AS NOSSAS TRA­DI­ÇÕES VI­E­RAM NAS CARAVELAS?

Os nos­sos Va­lo­res são cons­truí­dos, ali­cer­ça­dos nas nossas Tra­di­ções ou nas Tra­di­ções dos Ou­tros? A sau­da­ção à che­ga­da de gé­me­os, con­ta­da por Ós­car Ri­bas, é fei­ti­ço ou um ri­tu­al re­li­gi­o­so?

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Em a Cul­tu­ra nº 151, Eu­gé­nia Kos­si re­vi­si­ta uma prá­ti­ca an­ces­tral so­bre di­ri­mir con li­tos en­tre os akon­go re­pon­do o diá­lo­go em li­nha com as mais an­ti­gas tra­di­ções ban­tu. O te­ma des­te tex­to de Kos­si ques­ti­o­na a jus­te­za do con li­to que põe em cam­pos opos­tos o mo­der­nis­mo e a tra­di­ção. Es­te te­ma é re­cor­ren­te nas pá­gi­nas des­ta nos­sa re­vis­ta e per­mi­to-me ci­tar al­guns nú­me­ros mais re­cen­tes pa­ra vê-lo ser abor­da­do das ma­nei­ras mais di­ver­sas: No nº 137, pp 11-12, em en­tre­vis­ta de José Ri­vair Ma­ce­do da­da a Pau­lo Hen­ri­que Pom­pa­mei­er da Cult, a pro­pó­si­to do Pen­sa­men­to Afri­ca­no no séc. XX so­mos aler­ta­dos pa­ra as re­ser­vas com que de­ve­mos olhar o co­nhe­ci­men­to pro­du­zi­do pe­lo Oci­den­te so­bre Áfri­ca pois ele é mar­ca­do pe­la pre­da­ção; no nº 142, pp 3-6, Vic­tor Chon­go­lo­la num tex­to so­bre mul­ti­cul­tu­ra­li­da­de le­van­ta a questão da des­con ian­ça da cul­tu­ra do­mi­nan­te em re­la­ção às cul­tu­ras das mi­no­ri­as que de cer­to mo­do edi­ta, dum mo­do tra­ves­ti­do, o con li­to re­fe­ri­do por Kos­si; No nº 148, pp 4-6, Fá­ti­ma Vi­e­gas dis­cor­re, num tex­to in­ti­tu­la­do A In­to­le­rân­cia Re­li­gi­o­sa En­quan­to Pro­ces­so de Des­trui­ção do Ou­tro, re­me­ten­do-nos pa­ra vá­ri­os mo­men­tos do pen­sa­men­to Oci­den­tal co­me­çan­do pe­la Car­ta Acer­ca da To­le­rân­cia de Jo­nh Loc­ke de 1689. Não me pa­re­ce que o pen­sa­men­to eu­ro­peu te­ve uma epi­fa­nia e “in­ven­tou” a To­le­rân­cia. Acon­te­ce que a ex­pan­são do Oci­den­te no séc. XVI, sé­cu-lo do­mi­na­do pe­la pro­ble­má­ti­ca do En­con­tro, do Con­tac­to e da Co­mu­ni­ca­ção, co­me­çou a ter de re­con­si­de­rar as idei­as fa­bu­lo­sas que ti­nha do Ou­tro, e o Hu­ma­nis­mo, re­vi­go­ra­do pe­lo Re­nas­ci­men­to, deu voz a uma clas­se mer­can­til em­pre­en­de­do­ra que se não con­ten­ta­va com as fan­ta­si­as de­li­ran­tes dum mun­do te­me­ro­so do des­co­nhe­ci­do pro­pos­to pe­la in­te­li­gent­sia Me­di­e­val. O pen­sa­men­to Oci­den-tal co­me­çou a olhar pa­ra o Ou­tro sem as len­tes des­tor­ci­das da su­pe­ri­o­ri­da­de nem os pre­con­cei­tos do exo­tis­mo o que jus­ti icou e con­ti­nua a jus­ti icar a re­ci­cla­gem de con­cei­tos ali­cer­ça­dos em “di­vi­nas ver­da­des ab­so­lu­tas”.

Mas vol­tan­do mais di­rec­ta­men­te ao te­ma abor­da­do pe­la Kos­si sou le­va­do a es­ta per­gun­ta: o que fa­zer às nossas tra­di­ções? Ou me­lhor, as nossas tra­di­ções ser­vem pa­ra al­gu­ma coi­sa ou são sim­ples ma­té­ria de mu­seu? Nes­te nos­so mun­do mais po­bre após o pas­sa­men­to da voz au­to­ri­za­da e se­re­na de Souin­dou­la se­re­mos su ici­en­te­men­te avi­sa­dos pa­ra pe­gar nes­ta ban­dei­ra?

AS TRA­DI­ÇÕES, QUE TRA­DI­ÇÕES?

Qu­an­do oi­ço fa­lar de res­ga­te de va­lo­res ocor­rem-me du­as coi­sas, por um la­do, que va­lo­res e por ou­tro, as se­guin­tes pa­la­vras de Ki­zer­bo: «A me­nos que op­tás­se­mos pe­la in­cons­ci­ên­cia e pe­la ali­e­na-ção, não po­de­ría­mos vi­ver sem me­mó­ria ou com a me­mó­ria do ou­tro» (KI-ZERBO; 2010, p XXIII).

Jun­tan­do as du­as coi­sas per­gun­to­me en­tão:

1. Os nos­sos va­lo­res são cons­truí­dos, ali­cer­ça­dos, nas nossas tra­di­ções ou nas tra­di­ções dos ou­tros?

2. Fo­ram as caravelas que nos trou­xe­ram as nossas tra­di­ções?

Acho que a res­pos­ta a es­tas du­as ques­tões se­rá um exer­cí­cio in­te­res­san­te e pro­pi­ci­a­dor de mui­to con­tra­di­tó­rio fe­cun­do nu­ma al­tu­ra em que o pa­ra­dig­ma do in­ter­re­la­ci­o­na­men­to das na­ções mu­dou, ho­je é im­pen­sá­vel pen­sar em de­sen­vol­vi­men­to sem pen- sar em de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel cu­ja per­mis­sa é a par­ti­ci­pa­ção das co­mu­ni­da­des sen­do elas pró­pri­as e não aqui­lo que os pe­ri­tos in­ter­na-ci­o­nais (os MIT, os con­sul­to­res) es­pe­ram que elas se­jam, is­to é, as co­mu­ni­da­des afri­ca­nas têm de que­rer ser afri­ca­nas e não uma imi­ta­ção dum mo­de­lo «po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to».

Pa­ra co­me­çar, tal­vez des­fa­zer um equí­vo­co que, ao ler o que es­tá atrás, me pa­re­ce po­der sur­gir com a pa­la­vra de­sen­vol­vi­men­to. Des­fa­zer não di­go mas ques­ti­o­nar pa­ra que não ha­ja equí­vo­cos:

«O que é que fa­lar de tra­di­ções tem a ver com de­sen­vol­vi­men­to?»

«E por­que é que tra­di­ção tem de ser vis­to co­mo imo­bi­lis­mo?»

«Se­rá que há al­gu­ma im­pos­si­bi­li­da­de da tra­di­ção se adap­tar aos de­sa ios que a mo­der­ni­da­de põe a ca­da mo­men­to?»

MAS FALEMOS MAIS CON­CRE­TA­MEN­TE DA TRA­DI­ÇÃO PRÁ­TI­CA

O tex­to da Kos­si, a que já iz re­fe­rên­cia, trou­xe-me à lem­bran­ça um epi­só­dio a que as­sis­ti há di­as nu­ma das mba­la do Mu­ni­cí­po da Qui­len­da e que na­da de ex­tra­or­di­ná­rio tem, por­que co­mum, mas que de re­pen­te ga­nha uma sig­ni ica­ti­va im­por­tân­cia.

Aqui­lo a que as­sis­ti foi o exer­cí­cio mi­le­nar da de­mo­cra­cia par­ti­ci­pa­ti­va per­fei­ta­men­te vul­gar e co­mum nas co­mu­ni­da­des que re­sol­vem os seus con li­tos à luz da Tra­di­ção. Foi as­sim: Nu­ma de­ter­min­da mba­la (que não vou iden­ti icar, co­mo é ób­vio) o So­ba tem an­da­do mui­to ata­re­fa­do a tra­tar dos seus ne­gó­ci­os des­cu­ran­do os seus con­ci­da­dãos. Acon­te­ce que os seus ilhos (o po­vo da co­mu­ni­da­de de que ele é so­ba) qu­an­do têm pro­ble­mas cu­ja re­so­lu­ção faz par­te da com­pe­tên­cia do So­ba ra­ras ve­zes o en­con­tram, an­da a tra­tar dos seus ne­gó­ci­os.

Far­tos des­ta si­tu­a­ção co­lo­ca­ram o ca­so ao So­ba Gran­de, So­ba da Mban­za.

Num des­tes ins de se­ma­na as­sis­ti ao jul­ga­men­to do ca­so.

No sá­ba­do, des­de as pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã o po­vo reu­niu-se à vol­ta da me­sa pre­si­di­da pe­lo So­ba Gran­de com os seus con­se­lhei­ros. Ho­mens dum la­do, mu­lhe­res de ou­tro e cri­an­ças por lá tam­bém an­da­vam.

Du­ran­te to­do o dia fo­ram apre­sen­ta­das as ra­zões que fun­da­men­ta­vam a ne­ces­si­da­de da in­ter­ven­ção do So­ba Gran­de pa­ra ser re­pos­ta a or­dem jul­ga­da sub­ver­ti­da pe­lo com­por­ta­men­to, ti­do co­mo ir­re­gu-lar, do So­ba.

De­pois de to­dos os in­te­res­sa­dos te­rem fa­la­do o So­ba Gran­de deu a pa­la­vra ao So­ba cu­jo com­por­ta-men­to es­ta­va a ser ava­li­a­do.

Co­mo ele es­ta­va au­sen­te aguar­dou­se até ao im do dia.

No im do dia o jul­ga­men­to aca­bou sem a de­fe­sa do pró­prio pe­lo que o So­ba Gran­de trans­fe­riu a de­ci­são pa­ra de­pois de ou­vir o que o mes­mo te­ria a di­zer em sua de­fe­sa.

Já vol­tei à di­ta mba­la que tam­bém já tem um no­vo So­ba pois o ou­tro foi des­ti­tuí­do por não sa­tis­fa­zer as ne­ces­si­da­des dos seus ilhos e as ra­zões que te­rá in­vo­ca­do não pro­ce­de­rem.

A TRA­DI­ÇÃO É TE­MA DE FICÇÃO LI­TE­RÁ­RIA OU FON­TE DE VA­LO­RES?

A prá­ti­ca da literatura es­cri­ta afri­ca­na é ina­lís­ti­ca, is­to é, é uma li­te­ra­tu-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.