A UNESCO e o le­ga­do da es­cra­vi­dão

Jornal Cultura - - Primeira Página -

Pa­ra a oca­sião do Dia In­ter­na­ci­o­nal da Lem­bran­ça do Trá­fi­co de Es­cra­vos e da sua Abo­li­ção, 23 de Agos­to, a di­rec­to­ra-ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Edu­ca­ção, a Ci­ên­cia e a Cul­tu­ra (UNESCO), Au­drey Azou­lay, fa­lou so­bre a ne­ces­si­da­de de se apro­fun­dar a re­fle­xão so­bre a his­tó­ria da es­cra­vi­dão no mun­do de for­ma a com­ba­ter pre­con­cei­tos ra­ci­ais e o ra­cis­mo quo­ti­di­a­no con­tra pes­so­as de ori­gem afri­ca­na.

"Na noi­te de 22 pa­ra 23 de Agos­to de 1791, na re­gião oes­te da Ilha de São Do­min­gos, en­tão uma co­ló­nia fran­ce­sa das Ín­di­as Oci­den­tais, ocor­reu uma re­vol­ta de es­cra­vos, a qual se­ria um pon­to de vi­ra­da na trá­gi­ca his­tó­ri­ca do trá ico de es­cra­vos", dis­se Au­drey.

"A guer­ra que se se­guiu atin­giu o seu au­ge em 1804, com a in­de­pen­dên­cia da­que­la par­te da ilha, que adop­tou o no­me de Hai­ti, e le­vou ao re­co­nhe­ci­men­to da igual­da­de de di­rei­tos de to­dos os seus ha­bi­tan­tes. A on­da de cho­que cau­sa­da por es­se even­to his­tó­ri­co con­tri­buiu mui­to, du­ran­te o sé­cu­lo 19, pa­ra o mo­vi­men­to de abo­li­ção e pa­ra o des­man­te­la­men­to da es­cra­vi­dão."

Se­gun­do a di­rec­to­ra-ge­ral da agên­cia da ONU, a uni­ver­sa­li­da­de da­que­la lu­ta por li­ber­da­de e dig­ni­da­de con­du­zi­da pe­los es­cra­vos de São Do­min­gos le­vou a UNESCO a es­ta­be­le­cer o Dia In­ter­na­ci­o­nal da Lem­bran­ça do Trá ico de Es­cra­vos e de sua Abo­li­ção, as­sim co­mo a es­co­lher a da­ta sim­bó­li­ca de 23 de Agos­to pa­ra ser ob­ser­va­da.

Des­de 1998, a da­ta é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra se apro­fun­dar a re le­xão so­bre o le­ga­do da his­tó­ria da es­cra­vi­dão e a ne­ces­si­da­de de ex­plo­rar sua me­mó­ria. "O dia tam­bém aju­da na pro­tec­ção con­tra os pre­con­cei­tos ra­ci­ais que fo­ram de­sen­vol­vi­dos pa­ra jus­ti icar a es­cra­vi­dão e que con­ti­nu­am a ali­men­tar a dis­cri­mi­na­ção e o ra­cis­mo quo­ti­di­a­nos con­tra pes­so­as de ori­gem afri­ca­na", de­cla­rou.

Des­de 2001, o trá ico e a es­cra­vi­dão são re­co­nhe­ci­dos pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal co­mo cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de. No en­tan­to, es­ses la­ge­los res­sur­gem em in­ter­va­los re­gu­la­res, de for­mas di­fe­ren­tes e em lu­ga­res di­ver­sos. "É por is­so que uma me­lhor com­pre­en­são a res­pei­to da his­tó­ria da es­cra­vi­dão e do trá ico de es­cra­vos é es­sen­ci­al pa­ra um me­lhor en­ten­di­men­to so­bre a emer­gên­cia de no­vas for­mas de es­cra­vi­dão, com o ob­jec­ti­vo de im­pe­di-las".

O Pro­jec­to A Ro­ta do Es­cra­vo, lan­ça­do pe­la UNESCO em 1994, tor­nou pos­sí­vel a iden­ti ica­ção das ques­tões éti­cas, cul­tu­rais e so­ci­o­po­lí­ti­cas des­sa his­tó­ria do­lo­ro­sa. Com o de­sen­vol­vi­men­to de uma abor­da­gem mul­ti­dis­ci­pli­nar, que vin­cu­la as di­men­sões his- tó­ri­ca, me­mo­ri­al, cri­a­ti­va, edu­ca­ci­o­nal e pa­tri­mo­ni­al, es­se pro­jec­to tem con­tri­buí­do pa­ra o en­ri­que­ci­men­to do co­nhe­ci­men­to so­bre o trá ico de es­cra­vos e pa­ra a dis­se­mi­na­ção de uma cul­tu­ra de paz.

Nes­te Dia In­ter­na­ci­o­nal, a UNESCO con­vi­da to­dos, in­cluin­do au­to­ri­da­des pú­bli­cas, so­ci­e­da­de ci­vil, his­to­ri­a­do­res, pes­qui­sa­do­res e ci­da­dãos co­muns, pa­ra se mo­bi­li­za­rem a fim de au­men­tar a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção so­bre es­sa his­tó­ria que nós com­par­ti­lha­mos, as­sim co­mo pa­ra se opo­rem a to­das as for­mas de es­cra­vi­dão mo­der­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.