CAR­LOS FERREIRAAPRESENTA “MEAIDADE”

Jornal Cultura - - LETRAS -

No pas­sa­do dia 28 de Fe­ve­rei­ro, o po­e­ta Car­los Ferreira apre­sen­tou em Lu­an­da, no es­pa­ço Ver­de Ca­xin­de, a mais re­cen­te obra MEAIDADE.

Tal co­mo re­fe­riu a apre­sen­ta­do­ra da obra, a pro­fes­so­ra Ce­sal­ti­na Abreu, “Mei­da­de re­me­te a du­as idei­as: mi­nha ida­de e meia-ida­de, a ida­de do au­tor na fa­se por ele con­si­de­ra­da de in­ter­mé­dia do ca­mi­nho da vi­da, im­pon­do-lhe aque­le ba­lan­ço ine­vi­tá­vel do qu­an­to já foi e do que ain­da há-de ser! Co­nhe­cen­do a igu­ra, não foi di ícil an­te­ci­par que MEAIDADE mes­cla a ver­ve do Ci­da­dão e a me­lan­có­li­ca an­gús­tia do In­di­ví­duo, de­sa­guan­do nu­ma poé­ti­ca si­mul­tâ­nea ou al­ter­na­da­men­te po­lí­ti­ca, crí­ti­ca e engajada, pa­ra ou­tra mais man­sa, aca­len­ta­do­ra, ain­da que in­qui­e­ta, ex­pec­tan­te, amo­ro­sa. Mas am­bas in­ci­si­vas, di­la­ce­ran­do as fo­lhas de pa­pel com a pa­la­vras a ia­das ma­te­ri­a­li­zan­do/dan­do cor­po a/os sen­ti­men­tos.

Mais a mais por­que no per­cur­so da MEI­DA­DE do Au­tor, a in­qui­e­ta fai­xa dos 15 anos coin­ci­diu com o iní­cio de con­ta­gem de uma ou­tra cro­no­lo­gia, a do seu/nos­so ter­ri­tó­rio de ex­pres­são, do seu/nos­so chão: An­go­la. Con­ta­gem es­sa que co­me­ça ei­va­da de pro­mes­sas e pre­nhe de pos­si­bi­li­da­des: cons­truir o Ho­mem No­vo, de­vol­ver aos an­go­la­nos a sua dig­ni­da­de e a sua ter­ra, e co­lo­car ao ser­vi­ço do bem-es­tar de to­dos os fru­tos dos seus imen­sos re­cur­sos. Não é di ícil an­te­ci­par as ex­pec­ta­ti­vas, os so­nhos, as vi­sões aca­len­ta­dos, en­tão, por um jo­vem re­cém-saí­do (ou sain­do) da ado­les­cên­cia, cri­a­do num am­bi­en­te es­cla­re­ci­do e en­ga­ja­do, co­mo ex­pres­so, en­tre ou­tros, em pas­sa­gens dos po­e­mas da pá­gi­na 61:

(…) As mi­nhas (do­bra­di­ças, do­res, má­go­as, sus­tos, dis­pa­ra­tes, cren­ças ab­sur­das) ica­rão por aqui até me cha­ma­rem. De no­vo. Com to­da a cru­e­za do pas­sa­do. Com to­da a sau­da­de do fu­tu­ro. Com to­do o ca­ri­nho der­ra­ma­do em anos de ino­cên­cia de meia lou­cu­ra mas aci­ma de tu­do de in­ge­nui­da­de. Ca­da vez mais me pa­re­ço com as ve­lhas do­bra­di­ças. Só que as mi­nhas não têm re­tor­no. Fe­cho-me. En­co­lho-me. Na­da é grá­tis a não ser o olhar de re­lan­ce ao es­pe­lho. E mes­mo es­se me apon­ta o de­do. Per­gun­ta-me pe­las nos­sas cons­ci­ên­ci­as. Pe­la nos­sa ce- guei­ra. Pe­lo nos­so si­lên­cio.

Pa­ra Ce­sal­ti­na Abreu “a po­e­sia po­lí­ti­ca-in­ter­ven­ti­va de Cas­sé re­sis­te à ten­ta­ção de sim­pli ica­ção, evi­tan­do os es­te­re­o­ti­pos po­lí­ti­cos e de re­pre­sen­ta­ções so­ci­ais e, mais uma vez, de­mons­tra que a po­e­sia é um gé­ne­ro li­te­rá­rio tão ca­paz – ou mais, até, que os de­mais -, de ex­pres­sar opi­niões po­lí­ti­cas, so­ci­ais, cul­tu­rais, ci­da­dãs! Do seu jei­to, usa-a pa­ra ex­por o po­der li­ber­ta­dor da pa­la­vra em de­nún­cia, e opo­si­ção, ao si­lên­cio ilho do Me­do su­fo­can­te e om­ni­pre­sen­te.”

Dis­se ain­da a apre­sen­ta­do­ra que “o ei­xo or­ga­ni­za­dor des­ta po­e­sia pa­re­ce- me re­si­dir no seu con­teú­do crí­ti­co, abor­da­do / ex­pos­to de for­mas di­fe­ren­tes. Vai pe­la ex­po­si­ção do­lo­ri­da das si­tu­a­ções vi­vi­das num quo­ti­di­a­no em ge­ral so­fri­do, ten­ta­ti­va­men­te ti­pi­fi­ca­do, com con­tor­nos de de­nún­cia e in­dig­na­ção, acu­sa­ção ex­plí­ci­ta dos des­ca­sos e das in­di­fe­ren­ças em re­la­ção à sua mai­or ri­que­za – as su­as gen­tes – e à ges­tão da coi­sa pú­bli­ca.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.