DA CON­DU­TA AMO­RO­SA DO HO­MEM EM “AMOR SEM PUDOR” DE SO­BE­RA­NO CANYANGA

Jornal Cultura - - Letras -

on­si­de­ran­do que to­da a pro­du­ção li­te­rá­ria é pre­ce­di­da da ex­pe­ri­ên­cia pre­via da lei­tu­ra, pois a “li­te­ra­tu­ra ali­men­ta-se da li­te­ra­tu­ra”, as­sim, ao in­da­gar sobre as in luên­ci­as li­te­rá­ri­as de So­be­ra­no Canyanga em amor Sem Pudor ve­ri ica­mos, na su­per ície tex­tu­al da obra em apre­ço ves­tí­gi­os, umas ve­zes im­plí­ci­tos, ou­tras ve­zes ex­plí­ci­tos, de cons­tru­tos li­te­rá­ri­os quer no con­tex­to an­go­la­no e não só, cu­jo di­a­lo­gis­mo tex­tu­al se­rá de­mons­tra­do no de­cor­rer da nos­sa abor­da­gem.

Em amor Sem Pudor, não é de ad­mi­rar que as in luên­ci­as li­te­rá­ri­as de Canyanga te­nham co­mo nú­cleo a Ge­ra­ção de 80, Ge­ra­ção-in­de­pen­dên­cia (cf. FEIJOÓ, 1994:18) ou ‘‘Ge­ra­ção das In­cer­te­zas’’, se­gun­do Luís Kand­jim­bo. Es­sa Ge­ra­ção pro­du­ziu tex­tos, al­guns dos quais, se po­dem apli­car, ho­je, co­mo re­fe­ren­tes no es­tu­do do ero­tis­mo li­te­rá­rio na Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na, so­bre­tu­do na po­e­sia, pois olhando pa­ra a ju­ven­tu­de do au­tor, tem­pe­ra­da na ci­da­de de Lu­an­da en­tre as di­nâ­mi­cas de so­bre­vi­vên­cia, co­mo ex­pli­ca­dor de Lín­gua Por­tu­gue­sa no Bair­ro Ca­pu­to, a Jor­na­lis­ta, bem co­mo pe­la sua for­ma­ção em His­tó­ria, se­rão in­gre­di­en­tes a con­si­de­rar pa­ra que, no con­tex­to an­go­la­no, pu­des­se en­trar em con­tac­to com obras de es­cri­to­res, de cu­ja pe­na “bro­tam ver­sos de in­ten­so de­lei­te” (FEIJOÓK, 1994:11), co­mo António Pan­gui­la, Amor Men­di­go; Pau­la Tavares, Ri­tos de Pas­sa­gem; Luís Eli­as Qu­e­ta, Bi­nó­mio de Ca­cim­bo; Lo­pi­to Feijoó, En­tre o Écran e o Es­per­ma, João Me­lo, Amor, etc.

A obra, que se cons­truiu, em nos­so en­ten­der, in­te­li­gen­te­men­te sob o sig­no do ero­tis­mo li­te­rá­rio, vai-se de­sen­ro­lan­do em tor­no des­ta at­mos­fe­ra, po­rém, a da­do mo­men­to, é as­sal­ta­da por tex­tos cu­jo cons­tru­to se de­sen­la­ça da at­mos­fe­ra que a pre­si­de, nu­ma es­pé­cie de rup­tu­ra te­má­ti­ca, co­mo se po­de ve­ri icar nos poemas “Fu­ka Ya­mi/Mi­nha Terra” (33); “A Meio do Ka­sim­bu” (p. 34); “Pe­sa­de­lo” (p.41); “De­sa io” (p.42); “Di­as que Cor­rem” (p. 43). Olhando pa­ra os aca­ba­men­tos es­té­ti­cos da mai­o­ria des­ses tex­tos “in­tru­sos” cons­ta­ta­se, na nos­sa vi­são de leitor, a ine­xis­tên­cia de al­gu­ma o ici­na da palavra. co­mo exem­plo po­de­mos ci­tar “Di­as que Cor­rem” (p.43) Gos­to de tra­ba­lhar/adap­to-me a am­bi­en­tes qu­ais­quer/cli­mas or­ga­ni­za­ci­o­nais qu­ais­quer... es­sa pro­sa co­mum, efe­me­ra­men­te po­pu­lar, ou “po­e­sia do de­sa­ba­fo” faz lem­brar a obra Nem Tudo é Po­e­sia de Da­vid Mes­tre.

A inal, que amor é esse que o au­tor se pro­põe apre­sen­tar “sem pudor”? Se­rá o ága­pe? – uma for­ma especial de amor? En­fa­ti­za­do na pers­pec­ti­va te­o­ló- gi­ca co­mo amor de Deus pe­lo Ho­mem, esse amor apre­sen­ta­do no No­vo Tes­ta­men­to por Cris­to, atra­vés do qual Deus ma­ni­fes­ta-o des­cen­den­te e trans­for­ma­dor da Hu­ma­ni­da­de, fa­zen­do com que o Ho­mem fos­se ca­paz de amar o seu se­me­lhan­te, “não por sua be­le­za ou va­lo­res atrac­ti­vos, mas por si mes­mo” (IBOR et al, 1977:6). Se fos­se tal amor, por­que te­ria, en­tão sen­ti­men­to de ver­go­nha que So­be­ra­no Canyanga se pro­põe des­mis­ti icar na sua poé­ti­ca? Ao apre­sen­tá-lo “sem pudor”. Tal­vez, Ny­gren nos apon­te uma saí­da ao con­tra­por o ága­pe ao eros “co­mo di­nâ­mi­ca eró­ti­ca que im­pe­le pa­ra o «ob­jec­to» ama­do, de­se­já­vel” (idem, ibi­dem) que pa­ra os gre­gos pres­su­põe a “for­ça na­tu­ral que im­pe­le os ani­mais e o Ho­mem à re­pro­du­ção”. No pla­no hu­ma­no, eros as­sen­ta nas raí­zes psi­co­ló­gi­cas en­quan­to o se­xo nas raí­zes bi­o­ló­gi­cas.

Por­tan­to, se­xo, eros e ága­pe são três vér­ti­ces da con­du­ta amo­ro­sa do Ho­mem. Se por um la­do exis­te a “atrac­ção se­xu­al” en­tre o ho­mem e a mu­lher, por ou­tro a “atrac­ção eró­ti­ca” na qual se di­gla­di­am sim­pa­ti­as e an­ti­pa­ti­as, de­se­jos e aver­sões, vi­ta­li­da­des e fa­di­gas, in­te­res­ses e de­sin­te­res­ses, é esse com­ple­xo di­nâ­mi­co que le­va o ho­mem e a mu­lher a apai­xo­na­rem-se e a de­si­lu­di­rem-se um pe­lo ou­tro. No inal de tudo, es­sa trí­pli­ce man­ter-se-á, se li­ga­da ao vér­ti­ce do rei­no do ága­pe, do amor pe­re­ne.

De­pois des­se in­trói­to, po­de per­ce­ber-se que em amor Sem Pudor Canyanga evi­den­cia o vér­ti­ce eros – sua di­men­são psi­co­ló­gi­ca – que re­me­te o Ho­mem “não só a apro­pri­a­ção da be­le­za do ou­tro cor­po, mas a al­can­çar o mun­do das ima­gens e das idei­as”. (idem, ibi­dem)

Ora ve­ja­mos. Pa­ra além do su­ges­ti­vo tí­tu­lo amor Sem Pudor, na ca­pa, vê-se uma ima­gem trans­lú­ci­da, ce­no­gra ia tí­pi­ca: de pé, com a par­te su­pe­ri­or dos cor­pos des­nu­dos, pe­las fei­ções ísi­cas, apa­ren­ta um par de jo­vens em bei­jos que adop­tou a po­si­ção mais có­mo­da pa­ra os seus ob­jec­ti­vos. As mãos do ra­paz de­bai­xo dos om­bros de­la mos­tram uma ex­ces­si­va in­ti­mi­da­de se­xu­al. Na ima­gem, cha­ma aten­ção o ca­be­lo cor­ri­do da ra­pa­ri­ga, ape­lan­do pa­ra a ma­triz es­té­ti­ca fe­mi­ni­na oci­den­tal em oposição à ca­ra­pi­nha ou ji­mi afri­ca­no. E aqui, tal­vez, ocor­ra ques­ti­o­nar que cri­té­ri­os es­té­ti­cos ou so­ció-cul­tu­rais pu­de­rão es­tar na ba­se des­sa proposta? Qu­an­do o con­tex­to de que ima­na a obra é an­go­la­no/afri­ca­no, em pri­mei­ra ins­tân­cia a con­tar pe­los re­fe­ren­tes cul­tu­rais pre­do­mi­nan­tes no tex­to.

A obra é inau­gu­ra­da pe­lo po­e­ma “Fai­xa de Ga­ja” (p.7), cons­ti­tuí­do por três es­tro­fes, sen­do to­das qua­dras. O tí­tu­lo, pa­ra os aten­tos ao que se pas­sa no Médio-Ori­en­te, su­ge­re, con­vo­ca, ven­ti­la, o es­pa­ço ísi­co co­nhe­ci­do por Fai­xa de Gaza. A al­te­ra­ção da con­so­an­te /z/ de Gaza pa­ra /j/ Ga­ja pro­põe, sob os aus­pí­ci­os da plu­ris­sig­ni ica­ção, du­as ou mais lei­tu­ras pos­sí­veis: a pri­mei­ra, que cha­ma­re­mos de “ge­o­gra ia fe­mi­ni­na” co­me­ça por con­vo­car dois ele­men­tos da na­tu­re­za: mon­ta­nhas e praia, olhe-se que diz mon­ta­nhas, no mí­ni­mo du­as e praia, uma, sobre as quais um tú­nel já sem dis­tân­cia/ ajuda quem por lá re­la­xa (v. 3, 1.ª es­tro­fe), uma ima­gé­ti­ca que alu­de a ge­o­gra ia fe­mi­ni­na co­mo fon­te de prazer, a inal só é re­la­xan­te o que é pra­ze­ro­so. Mais abai­xo, e man­ten­do a ten­dên­cia me­ta­fó­ri­ca acen­tua, um be­be­dou­ro se­des agu­ça, (v. 4, 2.ªes­tro­fe) in­ter­te­cen­do diá­lo­go com o tre­cho de Pro­vér­bi­os, 5:15 (não do ponto de vis­ta da in­ten­ci­o­na­li­da­de do su­jei­to poé­ti­co, mas do bar­ro usa­do pe­los olei­ros nos cons­tru­tos tex­tu­ais) be­be água da tua cis­ter­na, e das cor­ren­tes do teu po­ço, a relação en­tre as pa­la­vras be­be­dou­ro/cis­ter­na/po­ço, se­des/água mos- tra a “fai­xa da ga­ja”, alu­são a “pe­re­ni­da­de” da ge­o­gra ia fe­mi­ni­na, nas pa­la­vras do po­e­ta en­tre mon­tes e gémeos e terra pro­me­ti­da (v. 2, 3.ª es­tro­fe) em alu­são pe­nín­su­la pe­re­ne.

A segunda: cha­ma­re­mos de “o di­le­ma do Médio-Ori­en­te” co­mo re­fe­rên­cia à si­tu­a­ção en­tre Is­ra­el e Pa­les­ti­na. A palavra “se­cu­ra” co­mo re­fe­ren­te do de­ser­to on­de mor­re quem paus ar­re­mes­sa (v. 2, 2.ª es­tro­fe) nes­se de­ser­to on­de um be­be­dou­ro se­des agu­ça, a disputa pe­lo en­te re­cla­ma­do por uns e por ou­tros, mon­tes gémeos e terra pro­me­ti­da (v.2, 3.ª es­tro­fe), em alu­são à Terra Pro­me­ti­da, se­gun­do o An­ti­go Tes­ta­men­to (men­ci­o­nar). Pa­re­ce-nos, por­tan­to, vin­gar a pri­mei­ra lei­tu­ra, pois, na segunda há co­mo que um es­qui­var do ‘en­ga­ja­men­to’, um di­luir da pers­pec­ti­va Sar­tre­a­na, co­mo dis­se An­te­ro de Qu­en­tal (1988:29) “a po­e­sia dei­xou de ter mis­são so­ci­al. Os ra­ros po­e­tas, que ain­da exis­tem, são ape­nas os res­tos des­tro­ça­dos du­ma ra­ça de ou­tras ida­des e que bre­ve te­rá de­sa­pa­re­ci­do” e con­clui o va­te que “a po­e­sia con­ser­var-se-á, mas per­deu o an­ti­go ca­rác­ter de uma das gran­des for­ças so­ci­ais e es­pi­ri­tu­ais da Hu­ma­ni­da­de, de agen­te po­de­ro­so de ci­vi­li­za­ção”. (idem, p. 30) pa­ra Fri­e­dri­ch Schil­ler a cha­ve pa­ra a so­lu­ção das ques­tões do «mun­do político» te­ria de ser for­ja­da pre­ci­sa­men­te no «mun­do es­té­ti­co» co­mo bem de­fen­deu: “não se tra­ta aqui do que a ar­te é pa­ra mim, e sim de co­mo ela se com­por­ta di­an­te do es­pí­ri­to hu­ma­no”. (BAR­BO­SA apud Schil­ler, 2004:19).

Con­tu­do, em nos­so en­ten­der, a ca­dên­cia es­te­ti­cis­ta, nes­te po­e­ma, des­toa qu­an­do o olei­ro da palavra, na cir­cuns­tân­cia de pôr a mão na ar­gi­la pa­ra dar o to­que inal ao ar­te­fac­to, de­nun­cia com ob­jec­ti­vi­da­de a ur­di­du­ra poé­ti­ca, co­mo se po­de ler no úl­ti­mo ver­so do po­e­ma é en­tre saia e blu­sam

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.