AMAHIGUÈRÈ DOLO

E A ALMA NA NATUREZA DA AR­TE

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Nas­ci­do no País Do­gon,ogon, no Ma­li,M Amahi­guèrèhi­guèrè Dolo é re­co­nhe­ci­do­o­nhe­ci­do mun­do afo­ra af por su­as es­cul­tu­ra­sas que faz­fa­zem nas­cer do bar­ro ou de tron­co­sos de ma­dei­ra­ma­deir obras de ar­te or­gâ­ni­cas­gâ­ni­cas que mes­clam na­tu­re­za­na e ar­tee art em uma mes­ma pe­ça.

Amahiguèrè Dolo é re­co­nhe­ci­do mun­do afo­ra por su­as es­cul­tu­ras que fazem nas­cer do bar­ro ou de tron­cos de ma­dei­ra obras de ar­te or­gâ­ni­cas que mes­clam natureza e ar­te em uma mes­ma pe­ça. Nas­ci­do no País Do­gon, no Ma­li, o ar­tis­ta, que tam­bém tra­ba­lha com ar­gi­la, fer­ro e pin­tu­ra, se des­ta­cou pe­las ga­le­ri­as do mun­do com obras fei­tas ex­clu­si­va­men­te de ma­te­ri­ais or­gâ­ni­cos e com ma­té­ri­as-pri­mas sim­ples como ma­dei­ra, ter­ra­co­ta e tin­tas na­tu­rais. Seu es­ti­lo apro­xi­ma a ar­te es­té­ti­ca da ar­te na­tu­ral, com for­mas com­ple­xas que se con­fun­dem e se mes­clam com a bran­du­ra do meio am­bi­en­te. Pa­ra ele, a natureza já car­re­ga a men­sa­gem e o seu tra­ba­lho es­tá em de inir e de­ci­frar a alma de cada ob­jec­to, que por si mes­mo é ins­pi­ra­ção e é ar­te.

O es­cul­tor acre­di­ta que exis­te um jo­go am­bí­guo que o ca­rac­te­ri­za como ar­tis­ta. Pa­ra ele, a ar­te é uni­ver­sal e in­di­vi­du­al ao mes­mo tem­po e es­sas du­as fa­ces es­ta­rão sem­pre pre­sen­tes no mun­do de sua cri­a­ti­vi­da­de. Dolo ex­pli­ca que an­tes de tu­do, ele é um ar­tis­ta no sen­ti­do pu­ro e di­rec­to da pa­la­vra e por is­so sua ar­te fa­la, so­bre­tu­do, de si mes­mo, de quem ele é no fun­do. Su­as es­co­lhas são a de um ar­tis­ta e não a de um ar­tis­ta afri­ca­no. An­tes de ser de Do­gon, de ser do Ma­li ou ser da Áfri­ca, ele é ele mes­mo. É nes­ta de ini­ção que ele en­con­tra a am­bi­gui­da­de, uma vez que ao mes­mo tem­po, ser ele mes­mo é ser de on­de ele vem. Tu­do que faz é apoi­a­do e em­ba­sa­do em sua cul­tu­ra. Não por es­co­lha, mas por­que a pró­pria obra fa­la do au­tor e de seu des­lo­ca­men­to no mun­do. A co­no­ta­ção da ori­gem es­ta­rá sem­pre im­plí­ci­ta, sen­do mai­or do que o pró­prio ar­tis­ta.

“Eu ve­nho do país Do­gon, mas eu não tra­ba­lho pa­ra mos­trar o país Do­gon. São os ou­tros que vêem, que adi­vi­nham e que pen­sam au­to­ma­ti­ca­men­te que tal es­cul­tu­ra se as­se­me­lha a tal ca­rac­te­rís­ti­ca da mi­nha cul­tu­ra. São os ana­lis­tas que tra­zem es­se olhar. O que eu fa­ço é o que eu apre­cio, são as coi­sas que mo­ram em mim e que não po­dem ser ou­tras que on­de eu nas­ci e cres­ci. E se exis­te uma aber­tu­ra on­de é pos­sí­vel en­xer­gar is­so, en­tão exis­te. Na ma­te­má­ti­ca do tra­ba­lho que fa­ço, se sen­te a Áfri­ca. E is­so é cla­ro”, ex­pli­ca Dolo ao rei­vin­di­car a uni­ver­sa­li­da­de da ar­te. Fo­ra a re­pre­sen­ta­ção do seu “eu in­tei­ro”, ele acre­di­ta ser um ar­tis­ta como os ou­tros. Pa­ra ele, no ima­gi­ná­rio não exis­te di­fe­ren­ça, tu­do ri­ma em al­gum pon­to. Pelo mun­do, ar­tis­tas po­dem fa­lar da mes­ma coi­sa, e mes­mo es­tar um dentro um do outro. A di­fe­ren­ça es­tá ape­nas na ma­nei­ra de abor­dar a ar­te em sua ba­se, uma vez que a obra de um ar­tis­ta obri­ga­to­ri­a­men­te o tra­du­zi­rá.

“Eu sou o fru­to da mi­nha lo­ca­li­da­de, on­de nas­ci, on­de apren­di, on­de me en­si­na­ram, on­de me for­ma­ram. Eu não pos­so apren­der em outro lu- gar mais do que is­so. Nos ou­tros lu­ga­res, vo­cê apren­de os com­ple­men­tos. É a apren­di­za­gem de ba­se que for­ma o teu ver­da­dei­ro eu”, con­ti­nua o es­cul­tor que acre­di­ta que o que po­de le­var al­guém longe é co­nhe­cer a si mes­mo e às su­as ori­gens. Dolo é de ori­gem ani­mis­ta e em su­as obras a es­pi­ri­tu­a­li­da­de an­ces­tral fa­la mais al­to. Ele acre­di­ta na cos­mo­go­nia com­ple­xa e atri­bui uma alma a cada ser pre­sen­te na ter­ra, ani­mal ou ma­te­ri­al, e por is­so de­fen­de que as for­mas não são gra­tui­tas. Ao apon­tar um tron­co de ma­dei­ra, ele ex­pli­ca que ali a ar­te já es­tá pre­sen­te em seu fei­tio na­tu­ral. E pa­ra es­cul­pir é pre­ci­so dei­xar que o ob­jec­to to­me sua pró­pria for­ma, pa­ra de­pois ape­nas a in­tei­rar e a com­ple­men­tar, des­ta­can­do o que há de mais po­si­ti­vo ne­la.

Nas ma­dei­ras es­cul­pi­das, nos seus qua­dros pin­ta­dos com ter­ra pu­ra, nas ar­gi­las mol­da­das: na ar­te de Amahiguèrè, a con­cep­ção é an­tes de tu­do tra­ba­lhar o in­te­ri­or da es­cul­tu­ra, a sua alma. Pa­ra de­pois, dei­xar a obra nas­cer. “Es­co­lhas téc­ni­cas? Se­rá que eu es­co­lhi al­gu­ma coi­sa? Eu acho que a for­ça es­tá dentro do ma­te­ri­al. O ani­mis­mo é dei­xar as coi­sas es­ta­rem. Nós es­ta­mos do lado de fo­ra e so­mos nós, com nos­so ima­gi­ná­rio, que te­mos que com­pre­en­der o ob­jec­to. É es­sa for­ma, es­sa ma­nei­ra de com­pre­en­são que vai ser a ma­nei­ra que ele de­ve ser. Só de­pois que vo­cê tra­ba­lha a par­te in­ter­na, é que exis­te uma ex­ter­na, é que aqui­lo se trans­for­ma em ma­te­ri­al”, ilus­tra o ar­tis­ta ao ser per­gun­ta­do por su­as mo­ti­va­ções.

Ins­pi­ra­do pela natureza na sua for­ma pu­ra, ele acre­di­ta que cada ma­té­ria tem em si uma pa­la­vra a ser com­pre­en­di­da e cap­ta­da por quem a tra­ba­lha, uma vez que os ma­te­ri­ais da natureza tra­zem al­go além da­qui­lo que é vi­sí­vel: “A água tem uma fun­ção vi­sí­vel e in­vi­sí­vel em re­la­ção ao ho­mem. O ven­to, a ter­ra e ou­tros com­po­nen­tes tam­bém. O ani­mis­mo é es­se as­pec­to or­gâ­ni­co e é tam­bém o res­pei­to a ele.

O ar­tis­ta po­de fa­zer par­te da tra­du­ção en­tre os dois mun­dos. Ele tem que apro­vei­tar dentro do quo­ti­di­a­no o mo­vi­men­to e a lui­dez na­tu­ral dos ele­men­tos na­tu­rais e pa­ra fa­zer is­so é pre­ci­so de alma e de âni­mo”, ilus­tra o es­cul­tor, adi­ci­o­nan­do que o con­cei­to ac­tu­al de ar­te é uma cri­a­ção bur­gue­sa. Pa­ra ele, a ar­te na sua ori­gem é um es­pe­lho do pas­sa­do e do pre­sen­te e a cin­ti­la­ção do ama­nhã, é o sa­cri ício de nos co­lo­car em co­ne­xão com os en­tes in­vi­sí­veis e com o fu­tu­ro que nin­guém co­nhe­ce.

A ar­te é acei­tar que so­mos to­dos sus­cep­tí­veis des­se fu­tu­ro. A ar­te se des­do­bra em si mes­ma, ser­vin­do pa­ra que a so­ci­e­da­de leia a natureza e to­das as su­as for­mas na sua fa­ce mais po­si­ti­va. Por im, pa­ra Amahiguèrè Dolo, dei­xar um ob­jec­to exis­tir é ilu­mi­nar o que nos espera de me­lhor no nos­so des­ti­no.

Ar­te de Na­tan Aqui­no

FLORA PEREIRA DA SILVA (AFREAKA)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.