ÁFRI­CA LOUVADA EM LU­AN­DA COM POEMAS NO FIO DA NOI­TE

Jornal Cultura - - Primeira Página -

“O mar, o ven­to, a som­bra do co­quei­ro o ba­tu­que fér­til dos nos­sos co­ra­ções ca­lan­do o leão que ru­ge de pé nas ru­as da ci­da­de.” José Luís Mendonça

É pre­ci­so uma cer­ta do­se de pai­xão pe­lo tra­ço es­cul­tu­ral da ima­gé­ti­ca Ban­tu pa­ra trans­for­mar a pró­pria ca­sa em mu­seu de ar­te Afri­ca­na. Qu­an­do se alia es­sa pai­xão à po­e­sia, a es­cul­tu­ra ali ex­pos­ta ga­nha Voz. Jun­te-se a es­ses dois in­gre­di­en­tes uma da­ta importante: o 25 de Maio, Dia de Áfri­ca, o mar da Co­rim­ba, a ma­re­sia e o far­fa­lhar das fo­lhas do co­quei­ro fren­te ao mu­ro da ca­sa do po­e­ta Lo­pi­to Fei­jóo, agre­gue-se­lhe um grupo de gen­te en­can­ta­da pe­la ar­te da palavra e o re­sul­ta­do é uma ter­tú­lia sui ge­ne­ris.

Tal acon­te­ceu no dia se­guin­te, 26 de Maio, sob o olhar ex­pec­tan­te de um io pen­du­ra­do de poemas, que ca­da um pô­de ar­ran­car e di­zer na noi­te que se pro­lon­gou até à ma­dru­ga­da de Do­min­go.

San­dra Poul­son, uma an­go­la­na de­di­ca­da a pro­jec­tos de pro­mo­ção do li­vro e da lei­tu­ra jun­to das co­mu­ni­da­des ru­rais, foi a mes­tre de ce­ri­mó­nia do en­con­tro que abriu com uma en­ce­na­ção do ac­tor Os­val­do Xi­se­ke, a di­zer poemas do an itrião e de Sha­kes­pe­a­re.

Por­que se co­me­mo­ra o Dia de Áfri­ca, se não há Dia da Eu­ro­pa nem da Ásia?, ques­ti­o­nou a mes­tre de ce­ri­mó­nia, per­gun­ta que icou sem res­pos­ta no ar já meio frio do Ca­cim­bo ad­ven­tí­cio.

Mas a noi­te aque­ce­ria com os le­ga­dos poé­ti­cos de António Ja­cin­to, na sua Car­ta de Um Con­tra­ta­do, di­to por Fi­lo­me­na de Mendonça, pa­ra além de ou­tros no­mes mui al­tos da po­e­sia afri­ca­na de lín­gua por­tu­gue­sa, co­mo Noé­mia de Sou­sa e Al­da La­ra.

Ami­na­ta Gou­bel quis hon­rar o ma­ri­do e re­ci­tou De Pe­dra & Cal, criado por Lo­pi­to Fei­jóo num dia já dis­tan­te, po­e­ma es­te que dei­xa­ria a de­cla­ma­do­ra com a fama de Ma­mã Áfri­ca e a le­va­ria a ja­mais dei­xar o seu há­bi­to de tra­jar-se es­tri­ta­men­te de co­res e ade­re­ços do Con­ti­nen­te-ber­ço.

O lin­guis­ta de Ben­gue­la Már­cio Un­do­lo, o ve­lho fo­tó­gra­fo cu­ba­no Raul Bo­oz, o jor­na­lis­ta bra­si­lei­ro João Be­li­sá­rio, a po­e­ti­sa Olin­da Cas­tro, Luís Ro­sa Lo­pes, o pró­prio Lo­pi­to Fei­jóo e ou­tros con­vi­da­dos ize­ram da festa de Áfri­ca um tem­po de po­e­sia que tan­to saía do io pen­du­ra­do na noi­te, de obras aber­tas no lo­cal ou da me­mó­ria de ca­da um.

A mú­si­ca mar­cou pre­sen­ça, com acor­des extraídos da vi­o­la do exí­mio com­po­si­tor dos SSP, Jeff Brown, e da me­ló­di­ca voz de Jay Lorenzo, en­quan­to Raul Bo­oz com­pri­mia o de­do in­di­ca­dor no bo­tão da câ­ma­ra fo­to­grá ica, re­gis­tan­do ima­gens pa­ra a pos­te­ri­da­de.

Um mo­men­to su­bli­me foi a proposta pa­ra um im­pro­vi­so poé­ti­co co­lec­ti­vo. Com o mi­cro­fo­ne a an­dar de mão em mão, o cír­cu­lo de vo­zes fez cum­prir o le­ma “Po­e­tas e Ar­tis­tas de to­do o Mun­do, can­tai Áfri­ca!”

KALUNGA (do bloco de no­tas de San­dra Poul­son)

Kalunga, mar, azul, oceâ­ni­co e atlân­ti­co, de areia bran­ca com con­chas mul­ti­co­lo­res, se­res aquá­ti­cos e ou­tros lou­vo­res é a ex­ten­são do quin­tal da ca­sa do po­e­ta Lo­pi­to Fei­jóo, lo­cal mís­ti­co on­de a ar­te afri­ca­na é rainha. Ain­da o po­en­te não era la­ran­ja pa­ra co­brir o mun­do, qu­an­do os por­tões do edi ício cor de Sol, de dois pi­sos, fo­ram aber­tos. Cá fo­ra dan­ça­vam bor­bo­le­tas e pás­sa­ros ro­do­pi­an­do e chil­re­an­do dan­do as bo­as vin­das.

O pa­tri­mó­nio histórico-cul­tu­ral do in­te­ri­or do edi ício na­da de­ve a qual­quer Mu­seu. On­de a ar­te pai­ra no ar, os aro­mas são do an­ti­go, as di­ver­sas pe­ças en­tre es­cul­tu­ras e bus­tos afri­ca­nos mo­vi­am-se em di­rec­ção aos vi­si­tan­tes, en­quan­to es­tes mul­ti­pli­ca­vam os olha­res pa­ra be­ber to­do o sa­ber que es­ta­va con­ti­do no am­bi­en­te, nas luzes, nas pa­re­des e nos te­sou­ros.

O va­lor afec­ti­vo e emo­ci­o­nal que as pe­ças ti­nham foi trans­mi­ti­do pe­los pro­pri­e­tá­ri­os aos vi­si­tan­tes de for­ma gra­ti ican­te e sin­ge­la.

Cá fo­ra as igua­ri­as eram ser­vi­das. Ha­via de tudo. Fun­ji ma­lan­ji­no, de bom­bó sem bo­lhas. Ki­sa­ka, sa­ka-fo­lha, jin­gu­ba. O co­zi­do, esse, era à por­tu­gue­sa. A be­bi­da re­le­van­te era o su­mo de mú­cua e o su­mo de uvas. Tudo ser­vi­do em re­ci­pi­en­tes tra­di­ci­o­nais an­go­la­nos.

À me­di­da que o mar se es­prai­a­va bei­jan­do a areia bran­ca, o Sol apro­vei­ta­va tam­bém pa­ra bei­jar o mar, fa­zen­do com que a pe­num­bra da noi­te des­per­tas­se as men­tes ar­tís­ti­cas.

É no po­en­te que a ar­te de sun­gui­lar co­me­ça a dar os seus me­lho­res fru­tos. E qu­an­do se en­con­tram al­tas pa­ten­tes ar­tís­ti­cas, os fru­tos ma­du­ros obri­ga­to­ri­a­men­te con­ta­gi­am os ver­des.

Foi o con­ti­nen­te afri­ca­no va­lo­ri­za­do e lem­bra­do, por lei­gos e ar­tis­tas de vá­ri­as áreas e con­ti­nen­tes.

De An­go­la, es­ti­ve­ram pre­sen­tes: da pro­vín­cia de Ma­lan­ge, do Mu­ni­cí­pio do Lom­be, J. A. S. Lo­pi­to Fei­jóo K., com o seu “Po­e­ma Pri­mei­ro da causa”, de­cla­ma­do pe­lo pró­prio. Da pro­vín­cia do Cu­an­za-Sul, da Ci­da­de da Ga­be­la, es­te­ve a Lin­da Mar­ques, que can­tou e en­can­tou mú­si­cas bra­si­lei­ras. Da Pro­vín­cia do Cu­an­za-Nor­te, da co­mu­na da Mus­su­em­ba, mu­ni­cí­pio do Go­lun­go Al­to, es­te­ve o escritor e po­e­ta José Luís Mendonça, que num guar­da­na­po de pa­pel re­di­giu o po­e­ma que abre es­ta reportagem, ten­do li­do acom­pa­nha­do à vi­o­la pe­lo mú­si­co Jeff Brown, da Pro­vín­cia da Lun­da-Sul e ao re­co-re­co e tam­bém ao co­ro o can­tor de Jazz, Jay Lorenzo. Da pro­vín­cia de Lu­an­da, eram múl­ti­plos os re­pre­sen­tan­tes; en­tre autores e po­e­tas es­ta­va Luís Ro­sa Lo­pes.

De An­go­la, a po­e­sia abriu bri­lhan­te­men­te com Fi­lo­me­na Mendonça que de­cla­mou vá­ri­os poemas en­tre eles “Na­mo­ro”, de Vi­ri­a­to da Cruz. San­dra Poul­son de­cla­mou “O tes­ta­men­to” de Al­da La­ra, en­tre ou­tros. Tam­bém se ou­viu po­e­sia de Ben­gue­la de Raul Da­vid.

De Moçambique, foi tam­bém li­do por San­dra Poul­son o po­e­ma “San­gue ne­gro”, da po­e­ti­sa Noé­mia de Sou­sa.

Do Bra­sil, o que mais se des­ta­cou foi o rap­per João Be­li­sá­rio que sem al­gum trei­no can­tou vá­ri­as me­lo­di­as.De Cu­ba, o fo­tó­gra­fo Raul Bo­oz cha­mou du­ran­te mi­nu­tos a aten­ção sobre si, qu­an­do con­tou uma emo­ci­o­nan­te his­tó­ria. O con­ta­dor de his­tó­ri­as mais no­vo, ti­nha 4 anos de idade. Al­guns par­ti­ci­pan­tes fo­ram cha­ma­dos à ri­bal­ta, ou­tros, es­pon­ta­ne­a­men­te ac­tu­a­ram na­que­le pal­co sem fim, em que os es­pec­ta­do­res eram os ha­bi­tan­tes do mar, as es­tre­las e a Lua. A luz da Lua é a úni­ca que tem o dom de cha­mar as li­te­ra­tu­ras da noi­te, a po­e­sia que vem do âma­go, as can­ti­gas da nos­sa ju­ven­tu­de e a veia te­a­tral.

E foi des­ta for­ma que o con­ti­nen­te afri­ca­no foi lem­bra­do, enal­te­ci­do, ten­do co­mo an itriã uma mu­lher ri­go­ro­sa­men­te ves­ti­da, pen­te­a­da, e or­na­da à afri­ca­na: Ma­mã Áfri­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.