MU­LHE­RES QUE MAR­CA­RAM AS HARMONIAS AN­GO­LA­NAS

Jornal Cultura - - LETRAS -

ar­ço re­me­te-nos ao te­ma “Ser Mu­lher” de Lour­des Van-Du­ném uma das prin­ci­pais re­fe­rên­ci­as da mu­si­ca an­go­la­na. A música pe­las nos­sas ban­da tem um pen­dor mas­cu­li­no, mas em to­das eta­pas as mu­lhe­res de­ram o seu con­tri­bu­to. A his­tó­ria con ir­ma que as mu­lhe­res não fo­ram ape­nas as mu­sas ins­pi­ra­do­ras.

Em 1931 nas­ce Ide­gar­da Oli­vei­ra, co­nhe­ci­da no meio ar­tís­ti­co co­mo Gar­da gra­vou em Por­tu­gal o pri­mei­ro dis­co vi­nil de um can­tor a re­si­dir em An­go­la. Es­tá­va­mos em 1958, dis­co edi­ta­do pe­la Va­len­tim de Car­va­lho com qua­tro te­mas, com des­ta­que pa­ra “Ma­ria Can­dim­ba”. Gar­da vi­ve em Por­tu­gal, pais on­de con­ti­nua a cantar e pro­du­ziu um dis­co em 2011.

Con­cei­ção Le­got é ou­tra per­so­na­gem a co­nhe­cer, tal co­mo Gar­da é pou­co co­nhe­ci­da pe­las no­vas ge­ra­ções. Can­to­ra, his­to­ri­a­do­ra e na­ci­o­na­lis­ta foi pre­sa aos 21 anos ao es­cre­ver os es­ta­tu­tos da mu­lher an­go­la­na. De uma fa­mí­lia da eli­te afri­ca­na que vi­via na Bai­xa de Lu­an­da. Ccom Be­li­ta Pal­ma nos tam­bo­res e Lour­des Van-Du­ném na di­kan­za, for­mou o Trio Fe­mi­ni­no, to­can­do vi­o­lão.

Be­li­ta Pal­ma e Lour­des Van-Du­ném são du­as das prin­ci­pais re­fe­rên­ci­as da música na­ci­o­nal. Fi­ze­ram par­te do Con­jun­to Ngo­la Rit­mo for­ma­ção ar­tís­ti­ca ti­da co­mo fun­da­men­tal nos ali­cer­ces da música po­pu­lar e ur­ba­na an­go­la­na e no uso da ar­te co­mo meio de en­fren­tar o po­der co­lo­ni­al.

Isa­bel Sa­lo­mé Be­ne­di­to de Pal­ma nas­ceu em Lu­an­da aos 15 de Ou­tu­bro de 1932 e cres­ceu num am­bi­en­te mu­si­cal, o seu pai, Do­min­gos Be­ne­di­to Pal­ma era mú­si­co e em ca­sa da avó acon­te­ci­am ter­tú­li­as mu­si­cais, jun­tan­do na­ci­o­na­lis­tas e ar­tis­tas. Be­li­ta Pal­ma te­ve co­mo su­por­te, a ir­mã Ro­si­ta Pal­ma com­po­si­to­ra de par­te dos seus su­ces­sos. Na voz de Be­li­ta Pal­ma can­ções co­mo “Ma­na­zi­nha” “Apo­lo 12”, “Su­sa­na”, "Nos­sa Se­nho­ra do Mon­te", den­tre ou­tras as­sim co­mo a be­la adap­ta­ção do po­e­ma “Ca­mi­nho do Ma­to” de Agos­ti­nho Ne­to são im­por­tan­tes re­gis­tos da música na­ci­o­nal. “Ngu­xi”, "4 de Fe­ve­rei­ro", "Ma­ri­en Ngou­a­bi", "11 de No­vem­bro" e "Fi­del Cas­tro" con­si­de­ra­dos mar­cos da can­ção re­vo­lu­ci­o­ná­ria que o pais vi­veu nos pri­mei­ros anos da in­de­pen­dên­cia. Be­li­ta Pal­ma foi lo­cu­to­ra da Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la mor­reu em 1988.

Lour­des Pe­rei­ra dos Santos VanDu­ném nas­ceu aos 29 de Abril de 1935 e mor­reu a 4 de Ja­nei­ro de 2006. A música en­tra mui­to ce­do na sua vi­da, pri­mei­ro em ca­sa e de­pois na es­co­la, a jo­vem Lour­des Van-Dú­nem com a au­to­ri­za­ção dos pais co­me­ça a en­sai­ar com Ngo­la Rit­mos e des­ta for­ma con­quis­ta o seu es­pa­ço. Com es­ta for­ma- ção ac­tu­ou na dé­ca­da de 60 em Por­tu­gal, on­de par­ti­ci­pa­ram em fes­ti­vais e pro­gra­mas te­le­vi­si­vos. Ao lon­go da sua car­rei­ra par­ti­ci­pou em vá­ri­as ca­ra­va­nas ar­tís­ti­cas quer a ní­vel na­ci­o­nal co­mo in­ter­na­ci­o­nal. O sin­gle de 1973 on­de cons­ta “Ngon­go ua Bi­lu­ka” acom­pa­nha­do pe­los Jo­vens do Pren­da é um mar­co da sua car­reia.

De acor­do com Jo­mo For­tu­na­do re­ce­beu as se­guin­tes dis­tin­ções: aos 29 de Mar­ço de 1991 o di­plo­ma de "Voz Fe­mi­ni­na mais an­ti­ga da Re­pú­bli­ca de An­go­la" pe­lo Ho­tel Tu­ris­mo; par­ti­ci­pou na “Ex­po 92” em Se­vi­lha, ten­do re­ce­bi­do aos 31 de Ju­nho de 1993 o di­plo­ma de hon­ra de “Ho­me­na­gem aos Pi­la­res da Música An­go­la­na” no âm­bi­to das co­me­mo­ra­ções do 420º ani­ver­sá­rio re­ce­beu do Go­ver­no de Lu­an­da, no dia 24 de Ja­nei­ro de 1996, um di­plo­ma pe­los ser­vi­ços pres­ta­dos à cul­tu­ra da ci­da­de. Um ano de­pois foi agra­ci­a­da pe­lo res­tau­ran­te XL com o di­plo­ma “A Mais Po­de­ro­sa da Música An­go­la­na. Par­ti­ci­pou no pro­jec­to “So Why” da Cruz Ver­me­lha In­ter­na e tra­ba­lhou com ar­tis­tas co­mo Yous­sour Ndour, Pa­pa Wem­ba, Lag­ba­ja e ou­tras no­mes da música afri­ca­na. Com Eli­as Dya Ki­mu­e­zo em “Res­su­rei­ção”pro­por­ci­o­nou um dos du­e­tos mais apre­ci­a­dos da música an­go­la­na. No dis­co “Ser Mu­lher” po­de­mos en­con­trar te­mas co­mo: “Uxi­di”, “mwa­be­le­le”, “mo­na­mi”, “mun­gon­go” e ou­tras mar­cam a sua tra­jec­tó­ria ar­tís­ti­ca. “Fa­ci­li­té” um clás­si­co da rum­ba con­go­le­sa icou mais be­la na voz da Ti­ti Lour­des Van-Du­nem. Tam­bém foi lo­cu­to­ra de rá­dio, te­ve uma gran­de pai­xão pe­las lo­res.

Des­ta ge­ra­ção ou­tras vo­zes emer­gi­ram, Lilly Tchium­ba, ir­mã de Eleu­té­rio San­ches fez his­tó­ria com o dis­co “Songs of my pe­o­ple” de 1975. “Mo­na Ki Ngui Xis­sa”, “Ma­na­ziha, “Pa­xi Ni­gon­go”, “Mo­na­mi” e “Ku­ba­ta Dia Ro­si­nha” fo­ram apre­sen­ta­das pa­ra um público não an­go­la­no.

Mi­lá Me­lo nas­ceu Ma­ria Emí­lia Car­me­li­no de Me­lo na pro­vín­cia do Hu­am- bo em 1943 te­ve gran­des su­ces­sos, co­mo "Va­mos à Anha­ra" e "Tcha­ku­pa­ri­ca", uma can­to­ra mui­to in lu­en­te e po­pu­lar. Uma can­to­ra bas­tan­te eclé­ti­ca, vi­ve em Fran­ça.

Sa­ra Cha­ves nas­ceu a 5 de Maio de 1932 em San­to An­tó­nio do Zai­re (Soyo). Em 1947 no “De Tan­ga” gru­po que apre­sen­ta­va pi­a­das e que viu te­mas do seu re­por­tó­rio se­rem cen­su­ra­dos. Em 1959 par­ti­ci­pa no 1º Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal da Can­ção re­a­li­za­do no te­a­tro Mo­nu­men­tal em Lis­boa, dois anos de­pois pas­sa a in­ter­pre­tar te­mas de Eleu­té­rio San­ches, To­ni­to, Jo­sé Cor­dei­ro dos Santos e mor­nas de B. Le­za e é o prin­ci­pio de uma vi­ra­gem mu­si­cal, jun­tan­do-se de­pois aos gru­po

O re­co­nhe­ci­men­to efec­ti­vo do seu ta­len­to che­ga em 1966, ano em que ga­nha o pré­mio de in­ter­pre­ta­ção no Fes­ti­val da Can­ção de Lu­an­da, com a fa­mo­sa “Ma­ria Pro­vo­ca­ção”, de Ana Ma­ria de Mas­ca­re­nhas e Ade­li­no Ta­va­res da Sil­va. As re­cor­da­ções são ain­da in­ten­sas: “Nes­sa noi­te de Se­tem­bro de 1966, no ci­ne­ma Aviz, ou­viu-se música ti­pi­ca­men­te an­go­la­na. O su­ces­so foi es­tron­do­so duo Ou­ro Ne­gro gra­vou-a em Por­tu­gal e Mar­ti­nho da Vi­la no Bra­sil.” Pa­ra além de “Ma­ria Pro­vo­ca- ção”, a du­pla Ana Ma­ria de Mas­ca­re­nhas e Ade­li­no Ta­va­res da Sil­va acres­cen­ta­ram ao re­per­tó­rio de Sa­ra Cha­ves can­ções co­mo “Se­nho­ra da Mu­xi­ma”, “Ben­gue­la Rua No­va”, “Rit­mo de Co­ra­ção” e “San­ga­zu­za”.

Ana Ma­ria de Mas­ca­re­nhas o seu gran­de con­tri­bu­to é na com­po­si­ção e le­tras su­as in­ter­pre­ta­das por vá­ri­os ar­tis­tas co­mo Car­los Bu­rity, Di­o­ní­sio Ro­cha, Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as, den­tre ou­tros. Foi ho­me­na­ge­a­da no Fes­ti­val da Can­ção de Lu­an­da da Lac em 2007. Con­chi­nha de Mas­ca­re­nhas a ir­mã no­ta­bi­li­zou-se com in­ter­pre­ta­ções co­mo “Mo­na­mi Ze­ca”, “Se­re­na­ta a Lu­an­da”, “Ma­ri­a­na Di­am­bim­be” e “Mu­la­ta é Noi­te” te­mas en­con­tra­dos no sin­gle “Me­lo­di­as de An­go­la” de 1967.

Al­ba Cling­ton can­to­ra, bai­la­ri­na e ac­triz de te­a­tro era igu­ra de car­taz nos es­pec­tá­cu­los de um pas­sa­do de ale­gres me­mó­ri­as. O seu no­me po­de di­zer pou­co ou qua­se na­da à no­va ge­ra­ção. Mas, pa­ra aque­la an­te­ri­or a in­de­pen­dên­cia, ela é con­si­de­ra­da co­mo uma das pri­mei­ras es­tre­las do mo­sai­co ar­tís­ti­co an­go­la­no.

Após vin­te e cin­co anos de um qua­se exí­lio em Fran­ça, re­gres­sou à ter­ra que, à sua ma­nei­ra, aju­dou a er­guer. O fe­cho com es­ta se­nho­ra é pro­po­si­ta­do por­que na épo­ca era con­si­de­ra­da uma di­va, era fre­quen­te em anún­ci­os, re­fe­rên­ci­as nas pá­gi­nas cul­tu­rais dos jor­nais e re­vis­tas dos tem­pos de an­ta­nho.

Gar­da, Con­cei­ção Le­got, Be­li­ta Pal­ma, Lour­des Van-Du­nem, Lilly Tchium­ba, Sa­ra Ta­va­res, Ana Ma­ria de Mas­ca­re­nhas, Con­chi­ta de Mas­ca­re­nhas e Al­ba Cling­ton o co­nhe­ci­men­to do seu per­cur­so de vi­da é im­por­tan­te pa­ra per­ce­ber a im­por­tân­cia da mu­lher na nos­sa música.

Im­por­tar ci­tar Di­na Santos, Fa­tó, Tchi­ni­na, Cla­ra Mon­tei­ro, Zi­zi Mi­ran­de­la, Mi­li­ta, Mu­ra, Li­na Ale­xan­dre e ou­tras que re­for­ça­ram o pa­pel da mu­lher no ce­ná­rio mu­si­cal e que fo­ram cru­ci­ais pa­ra o em­po­de­ra­men­to das can­to­ras da no­va ge­ra­ção no ac­tu­al ce­ná­rio mu­si­cal.

Lur­des Van-Dú­nem é uma das re­fe­rên­ci­as fe­mi­ni­nas da música na­ci­o­nal

Can­to­ra Be­li­ta Pal­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.