A LI­TE­RA­TU­RA NÃO SE EX­PLI­CA, SEN­TA-SE NA NOS­SA MÃO

Jornal Cultura - - EDITORIAL - JO­SÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

A fron­tei­ra en­tre o dis­cur­so li­te­rá­rio e o não li­te­rá­rio é de or­dem es­tru­tu­ral e bi­oquí­mi­ca. O im da li­te­ra­tu­ra in­te­gra­da no ob­jec­to cha­ma­do li­vro é o de ser re­ce­bi­da pe­lo público, é o de ser ou­vi­da por al­guém que a lê (si­len­ci­o­sa ou au­dí­vel) ou que sim­ples­men­te a es­cu­ta ler ou re­ci­tar o que al­guém gra­vou na me­mó­ria.

A li­te­ra­tu­ra es­tá aí, na be­la po­e­sia pas­to­ril dos Cu­a­nha­mas, nos Can­ta­res de Sa­lo­mão, nos so­ne­tos de Ca­mões e de Ryl­ke, nos po­e­mas de Jo­sé Cra­vei­ri­nha, Breuy­ten Brey­ten­ba­ch, Ma­lan­ga­ta­na, Noé­mia de Sou­sa, Con­cei­ção Li­ma, Pa­blo Ne­ru­da, Alen Gins­berg, Walt Whit­man, Ber­tolt Bre­cht, nos ro­man­ces de Ngu­gi Wa Thi­on­go, Chi­nua Cahe­be, Amos Tu­tu­o­la, Lu­an­di­no Vi­ei­ra, Pe­pe­te­la, As­sis Jú­ni­or, Pe­dro Pá­ra­mo, Dos­toiévsky, C. Vir­gil Ge­or­giu, Vic­tor Hu­go, John Grisham, e quan­tos ou­tros que le­mos e que nes­ta pá­gi­na pe­que­na não ca­bem.

To­do o ser hu­ma­no que pre­ten­da ob­ter um co­nhe­ci­men­to do que é Li­te­ra­tu­ra tem sim­ples­men­te de pôr a Li­te­ra­tu­ra sen­ta­da na sua mão, co­mo quem dá mi­lho aos pom­bos num jar­dim. E ler, ler, ler, dei­xar ela quei­mar o co­ra­ção com a quí­mi­ca das ima­gens pin­ta­das com o fo­go das pa­la­vras, dei­xar ela ex­pan­dir na al­ma a (re)cri­a­ção in­ter­na da vi­da, o es­ca­lo­na­men­to ar­qui­tec­tó­ni­co do en­re­do ou ver co­mo ela ba­tu­ca no céu da nos­sa bo­ca a rít­mi­ca do ver­so e o fas­cí­nio da me­tá­fo­ra.

De tan­to ler, aque­le que lê ica a co­nhe­cer o âma­go e a for­ma des­se ob­jec­to ar­tís­ti­co for­ja­do com a ma­té­ria-pri­ma das pa­la­vras que nos ho­mi­ni­zam e en­deu­sam dia-a-dia.

De tan­to ler, aque­le que lê re­ce­be um tes­te­mu­nho mui­to va­li­o­so dos au­to­res to­dos que de­vo­ra. Fa­la com eles ali sen­ta­dos den­tro dos dis­cur­sos li­te­rá­ri­os. Aque­le que lê não pre­ci­sa de vi­si­tar o há­li­to vi­vo, o olhar bri­lhan­te, ou a so­ta­que da voz de ne­nhum au­tor ísi­co. Põe os Lu­sía­das sen­ta­dos na sua mão e já tem ali um Ca­mões que mor­reu no sé­cu­lo XVI. Abre a Sa­gra­da Es­pe­ran­ça de Agos­ti­nho Ne­to e di­a­lo­ga com es­te po­e­ta fa­le­ci­do em 1979.

De tan­to ler, aque­le que lê ica a co­nhe­cer o al­to se­gre­do da te­ce­du­ra ar­tí­ti­co­li­te­rá­ria de ca­da um dos au­to­res. As­sim en­ri­que­ci­do de mo­de­los de te­ce­la­gem da pa­la­vra, ele tor­na-se ca­paz de te­cer o seu pró­prio pa­no de ur­di­du­ras literárias. De tan­to ler é que o crí­ti­co ica ap­to a com­pa­rar a obra de um Nor­man Mil­ler à de Pe­pe­te­la, por exem­plo.

Não é qu­al­quer pes­soa que se tor­na es­cri­tor ou crí­ti­co da Li­te­ra­tu­ra. O es­cri­tor é aque­le que mui­to lê. Cri­ti­co é quem leu mi­lha­res de obras, quem co­nhe­ce pe­lo me­nos vin­te mãos chei­as de au­to­res de ca­da épo­ca da His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de, des­de a Epo­peia de Gil­ga­mesh, da Me­so­po­tâ­mia, aos con­tos fan­tás­ti­cos dos ir­mãos Grimm, ou aos best-sel­lers de J. K. Ro­wling.

Há di­as, veio ter co­mi­go um jo­vem en­tu­si­as­ta com uma his­tó­ria es­cri­ta pa­ra eu ava­li­ar. Li e de­pa­rei-me com um re­la­tó­rio de po­lí­cia, co­mo di­ria o gra­ne con­tis­ta Ma­nu­el Rui. Não sen­ti ali ne­nhum chei­ro de co­mi­da, ne­nhum so­pro de ven­to, ne­nhu­ma luz de fo­go per­di­da na noi­te, nem o pio de uma ave, ou o olhar do­ce de uma mu­lher. Cha­mei o jo­vem e per­gun­tei-lhe se já al­gu­ma vez ti­nha li­do a no­ve­la Quem Me De­ra Ser On­da, de Ma­nu­el Rui. ou Kahi­tu de Wa­nhen­ga Xi­tu. Não sa­bia se­quer quem eram es­ses au­to­res, nem o que re­pre­sen­ta­vam es­ses tí­tu­los na Li­te­ra­tu­ra an­go­la­na. En­tão re­co­men­dei-lhe que os les­se. In­fe­liz­men­te, o jo­vem nun­ca mais me pro­cu­rou. Não apren­deu que não é o au­tor vi­vo que lhe in­tro­duz a téc­ni­ca de es­cre­ver na ca­be­ça, co­mo um fu­nil on­de se des­pe­ja vi­nho ou azei­te num to­nel.

A mi­nha es­pe­ran­ça é que um dia, quan­do o en­si­no em An­go­la ti­ver a qua­li­da­de que ti­nha no tem­po co­lo­ni­al, os pro­fes­so­res po­nham os alu­nos a ler os clás­si­cos na es­co­la e quem qui­ser ser es­cri­tor não pre­ci­se de an­dar atrás de mim, pa­ra eu lhe ava­li­ar a obra. Os li­vros são me­lho­res mes­tres do que eu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.