Acul­tu­ra­ção e in­du­ção de mu­dan­ças com­por­ta­men­tais em “O im­pac­to das Te­le­no­ve­las Bra­si­lei­ras nos Lu­an­den­ses” de Or­lan­do Vic­tor Muhon­go

Jornal Cultura - - Eco De Angola -

edi­to­ra Ne­fer­ti­ti pu­bli­cou em 2017 a obra de Or­lan­do Vic­tor Muhon­go, in­ti­tu­la­da"O Im­pac­to das Te­le­no­ve­las Bra­si­lei­ras nos Lu­an­den­ses".

Li­cen­ci­a­do em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais pe­la Uni­ver­si­da­de Pri­va­da de Angola, Or­lan­do V. Muhon­go é ana­lis­ta de po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal e au­tor de"A Ar­te de Sen­tir" (2008) e "Os An­go­la­nos que Li­ber­ta­ram Man­de­la – A Des­cons­tru­ção de um Mi­to" ( 2016). Em 2004, ven­ceu o con­cur­so de po­e­sia so­bre a paz, or­ga­ni­za­do pe­la exLi­ga Afri­ca­na.

"O Im­pac­to das Te­le­no­ve­las Bra­si­lei­ras nos Lu­an­den­ses" éu­ma pes­qui­sa de­sen­vol­vi­da e apre­sen­ta­da co­mo um dos requí­si­tos pa­ra ob­ten­ção do grau de Mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais pe­la Uni­ver­si­da­de Aber­ta (Por­tu­gal).

Nes­ta obra de 131 pá­gi­nas, es­tru­tu­ra­da em cin­co ca­pí­tu­los, o au­tor traz ao de­ba­te a ques­tão da iden­ti­da­de cultural an­go­la­na que con­si­de­ra ser um fe­nó­me­no em per­ma­nen­te cons­tru­ção de­vi­do a acul­tu­ra­ção e as mi­gra­ções de po­vos, daí que­nu­ma pers­pec­ti­va his­tó­ri­co-an­tro­po­ló­gi­ca se te­nha re­fe­ri­do aos mo­vi­men­tos mi­gra­tó­ri­os dos po­vos Ban­tu (Am­bun­dus, Ovim­bun­du­os, etc.) em di­rec­ção ao ac­tu­al ter­ri­tó­rio an­go­la­no, ini­ci­al­men­te ha­bi­ta­do ape­nas pe­los Kung e os Va­tu­as.

A che­ga­da dos Por­tu­gue­ses (séc.XV) e o es­ta­be­le­ci­men­to dos pri­mei­ros con­tac­tos en­tre es­tes e o Rei­no do Kôn­go, e pos­te­ri­or­men­te com ou­tros po­vos afri­ca­nos or­ga­ni­za­dos po­li­ti­ca­men­te, cons­ti­tui pa­ra o au­tor um pe­río­do im­por­tan­te no es­tu­do da acul­tu­ra­ção em Angola.

De fac­to, a co­lo­ni­za­ção re­ve­lou-se, aci­ma de tu­do, co­mo um pro­jec­to de do­mi­na­ção cultural exer­ci­da ac­tu­al­men­te atra­vés dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção e de di­fu­são cultural, co­mo a te­le­vi­são, pro­du­zi­dos e con­tro­la­dos pe­los paí­ses de­sen­vol­vi­dos tec­no­lo­gi­ca e eco­no­mi­ca­men­te.

Ali­a­da do ci­ne­ma e com al­can­ce glo­bal, a te­le­vi­são a igu­ra-se ac­tu­al­men­te co­mo um meio de dis­se­mi­na­ção da cul­tu­ra Oci­den­tal in­se­ri­do na es­tra­té­gia de uni­for­mi­za­ção cultural.É da­do ad­qui­ri­do que es­te meio de co­mu­ni­ca­ção de mas­sas pos­sui ume­nor­me po­der de per­su­a­são e de ma­ni­pu­la­ção.

En­quan­to al­guns op­ti­mis­tas (ROBERT apud LOURENÇO 2014) con­si­de­ram a glo­ba­li­za­ção co­mo um pro­ces­so de re­pre­sen­ta­ção da di­ver­si­da­de cul­tu­ral­por via das tec­no­lo­gi­as de co­mu­ni­ca­ção e de in­for­ma­ção, do ou­tro la­do, es­tu­di­o­sos co­mo Hun­ting­ton (1997), As­sis (2014) e Ben­ja­mim (apud ABREU 2014) par­ti­lham da ideia que ela se­ja um fe­nó­me­no plu­ri­di­men­si­o­nal, om­ni­pre­sen­te, ca­rac­te­ri­za­do pe­la in luên­cia uni­la­te­ral e com re­per­cus­sões em to­dos os do­mí­ni­os da vi­da das so­ci­e­da­des, par­ti­cu­lar­men­te da­que­las que dis­põem de pou­cos re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos pa­ra pro­te­ger-se da in­va­são, ou pe­ne­tra- ção, dos va­lo­res, idei­as e prá­ti­cas dis­se­mi­na­dos pe­lo Oci­den­te, vis­to que a in luên­cia cultural par­te do to­po da pi­râ­mi­de pa­ra a ba­se, i.é, do cen­tro pa­ra a pe­ri­fe­ria. O opos­to, sus­ten­tam os es­tu­di­o­sos, não acon­te­ce.

Nes­te sen­ti­do, e no ca­so con­cre­to, a bra­si­lei­ri­za­ção co­mo a in­fluên­cia da cul­tu­ra bra­si­lei­ra so­bre os ha­bi­tan­tes da ci­da­de de Lu­an­da se­ria uma va­ri­an­te da glo­ba­li­za­ção he­ge­mó­ni­ca­que, con­tra­ri­a­men­te ao que su­ce­de nas zo­nas ru­rais, exer­ce for­te im­pac­to nas ci­da­des.

A re­sis­tên­cia às in­fluên­ci­as ex­ter­nas nas­zo­nas ru­rais jus­ti­fi­ca- se por não re­gis­ta­rem pra­ti­ca­men­te pro­gres­so al­gun, que se­ria efec­ti­va­do com a ex­ten­são do en­si­no, da re­de hos­pi­ta­lar, de su­per­mer­ca­dos e de ou­tros ser­vi­ços exis­ten­tes ape­nas nos­cen­tros ur­ba­nos. Daí a pre­va­lên­cia das prá­ti­cas e ri­tu­ais an­ces­trais nes­tas lo­ca­li­da­des.

To­da­via, os efei­tos da acul­tu­ra­ção são vi­sí­veis em al­gu­mas zo­nas ru­rais de Angola, co­mo o Mu­ni­cí­pio de Ma­rim­ba , lo­ca­li­za­do em Ma­lan­je, on­de os so­bas apon­tam a bra­si­lei­ri­za­ção fo­men­ta­da pe­las te­le­no­ve­las bra­si­lei­ras co­mo um ele­men­to ne­ga­ti­vo. "No nos­so tem­po", a ir­mam os so­bas, "não ha­via no­ve­las".

De fac­to, não exis­tem re­gis­tos de que as te­le­no­ve­las bra­si­lei­ras te­nham si­do exi­bi­das em Angola du­ran­te o pe­río­do co­lo­ni­al; o iní­cio da sua trans­mis­são em Angola ocor­reu ape­nas no pe­río­do pós-co­lo­ni­al(1979).

Com a li­be­ra­li­za­ção da eco­no­mia an­go­la­na, no iní­cio da dé­ca­da de 90 do sé­cu­lo XX, e a ins­ta­la­ção da Mul­ti­choi­ce em Angola, re­gis­tou-se um au­men­to ex­po­nen­ci­al­do con­su­mo de te­le­no­ve­las bra­si­lei­ras pe­los ci­da­dãos an­go­la­nos que, in­sa­tis­fei­tos com a pou­ca qua­li­da­de da pro­gra­ma­ção da Te­le­vi­são Po­pu­lar de Angola (ac­tu­al Te­le­vi­são Pú­bli­ca de Angola) , ade­ri­am mas­si­va­men­te aos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­la re­fe­ri­da em­pre­sa, den­tre os quais se des­ta­cam as te­le­no­ve­las bra­si­lei­ras.

A ân­sia pe­lo con­su­mo de te­le­no­ve­las bra­si­lei­ras ca­rac­te­ri­za o com­por­ta­men­to de mui­tos ci­da­dãos, e, em mui­tos ca­sos, con­ti­nua a ser o fac­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra a ade­são aos ser­vi­ços de te­le­vi­são por sa­té­li­te.

Em Lu­an­da, Pro­vín­cia on­de foi de­sen­vol­vi­do o es­tu­do de cam­po, re­gis- ta­ram-se in­cên­di­os em al­gu­mas re­si­dên­ci­as ilu­mi­na­das à luz da ve­la , que cei­fa­ram a vi­da de cri­an­ças en­quan­to as su­as pro­ge­ni­to­ras ( que em ca­sa não pos­suíam o ser­vi­ço te­le­vi­si­vo por sa­té­li­te), as­sis­ti­am os epi­só­di­os de te­le­no­ve­las bra­si­lei­ras em ca­sas das vi­zi­nhas.

Sen­do a po­pu­la­ção an­go­la­na mai­o­ri­ta­ri­a­men­te fe­mi­ni­na, a cli­en­te­la que as­sis­te as te­le­no­ve­las bra­si­lei­ras é for­ma­da na sua mai­o­ria por mu­lhe­res que, aten­den­do a sua es­tru­tu­ra psi­co­ló­gi­ca, ten­dem a ser mui­to mais re­cep­ti­vas, que os ho­mens, às men­sa­gens afec­ti­vas par­ti­lha­das pe­los per­so­na­gens das te­le­no­ve­las.

Tal fac­to não sig­ni ica que não exis­tam ci­da­dãos do se­xo mas­cu­li­no ávi­dos em as­sis­tir no­ve­las. Em al­guns ca­sos, os mi­nu­tos que an­te­ce­dem a exi­bi­ção des­tas é mar­ca­do por um au­tên­ti­co fre­ne­sim que en­vol­ve ci­da­dãos, in­clu­si­ve um pro­fes­sor que, ‹‹pres­si­o­na­do» pe­la apro­xi­ma­ção do ho­rá­rio em que de­ter­mi­na­da no­ve­la era trans-

Or­lan­do Vic­tor Muhin­go (à di­rei­ta)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.