do das co­bran­ças. Por­tan­to, aqui a res­pon­sa­bi­li­da­de de­ve­rá ser re­par­ti­da en­tre os vá­ri­os ac­to­res, ou vá­ri­os pos­sí­veis ac­to­res.

Não po­de­mos pois le­var ao ex­tre­mo a a ir­ma­ção da se­nho­ra Mi­nis­tra da Cul­tu­ra. Co­mo já re­fe­ri­mos, a questão que se de­ve co­lo­car é a de co­mo po­de­re­mos ter uma in­dús­tria cul­tu­ral for­te, e ici­en­te e com­pe­ten­te, ca­paz de ge­rar “tra­ba­lho” e que crie opor­tu­ni­da­des pro is­si­o­nais aos au­to­res de mo­do a que es­tes, co­mo ou­tros pro is­si­o­nais, pos­sam vi­ver do re­sul­ta­do do seu tra­ba­lho, sem icar a de­pen­der de “sub­sí­di­os e do­a­ções” e, do mes­mo mo­do, te­nham um en­qua­dra­men­to no sis­te­ma na­ci­o­nal de se­gu­ran­ça so­ci­al, sem pre­juí­zo de ini­ci­a­ti­vas mu­tu­a­lis­tas pró­pri­as. Cla­ro es­tá que, ao con­ce­der o es­ta­tu­to de As­so­ci­a­ção de Uti­li­da­de Pú­bli­ca a al­gu­mas as­so­ci­a­ções de au­to­res, de ar­tis­tas e ou­tras e ao con­ce­der­lhes inan­ci­a­men­to anu­al, não se po­de di­zer que o Es­ta­do e o MINCULT se­jam alhei­os à clas­se e aos pro­ble­mas so­ci­ais dos ar­tis­tas. Po­rém, es­ta­mos con­ven­ci­dos que a pró­pria ac­ção das as­so­ci­a­ções de­ve­rá ser o ele­men­to prin­ci­pal na so­lu­ção dos pro­ble­mas dos res­pec­ti­vos as­so­ci­a­dos.

• Eco­no­mis­ta, Di­plo­ma­do em Es­tu­dos Su­pe­ri­o­res

• Es­pe­ci­a­li­za­dos de Po­lí­ti­ca Cul­tu­ral e Ac­ção Ar­tís­ti­ca

Ar­tis­tas an­go­la­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.