“Os nos­sos in­te­lec­tu­ais es­tão ador­me­ci­dos e aco­mo­da­dos”

Al­bi­no Car­los

Jornal Cultura - - Primeira Página - ADRIANO DE MELO |

“O es­cri­tor de­ve ter a pre­o­cu­pa­ção de co­lo­car o país a pen­sar e a ques­ti­o­nar­se pa­ra me­lhor com­pre­en­der-se a si pró­prio. Nes­te que­si­to, sin­to que os nos­sos in­te­lec­tu­ais es­tão ador­me­ci­dos e aco­mo­da­dos. A prin­ci­pal mis­são de um es­cri­tor ou in­te­lec­tu­al de­ve ser in­co­mo­dar a so­ci­e­da­de, sa­cu­dir e are­jar as men­tes em­po­ei­ra­das”, dis­se Al­bi­no Car­los, que aca­ba de co­lo­car no mer­ca­do Ca­ça às Bru­xas.

O Jor­nal Cul­tu­ra­fez uma en­tre­vis­ta com o es­cri­tor e jor­na­lis­ta, pa­ra saber quais as ra­zões pa­ra adap­tar à li­te­ra­tu­ra o dra­ma das pes­so­as acu­sa­das de fei­ti­ça­ria. Mus­se­ques, bair­ros e co­mu­ni­da­des. A vi­da nes­tes lo­cais e a ma­nei­ra de in­te­ra­gir dos seus ha­bi­tan­tes pa­re­ce ser a mar­ca re­gis­ta­da na mai­o­ria dos li­vros de Al­bi­no Car­los.

Al­bi­no Car­los dis­se que, ao con­fe­rir voz e vez aos su­jei­tos dos mus­se­ques, pre­ten­de“não só mos­trar as tra­di­ções, as cren­ças e os cos­tu­mes dos an­go­la­nos, mas tam­bém as do­res do sa­cri ício de uma so­ci­e­da­de à pro­cu­ra da ino­cên­cia da uto­pia per­di­da.”Pa­ra Al­bi­no, a in­de­pen­dên­cia não re­sol­veu mui­tos pro­ble­mas que a li­gem os an­go­la­nos e mui­to me­nos a de­mo­cra­cia. “A nos­sa so­ci­e­da­de es­tá pe­ja­da de po­bres al­mas cu­ja­de­ses­pe­ran­ça frus­tra-lhes os an­sei­os de vi­da.”

ORALIDADE

A oralidade tem uma pre­sen­ça re­gu­lar nos seus tex­tos. Es­te fas­cí­nio pe­lo lin­gua­jar da rua, pe­lo can­ci­o­nei­ro po­pu­lar, as­sen­ta na ex­pres­são da sin­gu­la­ri­da­de cul­tu­ral dos po­vos de An­go­la, na re­la­ção com o ou­tro, e tam­bém ex­pres­sa a uni­ver­sa­li­da­de do pro­ces­so de cons­tru­ção de sen­ti­dos de vi­da, pois, diz Al­bi­no Car­los, “na­tex­to­lo­gi­a­tra­di­ci­o­na­lan­go­la­na­des­co­bre-se ila­men­tos de re­li­gi­o­si­da­de e ilo­so ias de vi­vên­ci­as. Com“Ca­ças às bru­xas”ex­plo­rei as mi­lhen­tas po­ten­ci­a­li­da­des e pos­si­bi­li­da­des da oralidade afri­ca­na no sen­ti­do de con­fe­rir re­a­lis­mo dra­má­ti­co-má­gi­co às ce­nas e si­tu­a­ções. Eu quis de­mons­trar que po­de­mos usar ou­tros re­gis­tos nar­ra­ti­vos pa­ra con­ta­res­tó­ri­as e cons­truir sen­ti­dos.”

Nem sem­pre é fá­cil ex­plo­rar as idi­os­sin­cra­si­as de uma re­gião ou co­mu­ni­da­de e des­cre­vê-las em li­vro. Tra­ta-se de ta­re­fa com­ple­xa, pois que “es­cre­ver é sem­pre um par­to di ícil. A men­sa­gem de“Ca­ças às bru­xas”e de “Is­sun­je” é cla­ra: te­mos que pro­mo­ver um ver­da­dei­ro pro­ces­so co­lec­ti­vo de des­mis­ti ica­ção de mui­tas das nos­sas cren­ças, su­pers­ti­ções e tra­di­ções, sem que is­so sig­ni ique der­ru­bar os nos­sos mi­tos fun­da­ci­o­nais. Ou se­ja, con­quis­ta­da a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal ao ní­vel po­lí­ti­co e ob­ti­doo si­len­ci­a­men­to das ar­mas, ago­ra ur­ge in­ten­tar um pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção com os nos­sos deu­ses e an­ces­trais, ur­ge pro­mo­ver um pro­ces­so co­lec­ti­vo de ex­pi­a­ção dos pe­ca­dos e pa­ci ica­ção dos es­pí­ri­tos. Há mui­tos fan­tas­mas que en­som­bram o des­ti­no de An­go­la e dos an­go­la­nos.”

GLOBALIZAÇÃO

Den­tro do con­cei­to de um mun­do glo­ba­li­za­do, no qual ten­de­mos a vi­ver, gra­ças a apro­xi­ma­ção cri­a­da pe­la In­ter­net, po­de a oralidade ain­da ser pre­ser­va­da por mui­tos anos, sem ser adul­te­ra­da? A es­ta ques­tão, Al­bi­no Car­lo­os é pe­remp­tó­rio em a ir­mar que “não te­mos que ter me­do da globalização. Ca­so se in­vis­ta à se­rio na edu­ca­ção e no en­si­no de qua­li­da­de, ca­so se apos­te sé­rio na in­dús­tria cul­tu­ral e cri­a­ti­va, a globalização é uma ja­ne­la de opor­tu­ni­da­des que se abre pa­ra po­ten­ci­ar a es­pí­ri­to cri­a­ti­vo e o em­pre­en­de­do­ris­mo dos nos­sos jo­vens. Ad­vo­go o diá­lo­go per­ma­nen­te en­tre o tra­di­ci­o­nal e o mo­der­no, en­tre o lo­cal e o glo­bal, ou se­ja, a cul­tu­ra an­go­la­na não de­ve ser pen­sa­da co­mo opo­si­ção à globalização, mas co­mo ex­pres­são da cul­tu­ra uni­ver­sal.”

Pa­ra o au­tor de Ca­ça às Bru­xas, o su­ces­so in­ter­na­ci­o­nal do ku­du­ro e da ki- zom­ba mos­tra que a re­la­ção en­tre a iden­ti­da­de lo­cal e iden­ti­da­de glo­bal as­su­me um ca­rác­ter de com­ple­men­ta­ri­da­de, bem co­mo de ne­go­ci­a­ções e dis­pu­tas de sen­ti­dos no qua­dro da globalização. “Ao uni­ver­sa­lis­mo uni­for­mi­zan­te da globalização de­ve­mos con­tra­por com a ca­pa­ci­da­de de cri­a­ti­vi­da­de es­té­ti­ca das iden­ti­da­des na­ci­o­nais­ca­pa­zes de se cons­ti­tuir co­mo ex­pe­ri­ên­ci­as di­nâ­mi­cas de re le­xão da nos­sa cul­tu­ra de mo­do que pos­sa- mos ocu­par ou­tros lu­ga­res sim­bó­li­cos no con­cer­to das na­ções.”

PAPELDO ES­CRI­TOR

Os es­cri­to­res de­sem­pe­nham um pa­pel im­por­tan­te no pro­ces­so de de ini­ção e cri­a­ção das ma­te­ri­a­li­da­des sim­bó­li­cas da nos­sa for­ma de ser e es­tar no mun­do, des­ta­ca Al­bi­no Car­los.“Sen­do que as na­ções di­fe­ren­ci­am-se pe­los mo­dos co­mo são ima­gi­na­das e nar­ra­das o seu per­cur­so his­tó­ri­co, os es­cri­to­res de­vem par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te do­de­sa io de An­go­la e cri­ar a sua pró­pria sin­gu­la­ri­da­de cul­tu­ral e iden­ti­tá­ria, uma iden­ti­da­de na­ci­o­nal sem­pre re­no­va­da e em per­ma­nen­te in­te­rac­ção com as va­ri­a­ções da sen­si­bi­li­da­de ar­tís­ti­ca pró­pria dos con­tex­tos ac­tu­ais.

Se­gun­do Al­bi­no, o es­cri­tor de­ve ter a pre­o­cu­pa­ção de co­lo­car o país a pen­sar e a ques­ti­o­nar-se pa­ra me­lhor com­pre­en­der- se a si pró­prio.“Nes­te que­si­to, sin­to que os nos­sos in­te­lec­tu­ais es­tão ador­me­ci­dos e aco­mo­da­dos. A prin­ci­pal mis­são­de um es­cri­tor ou in­te­lec­tu­al de­ve ser in­co­mo­dar a so­ci­e­da­de, sa­cu­dir e are­jar as men­tes em­po­ei­ra­das.”

Aos jo­vens es­cri­to­res, além de te­rem de ler mui­to, Al­bi­no Car­lo­sa­cre­di­ta que ler é a me­lhor for­ma de se en­ve­re­dar pa­ra o mun­do da li­te­ra­tu­ra.“Sou fun­da­men­tal­men­te um lei­tor.

LI­VRO E LEITURA

Al­bi­no Car­los con­si­de­ra que “o li­vro é es­can­da­lo­sa­men­te ca­ro e ra­ro em An­go­la. Não há in­cen­ti­vos ne­nhuns. Nem os es­cri­to­res vi­vem dos li­vros e mui­to me­nos os li­vros são aces­sí­veis. Se Lu­an­da tem, no­ves-fo­ra o exa­ge­ro, meia dú­zia de li­vra­ri­as, meia de­ze­na de bi­bli­o­te­cas e uns pou­cos ci­ne­mas e te­a­tros, o que di­zer das res­tan­tes pro­vín­ci­as? O mais as­sus­ta­dor é que es­sa ca­la­mi­to­sa si­tu­a­ção não ti­ra o so­no aos po­lí­ti­cos nem a quem de di­rei­to. De­fi­ni­ti­va­men­te, a cri­a­ção ar­tís­ti­ca e a pro­mo­ção da iden­ti­da­de na­ci­o­nal têm de mo­rar no dis­cur­so po­lí­ti­co e, so­bre­tu­do, têm de es­tar re­flec­ti­das­no pen­sa­men­to e na­ac­ção dos po­lí­ti­cos e dos ser­vi­do­res pú­bli­cos”, de­fen­de Al­bi­no.

Quan­to ao seu no­vo li­vro, “Ca­ça as Bru­xas”, o au­tor acre­di­ta que hou­ve a as­so­ci­a­ção do ci­da­dão, do es­cri­tor, do jor­na­lis­ta e do pro­fes­sor no sen­ti­do de co­lo­car o país a re lec­tir so­bre a sua si­tu­a­ção no mun­do. O ro­man­ce é uma pa­ró­dia fei­ta aos mi­tos, cren­ças e cos­tu­mes an­ti­gos e mo­der­nos que per­tur­bam os nos­sos so­nhos.

“A pro­ble­má­ti­ca da fei­ti­ça­ria e das cren­ças é um as­sun­to do mais al­to in­te­res­se na­ci­o­nal. Ur­ge en­vol­ver no pro­ces­so, o Es­ta­do, as uni­ver­si­da­des, os in­te­lec­tu­ais, a so­ci­e­da­de ci­vil e as au­to­ri­da­des e co­mu­ni­da­des tra­di­ci­o­nais.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.