Ban­da De­se­nha­da Evo­lu­ção e (in)pro­du­ti­vi­da­de

Jornal Cultura - - Primeira Página - GASPAR MICOLO

Com uma ex­po­si­ção de mais de cem obras, en­tre ca­ri­ca­tu­ras, ilus­tra­ções e Ban­da De­se­nha­da (BD), de 43 ar­tis­tas an­go­la­nos e es­tran­gei­ros, a 15.ª edi­ção do Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Ban­da De­se­nha­da e Ani­ma­ção (Lu­an­da Car­to­on) dei­xou mais uma vez em evi­dên­cia o ta­len­to dos cri­a­do­res an­go­la­nos.

Além do Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, a mos­tra e as ac­ti­vi­da­des, que en­cer­ra­ram a 31 de Agos­to, es­ti­ve­ram igual­men­te pa­ten­tes na Ca­sa de Cul­tu­ra do Ran­gel e no Es­tú­dio Olin­do­mar; é que as mais de mil e qui­nhen­tas obras que che­ga­ram à or­ga­ni­za­ção obri­ga­ram a alar­gar o fes­ti­val pa­ra três sa­las. Dos mil car­to­o­nis­tas ins­cri­tos, na sua mai­o­ria jo­vens, ape­nas 40 pu­de­ram re­pre­sen­tar as su­as obras no Ca­mões, en­quan­to os res­tan­tes ex­pu­se­ram nas du­as no­vas sa­las aber­tas pe­la pri­mei­ra vez.

Com o ob­jec­ti­vo de pro­vo­car uma re le­xão alar­ga­da so­bre a Ban­da De­se­nha­da no país, des­co­brir no­vos ta­len­tos, con­quis­tar no­vos lei­to­res, ani­mar o in­ter­câm­bio en­tre ar­tis­tas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, o Fes­ti­val aca­bou por ser um ver­da­dei­ro pal­co da evo­lu­ção da qua­li­da­de do tra­ba­lho apre­sen­ta­do pe­los ar­tis­tas na­ci­o­nais e do au­men­to de pú­bli­co. "Es­ta­mos mui­to fe­li­zes por­que per­ce­be­mos que ca­da vez mais o nos­so pú­bli­co de­mons­tra in­te­res­se pe­lo de­se­nho”, re­go­zi­ja-se Lin­do­mar de Sou­sa que, ao la­do do ir­mão Olím­pio de Sou­sa, pro­mo­ve o even­to des­de 2003 e que se tor­nou úni­co do gé­ne­ro em An­go­la, além de ser um even­to de re­fe­rên­cia na ban­da de­se­nha­da da Áfri­ca Aus­tral, e o mais im­por­tan­te dos Paí­ses Afri­ca­nos de Lín­gua O ici­al Por­tu­gue­sa (PALOP).

O car­to­o­nis­ta Jú­lio Pin­to re­ve­lou­se igual­men­te fe­liz com a ade­rên­cia do pú­bli­co. Au­tor da obra “Eles ain­da Can­tam”, em ex­po­si­ção, o ar­tis­ta jun­ta-se ao co­ro dos seus co­le­gas que pe­dem mais apoi­os pa­ra a pro­du­ção de obras, com a fi­na­li­da­de de in­cen­ti­var a cri­a­ti­vi­da­de dos no­vos ta­len­tos. “Te­mos mui­tos ta­len­tos, mas te­mos ti­dos mui­tas di­fi­cul­da­des pa­ra a pro­du­ção de obras, fac­tor que cons­ti­tui um obs­tá­cu­lo ao cres­ci­men­to da ban­da de­se­nha­da".

A vi­sí­vel qua­li­da­de nos tra­ba­lhos de Lau­do Pe­rei­ra, Luís Ai­ro­sa, Brau­lio Co­le, De­ban, Jú­lio, Isa­bel, Ca­si­mi­ro, Ja­cob Lo­pes, Tché Gou­gel, Lin­do­mar de Sou­sa, Pe­dro Tchi­vin­da, Tim, Cal­les Bos­sas, Nel­son Paim e An­dré Di­niz, en­tre ou­tros, não dei­xou dú­vi­das a quem vi­si­tou as ex­po­si­ções: é che­ga­do o mo­men­to de se apos­tar na pro­du­ção de li­vros de Ban­da De­se­nha­da.

E o ex­pe­ri­en­te Lin­do­mar de Sou­sa não per­de a opor­tu­ni­da­de e faz o seu ma­ni­fes­to: “O es­ta­do da ban­da de­se­nha­da é es­te: há mui­tos ta­len­tos e pou­ca pro­du­ção, por­que é mui­to di ícil pro­du­zir obras aqui em An­go­la. Já se­ria o mo­men­to de pro­du­zir mais li­vros de Ban­da De­se­nha­da!”.

O car­to­o­nis­ta mos­trou-se pre­o­cu­pa­do com o au­men­to do nú­me­ro de jo­vens car­to­o­nis­tas que não con­se­guem pu­bli­car as su­as pro­du­ções e re­ve­la ain­da ser es­tra­nho ha­ver pou­cos li­vros ilus­tra­ti­vos no mer­ca­do an­go­la­no. Ar­tis­ta pre­mi­a­do no país e no es­tran­gei­ro, Lin­do­mar de Sou­sa en­ten­de que o ban­da de­se­nhis­ta é o ilho ór­fão da li­te­ra­tu­ra e da ar­te plás­ti­ca, ou se­ja, “é um ilho bas­tar­do das le­tras e do de­se­nho por­que além da pin­tu­ra há a pre­sen­ça do tex­to”. Os ar­tis­tas es­tran­gei­ros con­vi­da­dos não dei­xa­ram de re­co­nhe­cer o po­ten­ci­al cri­a­ti­vo dos jo­vens cri­a­do­res an­go­la­nos.

O ar­tis­ta bra­si­lei­ro An­dré Di­nis, que apre­sen­tou "Mal­di­tos Ami­gos" e "Olim­po Tro­pi­cal", que re­tra­tam ques­tões re­la­ci­o­na­das com a de­pres­são nas gran­des ci­da­des co­mo São Pau­lo (Bra­sil) e a de­linquên­cia, res­pec­ti­va­men­te, enal­te­ceu a ca­pa­ci­da­de ar­tís­ti­ca dos no­vos ta­len­tos an­go­la­nos. "Es­tou fe­liz por cá es­tar, pois ser­ve pa­ra in­te­ra­gir com os cri­a­do­res an­go­la­nos. Es­te even­to vai con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to da ban­da de­se­nha­da em An­go­la".

En­quan­to is­so, We­ber­son San­ti­a­go, tam­bém de na­ci­o­na­li­da­de bra­si­lei­ra, ad­mi­tiu o em­pe­nho dos jo­vens e acon­se­lhou-os a en­ga­ja­rem-se mais pa­ra o al­can­ce da qua­li­da­de nos seus tra­ba­lhos. "Sin­to-me sa­tis­fei­to com a qua­li­da­de dos tra­ba­lhos dos cri­a­do­res an­go­la­nos, o que re­pre­sen­ta, de cer­to mo­do, o em­pe­nho dos fa­ze­do­res da ban­da de­se­nha­da no seu to­do", des­ta­cou o ar­tis­ta bra­si­lei­ro. Além dos car­to­o­nis­tas bra­si­lei­ros, o con­go­lês de­mo­crá­ti­co, Je­re­mie Nsing, tam­bém foi um dos gran­des con­vi­da­dos do even- to, e apre­sen­tou du­as obras que re­tra­tam o con li­to en­tre os gé­ne­ros, atra­vés das pa­la­vras e da ex­plo­ra­ção de mu­lhe­res. O ar­tis­ta avan­çou que sem­pre al­me­jou par­ti­ci­par no Lu­an­da Car­to­on, por se tra­tar de um fes­ti­val de ca­rác­ter in­ter­na­ci­o­nal, de re­fe­rên­cia na re­gião da Áfri­ca Aus­tral, es­tan­do es­te en­tre os mais co­ta­dos.

En­tre­tan­to, lo­go de­pois do ar­ran­que do even­to icou-se a saber que a or­ga­ni­za­ção es­ta­va de lu­to. Os­val­do Ba­la (Va­vá), um dos im­pul­si­o­na­do­res do cer­ta­me, foi se­pul­ta­do no dia da aber­tu­ra do Lu­an­da Car­to­on. “Es­ta­mos ex­tre­ma­men­te ar­ra­sa­dos com o fac­to, mas co­mo o fes­ti­val não é só nos­so, ti­ve­mos que reu­nir for­ças pa­ra pros­se­guir. Acre­di­ta­mos que ele tam­bém fa­ria o mes­mo. Des­te mo­do, es­ta­mos a fa­zer o fes­ti­val nes­te dia de tris­te­za, mas não dei­xa de ser uma fes­ta”, en­fa­ti­zou Lin­do­mar de Sou­sa, di­rec­tor do even­to que, na sua 15.ª edi­ção, pres­ta ain­da uma ho­me­na­gem à mo­da, um tri­bu­to que se de­ve a sua cons­tan­te li­ga­ção à Ban­da De­se­nha­da por meio das obras que re­tra­tam vá­ri­as épo­cas. “Os ar­tis­tas quan­do fa­zem os seus tra­ba­lhos, mui­tas ve­zes com te­mas que re lec­tem uma de­ter­mi­na­da épo­ca e a mo­da, sem­pre es­ti­ve­ram li­ga­dos a is­so. Por exem­plo, um tra­ba­lho que re­tra­ta os anos 80 é im­pos­sí­vel fa­zer-se sem ilus­trar a ten­dên­cia da mo­da des­ta épo­ca".

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.