AMÉ­LIA DALOMBA E A GE­RA­ÇÃO DA DISTOPIA DO HO­MEM NO­VO

Jornal Cultura - - LETRAS - FRAN­CIS­CO SO­A­RES

Amé­lia Dalomba tor­nou-se uma re­fe­rên­cia da po­e­sia an­go­la­na que se co­me­çou a edi­tar nos anos 90 do sé­cu­lo pas­sa­do. Per­ten­ce a uma ge­ra­ção que se ini­ci­ou ao mun­do nos pri­mór­di­os da in­de­pen­dên­cia, da re­vo­lu­ção do par­ti­do úni­co e, por­tan­to, uma ge­ra­ção da distopia do ho­mem no­vo. De fac­to, pa­ra es­tas bi­o­gra ias, a re­a­li­da­de não so­freu ne­nhum des­vio que, uma vez cor­ri­gi­do, nos de­vol­ve­ria o es­plen­dor da fe­li­ci­da­de so­ci­al. Não. A re­vo­lu­ção era o pró­prio des­vio. O co­nhe­ci­men­to des­sa re­a­li­da­de co­me­çou, pre­ci­sa­men­te, com o des­vir­gi­nar das ilu­sões ide­o­ló­gi­cas, com a des­mon­ta­gem da re­tó­ri­ca sal­ví ica do Par­ti­do-Es­ta­do pe­la re­a­li­da­de quo­ti­di­a­na. A lei­tu­ra que há pa­ra se­guir adi­an­te é a des­sa des­mon­ta­gem, es­se é o mun­do que te­mos pa­ra pal­mi­lhar em bus­ca se­ja do quê.

Ca­da mem­bro des­se gru­po he­te­ro­do­xo e mul­ti­po­lar não se icou por aí. Cres­cen­do com o fa­lhan­ço da re­vo­lu­ção e das me­lho­res ex­pec­ta­ti­vas que a ali­men­ta­ram, ca­da um foi se vi­ran­do pa­ra uns e ou­tros la­dos, re­a­brin­do pi­ca­das e ca­mi­nhos, tri­lhan­do-os ain­da mes­mo que a sau­da­de, ou a sim­ples me­mó­ria mor­des­sem com seu ve­ne­no “a ân­sia / de to­car um po­e­ma no­vo” (p. 193).

A per­so­na­li­za­ção da po­e­sia lí­ri­ca de ca­da um des­ses jo­vens apro­fun­dou mais uma ten­dên­cia que vi­nha dos anos 80 e li­ber­tou-os gra­du­al­men­te dos co­man­dos, das ori­en­ta­ções, dos con­tro­les. A re­vol­ta, quan­do sur­gia, vi­nha em fe­ri­da vi­va e sem pro­pó­si­to par­ti­dá­rio di­ri­gin­do-a, tra­zia o ca­rim­bo das ma­ni­fes­ta­ções es­pon­tâ­ne­as da car­ne pra ca­nhão. A de­ter­mi­na­ção pré­via de uma es­co­lha es­té­ti­ca foi subs­ti­tuí­da, de­ci­si­va­men­te, pe­la cons­tan­te pes­qui­sa e de­pu­ra­ção de cri­té­ri­os, te­mas e mo­ti­vos de com­po­si­ção – e, en­tre eles, sur­gia o da re­vol­ta, não uma re­vol­ta di­ri­gi­da a qu­al­quer pon­to abs­trac­to na li­nha do tem­po, mas sim­ples re­vol­ta pe­lo es­ta­do de coi­sas, pe­los be­cos sem saí­da on­de ca­da um es­ta­va me­ti­do. Não ha­via uto­pi­as nem es­pe­ran­ças. Ca­da um vi­ra­va-se co­mo po­dia.

Pa­ra os que to­ma­ram cons­ci­ên­cia pró­pria de uma ab­so­lu­ta li­ber­da­de in­te­ri­or, pes­so­al, úni­ca, os si­nais e os ca­mi­nhos que os li­ga­vam abri­am-se nu­ma to­tal im­pre­vi­si­bi­li­da­de. O que não sig­ni ica ali­e­na­ção, nem au­sên­cia de con­ti­nui­da­des, ape­nas que não da­va mais pa­ra de­ter­mi­nar nem pre­ver o que vi­rá e es­sa é, de fac­to, uma con­di­ção da li­ber­da­de e da cri­a­ti­vi­da­de.

Pos­to is­to, va­mos en­con­trar nos po­e­mas de Amé­lia Dalomba uma au­ten­ti­ci­da­de es­ta­be­le­ci­da pe­la vi­vên­cia quo­ti­di­a­na da in­ter­sec­ção en­tre o co­lec­ti­vo e o in­di­vi­du­al, in­ter­li­ga­dos pe­los nós hu­ma­nos e uni­ver­sais que as­se­gu­ram, si­mul­ta­ne­a­men­te, a co­mu­ni­ca­ção poé­ti­ca e a so­li­da­ri­e­da­de es­pon­tâ­nea. Au­ten­ti­ci­da­de que se tor­na poé­ti­ca pe­la cons­tan­te e pal­pá­vel ten­ta­ti­va de fun­dir num to­do os rit­mos, a pro­só­dia, os con­teú­dos, a ex­cla­ma­ção, a in­vec­ti­va, a so­no­ri­da­de, a su­ges­tão de afec­tos ou sen­ti­men­tos e a de­nún­cia (quan­tas ve­zes iró­ni­ca) de uma si­tu­a­ção so­ci­al no mí­ni­mo de­gra­dan­te.

Um dos pon­tos mais for­tes nes­sa li­ga­ção pren­de-se com as fon­tes si­len­ci­o­sas do sen­ti­men­to re­li­gi­o­so, da re-li­ga­ção pe­lo es­pí­ri­to e, por­tan­to, pe­la res­pi­ra­ção e, por­tan­to, pe­lo rit­mo dos ver­sos, a ina­do atra­vés de uma ar­ti­cu­la­ção con­cer­tan­te com a ca­pa­ci­da­de de su­ge­rir um am­bi­en­te ao mes­mo tem­po ín­ti­mo, so­ci­al e cós­mi­co. Ou­tro dos pon­tos for­tes é o da in­cor­po­ra­ção da vi­da en­vol­ven­te, so­bre­tu­do com o pon­to de vis­ta das pes­so­as po­bres, li­mi­ta­das na sua hu­ma­ni­da- de to­da a es­pé­cie de ca­rên­ci­as e des­qua­li ica­ções. As li­mi­ta­ções e des­qua­li ica­ções par­ti­lha­das, a po­e­sia su­pe­ra-as de­pois com a sua vi­são ho­lís­ti­ca, de con­jun­to nes­te ca­so re­lam­pe­jan­te, de­vol­ven­do ao po­vo uma voz re­vi­go­ra­da ain­da quan­do ma­go­a­da, que su­pe­ra o seu li­mi­te e o acom­pa­nha na ma­ni­fes­ta­ção do seu quê.

Es­sa é a voz que va­mos ou­vir len­do a ex­ce­len­te an­to­lo­gia pos­ta ago­ra a cir­cu­lar. Es­tá de pa­ra­béns, além da Amé­lia Dalomba, a edi­to­ra e o Ins­ti­tu­to Ca­mões, que al­ber­gou mais um lan­ça­men­to sig­ni ica­ti­vo no per­cur­so da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na ac­tu­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.