OLOF PALMEHOMENAGEADO EM LU­AN­DA

Jornal Cultura - - Artes -

Odia na­ci­o­nal da Sué­cia foi assinalado, an­te­ci­pa­da­men­te, a 31 de Maio, em Lu­an­da com a apre­sen­ta­ção do bus­to do an­ti­go pri­mei­ro­mi­nis­tro Su­e­co, Olof Pal­me, o “lu­ta­dor ho­no­rá­rio pe­la li­ber­da­de”, pe­lo em­bai­xa­dor da Sué­cia em An­go­la, Len­nart Kil­lan­der Lars­son, num jan­tar na sua re­si­dên­cia o ici­al on­de exi­biu a es­cul­tu­ra de Pal­me cri­a­da pe­lo ar­tis­ta An­go­la­no, Jo­ne Ferreira.

O dia na­ci­o­nal que é ce­le­bra­do a 6 de Ju­nho, re­lem­bra a elei­ção do rei Gus­ta­vo Va­sa em 1523 e a pro­mul­ga­ção da Cons­ti­tui­ção, em 1809.

Olof Pal­me nas­ceu em Estocolmo, em 1927 e foi as­sas­si­na­do em 1986. Exer­ceu o cargo de pri­mei­ro- mi­nis­tro nos pe­río­dos 1969 a 76 e 1982 a 86. Ini­ci­ou a sua car­rei­ra po­lí­ti­ca em 1953 e en­trou pa­ra o parlamento su­e­co em 1958. Já nes­sa al­tu­ra, Pal­me ti­nha idei­as po­lí­ti­cas bem de­fi­ni­das: a eli­mi­na­ção do co­lo­ni­a­lis­mo; o di­rei­to à au­to­de­ter­mi­na­ção na­ci­o­nal; a ne­ces­si­da­de de uma no­va or­dem eco­nó­mi­ca glo­bal; a luta con­tra o ra­cis­mo; e o so­nho dos di­rei­tos iguais e da de­mo­cra­ti­za­ção da educação.

Pal­me foi um re­for­ma­dor, acre­di­tou nu­ma so­ci­e­da­de for­te em que o em­pre­go e o sec­tor pú­bli­co são de­ter­mi­nan­tes pa­ra au­men­tar a igual­da­de en­tre di­fe­ren­tes gru­pos so­ci­ais e tam­bém en­tre ho­mens e mu­lhe­res.

Ecle­siás­ti­cas, em 1967. Foi elei­to lí­der do par­ti­do So­ci­al De­mo­cra­ta, em 1969. Em Ju­lho de 1970, Agos­ti­nho Ne­to e Olof Pal­me reu­ni­ram- se em Estocolmo e a par­tir de en­tão, o MPLA pas­sou a re­ce­ber apoio hu­ma­ni­tá­rio, in­cluin­do a es­co­la que o mo­vi­men­to an­go­la­no de­ti­nha no Con­go.

A ajuda Su­e­ca per­ma­ne­ceu até à in­de­pen­dên­cia de An­go­la. Em Fe­ve­rei­ro de 1976, a Sué­cia re­co­nhe­ceu ofi­ci­al­men­te An­go­la e abriu a sua re­pre­sen­ta­ção di­plo­má­ti­ca em Lu­an­da.

Sobre o im­pac­to que Olof Pal­me te­ve nos mo­vi­men­tos in­de­pen­den­tis­tas afri­ca­nos, Pau­lo Jorge, an­ti­go mi­nis­tro An­go­la­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, em en­tre­vis­ta pa­ra o Li­be­ra­ti­o­na­fri­ca. se, con­tou que es­te­ve num en­con­tro em Ma­pu­to, Moçambique em que Pal­me tam­bém par­ti­ci­pou. “Num jan­tar ofe­re­ci­do pe­lo pre­si­den­te Samora Ma­chel, na mes­ma me­sa que eu es­ta­vam Ma­chel, Pal­me, Jo­a­quim Chis­sa­no, o mi­nis­tro mo­çam­bi­ca­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e ou­tros lí­de­res. Nes­sa oca­sião des­ta­cou-se o en­vol­vi­men­to de Pal­me na li­ber­ta­ção do con­ti­nen­te afri­ca­no e por causa do seu com­pro­mis­so com os mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção, foi-lhe atri­buí­do um tí­tu­lo ho­no­rá­rio. A par­tir da­que­le mo­men­to co­me­ça­mos a di­ri­gir-nos ao pri­mei­ro- mi­nis­tro Olof Pal­me co­mo o “lu­ta­dor ho­no­rá­rio pe­la li­ber­da­de”.

JO­NE FERREIRA ALBERTO

O au­tor da es­cul­tu­ra de Olof Pal­me nas­ceu em 1989, em Nda­la­tan­do. É um ar­tis­ta au­to­di­dac­ta, que tra­ba­lha ape­nas com ma­te­ri­ais re­ci­cla­dos pa­ra mos­trar à so­ci­e­da­de que po­de­mos aca­bar com os des­per­dí­ci­os.

O ar­tis­ta acre­di­ta na for­ma­ção con­ti­nua dos jo­vens que têm mos­tra­do a sua ar­te e cri­a­ti­vi­da­de em vá­ri­as dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas. Em 2014, com ba­se em to­da es­ta ex­pe­ri­ên­cia, o ar­tis­ta cri­ou o ´ Mu­seu do Li­xo ´ si­to no Mu­ni­cí­pio de Be­las, atra­vés do importante apoio do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, De­par­ta­men­to de Sa­ne­a­men­to e Tra­ta­men­to de Re­sí­du­os Só­li­dos. Em 2017, fez uma ex­po­si­ção in­di­vi­du­al de no­me “A Len­da da Trans­for­ma­ção” no ´ ELA - Es­pa­ço Lu­an­da Ar­te ´ . As su­as obras per­ten­cem a vá­ri­as colecções na­ci­o­nais e internacionais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.