REQUIEM PA­RA AU­GUS­TO FERREIRA

Jornal Cultura - - Primeira Página - (Ar­tis­ta Plás­ti­co e Pro­fes­sor de Ar­te) AN­TÓ­NIO DOS SAN­TOS “KIDÁ”

Lo­go na pri­mei­ra se­ma­na do mês de Fe­ve­rei­ro, fo­mos bru­tal­men­te con­fron­ta­dos com o pre­ma­tu­ro de­sa­pa­re­ci­men­to fí­si­co de um dos gran­des pi­la­res da plas­ti­ci­da­de an­go­la­na, o mes­tre Au­gus­to Ferreira de An­dra­de. Des­de mui­to jo­vem, Au­gus­to Ferreira de­sen­vol­veu as su­as ha­bi­li­da­des ar­tís­ti­cas. As su­as obras pic­tó­ri­cas de­nun­ci­am, em gran­de me­di­da, a “pre­sen­ça” pe­re­ne do gran­de mes­tre Neves e Sou­sa, cu­ja com­po­si­ção, so­bre­tu­do ge­o­mé­tri­ca, res­va­la pa­ra a cor­ren­te cu­bis­ta, es­co­la e ten­dên­cia ali­a­das às ino­va­ções di­nâ­mi­cas de au­to­res co­mo Pa­blo Pi­cas­so.

O país cul­tu­ral e ar­tís­ti­co vol­tou a mer­gu­lhar em lu­to, nu­ma al­tu­ra em que a clas­se não es­ta­va ain­da de­vi­da­men­te re­com­pos­ta, de­pois do de­sa­pa­re­ci­men­to ísi­co pre­co­ce de dois gran­des vul­tos do nos­so mo­sai­co cul­tu­ral: tra­tam-se por um la­do, do His­to­ri­a­dor e in­te­lec­tu­al Si­mão Souin­dui­la (que dei­xou as su­as im­pres­sões di­gi­tais in­de­le­vel­men­te mar­ca­das no pro­jec­to “A Ro­ta dos Es­cra­vos”) e, por ou­tro la­do, o can­tor de pal­mo cheio, o em­ble­má­ti­co Zé do Pau (que den­tre tan­tas ou­tras can­ções, dei­xou-nos co­mo mai­or de­lei­te a mú­si­ca “Pá­gi­na ras­ga­da do Li­vro da mi­nha Vi­da” cu­ja en­to­a­ção me­ló­di­ca, de­di­ca­da ao fa­le­ci­men­to da sua mãe, não é in­di­fe­ren­te à sen­si­bi­li­da­de au­di­ti­va de qual­quer mor­tal).

Lo­go na pri­mei­ra se­ma­na do mês de Fe­ve­rei­ro, fo­mos bru­tal­men­te con­fron­ta­dos com o pre­ma­tu­ro de­sa­pa­re­ci­men­to ísi­co de um dos gran­des pi­la­res da plas­ti­ci­da­de an­go­la­na, o mes­tre Au­gus­to Ferreira de An­dra­de, vi­ti­ma­do por ma­lei­tas que o vi­nham apo­quen­tan­do ao lon­go de al­gum tem­po a es­ta par­te. Au­gus­to Ferreira, ou sim­ples­men­te “Gu­gu” co­mo era ca­ri­nho­sa­men­te tra­ta­do em cír­cu­los mais res­tri­tos, nas­ceu em Xá Mu­te­ba, em 1946, o que sig­ni ica um ano após o im da II Guer­ra Mun­di­al. Des­de mui­to jo­vem, Au­gus­to Ferreira de­sen­vol­veu as su­as ha­bi­li­da­des ar­tís­ti­cas. Mes­mo sen­do au­to­di­dac­ta, te­ve for­te in­fluên­cia dos gran­des mes­tres da sua épo­ca: as su­as obras pic­tó­ri­cas de­nun­ci­am, em gran­de me­di­da, a “pre­sen­ça” pe­re­ne do gran­de mes­tre Neves e Sou­sa, cu­ja com­po­si­ção, não di­ria te­má­ti­ca, mas so­bre­tu­do ge­o­mé­tri­ca, res­va­la pa­ra a cor­ren­te cu­bis­ta que, na al­tu­ra, era a que mais do­mi­na­va en­quan­to es­co­la e ten­dên­cia ali­a­das às ino­va­ções di­nâ­mi­cas de au­to­res co­mo Pa­blo Pi­cas­so, por exem­plo.

Ao lon­go da sua vi­da, mui­to par­ti­cu­lar­men­te li­ga­da ao mun­do ar­tís­ti­co, Au­gus­to Ferreira te­ve uma car­rei­ra bas­tan­te pro ícua e pro­mis­so­ra, so­bre­tu­do em inais dos anos 60 e iní­cio da dé­ca­da dos anos 70 do sé­cu­lo pas­sa­do, em cu­jo pe­río­do, obras da sua la­vra ar­tís­ti­ca che­ga­ram ao pa­ta­mar de es­pa- ços e ga­le­ri­as de ar­te de gran­de pres­tí­gio tan­to em An­go­la co­mo no res­to do mun­do. No pe­río­do pós-in­de­pen­dên­cia, Au­gus­to Ferreira não cru­zou os bra­ços, e na con­ti­nui­da­de da sua pro­du­ção ar­tís­ti­ca, par­ti­ci­pa ac­ti­va­men­te em ex­po­si­ções co­lec­ti­vas de ar­te, ao la­do de ou­tros mons­tros das ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas co­mo VITEIX, Ndun­du­ma, To­más Dombele, Hen­ri­que Abran­ches, To­más Vis­ta, Rui de Ma­tos, Ma­ton­do Afon­so, An­tó­nio Ole, Lu­zo­la­no João de Deus, Vaz de Car­va­lho, Eleu­té­rio San­ches, en­tre tan­tos ou­tros que fa­zem a ar­te com mes­tria e dig­ni­da­de que se im­põe. Des­sa tão ri­ca tra­jec­tó­ria na área da plas­ti­ci­da­de, va­le­ram-lhe va­ri­a­dos pré­mi­os de re­co­nhe­ci­men­to pe­la pro­du­ção, pro­mo­ção e di­vul­ga­ção das ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas no país e no es­tran­gei­ro. Des­sa cru­za­da de di­vul­ga­ção, em me­a­dos do ano 2000, o mes­tre Au­gus­to Ferreira, o pin­tor Ál­va­ro Ma­ci­ei­ra e o pin­tor ale­mão Horst Pop­pe ( já fa­le­ci­do) cri­am o pro­jec­to “Co­ne­xão” cu­jo ob­jec­ti­vo prin­ci­pal con­sis­tia em jun­tar as dis­tin­tas ten­dên­ci­as ar­tís­ti­cas (an­go­la­na e ale­mã) e, des­sa fu­são, dá-la a co­nhe­cer não só em An­go­la e na Ale­ma­nha, mas tam­bém um pou­co por to­do o mun­do. O pro­jec­to foi ex­tre­ma­men­te in­te­res­san­te e am­pla­men­te di­vul­ga­do e te­ve um im­pac­to bas­tan­te po­si­ti­vo na di­nâ­mi­ca in­te­rac­ti­va e cul­tu­ral que une os dois po­vos por via das ar­tes. Pes­so­al­men­te, ti­ve o gra­to pri­vi­lé­gio de acom­pa­nhar o re­fe­ri­do pro­jec­to, ten­do in­clu­si­ve fei­to cu­ra­do­ria de uma das su­as mais me­mo­rá­veis ex­po­si­ções que te­ve lu­gar no Sa­lão de In­ter­na­ci­o­nal de Ex­po­si­ções de Ar­te “SIEXPO” (do qual fui res­pon­sá­vel en­tre 2002 e 2005) no Mu­seu Na­ci­o­nal de His­tó­ria Na­tu­ral, aqui em Lu­an­da.

De res­to, de­vo con­fes­sar que co­nhe­ci o mes­tre Au­gus­to Ferreira em 1980, al­tu­ra em que me tor­nei mem­bro efec­ti­vo da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas Plás­ti­cos ( UNAP) on­de, se­te anos de­pois, eu vi­ria a re­ce­ber o ga­lar­dão do Pré­mio Na­ci­o­nal de Gra­vu­ra UNAP/87, re­fe­ren­te a um con­cur­so que a As­so­ci­a­ção ar­tís­ti­ca ha­via lan­ça­do ao ní­vel do país, e em cu­jo cor­po de ju­ra­do en­tão cons­ti­tuí­do, igu­ra­va, en­tre ou­tros, o pin­tor Au­gus­to Ferreira. De­pois de anun­ci­a­do o ven­ce­dor, lem­bro-me, o mes­tre Au­gus­to Ferreira fe­li­ci­tou-me com um for­te abra­ço, e me ha­via da­do for­ças e in­cen­ti­vo na pros­se­cu­ção da ar­te da gra­vu­ra ar­tís­ti­ca, al­go que efec­ti­va­men­te as­su­mi até aos di­as de ho­je. To­das es­sas re­cor­da­ções, jus­ti icam, em cer­ta me­di­da, o tes­te­mu­nho vi­vo que ti­ve­mos des­se con­sa­gra­do pin­tor que, pa­ra além das ar­tes plás­ti­cas, tam­bém fa­zia in­cur­sões na área das ar­tes grá icas, ten­do si­do res­pon­sá­vel pe­la exe­cu­ção téc­ni­ca e grá ica de uma boa par­te de se­los edi­ta­dos pe­los Cor­rei­os de An­go­la, bem co­mo cri­ou um sem nú­me­ro de lo­go­mar­cas pa­ra dis­tin­tas ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais.

De igual mo­do, são tam­bém inú­me­ras as ex­po­si­ções in­di­vi­du­ais de ar­tes plás­ti­cas por si re­a­li­za­das, e in­con­tá­veis ain­da as ex­po­si­ções co­lec­ti­vas em que par­ti­ci­pou den­tro e fo­ra do país. Es­tá re­pre­sen­ta­do em di­ver­sos mu­seus e ga­le­ri­as de ar­te a ní­vel na­ci­o­nal e do mun­do, e tam­bém em ins­ti­tui­ções e co­lec­ções par­ti­cu­la­res de gran­des co­lec­ci­o­na­do­res de obras de ar­te. Por tu­do quan­to fez por es­te país em ter­mos ar­tís­ti­cos, em 2003, a so­ci­e­da­de, re­pre­sen­ta­da pe­lo Es­ta­do, ren­deu-se à sua lon­ga ca­mi­nha­da ar­tís­ti­ca que já le­va­va, na al­tu­ra, 40 anos de per­cur­so, ao atri­buir-lhe o pres­ti­gi­a­do Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes (PNCA) que me­ri­to­ri­a­men­te lhe cou­be, e que o País atri­bui aos mai­o­res e me­lho­res fa­ze­do­res de ar­te ao ní­vel na­ci­o­nal. Foi, ob­vi­a­men­te, mo­ti­vo de mui­to or­gu­lho e sa­tis­fa­ção que se vi­veu na al­tu­ra, pois o mes­tre Au­gus­to Ferreira já há mui­to bem o me­re­cia. Dis­cor­da­mos ple­na­men­te que o re­co­nhe­ci­men­to de cer­tos ar­tis­tas mui­ta das ve­zes se­ja fei­to ape­nas a tí­tu­lo pós­tu­mo, exis­tin­do pos­si­bi­li­da­des de se re­co­nhe­cer os cri­a­do­res ar­tís­ti­cos em vi­da. Fe­liz­men­te, não foi es­te o ca­so do mes­tre Au­gus­to Ferreira, não obs­tan­te nos úl­ti­mos tem­pos ter op­ta­do por le­var uma vi­da me­nos pu­bli­ca­men­te ex­pos­ta, en­tre­gan­do-se à Pa­la­vra do Se­nhor, mas, nem por is­so te­rá aban­do­na­do os pin­céis na pra­te­lei­ra. An­tes pe­lo con- trá­rio, mes­mo já isi­ca­men­te de­bi­li­ta­do, ti­nha te­las pre­pa­ra­das pa­ra a re­a­li­za­ção de uma gran­de ex­po­si­ção in­di­vi­du­al com ex­pres­sões te­má­ti­cas dis­tin­tas das que an­tes nos ha­bi­tu­ou a ver (ten­dên­cia pa­ra a pin­tu­ra sa­cra), mas sem­pre iel à pa­le­ta que sem­pre uti­li­zou com pre­do­mi­nân­cia cro­má­ti­ca di­rec­ci­o­na­da so­bre­tu­do pa­ra os ver­des, pois ele ama­va a ve­ge­ta­ção, o meio am­bi­en­te, en im, a Na­tu­re­za.

O mes­tre Au­gus­to Ferreira dei­xou­nos. Par­tiu pa­ra a Eter­ni­da­de, mas dei­xa um va­li­o­so le­ga­do ar­tís­ti­co que de­ve, ne­ces­sa­ri­a­men­te ser cui­da­do, pre­ser­va­do e qui­çá, di­vul­ga­do. Na ho­ra da par­ti­da pa­ra o Cam­po San­to, que te­ve lu­gar no dia 7 do mês cor­ren­te no Ce­mi­té­rio do Ca­ma­ma em Lu­an­da, hou­ve um ba­nho de mul­ti­dão pa­ra lhe pres­tar a úl­ti­ma e der­ra­dei­ra ho­me­na­gem. No­ta ne­ga­ti­va foi a au­sên­cia no­tó­ria, no fu­ne­ral, de um re­pre­sen­tan­te o ici­al da Di­rec­ção do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, so­bre­tu­do pe­lo fac­to do ma­lo­gra­do ter si­do dis­tin­gui­do com o Pré­mio Na­ci­o­nal da Cul­tu­ra e Ar­tes (PNCA) pe­lo gran­de con­tri­bu­to que de­di­cou ao de­sen­vol­vi­men­to cul­tu­ral e ar­tís­ti­co do nos­so país! No en­tan­to, a fa­mí­lia au­gu­ra que pos­sa ha­ver, no fu­tu­ro, apoio ins­ti­tu­ci­o­nal no sen­ti­do de se po­der pre­ser­var a acer­vo ar­tís­ti­co dei­xa­do pe­lo ma­lo­gra­do.

A. FLORES, MARCELA GARCÍA E ANAMELY RAMOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.