A His­tó­ria de co­mo os Am­bun­dus do­mi­na­ram a ci­ên­cia do ferro

Jornal Cultura - - LETRAS - GASPAR MICOLO

AHis­tó­ria de Áfri­ca sem­pre fas­ci­nou a bra­si­lei­ra Cris­lay­ne Al­fa­ga­li. E quan­do, no dia 22 de Maio de 2017, se apre­sen­tou à Sa­la de De­fe­sa de Te­ses do Ins­ti­tu­to de Fi­lo­so ia e Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas (IFCH), da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas (UNI­CAMP), es­ta­va num à-von­ta­de co­mum. Li­cen­ci­a­da em His­tó­ria pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ou­ro Pre­to (2009) e mes­tre em His­tó­ria So­ci­al da Cul­tu­ra pe­la mes­ma UNI­CAMP (2012), a pai­xão pe­las co­ne­xões his­tó­ri­cas e culturais en­tre Áfri­ca e Bra­sil le­vou-a a es­co­lher An­go­la pa­ra a sua te­se de dou­to­ra­men­to: "Fer­rei­ros e fun­di­do­res da Ilam­ba. Uma his­tó­ria so­ci­al da fa­bri­ca­ção de ferro e da Re­al Fá­bri­ca de No­va Oei­ras (An­go­la, se­gun­da me­ta­de do séc. XVIII)” foi o seu te­ma.

Cris­lay­ne Al­fa­ga­li par­ti­lhou o seu fas­cí­nio pe­la his­tó­ria de An­go­la na Sa­la de De­fe­sa de Te­ses do IFCH. Trans­por­tou­os to­dos ao Ilam­ba (ac­tu­al Cu­an­za Nor­te) pe­la voz dos ar­te­sões Am­bun­dus que, di­an­te da ins­ta­la­ção de uma fá­bri­ca de ferro na re­gião, en­fren­ta­ram es­tra­te­gi­ca­men­te o do­mí­nio co­lo­ni­al por­tu­guês e con­se­gui­ram man­ter em seu po­der os co­nhe­ci­men­tos e os be­ne íci­os que a me­ta­lur­gia lhes con­fe­ria.

A obra, que lhe con­fe­riu o grau de dou­to­ra­men­to, era re­sul­ta­do de um lon­go tra­ba­lho que le­vou a pro­fes­so­ra Cris­lay­ne Al­fa­ga­li a pes­qui­sar ar­qui­vos e bi­bli­o­te­cas do Bra­sil, Por­tu­gal e An­go­la. A his­to­ri­a­do­ra fez uma vi­si­ta à Fá­bri­ca de Ferro no Don­do, pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te, on­de re­cons­truiu a his­tó­ria a par­tir do que os fer­rei­ros e fun­di­do­res lo­cais dis­se­ram a res­pei­to dos pla­nos de Fran­cis­co Ino­cên­cio de Sou­sa Cou­ti­nho, go­ver­na­dor do Rei­no de An­go­la en­tre os anos de 1764 e 1772: cons­tru­ção de uma fá­bri­ca de ferro nas pro­xi­mi­da­des de Lu­an­da.

É que não se tra­ta­va de um sim­ples pro­jec­to. Es­ta­vam em cau­sa os con li­tos em tor­no de mi­nas e ter­ras e o con­tro­le da fa­bri­ca­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção de ob­jec­tos de ferro, re­cur­sos na­tu­rais e uten­sí­li­os que pa­ra os afri­ca­nos de­ti­nham sig­ni ica­dos pa­ra além do eco­nó­mi­co. Os fer­rei­ros e fun­di­do­res da Ilam­ba já pro­du­zi­am um ferro de al­ta qua­li­da­de em for­nos bai­xos, com os seus ins­tru­men­tos rús­ti­cos; en­quan­to is­so, Por­tu­gal não ti­nha tra­di­ção na ex­plo­ra­ção de mi­nas de ferro, mas pre­ten­dia "per­se­guir a me­ta de tor­nar o Rei­no de An­go­la um gran­de ex­por­ta­dor de ferro que su­pri­ria as de­man­das do im­pé­rio por­tu­guês e con­quis­ta­ria no­vos mer­ca­dos".

A his­to­ri­a­do­ra ques­ti­o­na te­ses que ten­dem a com­pre­en­der a his­tó­ria des­sa fá­bri­ca sob o pris­ma do fra­cas­so do pro­jec­to por­tu­guês. E con­fron­ta di­fe­ren­tes olha­res so­bre a fa­bri­ca­ção do ferro pro­du­zi­do à mo­da cen­tro-afri­ca­na. "O ar­gu­men­to que de­fen­do é sim­ples: mais que tra­ba­lha­do­res ma­nu­ais, es­ses ar­te­sões fo­ram os quí­mi­cos e mi­ne­ra­lo­gis­tas (...) e de di­fe­ren­tes for­mas, usan­do os re­cur­sos que o seu am­bi­en­te so­ci­o­cul­tu­ral lhes con­fe­riu, so­bre­tu­do pau­tan­do-se no se­gre­do do o ício, re­sis­ti­ram à per­da do con­tro­le de seu pró­prio pro­ces­so de tra­ba­lho".

E Cris­lay­ne Al­fa­ga­li se­gue es­se io con­du­tor da pes­qui­sa pa­ra com­pre­en­der as dis­pu­tas, con li­tos, cos­tu­mes e tra­di­ções en­vol­ven­do tan­to as es­tra­té­gi­as do do­mí­nio co­lo­ni­al por­tu­guês, quan­to as for­mas de re­sis­tên­cia, a in­ven­ção de no­vas prá­ti­cas, a ela­bo­ra­ção de dis­cur­sos ar­ti­cu­la­dos pe­los afri­ca­nos. "Re­tra­to os des­do­bra­men­tos a par­tir do pon­to de vis­ta das so­ci­e­da­des afri­ca­nas", diz Cris­lay­ne Al­fa­ga­li que, com a obra, ago­ra pu­bli­ca­da, aca­ba de ga­nhar o Pré­mio In­ter­na­ci­o­nal de In­ves­ti­ga­ção His­tó­ri­ca Agos­ti­nho Ne­to edi­ção 2017/2018, que con­sis­te na pro­mo­ção e in­cen­ti­vo à in­ves­ti­ga­ção his­tó­ri­ca so­bre An­go­la, Áfri­ca, Bra­sil e a sua diás­po­ra. O con­cur­so, pa­tro­ci­na­do pe­la Fun­da­ção Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e pe­lo Ins­ti­tu­to Afro-bra­si­lei­ro de En­si­no Su­pe­ri­or, re­pre­sen­ta­do pe­la Fa­cul­da­de Zum­bi dos Pal­ma­res, é re­a­li­za­do a ca­da dois anos. Nes­ta edi­ção con­cor­re­ram 36 obras re­pre­sen­tan­do oi­to paí­ses, no­me­a­da­men­te, An­go­la, Bra­sil, Cu­ba, Gui­né Bis­sau, Por­tu­gal, Sué­cia, Ve­ne­zu­e­la e Ca­ma­rões.

A au­to­ra, que ac­tu­al­men­te dá au­las na Pon­ti ícia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca do Rio de Ja­nei­ro (PUCRIO), re­ce­beu da pre­si­den­te da Fun­da­ção Dou­tor An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, o cheque no va­lor de 50 mil dó­la­res e um tro­féu. Cris­lay­ne Al­fa­ga­li agra­de­ceu à fun­da­ção pe­la ins­ti­tui­ção do pré­mio e aos investigadores an­go­la­nos que gra­ças a al­guns tra­ba­lhos ob­te­ve in­for­ma­ção per­ti­nen­te pa­ra a sua obra.

Já Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, pa­ra qu­em o pré­mio in­cen­ti­va a cri­a­ção e ino­va­ção ci­en­tí ica, re­ve­la que a ins­ti­tui­ção não he­si­tou em in­ves­tir re­cur­sos pa­ra pro­mo­ção de in­ves­ti­ga­ção his­tó­ri­ca e a ope­ra­ção do jú­ri, bem co­mo na pu­bli­ca­ção da obra ven­ce­do­ra com uma tiragem de cin­co mil exem­pla­res. “Ao in­ves­tir no tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção, a Fun­da­ção mos­tra a ir­me de­ter­mi­na­ção de con­tri­buir pa­ra o co­nhe­ci­men­to da ver­da­de his­tó­ri­ca de An­go­la com o res­to do mun­do, com re­sul­ta­dos sé­ri­os e re­le­van­tes”, dis­se.

Ma­ria Eu­gé­nia ma­ni­fes­tou o de­se­jo de ver, bre­ve­men­te, an­go­la­nos, a par dos es­tran­gei­ros, a pro­du­zi­rem obras pre­mi­a­das e re­co­nhe­ci­das in­ter­na­ci­o­nal­men­te, ten­do agra­de­ci­do, em no­me da Fun­da­ção, a co­o­pe­ra­ção ci­en­tí ica da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra Edu­ca­ção, Ci­ên­cia e Cul­tu­ra ( Unesco) e da Fa­cul­da­de Bra­si­lei­ra Zum­bi dos Pal­ma­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.