EM FE­VE­REI­RO: A PÓVOA, OS ES­CRI­TO­RES E OS LI­VROS

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - J.A.S. LOPITO FEIJÓO K.

Po­ror uma se­ma­na, em Fe­ve­rei­ro, a Pó­vo­a­oa é uma ci­da­de de le­tras. Ci­da­dei­da­de cr­cri­a­ti­va. Na Póvoa de Var­zim ce­le­bra-a-se o li­vr­li­vro e a li­te­ra­tu­ra pois,, por es­tes di­as, to­da­so­das ou mes­mo qua­se to­das,t, as su­per-su­per­su­per­fí­ci­es­fí­ci­es co­mer­ci­ais,, lo­jas,lo­jas ca­fés, mer­ca­dos­ca­dos po­pu­lar­po­pu­la­res, res­tau­ran­tes, ba­re­ses e si­mi­lar­si­mi­la­res, trans­for­mam-mam-se em ple­nas li­vra­ri­as,, dan­do as bo­as vin­das aos vi­si­tan-vi­si­tan­vi­si­tan­tes­tes e fa­zen­do­en­do as hon­rashonr no cen­tro da ci­da­de.

Da ja­ne­la do meu quar­to no ho­tel lo­cal, on­de por pou­co me­nos de uma se­ma­na me en­con­tro, vis­lum­bro e con­tem­plo o tur­bu­len­to mar atlân­ti­co da Póvoa de Var­zim.

Uma sim­pá­ti­ca e aco­lhe­do­ra ci­da­de do nor­te de Por­tu­gal que, nos Fe­ve­rei­ros me­ses dos re­cém/ pas­sa­dos anos da mi­nha vi­da li­té­ro- cul­tu­ral, me tem re­ce­bi­do – em com­pa­nhia de mais ou­tros, qua­se uma cen­te­na agen­tes cul­tu­rais do mun­do ibé­ri­co das be­las le­tras – em ra­zão das COR­REN­TES D’ES­CRI­TAS que con­si­de­ra­mos ser o mais ve­lho, mais aber­to, mais re­pre­sen­ta­ti­vo e me­nos pre­con­cei­tu­o­so even­to li­te­rá­rio ja­mais re­a­li­za­do em Por­tu­gal.

Por uma se­ma­na, em Fe­ve­rei­ro, a Póvoa é uma ci­da­de de le­tras. Ci­da­de cri­a­ti­va. Na Póvoa de Var­zim ce­le­bra­se o li­vro e a li­te­ra­tu­ra pois, por es­tes di­as, to­das ou mes­mo qua­se to­das, as su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais, lo­jas, ca­fés, mer­ca­dos po­pu­la­res, res­tau­ran­tes, ba­res e si­mi­la­res, trans­for­mam- se em ple­nas li­vra­ri­as, dan­do as bo­as vin­das aos vi­si­tan­tes e fa­zen­do as hon­ras no cen­tro da ci­da­de.

Cons­ta­ta­mos lo­cal­men­te que,os li­vros po­dem ser en­con­tra­dos em qu­al­quer es­qui­na de rua com um ta­pe­te con­vi­dan­do –nos pa­ra en­trar e vê-los en­tre rou­pas,aces­só­ri­os, sa­pa­tos, ma­las, es­tan­tes, car­tei­ras, gar­ra­fas, te­ci­dos, ócu­los e, pa­ra além de agra­dá­veis e gra­tui­tas conversas à vol­ta da li­te­ra­tu­ra, ha­ve­rá sem­pre um tí­tu­lo de li­vro pro­cu­ran­do por quem o lê, em qu­al­quer par­te, no to­do ou em par­te.

Nes­te úni­co 2018 das nos­sas vi­das literárias, uma vez mais mar­ca­mos pre­sen­ça por An­go­la, em com­pa­nhia do es­cri­tor Ma­nu­el Rui Mon­tei­ro - au­tor de cé­le­bres tí­tu­los – con­tan­do com mais de uma trin­te­na de li­vros des­de a po­e­sia ao ro­man­ce, pas­san­do pe­la as­si­na­tu­ra de al­gu­mas das mais agri­do­ces cró­ni­cas literárias an­go­la­nas, con­tos e no­ve­las do mun­do au­to­ral lu­só­fo­no e, den­tre os­quais sa­li­en­to: Re­gres­so adi­a­do, Sim ca­ma­ra­da, Quem me de­ra ser on­da, Um mor­to & os vi­vos, O ma­ne­quim e o pi­a­no, Es­tó­ri­as de con­ver­sa, Me­mó­ria de mar, Cró­ni­ca de um mu­jim­bo e, co­mo obri­ga­to­ri­a­men­te ti­nha de re­fe­rir, Ri­o­se­co.

Em abo­no da jus­ti­ça, Ma­nu­el Rui, Oné­si­mo Te­o­tó­nio de Almeida e mais um ou ou­tro cu­jo no­me ago­ra não me ocor­re, são mes­mo os «so­bas dos so­bas» em ter­mos de pre­sen­ças nasCor­ren­tes. Con­tam- se de­za­no­ve con­se­cu­ti­vas es­ta­di­as no Axis Ver­ma­re con­se­quen­tes ro­ma­ri­as pe­la co­zi­nha ca­sei­ra da ca­sa de res­tau­ra­ção com o mais su­ges­ti­vo no­me de res­tau­ran­te pa­ra es­cri­to­res – e não só! – que já en­con­trei, nas mi­nhas an­da­ri­lhi­çes e iti- ne­rân­ci­as, por tu­do qu­an­to é can­to com even­tos li­te­rá­ri­os no mun­do. O Zé Das Le­tras. Um tí­pi­co can­ti­nho da Póvoa de Var­zim on­de mui­to mais que cin­co cen­te­nas de fi­gu­ras e fi­gu­rões das le­tras do mun­do ibé­ri­co ti­ve­ram já a opor­tu­ni­da­de de fa­zer o gos­to aos sa­bo­res da ca­sa.

Con­si­de­ra­do o mais im­por­tan­te even­to li­te­rá­rio em Por­tu­gal, jul­go ser tam­bém e com cer­te­za um dos mais im­por­tan­tes fes­ti­vais li­te­rá­ri­os no mun­do. Pe­las Cor­ren­tes D’Es­cri­tas pas­sa­ram já qua­se to­dos os mai­o­res au­to­res dos paí­ses lu­só­fo­nos e, igual­men­te, al­guns dos mai­o­res no­mes, das ar­tes e da con­tem­po­râ­nea li­te­ra­tu­ra la­ti­no-ame­ri­ca­na.

Nes­ta que foi a dé­ci­ma no­na re­a­li­za­ção, de­pois de no ano de 2017 o fes­ti­val ter al­can­ça­do a sua mai­o­ri­da­de, nas Cor­ren­tes D’Es­cri­tas, co­mo sem­pre em an­te­ri­o­res edi­ções, jun­ta­ram- se no­vos no­mes com di­fe­ren­tes an­dan­ças cul­tu­rais e pro­ve­ni­en­tes de dis­tin­tas e lon­gín­quas la­ti­tu­des ge­o­grá­fi­cas pa­ra a sua es­treia tal co­mo o moçambicano Ben­to Ba­lói, jor­na­lis­ta que, en­quan­to au­tor, es­tre­ou- se co­mo fic­ci­o­nis­ta com o ro­man­ce Re­ca­dos da Al­ma.

Ou­tro nos­so es­tre­an­te aten­de pe­lo no­me de Vi­cen­te Abraão, cu­jo no­me já não de­ve ser es­tra­nho­pois, é pre­sen­te­men­te o Mi­nis­tro da Cul­tu­ra e das In­dús­tri­as Cul­tu­rais da Re­pú­bli­ca de Ca­bo Ver­de mas, que apa­re­ce e se es­treia, no fes­ti­val, na con­di­ção de es­cri­tor já com al­guns tí­tu­los pu­bli­ca­dos, en­tre o ro­man­ce, po­e­mas, cró­ni­cas e con­to infantil.

MûM­ba­na da Gui­né- Bis­sau, mul­ti­ins­tru­men­tis­ta, com­po­si­tor mu­si­cal e po­e­ta, es­te­ve igual­men­te de pas­sa­gem em pri­mei­ra vi­a­gem, re­pre­sen­tan­do e pres­ti­gi­an­do a cul­tu­ra e os au­to­res do seu país.

O mais no­vo es­tre­an­te vin­do do con­ti­nen­te afri­ca­no, « se­ria » o jo­vem an­go­la­no Hél­der Sim­bad, pa­ra quem “a pa­la­vra é uma for­ça ocul­ta que se mo­ve se­cre­ta­men­te” e que, em ra­zão das ma­lhas e fa­lhas que o «im­pé­rio?» ain­da vai te­cen­do, ( re­fi­ro- me – in­fe­liz­men­te! – às com­pli­ca­ções pa­ra a ob­ten­ção de um vis­to jun­to do con­su­la­do de Por­tu­gal em Lu­an­da, mes­mo com to­da a do­cu­men­ta­ção em or­dem), não pô­de che­gar a tem­po de fa­zer a sua in­ter­ven­ção apra­za­da pa­ra par­ti­lhar idei­as­nu­ma das me­sas de de­ba­te, em com­pa­nhia da cu­ba­na Car­la Su­a­rez e dos por­tu­gue­ses João Tor­do e San­dro Wil­li­am.

Uma no­ta cu­ri­o­sa que não pos­so dei­xar de re­por­tar foi o fac­to de que, con­su­ma­da a au­sên­cia do au­tor, pe­diu- me – ele mes­mo em con­cer­ta­ção com a cu­ra­do­ria – que o re­pre­sen­ta­se fa­zen­do a lei­tu­ra de uma co­mu­ni­ca­ção pre­pa­ra­da pa­ra o efei­to.Em ra­zão da so­li­da­ri­e­da­de in­te­lec­tu­al lo­go ace­di ao pe­di­do, mes­mo sem a ne­ces­sá­ria lei­tu­ra pré­via pois, es­tá­va­mos em ci­ma da ho­ra.

O tex­to foi de­ve­ras aplau­di­do e ova­ci­o­na­do de­pois da ex­pli­ca­ção que fi­ze­mos da­da aau­sên­cia au­tor das li­nhas que lí, la­men­tan­do pe­la di­fi­cul­ta­da, qua­se ine­xis­ten­te e tão de­se­ja­da cir­cu­la­ção de au­to­res, ar­tis­tas e bens cul­tu­rais no âm­bi­to da co­mu­ni­da­de de paí­ses fa­lan­tes da lín­gua por­tu­gue­sa, vul­go CPLP.

No tex­to, cu­jo mo­te era o ver­so se­gun­do o qu­al: “O que es­cre­vo ator­men­ta o que sou”, mes­mo co­mo quem se es­treia nas li­des in­ter­na­ci­o­nais da li­te­ra­tu­ra, com al­gum con­se­gui­men­to e mo­ti­vo de re le­xão, o Hél­der aca­bou es­cre­ven­do o que aqui ci­to: “O que sou pou­co im­por­ta, o mais im­por­tan­te é o que es­cre­vo. O que es­cre­vo é o que é. E eu pos­so não ser o que jul­gam, is­to, de fac­to, me ator­men­ta”.

Fi­nal­men­te, por­que o tex­to já vai lon­go e na ver­da­de vou, sem co­mo…, pa­ra en­cur­tar a es­cri­ta, fi­na­li­zo ob­ser­van­do que pa­ra nós, afri­ca­nos de lín­gua por­tu­gue­sa e par­ti­cu­lar­men­te pa­ra Mo­çam­bi­que, o des­ta­que foi in­du­bi­ta­vel­men­te, o nos­so Un­gu­la­ni Ba Ka Kho­sa au­tor do fes­te­ja­do e ce­le­bri­za­do Ua­la­la­pi.

Vin­do de Lu­an­da, em can­sa­ti­va e de­mo­ra­da vi­a­gem com es­ca­las em Ca­sa­blan­ca e Lis­boa, pas­sa­das ho­ras e ho­ras, atra­co na Póvoa. Fei­to o check- ine já de­pois de hos­pe­da­do, aden­tro a pri­mei­ra li­vra­ria lo­cal em ra­zão do ví­cio e, pa­ra meu sa­tis­fa­tó­rio es­pan­to, lo­go sal­tam- me aos olhos as pá­gi­nas da mais re­cen­te edi­ção do JL- Jor­nal de Le­tra Ar­tes e Idei­as, re­fe­ren­ci­an­do Es­cri­tas de dis­tin­tas to­na­li­da­des. O pro­pó­si­to era, uma vez mais, a 19 ª edi­ção das Cor­ren­tes D’Es­cri­tas an­te­ci­pa­da­men­te anun­ci­a­das nes­te pe­rió­di­co.

Un­gu­la­ni é ca­pa do jor­nal ao la­do de três ou­tros gran­des das mi­nhas úl­ti­mas lei­tu­ras, no­me­a­da­men­te: LuísFer­nan­do Ve­rís­si­mo; o ho­me­na­ge­a­do no even­to des­te ano, Ig­ná­cio de Loyo­la Bran­dão; « um ami­gão da gen­te! » com quem já par­ti­lha­mos me­sa no an­te­ri­or fes­ti­val e, igual­men­te, o an­da­ri­lho la­ti­no- ame­ri­ca­no Eric Ne­po­mu­ce­no. Um ami­go com quem tam­bém já par­ti­lha­mos me­sa em dis­tin­tos fes­ti­vais e não só. Um bom ob­ser­va­dor e gran­de com­pa­nhei­ro­pa­ra as bem re­che­a­das me­sas de bar.

O nos­so Char­ru­ei­ro es­te­ve em gran­de­nes­ta jor­na­da li­te­rá­ria com a re­da­ção e pu­bli­ca­ção do tex­to in­ti­tu­la­doA vi­da em cin­co ac­tos. Re­cri­a­da e re­su­mi­da au­to­bi­o­gra­fia en­co­men­da­da pe­lo JL. De­le ou­vi­mos tam­bém uma co­mo­ven­te in­ter­ven­ção na me­sa cu­jo mo­te re­fe­ria-se a cen­su­ra e/ou a au­to­cen­su­ra. A im­par­ci­a­li­da­de si­len­cia a es­cri­ta. Se­rá?

En­tre­tan­to, pas­sa­das mais de três dé­ca­das da pu­bli­ca­ção de Ua­la­la­pi, Un­gu­la­ni re­to­ma a his­tó­ria do im­pe­ra­dor de ga­za e apre­sen­tou a sua mais re­cen­te obra li­te­rá­ria em du­as ses­sões que ti­ve­mos a fe­li­ci­da­de de tes­te­mu­nhar. Na Póvoa de Var­zim e em Lis­boa. Gun­gu­nha­na (Por­to Edi­to­ra 184 pp.)

Pa­ra Agri­pi­na Car­ri­ço Vi­ei­ra, “Es­taé a his­tó­ria de um ter­ri­tó­rio que pro­cu­ra en­con­trar a sua iden­ti­da­de fei­ta de múl­ti­plas per­ten­ças que se cons­ti­tu­em co­mo os ali­cer­ces so­bre os quais se cons­trói a no­va­na­ção, de­man­da a que dá voz o nar­ra­dor de As mu­lhe­res do im­pe­ra­dor…”.

Di­go ago­ra, em jei­to de re­ma­te fi­nal, que Un­gu­la­ni é sem­pre um gran­de ao la­do dos gran­des e no âm­bi­to da sua pro­fun­da hu­mil­da­de, con­ti­nua pal­mi­lhan­do a sua es­tra­da, de­sin­te­res­sa­da­men­te, fa­zen­do- se um dos mai­o­res da lín­gua por­tu­gue­sa no mun­do. Mar­ço de 2018

Cor­ren­tes es­cri­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.