SG DA ONU: “NEO-NA­ZIS­MO É UM CÂN­CER QUE VOL­TOU A ES­PA­LHAR-SE PE­LO MUN­DO”

Jornal Cultura - - Diálogo Intercultural -

a inau­gu­ra­ção da ex­po­si­ção sobre a Segunda Gu­er­ra Mun­di­al, o se­cre­tá­rio-ge­ral das Na­ções Uni­das, António Gu­ter­res, a ir­mou em No­va Ior­que, em 9 de Maio, que ac­tos pa­ra lem­brar o con li­to nun­ca fo­ram tão sig­ni ica­ti­vos quan­to ac­tu­al­men­te. Se­gun­do o chefe da ONU, mais uma vez, o mun­do é pal­co da pro­li­fe­ra­ção do an­ti-se­mi­tis­mo e do neo-na­zis­mo, des­cri­to por Gu­ter­res co­mo "um cân­cer". Na ter­ça-feira (8), a ren­di­ção in­con­di­ci­o­nal da Ale­ma­nha com­ple­tou 73 anos.

Lem­bran­do que o con­fron­to cau­sou uma des­trui­ção "ab­so­lu­ta­men­te ini­ma­gi­ná­vel", Gu­ter­res res­sal­tou que a União So­vié­ti­ca foi, "de lon­ge", o Es­ta­do com o mai­or nú­me­ro de sa­cri íci­os du­ran­te o com­ba­te aos na­zis­tas.

"Ve­mos um mun­do em que con li­tos pro­li­fe­ram, em que tan­tas guer­ras es­tão acon­te­cen­do. Por­tan­to, acre­di­to que é ab­so­lu­ta­men­te es­sen­ci­al lem­brar a to­dos nós as li­ções da Segunda Gu­er­ra Mun­di­al que, pa­ra a União So­vié­ti­ca, foi con­si­de­ra­da a Gran­de Gu­er­ra Pa­trió­ti­ca", a ir­mou o se­cre­tá­rio-ge­ral du­ran­te a aber­tu­ra de uma mos­tra na se­de das Na­ções Uni­das. Ou­tro pro- ble­ma, aler­tou o di­ri­gen­te, é o re­a­pa­re­ci­men­to de men­sa­gens neo-na­zis­tas.

"Ve­mos mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos que, ou con­fes­sam a sua ili­a­ção neo-na­zis­ta ou, no mí­ni­mo, usam a sim­bo­lo­gia, as ima­gens, as pa­la­vras co­mo "san­gue e so­lo" (dos na­zis­tas). Ve­mos is­so ser re­pe­ti­do em ma­ni­fes­ta­ções em di­fe­ren­tes par­tes do mun­do. Is­so é um cân­cer que es­tá co­me­çan­do a se es­pa­lhar no­va­men­te e acho que é nos­so de­ver fa­zer to­do o pos- sí­vel pa­ra as­se­gu­rar que es­sa do­en­ça hor­rí­vel se­ja cu­ra­da", en­fa­ti­zou Gu­ter­res.

De acor­do com o se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, "a me­mó­ria de to­dos aque­les que con­se­gui­ram der­ro­tar o na­zis­mo em 1954 nos per­mi­te der­ro­tar qual­quer for­ma de neo-na­zis­mo nos di­as de ho­je". "Não po­de­mos nos es­que­cer do pi­or cri­me dos na­zis­tas, que foi, é cla­ro, o Ho­lo­caus­to", lem­brou o chefe do or­ga­nis­mo in­ter­na­ci­o­nal. Jun­to com o neo-na­zis­mo, dis­se­mi­nam-se tam­bém o an­ti-se­mi­tis­mo e ou­tras for­mas de ódio, co­mo a dis­cri­mi­na­ção di­rec­ci­o­na­da aos mu­çul­ma­nos.

"Eu es­pe­ro sin­ce­ra­men­te que as li­ções da vi­tó­ria de Maio nos aju­da­rão a der­ro­tar o res­sur­gi­men­to de idei­as e con­vic­ções que eu acha­va que es­ta­vam en­ter­ra­das pa­ra sem­pre. É nos­so de­ver fa­zer is­so por­que não po­de­mos acei­tar que es­sas ide­o­lo­gi­as re­tor­nem", com­ple­tou Gu­ter­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.