NGA ELIAS ABRE SHOW DO MÊS

Jornal Cultura - - Primeira Página - ANALTINO SAN­TOS

A No­va Ener­gia abriu a quin­ta Tem­po­ra­da do Show do Mês nos di­as 2 e 3 de Mar­ço, no Royal Pla­za, com con­cer­tos de Elias Dya Ki­mu­e­zo, pro­por­ci­o­nan­do mo­men­tos re­ais ao som do “So­be­ra­no da mú­si­ca” Ao som de “Ca­mi­nho de Fer­ro” as­sis­tiu-se o re­gres­so do rei, de­pois das sau­da­ções e re­co­nhe­ci­men­to fei­tas em Kim­bun­du, pe­los dois pri­mei­ros e um es­cla­re­ci­men­to do “Le­o­nor” te­ma da épo­ca que Elias fa­zia jus ao no­me “Dya Ki­mu­e­zo” com a sua bar­ba far­ta que cau­sa­va o de­lí­rio das “ki­lum­bas” dos mus­se­ques.

ANo­va Ener­gia abriu a quin­ta Tem­po­ra­da do Show do Mês nos di­as 2 e 3 de Mar­ço, no RoyalP­la­za, com con­cer­tos de Elias DyaKi­mu­e­zo, pro­por­ci­o­nan­do mo­men­tos re­ais ao som do “So­be­ra­no da mú­si­ca”.

TeddyN­sin­gui, Kin­ti­no, Mi­as Ga­lhe­ta, João­zi­nho Mor­ga­do, João Da­lo­ba e Mas­so­xi, as­sim como uma sec­ção de so­pros e ou­tra de cor­das acom­pa­nha­ram o Rei da Mú­si­ca An­go­la­na.

Elias DyaKi­mu­e­zo abriu o con­cer­to com “Mo­na Nend­gue” e “MwaLun­ga”. “Ka­to­nho­nho”, “Muim­buUa­mi” e “Le­o­nor” in­ter­pre­ta­dos por Mas­so­xi, Mr. Kim e Ca­la­be­to, vi­e­ram de­mons­trar que DyaKi­mu­e­zo te­ria al­guns súb­di­tos no pal­co. Ao som de “Ca­mi­nho de Fer­ro” as­sis­tiu- se o re­gres­so do rei, de­pois das sau­da­ções e re­co­nhe­ci­men­to fei­tas em Kim­bun­du, pe­los dois pri­mei­ros e um es­cla­re­ci­men­to do “Le­o­nor” te­ma da épo­ca que Elias fa­zia jus ao no­me “DyaKi­mu­e­zo” com a sua bar­ba far­ta que cau­sa­va o de­lí­rio das “ki­lum­bas” dos mus­se­ques. Pau­la, a voz fe­mi­ni­na su­biu de­pois da se­gun­da pas­sa­gem dos ou­tros co­le­gas, en­can­tan­do a pla­teia com “Ma­ma Ku­di­len­go”.

Fo­ram vin­te e cin­co mú­si­cas to­das in­ter­pre­ta­das em Kim­bun­du que pre­ten­de­ram uma pla­teia ávi­da em as­sis­tir Elias DyaKi­mu­e­zo.

Mas­so­xi te­ve tem­po de in­ter­pre­tar ain­da “Ka­lun­ga Ngu­ma”. “Agos­ti­nho Ne­to”, ” La­men­to de Mãe” e “Lumby”. Es­te fi­lho do Ran­gel que co­me­çou a dar os pri­mei­ros pas­sos no Dim­baDyaN­go­la, te­ve pas­sa­gem no 21 de Ja­nei­ro e nou­tras for­ma­ções de­mons­trou que é dos can­to­res que me­lho­rou can­ta Elias DyaKi­mu­e­zo e tra­tou a di­kan­za com mes­tria. O in­ter­pre­te “Pe­len­gue­nha” e “Jo­se­fa” da Ban­da Mo­vi­men­to tam­bém en­can­tou com a sua “ban­ga­fu­ku­la” que ao lon­go da car­rei­ra.

Mis­ter Kim é ou­tra voz apre­ci­a­da pe­los aman­tes da mús­ca an­go­la­na de raiz e que mais uma vez foi con­vi­da­do pa­ra um con­cer­to do Show do Mês, com “Kwi­e­ku” e “Um­gam­ba” não dei­xou os seus cré­di­tos por mãos alhei­as. Es­te mú­si­co que tem o seu ini­cio de car­rei­ra mar­ca­do com a “ki­zom­ba” e o “zouk” com pas­sa­gens pela Ban­da Vo­ga, Ma­ko­sem­ba e ou­tras pe­que­nas for­ma­ções, fez uma vi­ra­gem pa­ra o sem­ba com a sua pas­sa­gem pe­los “Ki­e­zos” sen­do re­co­nhe­ci­do no te­ma “Ma­no”. Sen­te gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de pela con ian­ça e diz que de mo­men­to es­tá con­cen­tra­do na sua for­ma­ção ac­tu­al “Ban­da Mo­vi­men­to” e na di­vul­ga­ção de te­mas como “Ma­na Min­ga” pro­mo­ci­o­nal pa­ra o seu dis­co.

Pau­la uma das vo­zes mais pro­e­mi­nen­tes das Gin­gas do Ma­ku­lus­so en­car­nou bem os la­men­tos “Ma­ma Ku­di­len­go” e no du­e­to que fez em “Res­su­rei­ção” foi de ti­rar o fô­le­go. Em “Xa­ma­vo” o to­que das me­ni­nas da pro­fes­so­ra Ro­sa Ro­que fez-se pre­sen­te e o de­se­jo de uma ac­tu­a­ção das Gin­gas icou pa­ten­te nos pre­sen­tes. Pau­la ape­sar de es­tar afas­ta­da dos pal­cos é das vo­zes fe­mi­ni­nas que Yu­ri Si­mão tem apos­ta­do nos con­cer­tos te­má­ti­cos.

Ca­la­be­to foi Bom­ba, um dos show­mans com mai­or lon­ge­vi­da­de na nos­sa pra­ça, deu uma au­la de in­ter­pre­ta­ção e re­pre­sen­ta­ção, como fi­cou pa­ten­te em “Mu­xi­ma” , “UaZu­a­ta” e “Aka­la­ka­di”. Tra­ta­do pe­los co­le­gas por “Ko­taBwé” sou­be in­te­ra­gir com os pre­sen­tes e foi um au­tên­ti­co mes­tre- de- ce­ri­mo­nia. O ar­tis­ta que co­me­çou na Tur­ma do Rio de Ja­nei­ro, for­ma­ção que cri­ou com 13 anos dos in­ter­ve­ni­en­tes é dos que mais pri­vou pro­fis­si­o­nal­men­te com Elias DyaKi­mu­e­zo, a pas­sa­gem pelo Kis­san­gue­la é um exem­plo, as­sim como as vá­ri­as di­gres­sões in­ter­na­ci­o­nais e es­pec­tá­cu­los.

Elias DyaKi­mu­e­zo mos­trou gar­ra com ou­tros clás­si­cos que mar­ca­ram a tra­jec­tó­ria ar­tís­ti­ca do ar­tis­ta como: o gri­to re­vo­lu­ci­o­ná­rio “São Ni­co­lau”, a co­mo­ven­te “Nza­la”, a ro­mân­ti­ca “Ka­lum­ba”, uma das mais re­cen­tes cri­a­ções su­as “Sam­ba Ma­kia”, a con­ta­gi­an­te e dan­çan­te “Zé Sa­lam­bin­ga”, den­tre ou­tros mar­ca­ram as du­as noi­tes do oc­ta­ge­ná­rio, Elias DyaKi­mu­e­zo, um fi­lho do Sam­ba Ki­mongwa.

Elias Jo­sé Fran­cis­co nas­ceu em Lu­an­da no dia 2 de Ja­nei­ro de 1936, aos se­te anos per­de os pais e cres­ce no Sam­bi­zan­ga com a avó Do­min­gas com quem apren­deu o Kim­bun­du.

Rei Elias Dya Ki­mu­e­zo

Mas­so­xi foi um dos con­vi­da­dos

Ca­la­be­to in­ter­pre­tou al­guns su­ces­sos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.