JAKA JAMBA

HO­MEM DE LE­TRAS E DE­FEN­SOR DA CAUSA AFRI­CA­NA

Jornal Cultura - - Primeira Página -

A lme­rin­do Jaka Jamba de­di­cou a sua vi­da à Causa Afri­ca­na, ten­do con­tri­buí­do pa­ra a di­fu­são do pen­sa­men­to de autores co­mo Achil­le Mbem­be, Vum­bi Yo­ka Mu­dim­be, Pau­lin Houn­tond­ji, Je­an-Marc Ela ou Cheikh An­ta Di­op.

As ques­tões li­ga­das à iden­ti­da­de cul­tu­ral, iden­ti­da­de na­ci­o­nal, di­ver­si­da­de cul­tu­ral e lín­guas afri­ca­nas es­ti­ve­ram no cen­tro das su­as pre­o­cu­pa­ções, ten­do in­clu­si­va­men­te apre­sen­ta­do con­fe­rên­ci­as sobre es­tas ma­té­ri­as. A sua dis­ser­ta­ção de Mes­tra­do, in­ti­tu­la­da “Cons­tru­ção da Na­ção em so­ci­e­da­des plu­rais. O ca­so an­go­la­no” ilus­tra bem es­ta sua pre­o­cu­pa­ção com o pul­sar afri­ca­no e o sen­tir an­go­la­no.

Re­gis­ta­mos tam­bém a tra­du­ção pa­ra um­bun­du do li­vro “Quem me de­ra ser on­da”, de Manuel Rui Monteiro, que Jaka Jamba trans­por­tou pa­ra as co­mu­ni­da­des do Pla­nal­to Cen­tral, na sua lín­gua ma­ter­na. A pre­o­cu­pa­ção com as lín­guas na­ci­o­nais es­te­ve sem­pre pre­sen­te nas su­as in­ter­ven­ções, em di­fe­ren­tes mo­men­tos da sua ac­ção aca­dé­mi­ca ou po­lí­ti­ca.

Mas as su­as pre­o­cu­pa­ções in­te­lec­tu­ais su­pe­ra­ram em lar­ga me­di­da as ques­tões afri­ca­nas e an­go­la­nas. No seu le­ga­do, Jaka Jamba dei­xa- nos tam­bém uma di­men­são hu­ma­nis­ta e fi­lo­só­fi­ca mais am­pla, que tem a ver ( por um la­do) com o contributo que a Ci­ên­cia po­de pres­tar pa­ra exe­cu­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas que es­te­jam de acor­do com o an­seio das pessoas e ( por ou­tro la­do) com o contributo da Fi­lo­so­fia e das Ci­ên­ci­as So­ci­ais pa­ra uma go­ver­na­ção in­clu­si­va.

To­das es­tas pre­o­cu­pa­ções, Jaka Jamba foi trans­mi­tin­do às no­vas ge­ra­ções. A par­tir do mo­men­to em que foi ad­mi­ti­do co­mo do­cen­te na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, en­con­trou es­pa­ço pri­vi­le­gi­a­do pa­ra a trans­mis­são de va­lo­res aos mais jo­vens, no âm­bi­to da sua for­ma­ção co­mo se­res hu­ma­nos e co­mo futuros pro­fis­si­o­nais das Ci­ên­ci­as So­ci­ais.

Co­mo em­bai­xa­dor de An­go­la jun­to da UNESCO, ma­ni­fes­tou gran­de pre­o­cu­pa­ção com a pre­ser­va­ção do pa­tri­mó­nio ma­te­ri­al e ima­te­ri­al an­go­la­no, bem co­mo com a am­pla di­fu­são das lín­guas e dos va­lo­res po­si­ti- vos da cul­tu­ra mar­ca­da­men­te an­go­la­na. Re­cor­do- me que che­gá­mos a abor­dar a sé­ria ques­tão re­la­ci­o­na­da com o aces­so à ins­tru­ção na lín­gua ma­ter­na de ca­da um, que é as­sun­to mui­tas ve­zes ol­vi­da­do pe­las au­to­ri­da­des do nos­so país li­ga­das ao sec­tor da educação.

Co­mo político, sem­pre es­te­ve li­ga­do à UNITA – União Na­ci­o­nal pa­ra a In­de­pen­dên­cia To­tal de An­go­la, cu­ja Co­mis­são Po­lí­ti­ca in­te­grou. Foi em re­pre­sen­ta­ção do seu par­ti­do político que Almerindo Jaka Jamba in­te­grou em 1975 ( com 26 anos) o Go­ver­no de Tran­si­ção de An­go­la, co­mo Se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Informação. Foi de­pois de­pu­ta­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, on­de che­gou a exer­cer as fun­ções de Vi­ce- Pre­si­den­te do parlamento, de Pre­si­den­te da 8 ª Co­mis­são e de Vi­ce- Pre­si­den­te da Co­mis­são de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res.

O le­ga­do que Almerindo Jaka Jamba nos dei­xa tem a ver com o fac­to de a sua for­ma­ção ter es­ta­do ali­cer­ça­da no Pan-Afri­ca­nis­mo, na di­men­são ecu­mé­ni­ca do diá­lo­go en­tre cul­tu­ras e no sen­tir, no pul­sar e nas vi­vên­ci­as das su­as gen­tes – o povo do Pla­nal­to, os po­vos de An­go­la, os po­vos de Áfri­ca.

TES­TE­MU­NHO

Se me per­mi­tem, que­ro ter­mi­nar a mi­nha apre­sen­ta­ção com um tes­te­mu­nho na pri­mei­ra pes­soa, que re­sul­ta da con­vi­vên­cia com oMais Ve­lho Jaka Jamba, co­mo eu o tra­ta­va. A di­fe­ren­ça de ida­des en­tre nós é de 11 anos, o que faz de­le um ir­mão mais ve­lho.

Ou­vi, pe­la pri­mei­ra vez, o seu no­me qu­an­do da cons­ti­tui­ção do Go­ver­no de Tran­si­ção de An­go­la. Vim a co­nhe­cê- lo ape­nas no parlamento an­go­la­no, de­pois do pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção e das elei­ções de 1992.

Sem­pre ti­ve ad­mi­ra­ção por Jaka Jamba, de­vi­do a ha­ver gran­de sin­to­nia en­tre nós, a res­pei­to de ques­tões de na­tu­re­za cul­tu­ral. Mui­ta gen­te não sa­be, mas o meu pri­mei­ro lo­cal de tra­ba­lho foi o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, ten­do de­pois se­gui­do pa­ra o Mi­nis­té­rio da Informação. Só de­pois vim pa­ra a uni­ver­si­da­de, on­de me man­te­nho até ho­je. Por­tan­to, a mi­nha pre­o­cu­pa­ção com as ques­tões li­ga­das à tra­di­ção, aos va­lo­res e ao pen­sar ge­nuí­no vem não ape­nas do pro­ces­so de so­ci­a­li­za­ção, mas tam­bém da op­ção la­bo­ral que fiz em 1979. Não ad­mi­ra, pois, que Jaka Jamba e eu ( seu mais no­vo) par­ti­lhás­se­mos mui­tos pon­tos de vis­ta co­muns.

Des­de ce­do me aper­ce­bi que, ape­sar de ter­mos di­fe­ren­tes ori­gens po­lí­ti­cas, uti­li­zá­va­mos o mes­mo lin­gua­jar pa­ra tra­tar das ques­tões de na­tu­re­za ( di­ga­mos as­sim) cul­tu­ral.

Mas o mais importante foi dar con­ta de ou­tro pro­ce­di­men­to que tí­nha­mos em co­mum: o Mais Ve­lho Jaka Jamba sa­bia “se­pa­rar as águas” –à po­lí­ti­ca o que é da po­lí­ti­ca, à ci­ên­cia o que é da ci­ên­cia. Não é fá­cil abs­trair­mo- nos das car­ti­lhas po­lí­ti­cas pa­ra, tra­ba­lhan­do nu­ma uni­ver­si­da­de, en­ten­der­mos que o dis­cur­so aca­dé­mi­co se de­ve fa­zer de for­ma au­tó­no­ma e sem pre­con­cei­tos. De fac­to, te­nho de re­co­nhe­cer que pou­cos con­se­gui­mos fa­zê- lo. Quão gra­ti­fi­can­te não foi pa­ra mim, aper­ce­ber- me des­ta op­ção em Jaka Jamba…

É com es­te tes­te­mu­nho que ter­mi­no a mi­nha ho­me­na­gem ao meu colega de fa­cul­da­de e ao meu con­fra­de na Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, o Imor­tal Almerindo Jaka Jamba. Sai­ba­mos, pois, hon­rar a sua me­mó­ria.

Ho­me­na­gem a Almerindo Jaka Jamba Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais da UAN Lu­an­da, 25 de Maio de 2018

PAU­LO DE CARVALHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.