“LUNDONGO, BLUES E ROCK” E JAZZ FUSION TOR­NAM MAIS CO­OL O TRI DO JAZZING

Jornal Cultura - - DIÁLOGO INTERCULTURAL - ANALTINO SANTOS

Pas­sa­dos dois anos o Jazzing vol­ta ani­mar Lu­an­da, com um ce­ná­rio di­fe­ren­te, a Baia de Lu­an­da foi tro­ca­da pe­lo Ci­ne Atlân­ti­co, que de 2008 á 2012 aco­lheu o ex­tin­to Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Jazz de Lu­an­da. Na noi­te de 24 de Fe­ve­rei­ro, Lu­an­da jun­tou es­tre­las mun­di­ais e ar­tis­tas an­go­la­nos com po­ten­ci­al pa­ra al­can­ça­rem o mun­do.

Na ter­cei­ra edi­ção a show­bizz, pro­du­to­ra do Jazzing apos­tou na fu­são que po­de­mos en­con­trar en­tre a an­ces­tra­li­da­de e con­tem­po­ra­nei­da­de de Nda­laYoWiñi, na ir­re­ve­rên­cia e ou­sa­dia dos sons al­ter­na­ti­vos de Iri­na Vas­con­ce­los, na bus­ca da pa­ter­ni­da­de do Jazz no Blues de Nuno Min­de­lis e nos no­vos ca­mi­nhos do Jazz que po­de­mos en­con­trar em Jimmy Dlu­dlu.

A pri­mei­ra edi­ção te­ve as ac­tu­a­ções da nor­te Ame­ri­ca­na Di­an­neRe­e­ves, da ni­ge­ri­a­na Nne­ka e To­tóSt. Já na se­gun­da edi­ção, Sel­da, par­ti­ci­pou ao la­do do con­go­lês de­mo­crá­ti­coLo­ku­aKan­za e do moçambicano Stewart Su­ku­ma.

Nda­kaYoWiñi, Nuno Min­de­lis,Iri­na Vas­con­ce­los e Jimmy Dlu­dlu fo­ram os pro­ta­go­nis­tas dos qua­tro mo­men­tos mu­si­cais da noi­te.

Nda­kaYoWiñi é Adri­a­no Xa­vi­er Do­cas na­tu­ral do Lo­bi­to e adop­tou o no­me ar­tís­ti­co, que sig­ni ica em por­tu­guês "A Voz do Po­vo”, ab­di­can­do uma pro­mis­so­ra car­rei­ra na in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra, pa­ra de cor­po e al­ma de­di­car­se a ar­te. Em Ca­bin­da co­me­ça a dar os pri­mei­ros pas­sos quan­do cri­ou uma ban­da em 1997, em que imi­ta­vam su­ces­sos de mú­si­cas na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais e pos­te­ri­or­men­te fez par­te do gru­po de Rap.

Nuno Min­de­lis trou­xe “blues re­al” pa­ra uma pla­teia que te­ve de se­guir a ener­gia do gui­tar­ris­ta pau­lis­ta­no, pa­ra sair do for­ma­lis­mo que ca­rac­te­ri­za a pla­teia “eli­tis­ta” pre­sen­te nos con­cer­tos do gé­ne­ro em An­go­la. Tal co­mo o Jazzing o Nuno que vi­veu na en­tão rua Sá da Ban­dei­ra e de­am­bu­lou pe­lo gui­tar­ris­tas de blues. Con­si­de­ra­do pe­la crí­ti­ca bra­si­lei­ra co­mo o me­lhor gui­tar­ris­ta de blues ra­di­ca­do no Bra­sil. O seu vir­tu­o­sis­mo ul­tra­pas­sou lar­ga­men­te as fron­tei­ras do país sul-ame­ri­ca­no e é ac­tu­al­men­te uma pre­sen­ça fre­quen­te em fes­ti­vais nos Es­ta­dos Uni­dos e no Ca­na­dá.

Nuno Min­de­lis nas­ceu em Ca­bin­da, em 1957. Aos dois anos foi pa­ra a en­tão No­va Lis­boa (Hu­am­bo) on­de per­ma­ne­ceu até aos dez anos, ten­do pos­te­ri­or­men­te vi­vi­do em Lu­an­da, no Ma­ku­lus­so até aos 18 anos de ida­de. Foi em Lu­an­da, no Ma­ku­lu­su, no jar­dim pró­xi­mo a en­tão cer­ve­ja­ria Aca­dé­mi­ca, que co­me­çou a dar os pri­mei­ros acor­des, re­cri­an­do B.B. King, Jimmy Hen­drix e ou­tras ‘fe­ras’ in­ter­na­ci­o­nais. Foi tam­bém em Lu­an­da que com 14 anos re­ce­beu o seu pri­mei­ro ca­chet, após con­vi­te da Va­len­tim de Car­va­lho pa­ra a pro­du­ção de so­los dis­tor­ci­dos no dis­co dos Di­kan­zas do Pren­da. Dei­xou An­go­la em 1975 emi­gran­do pa­ra o Ca­na­dá e dois anos de­pois re­en­con­tra os pais no

Bra­sil. kers, Te­xas Bound (1996), Blues ontheOut­si­de (1999)Twel­veHours (2003), Ou­tros Nu­nos(2005), "Free Blues" (2010) e "An­gels&Clowns (Fe­at. TheDu­keRo­bil­lardBand)" (2013). A mãe de Kai mais uma vez mos­trou to­das as ma­rés da Iri­na e jus­ti icou por­que tem si­do cons­tan­te a sua pre­sen­ça dos mais va­ri­a­dos con­cer­tos da cha­ma­da “mu­si­ca al­ter­na­ti­va”. Do­na de uma das vo­zes que nos úl­ti­mos can­ta e en­can­ta nas mais va­ri­a­das ver­ten­tes, fez­se acom­pa­nhar por KD no bai­xo, Di­vi­no Lar­son na gui­tar­ra so­lo e Dil­son na ba­te­ria que al­ter­na­ram mo­men­tos de rock que re­me­te a ver­ten­te ir­lan­de­sa e ou­tros mais psi­ca­dé­li­cos. A mar­ca da ac­tu­a­ção foi o ecle­tis­mo da “música al­ter­na­ti­va” des­de adap­ta­ções de clás­si­cos na­ci­o­nais, co­mo os seus su­ces­sos “Praia Mo­re­na”,“Ki­la­pan­ga do Ór­fão” e apro­vei­tou a per­for­man­ce pa­ra gra­var o cli­pe de “Mu­la­ti­nha Pre­ti­nha”. Iri­na Vas­con­ce­los (re)co­nhe­ci­da pe­las su­as po­si­ções que nem sem­pre agra­dam mui­ta gen­te, apro­vei­tou o seu es­pa­ço pa­ra brin­car de mo­do sé­rio com a ac­tu­al si­tu­a­ção “vo­cês têm di­nhei­ro pa­ra pa­gar es­tes bi­lhe­tes en­tão têm ou­tras res­pon­sa­bi­li­da­des”. Um ac­to que é tí­pi­co no show­bizz e na gran­de in­dus­tria de en­tre­te­ni­men­to, mas que por cá pou­cos ou­sam fa­zê-lo. Iri­na tam­bém pro­me­teu “Kai” tí­tu­lo do seu ál­bum de es­treia a so­lo, on­de irá apos­tar em es­ti­los co­mo: Al­ter­na­ti­ve Rock, Jazz Fusion, den­tre ou­tros que ca­sa­rá com a rít­mi­ca an­go­la­na. Com o Ca­fé Ne­gro tem o ál­bum “Sa­fra” que em 2014 con­quis­tou o pré­mio de Me­lhor Ban­da do Ano no An­go­la Mu­sicAwards. A can­to­ra que cres­ceu num am­bi­en­te fa­mi­li­ar cul­tu­ral, no Ma­ka­ren­ko foi ama­du­re­cen­do e ci­men­tou a veia ar­tís­ti­ca com os ami­go do Ca­fé Ne­gro, con­quis­tan­do os aman­tes do Rock nu­ma pri­mei­ra fa­se e de se­gui­da um público mais di­ver­si ica­do. Pro­jec­tos co­mo “Ki­an­da Soul”, com a Fun­da­ção Sin­di­kaDo­ko­lo, Rock in Rio Ca­tum­be­la, Rock in Ro­das e ou­tros

Nuno Min­de­lis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.