“UM DIA POR DIA” DE ISA­BEL BAP­TIS­TA UMA HO­ME­NA­GEM ÀS MU­LHE­RES

Jornal Cultura - - ARTES -

tran­qui­los de es­me­ral­da e azuis pro­fun­dos e in­fi­ni­tos).

Nes­te seu mais re­cen­te tra­ba­lho, Isa­bel Bap­tis­ta não re­sis­tiu ao ape­lo da po­e­sia e en­vol­ve pa­la­vras poé­ti­cas em ca­da uma das obras, um exer­cí­cio que, além de não ser no­vo pa­ra ela, re­ve­la e rea ir­ma a sua pro­fun­da di­men­são poé­ti­ca. Isa­bel Bap­tis­ta abu­sa ain­da da cor co­mo se fos­se uma música, um il­me fruí­do, um li­vro en­can­ta­do, um hi­no de vi­da, co­mo a ma­nia de sim, por­que sim. Uma obra que mar­ca o ha­bi­tu­al re­gres­so ou ape­lo à be­le­za ca­paz de nos acres­cen­tar o seu me­lhor.

Con­si­de­ra­da a mais ve­lha ar­tis­ta plás­ti­ca do país, Isa­bel Bap­tis­ta te­ve sem­pre uma re­la­ção es­trei­ta com as co­res e a ar­te. Nas­ceu em Lu­an­da, on­de fez os seus es­tu­dos em pin­tu­ra na an­ti­ga Es­co­la In­dus­tri­al, no iní­cio dos anos 70; mas a sua pri­mei­ra ex­po­si­ção in­di­vi­du­al só te­ria lu­gar em 1990, no Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral de Lu­an­da.

Ho­je, a bei­rar os 60 anos de ida­de, a ar­tis­ta ain­da se lem­bra do seu pri­mei­ro di­nhei­ro ga­nho na ju­ven­tu­de: "O pri­mei­ro di­nhei­ro que ga­nhei foi com as mi­nhas mão e a pin­tar". Isa­bel nas­ceu nu­ma fa­mí­lia de gen­te cri­a­ti­va, que se des­do­bra­vam nas ar­tes, na música, na dan­ça, en­tre ou­tras. Mas é mes­mo com as mão que ex­te­ri­o­ri­za e con­cre­ti­za a sua vi­são cro­má­ti­ca do be­lo.

En­tre­tan­to, foi em 2015 que a ar­tis­ta re­gres­sou ao con­tac­to com o pú­bli- co após mais de uma dé­ca­da de au­sên­cia, des­de o en­cer­ra­men­to da ga­le­ria Ce­na­rius, na Ci­da­de Al­ta, que foi pi­o­nei­ra das ga­le­ri­as de ar­te no pós-in­de­pen­dên­cia em An­go­la. A ca­sa, que al­ber­ga­va a ga­le­ria, da­ta­va de 1840 e per­ten­cia à sua avó, sen­do que os ilhos da ar­tis­ta fa­zi­am par­te da quin­ta ge­ra­ção nas­ci­da na re­si­dên­cia.

No es­pa­ço, Isa­bel Bap­tis­ta ca­ta­li­sou to­da a sua ener­gia e cri­a­ti­vi­da­de co­mo ar­tis­ta e co­mo ges­to­ra, ao lon­go de lar­gos anos, trans­for­man­do-o nu­ma re­fe­rên­cia e num pon­to de en­con­tro obri­ga­tó­rio de ar­tis­tas e es­cri­to­res, aco­lhen­do cen­te­nas de ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais, nas mais di­ver­sas ex­pres­sões ar­tís­ti­cas. “O lu­gar era o re­su­mo da ci­da­de. Era a sa­la de es­tar”, lem­bra. Ho­je la­men­ta a au­sên­cia qua­se to­tal de ga­le­ri­as na ci­da­de.

Isa­bel Bap­tis­ta faz das su­as vi­a­gens o seu lu­gar de elei­ção, tão na­tu­ral pa­ra ar­tis­ta é par­tir à des­co­ber­ta pe­lo mun­do, ou sim­ples­men­te de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, que não há es­pa­ço pa­ra nos­tal­gia ou sen­sa­ção de exí­lio. Du­ran­te lon­gos anos, por en­tre di­gres­sões fo­to­grá icas e in­cur­sões na fo­to­ge­nia dos se­res e es­pa­ços en­vol­ven­tes cru­zou-se com mu­lhe­res e com elas tro­cou olha­res, sor­ri­sos e até pe­ças de jo­a­lha­ria, coi­sas que, pa­ra mui­tos, não pas­sa­vam de “tra­lha”, pe­da­ços que­bra­dos de be­le­za. Ho­je, es­se uni­ver­so de des­co­ber­ta e apren­di­za­gem ain­da per­se­gue a ar­tis­ta, que dis­so se ser­ve pa­ra fa­zer uma pon­tu­al ho­me­na­gem às mu­lhe­res de to­dos os tem­pos e de to­dos os lu­ga­res, ain­da que se­ja “um dia por dia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.