LUÍ­SA FRESTA “FAZ SEN­TI­DO UMA ES­CRI­TA NO FE­MI­NI­NO”

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - LUÍ­SA FRESTA

Luí­sa Fresta, ven­ce­do­ra do Pré­mio de Po­e­sia no Fe­mi­ni­no “Um Bou­quet de Ro­sas pa­ra Ti”, que vi­sa in­cen­ti­var a pro­du­ção de obras literárias fe­mi­ni­nas an­go­la­nas e es­tran­gei­ras e é uma ho­me­na­gem a Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, viú­va do po­e­ta e pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, dis­se, na en­tre­ga do mes­mo, que “es­te pré­mio per­mi­te-nos to­mar cons­ci­ên­cia de que faz sen­ti­do uma es­cri­ta no fe­mi­ni­no, que, a exis­tir, en­glo­ba­ria uma mi­ría­de de abor­da­gens e uma aber­tu­ra aos ou­tros. A mi­nha mo­des­ta con­tri­bui­ção pa­ra es­te pré­mio deu ori­gem ao li­vro «Mar­ço en­tre Me­ri­di­a­nos», que é um hí­bri­do en­tre ar­tes vi­su­ais, im­pli­ci­ta­men­te, e po­e­sia.”

Co­me­ço por cum­pri­men­tar a Dra. Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, igu­ra tu­te­lar do pré­mio, pe­lo seu ani­ver­sá­rio e pe­lo seu en­vol­vi­men­to na fes­ta que ho­je nos reú­ne aqui,…e por seu in­ter­mé­dio to­das as Mu­lhe­res do Mun­do, nes­te dia 8 de Mar­ço, cheio de sim­bo­lis­mo pa­ra to­dos nós, ho­mens e mu­lhe­res de boa von­ta­de.

Agra­de­ço a hon­ra que me foi con­ce­di­da, a con ian­ça no meu tra­ba­lho e es­pe­ro que os lei­to­res se re­co­nhe­çam nas pá­gi­nas des­te li­vro, o que cons­ti­tui­ria uma du­pla premi­ação.

Saú­do igual­men­te o Dr.Jo­mo For­tu­na­to, PCA do Me­mo­ri­al Agos­ti­nho Ne­to e to­da a equi­pa as­so­ci­a­da a es­te even­to, os dis­tin­tos mem­bros do Jú­ri do pré­mio «Um bou­quet de Ro­sas pa­ra ti» (os au­to­res e aca­dé­mi­cos Do­min­gas Hen­ri­ques Mon­tei­ro, Hel­derSim­ba An­dré e Pom­bal Ma­ria) e as mi­nhas co­le­gas, Cín­tia Gon­çal­ves An­dré e Kan­guim­buA­na­naz, a quem cum­pri­men­to ca­lo­ro­sa­men­te pe­lo premi­ação nes­te con­cur­so li­te­rá­rio.

Saú­do tam­bém as ilus­tres per­so­na­li­da­des, a im­pren­sa e as ins­ti­tui­ções aqui re­pre­sen­ta­das, das mais va­ri­a­das áre­as da nos­sa so­ci­e­da­de e pe­ço des­de já a vos­sa in­dul­gên­cia se por lap­so não men­ci­o­nei al­guém em par­ti­cu­lar. Ca­ros ami­gos e ami­gas, dis­tin­tos con­vi­da­dos, É uma emoção in­des­cri­tí­vel es­tar aqui com to­dos vós, tam­bém e so­bre­tu­do fa­mí­lia e ami­gos, que con­tri­buí­ram em mui­to pa­ra que me fos­se pos­sí­vel par­ti­ci­par nes­te cer­ta­me e es­tar aqui nes­te exac­to mo­men­to. Es­tou com a mi­nha gen­te e es­sa ale­gria não tem tra­du­ção pos­sí­vel.

Es­te pré­mi­o­per­mi­te-nos­to­mar cons­ci­ên­cia de que faz sen­ti­do uma es­cri­ta no fe­mi­ni­no, que, a exis­tir, en­glo­ba­ria uma mi­ría­de de abor­da­gens e uma aber­tu­ra aos ou­tros. Ser mu­lher é ter a ca­pa­ci­da­de de es­cu­tar e ter o co­ra­ção vi­ra­do pa­ra o mun­do. Daí a es­cre­ver é um pas­so, sen­tir e trans­por o que tes­te­mu­nha­mos e so­nha­mos com o olhar té­nue que não jul­ga nem con­de­na, an­tes in­ter­pe­la, ques­ti­o­na, mas tam­bém em­ba­la e aco­lhe.

A mi­nha mo­des­ta con­tri­bui­ção pa­ra es­te pré­mio deu ori­gem ao li­vro «Mar­ço en­tre Me­ri­di­a­nos», que é um hí­bri­do en­tre ar­tes vi­su­ais, im­pli­ci­ta­men­te, e po­e­sia. Tra­ta-se de um li­vro sin­té­ti­co cons­ti­tuí­do por três ra­mos aos quais cha­mei ca­der­nos e que nas­ce­ram de ma­nei­ras di­fe­ren­tes, em épo­cas dis­tin­tas. O pri­mei­ro ca­der­no (CAR­TÃO-POS­TAL) foi es­cri­to olhan­do pa­ra fo­to­gra ias da au­to­ria de Pau­la Sant’Ana, ar­tis­ta mul­ti­fa­ce­ta­da; o re­sul­ta­do foi um con­jun­to de so­ne­tos com a mi­nha in­ter­pre­ta­ção das ima­gens, tra­du­zi­das em idei­as que ra­pi­da­men­te se ali­nha­ram em pe­que­nos exér­ci­tos de pa­la­vras. Foi uma coi­sa lui­da, pra­ze­ro­sa e es­pon­tâ­nea; o ca­der­no II (VER­SOS NATALINOS E OU­TRAS HIS­TÓ­RI­AS DE [EN]CANTAR) con­tém mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ver­sos li­vres, cen­tra­dos nos te­mas do Na­tal, do re­nas­ci­men­to e da ex­clu­são; pro­cu­rei se­lec­ci­o­nar tex­tos com es­ta ba­se co­mum, po­e­mas que ti­ves­sem uma lin­gua­gem ni­ve­la­da. O ter­cei­ro ca­der­no (PA­LA­VRAS PIN­TA­DAS NA TE­LA), à se­me­lhan­ça do pri­mei­ro, re­sul­ta da ob­ser­va­ção de te­las, nes­te ca­so de Ysa­bel­leRoby-Pé­trel, ar­tis­ta plás­ti­ca fran­ce­sa; a ar­te abs­trac­ta dá-nos uma mar­gem mai­or pa­ra di­va­gar e foi is­so que iz, sem qu­al­quer res­tri­ção, ixan­do-me so­bre­tu­do na cor e na tex­tu­ra. Mar­ço en­tre Me­ri­di­a­nos é as­sim uma obra que as­si­na­la o meu com­pro­mis­so de gé­ne­ro com to­das as Mu­lhe­res do mun­do e as su­as/nos­sas di­ver­sas lu­tas. “En­tre me­ri­di­a­nos” por­que a po­e­sia tam­bém po­de ser as­sim: uma lin­gua­gem di­ver­sa, mu­tan­te e vi­a­gei­ra, que não co­nhe­ce fron­tei­ras, grá­vi­da, aqui, de an­go­la­ni­da­de, em pe­que­nos apon­ta­men­tos su­bli­mi­na­res.”

Não me vou alon­gar mais nem to­mar o vos­so tem­po, …um abra­ço fra­ter­no e obri­ga­da por te­rem vin­do.

BI­O­GRA­FIA (LUÍ­SA FRESTA)

Nas­ci­da em Por­tu­gal, vi­veu a mai­or par­te da sua ju­ven­tu­de em An­go­la, país com o qu­al man­tém la­ços de ci­da­da­nia e en­vol­vi­men­to cul­tu­ral e fa­mi­li­ar,es­tan­do ra­di­ca­da em Por­tu­gal des­de 1993.

Pu­bli­cou em 2012 e 2013 uma sé­rie de cró­ni­cas so­bre as dé­ca­das de 70/80 da vi­da em Lu­an­da, atra­vés do Jor­nal Cul­tu­ra - Jor­nal An­go­la­no de Ar­tes e Le­tras com o qu­al co­la­bo­rou re­gu­lar­men­te­a­té 2015 e pu­bli­cou tam­bém pon­tu­al­men­te em di­ver­sas re­vis­tas on-li­ne (a mo­çam­bi­ca­na Li­te­ra­tas e as bra­si­lei­rasO Equa­dor das Coi­sas, Sa­miz­dat e Sub­ver­sa).

Es­cre­ve re­gu­lar­men­te des­de 2013 no por­tal O Gaz­ze­ta, co­or­de­na­do por Ger­ma­no Xa­vi­er e des­de 2014 pu­bli­ca, so­bre­tu­do po­e­sia, no por­tal En­tre­men­tes- Re­vis­ta Di­gi­tal de Cul­tu­ra. Des­de 2016 es­cre­ve tam­bém no jor­nal di­gi­tal Ar­tes&Con­tex­tos.

So­bre ci­ne­ma (es­sen­ci­al­men­te­lu­só­fo­no e afri­ca­no fran­có­fo­no) man­tém par­ti­ci­pa­ções epi­só­di­cas atra­vés de ar­ti­gos de opi­nião no si­te de crí­ti­ca de ci­ne­ma Afri­ci­né, por­tal BUALA, re­vis­ta Awo­te­le, e man­te­ve, até2015, du­as colunas na re­vis­ta METROPOLIS in­ti­tu­la­das: A 7ª ar­te em Áfri­ca e Fil­mes da lu­so­fo­nia. Em 2016 in­te­grou o jú­ri do co­mi­té de pré-se­lec­ção da re­pre­sen­ta­ção pan-afri­ca­na do Fes­ti­val l’Ar­bred’Or ( il­mes do­cu­men­tá­ri­os-Go­rée/ Se­ne­gal).

Pré­mi­os e an­to­lo­gi­as:

1998- Por­tu­gal: con­cur­so de con­tos cur­tos “Ex­po 98 pa­la­vras” (tex­to Cri­me, pu­bli­ca­do jun­ta­men­te com cer­ca de ou­tros 100);

2013- Bra­sil: 2º lu­gar no 9º con­cur­so on­li­ne – II Pré­mi­oLi­ci­nho Cam­pos de Po­e­si­as de Amor (po­e­ma So­ne­to do Amor no Fe­mi­ni­no);

2013- Bra­sil: 2º pré­mio no 1º Con­cur­so In­ter­na­ci­o­nal de Li­te­ra­tu­ra de Ala­cib, (na ca­te­go­ria cró­ni­ca, com Ou­tros Cam­pe­o­na­tos);

2014- Bra­sil: o po­e­ma Tal­vez foi con­si­de­ra­do um dos me­lho­res 50 apre­sen­ta­dos a con­cur­so e in­cluí­do nu­ma co­lec­tâ­nea pu­bli­ca­da pe­la Aca­de­mia Ja­ca­rehyen­se de Le­tras, pro­mo­to­ra do 8º Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de So­ne­tos; 2015- Bra­sil:cró­ni­ca Lu­an­da, aliás «São Pau­lo da As­sun­ção de Lo­an­da» in­cluí­da nu­ma co­lec­tâ­nea edi­ta­da pe­la Ca­sa do Po­e­ta Bra­si­lei­ro de Praia Gran­de-SP;

2016- Por­tu­gal: in­te­grou, jun­ta­men­te com se­te ou­tros au­to­res, uma an­to­lo­gia so­li­dá­ria de­di­ca­da ao te­ma da saú­de men­tal (com o con­to O pa­pel de Au­ré­lie), edi­ta­da pe­la LI­VROS DE ON­TEM.

Obras da Au­to­ra:

49 Pas­sos/ En­tre os Li­mi­tes e o In ini­to (po­e­sia), Chi­a­do Edi­to­ra, 2014 Con­tex­tu­ras (con­tos, ba­se­a­dos em qua­dros de Ar­man­da Al­ves, co-au­to­ra), Li­vros de On­tem, 2017

Ca­pa da obra ven­ce­do­ra da po­e­ti­sa Luí­sa Fresta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.