Jus­ti­ça nas al­dei­as ru­rais

Os Am­bun­do do Kwan­za-Sul

Jornal Cultura - - Primeira Página - SOBERANO KANYANGA

A au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal é im­pos­ta por pro­ce­di­men­tos con­si­de­ra­dos le­gí­ti­mos por­que sem­pre te­ria exis­ti­do, e é acei­te em no­me de uma tra­di­ção re­co­nhe­ci­da co­mo vá­li­da. O exer­cí­cio da au­to­ri­da­de nos Es­ta­dos des­se ti­po é de ini­do por um sis­te­ma de sta­tus, cu­jos po­de­res são de­ter­mi­na­dos, em pri­mei­ro lu­gar, por pres­cri­ções con­cre­tas da or­dem tra­di­ci­o­nal e, em se­gun­do lu­gar, pe­la au­to­ri­da­de de ou­tras pes­so­as que es­tão aci­ma de um sta­tus par­ti­cu­lar no sis­te­ma hi­e­rár­qui­co es­ta­be­le­ci­do (Max Web­ber).

Pa­ra além dos meus pri­mei­ros dez anos de vi­da pas­sa­dos em al­dei­as ru­rais do Lu­bo­lu (Li­bo­lo) e ar­re­do­res, te­nho-me ser­vi­do de idas cons­tan­tes à re­gião que des­cre­vo pa­ra "in si­tu" re­vi­ver o "mo­dus vi­ven­di e ope­ran­di" des­tes po­vos.

As co­mu­ni­da­des ru­rais do Lu­bo­lu, Ki­ba­la e dou­tros po­vos am­bun­du que ha­bi­tam o ter­ri­tó­rio da pro­vín­cia an­go­la­na do Kwan­za-Sul, ape­sar de não pos­suí­rem uma pau­ta que ti­pi ique o que são de­li­tos e o que são trans­gres­sões, nem tão pou­co as pe­na­li­za­ções pa­ra ca­da des­vio de con­du­ta so­ci­al, têm um sis­te­ma ju­rí­di­co ba­se­a­do em mo­res e há­bi­tos acei­tes uni­ver­sal­men­te pe­la co­mu­ni­da­de e que têm o pe­so de lei.

Ukam­bu­la é o ter­mo que, tra­du­zi­do pa­ra por­tu­guês, equi­va­le a co­me­ter de­li­to ou des­vi­ar-se so­ci­al­men­te. A au­to­ri­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va e a sua cor­te, no ca­so o rei/so­ba é tam­bém o ga­ran­te da le­ga­li­da­de na sua ju­ris­di­ção, sen­do au­xi­li­a­do na ad­mi­nis­tra­ção da jus­ti­ça pe­lo Ñga­na Than­de­la (es­pé­cie de mi­nis­tro da jus­ti­ça) que é pe­ran­te a cor­te o res­pon­sá­vel pe­la apli­ca­ção da lei.

O de­li­to mai­or é o as­sas­si­na­to ou se­ja a mor­te de al­guém, de for­ma vo­lun­tá­ria, o que pres­su­põe di­zer que o di­rei­to à vi­da é o prin­ci­pal que a so­ci­e­da­de atri­bui ao ho­mem.

Rou­bos, fur­tos, vi­o­la­ções, fal­sos tes­te­mu­nhos, agres­sões ísi­cas e ver­bais, in­cên­di­os con­tra pro­pri­e­da­des pri­va­das e ou co­lec­ti­vas (co­mo as cou­ta­das) são fre­quen­tes, sen­do igual­men­te os des­vi­os às nor­mas so­ci­ais mais co­nhe­ci­dos e pu­ni­dos de acor­do ao di­rei­to con­su­e­tu­di­ná­rio.

Fru­to da sua cren­ça no po­der dos de­fun­tos e an­te­pas­sa­dos e sua ir­re­li­gi­o­si­da­de (mui­tos são ain­da ani­mis­tas em­bo­ra pro­li­fe­rem as no­vas sei­tas de ori­en­ta­ção cris­tã) os po­vos em re­fe­rên­cia têm uma gran­de cren­ça no fei­ti­ço. Daí que acu­sa­ções de fei­ti­cis­mo pre­en­chem o dia-a-dia do soberano e das co­mu­ni­da­des.

En­tre as pe­na­li­za­ções cons­tam a sim­ples cen­su­ra, res­ti­tui­ção de bens de ter­cei­ros (rou­ba­dos ou da­ni ica­dos), in­dem­ni­za­ções (pe­cu­niá­ri­as e em es­pé­cie), cas­ti­gos ísi­cos con­sen­ti­dos, en­tre ou­tros.

A au­to­ri­da­de do rei/so­ba é re­for­ça­da pe­lo ani­mis­mo e pe­la ideia de fei­ti­ço. O rei/so­ba é ti­do co­mo o de­ten­tor do mais for­te fei­ti­ço, daí que pa­ra além de res­pei­ta­do é igual­men­te te­mi­do, sen­do as su­as con­vo­ca­tó­ri­as, nor­mal­men­te de com­pa­rên­cia obri­ga­tó­ria. Os po­vos des­tas co­mu­ni­da­des ape­sar de pro­fes­sa­rem al­gu­mas cren­ças re­li­gi­o­sas (ca­tó­li­ca e pro­tes­tan­tes) têm uma li­ga­ção mui­to for­te a seus an­ces­trais e re­tor­nos a prá­ti­cas ani­mis­tas.

No es­for­ço de con­ci­li­a­ção en­tre o mo­der­no e o tra­di­ci­o­nal, mui­tas ve­zes os reis/so­bas en­ca­mi­nham de­ter­mi­na­dos "ca­sos" às au­to­ri­da­des po­lí­ti­cas e ju­di­ci­ais, so­bre­tu­do ca­sos de ho­mi­cí­di­os vo­lun­tá­ri­os, evi­tan­do-se as­sim que se­ja exe­cu­ta­da a jus­ti­ça por mãos pró­pri­as. As au­to­ri­da­des po­li­ci­ais lo­cais (as mais pró­xi­mas) têm si­do igual­men­te vá­ri­as ve­zes cha­ma­das pa­ra di­ri­mir que­re­las que os so­be­ra­nos jul­gam po­der fu­gir do seu con­tro­lo. Ou­tras ve­zes, são os pró­pri­os ci­da­dãos que re­cor­rem ao di­rei­to po­si­ti­vo, sem­pre que jul­guem ine ica­zes os jul­ga­men­tos co­mu­ni­tá­ri­os. __________

Su­por­te:

1http://pt.wi­ki­pe­dia.org/wi­ki/Max_ We­ber, con­sul­ta 05.02.09

2- VIN­TE E CINCO, Ga­bri­el: Os Ki­ba­las, Nú­cleo-Pu­bli­ca­ções Cris­tãs, Lda. Qu­e­luz, 1992

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.