LEMBA, A ORFÃ CON­TO DE EMA­NU­EL ALASVIDA

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ema­nu­el Alasvida (Manuel Pe­dro Ki­sin­gi) nas­ceu em Lu­an­da, a 19 de Maio de 1994. É es­tu­dan­te de Di­rei­to e pro­fes­sor. Mem­bro ac­ti­vo do mo­vi­men­to LEV’AR­TE.

Nan­ga não que­ria con­ce­ber a ideia de que per­de­ra o seu ami­go na ma­ta do Io­ma, que a es­cu­ri­dão in­ten­sa da noi­te ti­nha atrai­ço­a­do o ca­mi­nho da fu­ga, e fo­ra o mo­ti­vo pe­lo qual per­de­ra o seu ami­go na­que­le dia, per­se­gui­dos por um ani­mal sel­va­gem, que lhes apa­re­ce­ra no ca­mi­nho, qu­an­do saíam be­ber água do rio Kin­da. Ele, Nan­ga, co­nhe­cia bem os se­gre­dos da ma­ta, a di­rec­ção pa­ra fo­ra de­la, os es­con­de­ri­jos, ain­da que houvesse tan­ta es­cu­ri­dão nu­ma noi­te sem lu­ar que pu­des­se ser per­cal­ço pa­ra alguém não con­se­guir dis­cer­nir ou re­co­nhe­cer o ca­mi­nho ao fu­gir. Ele con­se­guiu es­ca­par do ata­que e en­con­trar o ca­mi­nho de vol­ta pa­ra ca­sa. Mas o seu ami­go Vun­da foi des­pe­da­ça­do por aque­le ani­mal sel­va­gem que sur­gi­ra no meio da ma­ta, por­que o mes­mo fu­gi­ra pa­rao ou­tro la­do da ma­ta, que não co­nhe­cia.En­cur­ra­lou-se, o ani­mal o apa­nhou e o ma­tou.

–Pai Nan­ga, por­que es­tás as­sim tão tris­te? Acon­te­ceu al­gu­ma coi­sa? E o pai Vun­da? Ele vem atrás de ti?–Per­gun­tou-lheLem­ba,úni­ca ilha do seu ami­go Vun­da, bas­tan­te pre­o­cu­pa­da.

De­pois, ven­do as lá­gri­mas que trans­bor­da­vam o ros­to de Nan­ga, ti­nha pres­sen­ti­men­to de que al­go de mal acon­te­ce­ra.Lemba ti­nha co­ra­ção mo­le, era fra­ca em con­ter emoções. Já co­me­ça­va a cri­ar lá­gri­mas no seu ros­to tam­bém.

–Nós ví­nha­mos do cam­po, de­pois do rio Kin­da, qu­an­do de re­pen­te fo­mos atacados por um ani­mal, pa­re­cia uma on­ça.De­prin­cí­pio, cor­ría­mos jun­tos, mas de­pois,Vun­da, teu pai, op­tou por ou­tro ca­mi­nho, e per­fu­rouo ou­tro la­do da ma­ta, aí por on­de o ca­pim é mais al­to, por­que pen­sa­va es­con­der-se de­bai­xo do ca­pim al­to. Eu con­ti­nu­ei na di­rec­ção que jul­ga­va cer­ta até que es­bar­rei-me fo­ra da ma­ta.Posto fo­ra, es­pe­rei por ele por du­as ho­ras, mas ele não apa­re­cia. Gri­tei por ele, de tal for­ma que ou­vi o eco da mi­nha voz vin­do de to­dos os lu­ga­res da ma­ta, mas ele não res­pon­dia. Por im, per­di o me­do e en­trei na ma­ta com uma ra­ma­lha que ti­nha apa­nha­do lá fo­ra da ma­ta, pa­ra o ten­tar res­ga­tar.Mas,in­fe­liz­men­te,en­con­trei-o mor­to e des­pe­da­ça­do no ca­pim.

Qu­an­do Lem­ba­ou­viu is­so do Nan­ga, lan­çou-se por terra e co­me­çou a cho­rar. Se re­bo­la­va no chão e gri­ta­va o no­me de Vun­da, seu pai. Vun­da era a úni­ca pes­soa que Lem­ba­ti­nha na vi­da. A fa­mí­lia de Vun­da­ti­nha si­do to­da eli­mi­na­da, na época em que os opres­so­res rei­na­vam e ti­nham po­der sobre eles.Eles eram es­cra­vos du­ran­te um bom tem­po, e por im fo­ram to­dos mor­tos num dia, só Vun­da ti­nha con­se­gui­do es­ca­par da­que­le ex­ter­mí­nio e mu­da­do de al­deia. Ti­nha es­ca­pa­do do pla­no fa­tal de ex­tin­ção da sua tri­bo.Os ti­os e os ou­tros pa­ren­tes ma­ter­nos­não ti­nham bo­as re­la­ções com seu pai, des­de a mor­te mis­te­ri­o­sa da sua mãe, por­que acu­sa­vam o seu pai de tê-la mor­to.

Cho­ra­va, cho­ra­va to­da a noi­te Lem­ba­pe­la mor­te de seu pai. Jun­ta­men­te com Nan­ga cho­ra­vam pe­la mor­te de Vun­da du­ran­te to­da a noi­te.

Nan­ga, que es­ta­va tão tris­te e chocado, cho­ra­va por ter si­do ele quem es­te­ve com Vun­da aquan­do da sua mor­te pe­lo ani­mal sel­va­gem, e não ter con­se­gui­do fa­zer na­da.

Nan­ga fez se­gun­do o cos­tu­me, quei­mou al­gu­mas fo­lhas de ba­na­nei­ra e fez cin­za com que lu­tu­a­ram jun­ta­men­te a mor­te de Vun­da na­que­la noi­te em sua ca­sa.

Conversa de mais-ve­lhos

De ma­nhã ce­do, por­que Nan­ga pas­sa­ra a noi­te na ca­sa do seu ami­go Vun­da, pa­ra con­so­lar a sua ilha e ex­pres­sar os seus mais su­bli­mes sen­ti­men­tos de pe­sar pe­lo fa­le­ci­men­to do pai, fa­lou-lhe di­zen­do: vou a ca­sa dos teus pa­ren­tes comunicar acer­ca da mor­te do teu pai e lhes pe­dir que te re­ce­bam e to­mem con­ta de ti até que com­ple­tes de­zoi­to anos e eu ve­nha te bus­car de­pois do ma­tri­mó­nio com o meu ilho Fum­be, pa­ra mo­ra­res con­nos­co se­gun­do a tra­di­ção.

Vun­da, ele mes­mo, é quem ti­nha es­co­lhi­do Fum­be pa­ra ca­sar com sua ilha Lemba qu­an­do ela com­ple­tas­se de­zoi­to anos, por­que que­ria man­ter o bom re­la­ci­o­na­men­to que ti­nha com o seu ami­go Nan­ga e sua fa­mí­lia. Era uma boa fa­mí­lia, de uma boa tri­bo. Por is­so mes­mo, que­ria en­tre­gar a mão da sua ilha em ca­sa­men­to ao ilho de seu ami­go Nan­ga.Lemba já sa­bia dis­so. Sa­bia mui­to bem que lhe ti­nha si­do in­di­ca­do Fum­be, co­mo seu fu­tu­ro ma­ri­do, mas que aguar­da­va a sua eman­ci­pa­ção pa­ra ser li­vre de ex­pe­ri­men­tar a vi­da se­xu­al e ma­tri­mo­ni­al. Lemba acei­tou a ideia.

En­tão, na­que­la ma­nhã,Nan­ga par­tiu pa­ra ca­sa dos pa­ren­tes ma­ter­nos­da Lemba com o ob­jec­ti­vo de con­se­guir que alguém den­tre os­pa­ren­tes ou mes­mo o chefe da fa­mí­lia, o mais ve­lho So­ba Tem­ba, se res­pon­sa­bi­li­zas­se por ela até um cer­to tem­po.

Lo­go que se apro­xi­ma­va do quin­tal do So­ba Tum­ba, os me­ni­nos que es­ta­vam a brin­car na areia de bun­go em fren­te ao quin­tal bor­da­do por al­gu­mas hor­tas de ra­mas de ba­ta­ta, ven­do Nan­ga se apro­xi­man­do, fo­ram comunicar ao So­ba Tem­ba. Fi­nal­men­te, Nan­ga che­ga­va a ca­sa do So­ba Tem­ba.

Sau­da­ram-se e o so­ba Tem­ba deu lhe um ban­co fei­to de tron­co de em­bon­dei­ro, en­vol­to com bor­ra­chas es­ver­de­a­das pa­ra se aco­mo­dar. Sen­ta­ram e co­me­ça­ram a con­ver­sar.

–Vi­es­te cá pa­ra fa­lar acer­ca do Vun­da, o mes­mo ho­mem que ti­nha mor­to a mi­nha so­bri­nha? Per­de­mos até ho­je alguém na fa­mí­lia por causa de­le.– Per­gun­tou- lhe o So­ba Tem­ba.

–Não, não. Não con­vém lem­brar do pas­sa­do ago­ra.–Re­pre­en­deu-oNan­ga.–Tu sa­bes que eu fui o me­lhor ami­go de­le e me con­tou tudo.E eu mes­mo acom­pa­nhei tudo co­mo acon­te­ceu.E nun­ca acre­di­tei que pu­des­se ser ele, e nun­ca irei acre­di­tar por mais res­pei­to e con­si­de­ra­ção que te­nha­pa­ra com o So­ba Tem­ba e a tua in­tei­ra fa­mí­lia.Mas oque me trou­xe cá não é is­so. É ou­tra coi­sa.

–O que foi des­ta vez en­tão? Ago­ra tam­bém mor­reu a Lemba! –Ex­cla­mou Tem­ba.

–De ma­nei­ra ne­nhu­ma! Ela cres­ceu, ago­ra já de­ve es­tar com de­zas­se­te anos, fal­tan­do mais um pa­ra a dar­mos o alem­ba­men­to. – … É o Vun­da, mor­reu a dois di­as p'ra cá.

– O Vun­da mor­reu?Esse ho­mem ma­li­ci­o­so mor­reu! Ex­cla­mou, surpreendido com a no­tí­cia. Com as mãos na cabeça, So­ba Tem­ba não con­se­guia acre­di­tar. Fi­cou pa­ra­li­sa­do por um tem­po, sem di­zer palavra al­gu­ma.

De bo­ca en­tre aber­ta, dis­se, sob o efei­to que lhe pro­du­zia a no­tí­cia: cá se faz, cá se pa­ga.

Res­pi­rou fun­do So­ba Tem­ba. Nan­ga olhou ig­na­ro e ad­mi­ra­do o ros­to do So­ba Tem­ba, mas não icou mui­to surpreendido com aque­la ati­tu­de de­le e as pa­la­vras que ize­ra sair. Con­ti­nu­a­ram.

– Co­mo foi que ele mor­reu e on­de foi que is­so acon­te­ceu? Quem foi que o ma­tou?

–Saía­mos jun­tos do cam­po, de­pois do tra­ba­lho, e de­ci­di­mos pas­sar pe­lo rio Kin­da pa­ra be­ber água, vis­to que es­tá­va­mos can­sa­dos e com se­de. De­pois dis­to, ele in­sis­tiu, por­que es­tá­va­mos tam­bém can­sa­dos, que sen­tás­se­mos pa­ra con­ver­sar um pou­co acer­ca do fu­tu­ro da Lemba e do Fum­be, meu ilho. Lo­go co­me­çou a es­cu­re­cer, daí co­me­ça­mos a vol­tar. Vol­tá­va­mos pe­lo ca­mi­nho da ma­ta, úni­co ca­mi­nho que le­va de vol­ta à al­deia.No ca­mi­nho, qu­an­do es­tá­va­mos a pas­sos in­cer­tos no meio da ma­ta, de re­pen­te apa­re­ceu­u­ma on­ça.Se­guiu-nos. Eu fu­gi pa­ra um la­do e o Vun­da pa­ra o ou­tro la­do. A on­ça se­guiu-o aí, apa­nhou-o e o ma­tou. Foi as­sim que tudo acon­te­ceu.–Con­tou o su­ce­di­do ao So­ba Tem­ba.

Es­te, ten­do ou­vi­do, ale­grou- se pe­la mor­te de Vun­da. Nun­ca ti­nham ti­do bo­as re­la­ções. E pen­sou lo­go em apo­de­rar- se dos seus bens.

–Nós já en­ter­ra­mos o cor­po, com per­mis­são do so­ba Hin­ga­lá da nos­sa al­deia. O en­ter­ra­mos mes­mo atrás da ca­sa.

— Es­tá bem. A informação es­tá pas­sa­da. Eu ama­nhã de ma­nhã es­ta­rei lá pa­ra bus­car a mi­nha ilha.

Nan­ga de ma­nhã ce­do se le­van­tou e foi pa­ra a ca­sa de seu fa­le­ci­do ami­go Vun­da. De lon­ge, Nan­ga­viu uma mul­ti­dão de pessoas e ou­viu­mui­to ba­ru­lho. Apro­xi­mou- se e um pou­co apa­vo­ra­do, per­gun­tou a alguém per­to. — O que se pas­sa aqui? o que es­tá acon­te­cen­do?

–São os pa­ren­tes de Lemba. Vi­e­ram pa­ra uma reu­nião de fa­mí­lia. Res­pon­deu-lhe um mwa­na io­te da al­deia.

Apro­xi­mou-se um pou­co mais, e lá es­ta­va o So­ba Tem­ba, di­ri­gin­do a que­re­la. Es­ta­vam a inal a dis­cu­tir sobre a par­ti­lha dos

bens de Vun­da.

–Is­so não po­de acon­te­cer! Es­sas coi­sas são da miú­da! Ex­cla­mou se­cre­ta­men­te Nan­ga. Te­mia a san­za­li­ce da­que­la fa­mí­lia.

O So­ba Tem­ba es­ta­va no meio. To­dos es­ta­vam fa­lan­do dis­per­sa­men­te.E por im o So­ba Tem­ba to­mou a palavra e, cla­ro,só po­dia ser ele a con­cluir:“Vou icar com a ca­sa e os cam­pos de Vun­da, por­que a mim ca­be tomar con­ta de Lemba até a sua eman­ci­pa­ção e con­se­quen­te ida à ca­sa do ma­ri­do.”Nan­ga apre­ci­a­va a dis­cus­são.Não gos­tou­na­da da de­ci­são. Co­nhe­cia mui­to bem o desejo de Vun­da. Ten­tou pe­dir a palavra, mas não foi ou­vi­do. In­sa­tis­fei­to,foi ter com o so­ba Hin­ga da sua al­deia e con­tou tudo o que So­ba Tem­ba, da al­deia vi­zi­nha, ize­ra.In­fe­liz­men­te so­ba Hin­ga não ti­nha na­da que fa­zer por aqui­lo. Ape­nas­la­men­tou a ati­tu­de do So­ba Tem­ba, su­as atro­ci­da­des, e pe­diu que Nan­ga­man­ti­ves­se a cal­ma e que aguar­das­se até a eman­ci­pa­ção da me­ni­na pa­ra que ela mes­ma re­cla­mas­se a pos­se dos bens que lhe per­ten­ci­am.

O ca­sa­men­to de Lemba

ELem­ba casou se com um ho­mem ri­co a man­do do So­ba Tem­ba. Foi obri­ga­da a ca­sar-se com o ri­co. Ten­tou fu­gir, mas foi apa­nha­da pe­los ho­mens do So­ba Tem­ba e aca­bou por acei­tar.

Era por causa do amor ao di­nhei­ro que ti­nha So­ba Tem­ba. E por is­so ize­ra o con­trá­rio àtra­di­ção.E Lemba não te­ve ou­tra es­co­lha. Fum­be já não es­ta­va aí. Ti­nha ido à ou­tra al­deia, a pro­cu­ra de me­lho­res con­di­ções pa­ra pagar o pre­ço de­la.Lemba não ti­nha quem apu­des­se de­fen­der. Já não sa­bia mais do paradeiro de Fum­be. Nan­ga tam­bém não sa­bia, e não que­ria que ela es­pe­ras­se mui­to sem que ti­ves­se­mal­gum sinal de vi­da de Fum­be.

To­da­via, por ela,Nan­ga tam­bém não po­dia fa­zer na­da.As re­giões eram di­fe­ren­tes e ha­via cos­tu­mes di­fe­ren­tes en­tre si.

Na re­gião de Lemba, o tio po­dia es­co­lher mu­lher pa­ra a so­bri­nha na au­sên­cia do pai. O tio era con­si­de­ra­do mais pri­mei­ro pai do que qual­quer pro­ge­ni­tor que houvesse.

Lemba sa­bia dis­so ape­sar de amar mui­to o pes­ca­dor Fum­be. Na ca­sa do ri­co, Lemba era a ter­cei­ra mu­lher. Ti­nha tudo, me­nos paz e felicidade, vis­to que era tra­ta­da co­mo es­cra­va em ca­sa de Mwa­tu.Ape­sar de to­do o so­fri­men­to e agru­ras que pa­de­cia vi­ven­do com Mwa­tu, ti­nha so­nhos de que Fum­be um dia iria re­gres­sar e jun­tos pu­des­sem ser fe­li­zes pa­ra sem­pre.

Num dia que não con­ta­vam, Fum­be re­gres­sou à al­deia. Ti­nha tra­zi­do mui­tos bens e es­ta­va pron­to pa­ra ca­sar- se com Lemba.

Má­no­tí­cia re­ce­be de Nan­ga, seu pai, que Lemba ti­nha de se ca­sar­com ou­tro ho­mem­por causa de tan­ta es­pe­ra e da fal­ta de cor­res­pon­dên­cia sua.Já não se fa­la­va mais de sua exis­tên­cia. Men­sa­gei­ros ha­vi­am si­do en­vi­a­dosà sua pro­cu­ra, mas vol­ta­vam sem respostas de­le.

Com is­so,Nan­ga­ti­nha de con­ven­cer Lemba a acei­tar a proposta, ca­san­do-se com um ho­mem ri­co, ri­co lá da ca­sa dos Ban­tuM­vu­a­ma.

Fum­be­lan­çou ao chão as sa­co­las que tra­zia con­si­go e se pôs a cho­rar. Nan­ga lhe con­tou dos maus-tra­tos e da ga­nân­cia por par­te do So­ba Tem­bae de to­do o in­for­tú­nio que ha­via cau­sa­do à Lemba, e co­mo lhe ha­via for­ça­do a ca­sar-se com o ri­co.

A li­to, Fum­be­só que­ria ou­vir mes­mo da bo­ca da Lemba o co­me­ço e o im de to­daa his­tó­ria. Fum­be ain­da ama­va mui­to Lemba.Que­ria mes­mo vol­tar a ver o seu ros­to e sa­ber se es­ta­va bem.

–Sou a ter­cei­ra mu­lher de Mwa­tu. Sou es­cra­vi­za­da, não te­nho di­rei­tos. –Mas quan­to a ti, que ago­ra apa­re­ces­te, de­vo con­fes­sar que ain­da te amo.

A inal, Lem­ba­ain­da tam­bém o ama­va no fun­do do seu co­ra­ção.Ape­sar do tem­po, não se apa­gou den­tro de­la o amor por Fum­be.

Au­di­ên­cia do tri­bu­nal

Am­bos man­ti­ve­ram en­con­tros­clan­des­ti­nos na ma­ta e per­to do ri­oKin­da, to­das as noi­tes do in­ter­lú­nio.E inal­men­te Lemba icou grá­vi­da. Era pro­ble­ma na al­deia.

Co­me­ça­ram os de­ba­tes sobre o ca­so.Lá es­ti­ve­ram to­dos os so­bas,até os de ou­tras al­dei­as, pa­ra apre­ci­ar o ca­so e achar o cul­pa­do.Com cer­te­za tam­bém o so­ba Hin­ga, da al­deia de Nan­ga, não po­dia fal­tar àque­le epi­só­dio de abu­so dos cos­tu­mes.

Era um con li­to de du­as re­giões. As par­tes es­co­lhe­ram um juiz co­mum por meio da ar­bi­tra­gem e es­te to­mou a palavra:

–Lem­ba­co­me­teu­a­dul­té­rio. –Ela de­ve­ser ex­pul­sa da ca­sa deMwa­tu e exe­cu­ta­da jun­ta­men­te com Fum­be, aos olhos de to­da al­deia, tal co­mo di­tam as re­gras.

Adul­té­rio, e que ain­da re­sul­tas­se em gra­vi­dez, era con­si­de­ra­do o cri­me mais gra­ve de­pois do de ho­mi­cí­dio se­gun­do as re­gras da­que­las ter­ras.

Nan­ga, já ido­so, ho­mem pro­pen­so à boa mo­der­ni­za­ção, pe­ran­te a de­ci­são do juiz elei­to, es­ta­va no fun­do re­pu­di­an­te e me­lan­có­li­co. Sem­pre foi de pou­cas pa­la­vras.Qua­se não fa­la­va mes­mo na­da. Mas, des­ta vez não he­si­tou, pe­diu a palavra. – Eu fui ami­go ín­ti­mo de Vun­da. Vun­da­mor­reu com um desejo no seu co­ra­ção, que era de ver Lemba ca­sa­da com Fum­be, meu fi­lho. Esse foi o seu desejo mais su­bli­me. Mas esse ho­mem aqui, nun­ca gos­tou do Vun­da e da sua fi­lha, sem­pre a mo­les­tou. É ga­nan­ci­o­so e egoís­ta.

– À par­te­as ri­va­li­da­des,Nan­ga! O ca­so aqui é de Lemba e Fum­be. Re­pre­en­deu-o to­do zan­ga­do Mwa­tu. Se­gui­ram-se dis­cus­sões. E de­pois:

–Aqui es­tá o ma­nus­cri­to dei­xa­do por Vun­da. A inal, Nan­ga guar­da­va até aí, a car­ta dei­xa­da por Vun­da in­di­can­do Fum­be co­mo o fu­tu­ro ma­ri­do de Lemba, sua úni­ca ilha.

Ana­li­sou-se a car­ta e com­pro­vou-se ser ver­da­dei­ra­men­te de Vun­da. Ver­da­dei­ra prova que apre­sen­ta­ra Nan­ga na­que­le tri­bu­nal por oca­sião.

So­ba Tem­ba tam­bém re­co­nhe­ceu ser de Vun­da aque­le ma­nus­cri­to. Mas a causa ain­da não es­ta­va ga­nha. Quer por par­te de Nan­ga­quer por par­te de So­ba Tem­ba. En­tão só ca­bia ao juiz jul­gar o ca­so.

Na ver­da­de se es­ta­va­pe­ran­te du­as nor­mas de vi­vên­ci­as cos­tu­mei­ras que já caíam em de­su­so, por­que se con­fron­ta­vam com os fru­tos da mo­der­ni­za­ção.

O pai, se­gun­do a nor­ma tra­di­ci­o­nal, po­dia in­di­car ou mes­mo obri­gar o seu ilho ou ilha a ca­sar-se com quem ele es­co­lhes­se, sem li­ber­da­de de es­co­lha do pró­prio ilho ou ilha. E, do mes­mo mo­do, esse di­rei­to era atri­buí­do ao tio, chefe da fa­mí­lia, na au­sên­cia ou mor­te do pai. Quer Nan­ga, quer So­ba Tem­ba, não es­ta­vam er­ra­dos.

Lo­go, re­fe­riu o juiz: “O pai só ti­nha de­cla- ra­do, mas Fum­be e sua fa­mí­lia não ti­nham pa­go o pre­ço da mu­lher. Mas pe­lo con­trá­rio, mais tar­de e ho­je o ri­co su­ge­ri­do pe­lo So­ba Tem­ba à Lemba pa­gou o pre­ço da mu­lher…” Era cla­ro e evi­den­te que o ca­sa­men­to com o ri­co era vá­li­do; a mai­o­ria pre­sen­te jul­ga­va ser as­sim.

Qu­an­do dei­xa­ram Lemba se de­fen­der, fa­lou: “De tudo,só sei que o meu pai sem­pre me fa­la­va do bem da fa­mí­lia deFum­be,e das su­as bo­as re­la­ções des­de­mui­to tem­po.” E fa­lou dos maus-tra­tos de So­ba Tem­ba e de co­mo se ha­via apo­de­ra­do de sua herança e lhe ha­via for­ça­do a se ca­sar com o ri­co por me­do de per­der a con­si­de­ra­ção na al­deia por es­tar a vi­o­lar os cos­tu­mes. Tam­bém de­sar­rei­gou a ver­da­de de que o ri­co a ba­tia mui­to sem mo­ti­vo. Fa­la­va e cho­ra­va amar­ga­men­te. Ela sem­pre foi fra­ca em con­ter emoções.

Su­as pa­la­vras eno­ve­la­ram a au­di­ên­cia in­tei­ra do tri­bu­nal.Fo­ram to­dos mo­ra­li­za­dos com aque­las pa­la­vras que se sol­ta­vam com lá­gri­mas e im­buí­das das in­sig­nes memórias do fa­le­ci­do pai.

O juiz en­ten­deu que não ha­via von­ta­de por par­te de Lemba em ca­sar-se com o ri­co. Que ela ti­nha si­do for­ça­da a ca­sar-se com ele, e que o mes­mo por ter da­do os bens, a ti­nha co­mo sua pro­pri­e­da­de.De­cla­rou in­vá­li­do o ca­sa­men­to, com fun­da­men­to no se­guin­te: que nin­guém po­dia ca­sar-se a for­ça, quer pe­la tra­di­ção quer por ter­cei­ras pessoas, mas qual­quer even­tu­al in­di­ca­ção po­dia ne­ces­sa­ri­a­men­te de­pen­der da li­vre e es­pon­tâ­nea von­ta­de des­sa pes­soa, pa­ra que não houvesse ca­sos co­mo o da Lemba.

En­ten­deu o juiz que na ver­da­de a ques­tão do ca­sa­men­to de­via obe­de­cer a von­ta­de da pró­pri­a­pes­soa a que diz res­pei­to em relação aou­tra e não por for­ça im­pos­ta, con­trá­ria a sua von­ta­de le­gí­ti­ma; e a entrega de bens era uma ques­tão me­ra­men­te sim­bó­li­ca, que re­ve­las­se a hon­ra que o ho­mem des­se aos pro­ge­ni­to­res da mu­lher que pre­ten­des­se ca­sar, mas não po­der de do­mí­nio sobre es­ta­mes­ma pes­soa.

As­sim, Fum­be e Lemba fo­ram pos­tos em li­ber­da­de. Lemba, por sua es­pon­tâ­nea von­ta­de, casou-se com Fum­be e am­bos ti­ve­ram uma vi­da de que qua­se na­da lhes faltava.

A Fum­be não foi exi­gi­do a de­vol­ver o gas­to do ri­co pe­la mu­lher, por­que es­te úl­ti­mo sa­bia do ca­sa­men­to for­ça­do que se im­pu­nha­aLem­ba pe­lo So­ba Tem­ba. Era sim­ples­men­te a for­ça da sua ri­que­za que o con­du­zia e en­so­ber­be­cia, pe­lo que tra­ta­va as su­as mu­lhe­res co­mo sua le­gí­ti­ma pro­pri­e­da­de.

So­ba Tem­ba, por con­sequên­cia, foi re­ti­ra­do do cargo de responsável da al­deia e obri­ga­do a de­vol­ver os bens que por di­rei­to per­ten­ci­am aLem­ba.

Fum­be e Lemba ti­ve­ram um fi­lho e lhe de­ram o no­me de Vun­da, xa­rá do seu pai.

E Nan­ga, um ho­mem já de idade, acor­doua do pe­sa­de­lo que ti­nha sobre a mor­te do seu me­lhor ami­go, Vun­da. Com o fô­le­go qua­se fo­ra de si, re­fu­tou a ideia da mor­te de Vun­da, seu ami­go, mas jul­gou sen­sa­ta a de­ci­são do juiz da causa sobre a ques­tão do ca­sa­men­to tra­di­ci­o­nal dos seus di­as, e que a mo­der­ni­za­ção sem­pre foi um fac­tor mol­da­dor dos cos­tu­mes e tradições.

EMA­NU­EL ALASVIDA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.