AR­TUR NEVES LAN­ÇA “CAN­TO AMOR”

Jornal Cultura - - Letras -

As águas do Cu­an­za lu­em com o can­to dos pás­sa­ros e com o rit­mo do cres­ci­men­to de­sor­de­na­do da na­tu­re­za.

O rio des­li­za en­tre bra­ços, ilho­tas e re­gos trans­por­tan­do con­si­go o “Can­to Amor”, ti­tu­lo do li­vro de Ar­tur Neves, lan­ça­do em Lu­an­da, no dia 12 de Maio, que o ven­to le­vou pa­ra jun­to dos ko­tas que im­pro­vi­sa­ram uma ter­tú­lia de po­e­sia na co­mu­na do Bom Jesus, à bei­ra do rio de aguas poé­ti­cas.

En­tre lei­tu­ras, ré­ci­tas e de­cla­ma­ções co­me­ça­ram por exal­tar a mai­or po­e­ti­za an­go­la­na dos anos cin­quen­ta do sé­cu­lo XX, Al­da La­ra, co­mo seu clás­si­co po­e­ma “Tes­ta­men­to”. De­pois foi a vez de exal­tar o po­e­ta mai­or de An­go­la, António Agos­ti­nho Ne­to, com “Adeus à Ho­ra da Lar­ga­da” , “Con­tra­ta­dos”, e “Ha­ve­mos de vol­tar”. O po­e­ta Lo­pi­toFei­jóo re­ci­tou ele pró­prio poemas seus do seu li­vro“Reu­niVer­sos”e al­guns co­mo an­te estreia do seu pró­xi­mo li­vro. Ami­na­taGou­bel (Ma­mã Áfri­ca) de­cla­mou tam­bém poemas de Lo­pi­toFei­jóo. E, pa­ra dig­ni icar a nos­sa lín­gua, foi li­do em boa voz o po­e­ma de Luís Vaz de Ca­mões, “Amor é fo­go que ar­de sem se ver”.

Vol­tan­do ao amor do Ar­tur Neves pe­lo som. O Ar­tur é to­do ele som, po­e­sia e es­pi­ri­tu­a­li­da­de. O Ar­tur é um aman­te do rit­mo, da na­tu­re­za do bem. Co­mo diz o pre­fá­cio do seu li­vro “o som foi sem­pre a vi­da e a sei­va que o mo­ve no mun­do das ar­tes”. E diz mais “Ar­tur Neves é um tro­va­dor. Can­ta o amor so­no­ri­za­do no seu vi­o­lão. Mas de­di­cou boa par­te da sua vi­da a dar som a to­dos os po­e­tas e can­ta­res que de­le se apro­xi­ma­ram.”

Com o po­e­ma “Re­ca­do” ven­ceu o Fes­ti­val da Can­ção de Lu­an­da, or­ga­ni­za­do pe­la Rá­dio Lu­an­da An­te­na Co­mer­ci­al “Lac”.

Foi au­tor de uma le­tra do Hi­no Na­ci­o­nal de An­go­la, que não foi acei­te por fal­ta de par­ti­tu­ra. Co­mo não po­dia dei­xar de ser, a mai­o­ria dosKo­tas eram mu­lhe­res, hou­ve um ho­mem que, dig­ni ican­do-as, leu o po­e­ma “Mu­lher do meu País” do li­vro de Ar­tur Neves, e co­mo to­dos eram aman­tes da na­tu­re­za que bri­lha­va aben­ço­an­do-os, foi li­do o po­e­ma do mes­mo li­vro “Amor à Na­tu­re­za”: Pre­ser­va pro­te­ge e ama Defende o mun­do que te cer­ca Pre­ser­va pa­ra que a har­mo­nia Não aca­be, nun­ca se per­ca. Olha à tua vol­ta! Tens Céu, terra e mar Que ale­gria que be­le­za O vai e vem do sol é uma cer­te­za Com bor­da­dos de lu­ar Can­to to­do o en­can­to De sa­ber com cer­te­za Que se res­pi­rar­mos, so­nha­mos e ama mos Somos de ti, Na­tu­re­za!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.