Can­ção de Sa­ba­lu

Jornal Cultura - - Arte Poética -

Nos­so ilho ca­çu­la/ Man­da­ram-no p'ra S.To­mé/ Não ti­nha do­cu­men­tos/ Aiué!// Nos­so ilho cho­rou/ Ma­mã en­lou­que­ceu/ Aiué!/ Man­da­ram-no p'ra S.To­mé// Nos­so ilho já par­tiu/ Par­tiu no po­rão de­les/ Aiué!/ Man­da­ram-no p'ra S.To­mé// Cor­ta­ram-lhe os ca­be­los// Não pu­de­ram amar­rá-lo/ Aiué!/ Man­da­ram-no p'ra S.To­mé.// Nos­so ilho es­tá a pen­sar/ Na sua ter­ra, na sua ca­sa/ Man­dam-no tra­ba­lhar/ Es­tão a mi­rá-lo, a mi­rá-lo/ - Ma­mã, ele há-de vol­tar/ Ah! A nos­sa sor­te há-de vi­rar/ Aiué!/ Man­da­ram-no p'ra S.To­mé// Nos­so ilho não vol­tou/ A mor­te le­vou-o/ Aiué!/ Man­da­ram-no p'ra S.To­mé

MARIO PIN­TO DE AN­DRA­DE nas­ceu no Go­lun­go Al­to a 21 de Agos­to de 1928, e fa­le­ceu a 26 de Agos­to de 1990, em Lon­dres. Es­tu­dou Fi­lo­lo­gia Clás­si­ca na Fa­cul­da­de de Le­tras de Lis­boa. Foi um in­can­sá­vel lu­ta­dor pe­la in­de­pen­dên­cia de An­go­la, o que o le­vou a pri­mei­ro pre­si­den­te do MPLA. Pu­bli­cou An­to­lo­gia da Po­e­sia Ne­gra de Ex­pres­são Por­tu­gue­sa(1958), Amil­car Ca­bral: Es­sai de Bi­o­graphie Po­li­ti­que (1980), As ori­gens do Na­ci­o­na­lis­mo Afri­ca­no (1997), en­tre ou­tros. Foi ain­da Mi­nis­tro da Cul­tu­ra na Gui­né-Bis­sau.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.