A LA­GOA DO NOVAES

Con­to de An­tó­nio Fon­se­ca

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

A fa­ma de Ka­bu­ku Kan­ji­la atra­ves­sa­va o con­ti­nen­te e es­ten­dia-en­dia-se aa­té ao Ín­di­co. Não ad­mi­raa pois que na­que­la cir­cir­cuns­tân­cia o Ca­pi­tão ti­ves­se vis­too ali che­gar,che­gar vin­do de Zan­zi­bar, con­du­zin­do uma ca­ra­va­na,car Ben, o Ára­be e tam­bém a ca­ra­va­na­a­na de Ab­del que, na con­di­ção de pi­lo­to, já ha­vi­a­via per­cor­ri­do a cos­ta Ín­di­ca e de Nas­so­lo que após seis me­ses de vi­a­gem ali haha­vi­am vi­am che­ga­do pa­raa per­per­mu­tar te­ci­dos e ar­mas de fo­go por es­cra­vo­sos e mar­fim. mar

Já ia lon­ge o tem­po em que o súb­di­to de Sua Ma­jes­ta­de fran­que­a­ra as por­tas do Kwan­za, os dois gran­des ro­che­dos que for­mam co­mo que um­brais de um por­tão li­gan­do as gran­des ro­chas dos mor­ros la­te­rais ao rio. Mais adi­an­te, após o gran­de la­go on­de se vi­ria a bus­car a água pa­ra o pre­sí­dio, ali ele se ins­ta­la­ra, em ter­ras de Ka­bu­ko Kan­ji­la. Não fo­ra to­le­ra­do, pois, na­que­las ter­ras, só a ele, Ka­bu­ko Kan­ji­la, com­pe­tia au­to­ri­zar a ins­ta­la­ção de es­tra­nhos, mes­mos em ter­ras não cul­ti­va­das. Ha­via o Ca­pi­tão in­frin­gin­do as leis do so­ba­do… e, por is­so mes­mo, fo­ra pre­so e ali per­ma­ne­ce­ra. Na­que­la cir­cuns­tân­cia vi­ra ser en­tro­ni­za­do o no­vo Ka­bu­lo Kan­ji­la que, se­gun­do se sou­be, viu re­co­nhe­ci­dos pe­los ma­ko­ta que o ele­ge­ram, um gran­de po­der es­pi­ri­tu­al. Com efei­to, na ma­dru­ga­da do dia em que se reu­ni­ri­am os ma­ko­ta pa­ra a de­ci­são, ou­viu-se um enor­me ba­ru­lho no te­lha­do da ca­sa da­que­le jo­vem im­ber­be e, quan­do lá fo­ram ve­ri icar, en­con­tram-no ofe­gan­te dei­ta­do no lei­to. Pa­ra ad­mi­ra­ção dos ma­ko­ta, di­zia que aca­ba­va de re­gres­sar de uma lon­ga vi­a­gem vo­an­do nu­ma cas­ca de mi­lho… Es­ta­va as­sim en­con­tra­do aque­le que se­ria o gu­ar­dião das re­lí­qui­as dos an­te­pas­sa­dos e ti­nha po­der bas­tan­te pa­ra con­du­zir os des­ti­nos do so­ba­do.

Foi ain­da na­que­la cir­cuns­tân­cia que o Ca­pi­tão per­ce­beu quão gran­de era o po­der de Ka­bu­ko Kan­ji­la, o que se po­dia cons­ta­tar pe­lo nú­me­ro dos ha­bi­tan­tes da Mbanza, pe­lo fac­to de ali se di­ri­mi­rem os con­fli­tos lo­cais, das re­don­de­zas e de re­giões dis­tan­tes e pe­lo fac­to de < ele con­tro­lar o co­mér­cio ex­ter­no, par­ti­cu­lar­men­te de es­cra­vos e mar­fim, as­sim co­mo de te­ci­dos, vi­nhos e ar­mas de fo­go.

A fa­ma de Ka­bu­ku Kan­ji­la atra­ves­sa­va o con­ti­nen­te e es­ten­dia-se até ao Ín­di­co. Não ad­mi­ra pois que na­que­la cir­cuns­tân­cia o Ca­pi­tão ti­ves­se vis­to ali che­gar, vin­do de Zan­zi­bar, con­du­zin­do uma ca­ra­va­na, Ben, o Ára­be e tam­bém a ca­ra­va­na de Ab­del que, na con­di­ção de pi­lo­to, já ha­via per­cor­ri­do a cos­ta Ín­di­ca e de Nas­so­lo que após seis me­ses de vi­a­gem ali ha­vi­am che­ga­do pa­ra per­mu­tar te­ci­dos e ar­mas de fo­go por es­cra­vos e mar im.

Foi tam­bém na­que­la cir­cuns­tân­cia que, in­cré­du­lo, o Ca­pi­tão vi­ra o jo­vem Ka­bu­ko Kan­ji­la afir­mar-se so­gro do so­ba do Ka­zen­go, mãe do so­ba de Mas­san­ga­no, avô do so­ba do Li­bo­lo, ir­mão do so­ba de Kam­bam­be, tio do so­ba da Kis­sa­ma e fa­mi­li­ar de to­dos os so­bas a nor­te e nor­des­te do Ka­zen­go. Per­gun­ta­ra- se en­tão o Ca­pi­tão co­mo po­de­ria um ho­mem ser mãe de al­guém, um jo­vem ser avô e du­as pes­so­as se­rem ir­mãos sem se­rem fi­lhos da mes­ma mãe ou pai. Com­pre­en­deu mais tar­de que, ali, o pa­ren­tes­co con­ta­va- se de ou­tra ma­nei­ra. Tra­ta­va- se de uma con­ta­gem li­nha­gei­ra. Os do clã da mãe eram mãe, os do avô eram avô e por aí adi­an­te. Per­ce­beu as­sim ain­da mais quão gran­de era o po­der de Ka­bu­ko Kan­ji­la.

Re­gres­sa­ra o Ca­pi­tão vá­ri­os anos de­pois com ho­mens bas­tan­tes e po­der de fo­go. Pro­cu­ra­ra não ofen­der o so­ba, não fos­se es­te mo­bi­li­zar to­da a sua gen­te pa­ra o com­ba­ter, ago­ra que a cris­ti­a­ni­za­ção avan­ça­va e o ter­ri­tó­rio se ocu­pa­va, co­mo de res­to era ali o seu pro­pó­si­to. Per­ce­beu Ka­bu­ko Kan­ji­la a for­ça do Ca­pi­tão e qu­an­to es­te lhe po­dia ser útil nos con li­tos que, en­tre­tan­to, por ali pro­li­fe­ra­vam com ou­tros so­ba­dos. Per­ce­beu o Ca­pi­tão que con­tro­lan­do Ka­bu­ku Kan­ji­la, pe­la via do seu po­der li­nha­gei­ro, es­ten­dia a co­ló­nia até às ter­ras da Kis­sa­ma e ou­tras pa­ra­gens lon­gín­quas. Ce­le­bra­ram en­tão am­bos, aqui­lo que ho­je po­de­ria cha­mar-se uma “ali­an­ça es­tra­té­gi­ca”. Por um la­do, com­pro­me­tia-se o so­ba a abra­çar a fé cris­tã e a es­ten­dê-la aos de­mais so­ba­dos de que era o Nku­lu­bun­du, o che­fe clâ­ni­co; for­ne­cer ho­mens pa­ra sol­da­dos, os em­pa­ca­cei­ros; for­ne­cer mão-de-obra pa­ra o co­mér­cio e pa­ra as obras; pa­gar o dí­zi­mo so­bre os ne­gó­ci­os e so­bre as por­ta­gens. Por ou­tro la­do, o Ca­pi­tão as­se­gu­ra­va-lhe o for­ne­ci­men­to ex­clu­si­vo de pro­du­tos im­por­ta­dos co­mo te­ci­dos, vi­nhos, ar­mas e mu­ni­ções, des­de que dei­xas­se de co­mer­ci­ar com as ca­ra­va­nas do Ín­di­co. Era-lhe ain­da as­se­gu­ra­do o re­co­nhe­ci­men­to da le­gi­ti­mi­da­de do seu po­der e o apoio con­tra usur­pa­do­res e re­bel­des in­ter­nos e ex­ter­nos. O so­ba era tam­bém gra­du­a­do a Ca­pi­tão da Guer­ra Pre­ta e Co­man- dan­te Su­pre­mo de to­dos os so­bas vas­sa­los da re­gião. Fo­ra en­tão pe­lo ca­pe­lão da ar­ma­da bap­ti­za­do Ka­bu­ku Kan­ji­la com o no­me de Fran­cis­co Fer­nan­des Cas­te­lo­bran­co e foi nes­sa con­di­ção, de cris­tão e co­man­dan­te, que se viu Ka­bu­ku Kan­ji­la mar­char ao la­do do Ca­pi­tão pa­ra re­cu­pe­rar os ter­ri­tó­ri­os que ha­vi­am si­do per­di­dos lá pa­ra as ban­das dos Dem­bos. Por tal fei­to, fo­ra gra­du­a­do co­ro­nel e, por De­cre­to Ré­gio, fo­ra-lhe atri­buí­do o Há­bi­to de Cris­to e o tí­tu­lo de Du­que, pas­san­do a ser cha­ma­do Dom Ka­bu­ku Kan­ji­la Fran­cis­co Fer­nan­des Cas­te­lo­bran­co. E o tí­tu­lo Dom ge­ne­ra­li­za­ra-se por to­do o ter­ri­tó­rio sob seu man­do e vi­ra-se en­tão que, quan­do os pais le­va­vam os ilhos pa­ra o bap­tis­mo, ao per­gun­ta­rem-lhes o no­me, re­fe­ri­ra um cro­nis­ta da épo­ca, mes­mo não ten­do um far­ra­po pa­ra os ves­tir, res­pon­di­am: Dom fu­la­no, Do­na Si­cra­na. Vi­ra-se tam­bém o co­ro­nel mar­char pa­ra nor­te, so­bre o Kongo, pa­ra par­ti­ci­par da re­cu­pe­ra­ção das mi­nas de co­bre. Era en­tão o po­de­ro­so e afa­ma­do Co­ro­nel já um ve­lho oc­to­ge­ná­rio, qua­se de­men­te, mas ter­rí­vel ain­da pe­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.