En­si­no da lín­gua Cokwe no to­po das pri­o­ri­da­des de­fen­di­das em Sau­ri­mo

Jornal Cultura - - Letras - ADÃO DIOGO | SAU­RI­MO

O pri­mei­ro Workshop so­bre cul­tu­ra Lun­da-Cokwe, or­ga­ni­za­do há di­as na ci­da­de de Sau­ri­mo mar­cou o des­per­tar de uma no­va vi­são em prol do res­ga­te da sua iden­ti­da­de. No fó­rum a lín­gua ocu­pou o to­po das pri­o­ri­da­des na de­sa ian­te em­prei­ta­da que vi­sa con iar às no­vas ge­ra­ções um le­ga­do só­li­do do ri­co ma­nan­ci­al de co­nhe­ci­men­tos que ga­ran­tiu uma con­vi­vên­cia har­mo­ni­o­sa nas co­mu­ni­da­des.

Opa­no-saia, da in­du­men­tá­ria os­ten­ta­da por al­guns fun­ci­o­ná­ri­os des­per­ta a cu­ri­o­si­da­de de de­ze­nas de con­vi­da­dos aco­mo­da­dos nu­ma sa­la de con­fe­rên­ci­as do ho­tel Kawuis­sa, cen­tro da ci­da­de de Sau­ri­mo, de­co­ra­da on­de as ar­mas de fo­go de fa­bri­co ar­te­sa­nal, ima­gens es­cul­pi­das de tron­cos de ár­vo­res, ins­tru­men­tos mu­si­cais e ar­te­fac­tos de uso do­més­ti­co as­si­na­lam o con­ví­vio har­mo­ni­o­so en­tre o mo­der­no e o tra­di­ci­o­nal.

A va­lo­ri­za­ção da lín­gua Cokwe con­si­de­ra­da pi­lar im­por­tan­te na iden­ti ica­ção da cul­tu­ra so­bres­saiu dos de­ba­tes, com um nú­me­ro as­sus­ta­dor de ins­cri­ções, pa­ra con­tri­buir no res­ga­te de va­lo­res su­fo­ca­dos pe­las cir­cuns­tân­ci­as e por es­ta via per­pe­tu­ar um le­ga­do que per­mi­ta as no­vas ge­ra­ções man­te­rem na di­fe­ren­ça os tra­ços de iden­ti­da­de.

O Workshop, co­lheu sub­sí­di­os im­por­tan­tes. O des­gas­te des­pon­ta­do nas in­ter­ven­ções con­fe­ri­ram mé­ri­to à ini­ci­a­ti­va re­pu­ta­da co­mo pas­so im­por­tan­te pa- ra exe­cu­tar uma em­prei­ta­da de­sa ian­te que de­ve en­tre ou­tros lo­cais co­me­çar com o en­si­no aos jo­vens, a par­tir de jan­gos, sob a ori­en­ta­ção dos mais ve­lhos com com­pe­tên­cia re­co­nhe­ci­da a im de trans­mi­ti­rem a ex­pe­ri­ên­cia ne­ces­sá­ria.

Ré­pli­cas e tré­pli­cas aca­lo­ra­ram as acu­sa­ções e ar­gu­men­tos de de­fe­sa en­tre os in­ter­ve­ni­en­tes, mo­ti­va­dos pe­los de­ta­lhes nas pre­lec­ções apre­sen­ta­das, so­bre­tu­do qu­an­do os adul­tos acu­sa­ram os jo­vens de pau­ta­rem pe­la in­su­bor­di­na­ção, ime­di­a­tis­mo e fal­ta de ur­ba­ni­da­de na via pú­bli­ca e no meio on­de vi­vem, em re­la­ção aos te­mas, " A im­por­tân­cia da di­vul­ga­ção do Cokwe, In luên­cia das no­vas tec­no­lo­gia na pre­ser­va­ção da lín­gua, no­mes e adá­gi­os, e a im­por­tân­cia dos di­tos na cul­tu­ra Lun­da-Cokwe".

Aten­ta a go­ver­na­do­ra em exer­cí­cio Ma­da­le­na Uque­ve Xi­li, de­fen­deu ur­gên­cia por par­te das es­tru­tu­ras com­pe­ten­tes a mul­ti­pli­ca­ção de ini­ci­a­ti­vas que es­ti­mu­lem o en­si­no e de­ba­tes so­bre as­pec­tos re­le­van­tes do ma­nan­ci­al da cul­tu­ra Cokwe, he­ran­ça so­ci­al de há­bi­tos e cos­tu­mes, co­lo­can­do o ho­mem no cen­tro das aten­ções. Ao Re­co­nhe­cer que "ne­nhu­ma cul­tu­ra é su­pe­ri­or à ou­tra", no­ta que a cul­tu­ra Cokwe " é das mais ri­cas" no país e aler­tou so­bre o pe­ri­go de "acul­tu­ra­ção, na des­trui­ção de tra­ços de iden­ti­da­de". Ofé­lia, subs­cre­veu a pro­pos­ta de edi ica­ção de jan­gos, pa­ra trans­mi­tir "bons há­bi­tos e cos­tu­mes" aos jo­vens nu­ma pers­pec­ti­va de pre­pa­rá-los co­mo lí­de­res com ba­ga­gem su ici­en­te pa­ra ga­ran­tir es­ta­bi­li­da­de nas co­mu­ni­da­des.

ORIGEM E LIDERANÇA

Dis­cor­ren­do so­bre o pas­sa­do o his­to­ri­a­dor João Bap­tis­ta Ma­nas­sa res­sal­tou que os po­vos Cokwe são pro­du­to de mi­gra­ções, em di­fe­ren­tes épo­cas, a par­tir de Áfri­ca Cen­tral Ban­tu, ini­ci­a­das na re­gião de Cu­lan­go, na ime­di­a­ções de Tan­ga­ni­ca.

Tra­di­ci­o­nal­men­te, acres­cen­tou, os Mbun­gu ou Tum­bun­gu, as­sim de­sig­na­dos os gru­pos que ha­bi­ta­ram o ter­ri­tó­rio Lun­da, pre­o­cu­pa­dos a dis­per­são de gru­pos, ele­ge­ram um lí­der que en­tre ou­tros de­sa ios ti­nha a mis­são de aglu­ti­nar as tri­bos da re­gião, des­ta­can­do o no­me de Ya­la Mu­a­ko no sé­cu­lo VII de­pois de Cris­to d.C, se­gun­do da­dos subs­cri­tos por an­tro­pó­lo­gos e ci­en­tis­tas.

Pa­ra ga­ran­tir a exe­cu­ção dos pro­gra­mas de go­ver­na­ção que en­tre ou­tros ins vi­sa­ram a ma­nu­ten­ção da uni­da­de, so­li­da­ri­e­da­de e ges­tão do património do rei­no es­te úl­ti­mo in­te­gra­do por " ter­ri­tó­ri­os, res­pec­ti­vos ri­os, lo­res­tas, en­tre ou­tros re­cur­sos" o rei con­ta­va com um pe­lou­ro de ges­to­res dis­tri­buí­dos pa­ra as áre­as a ins. A con­san­gui­ni­da­de de­ter­mi­nou a in­te-

gra­ção na li­nha­gem (Mu­nha­chi).

Uma pul­sei­ra ex­clu­si­va co­nhe­ci­da por Lu­ca­no, no bra­ço di­rei­to, usa­do de for­ma obri­ga­tó­ria so­bre­tu­do nas apa­ri­ções em pú­bli­co, sim­bo­li­za o po­der do lí­der. O seu uso no bra­ço es­quer­do do lí­der, e um cha­péu (Txi­pam­ge­la) con­fec­ci­o­na­do com ador­nos es­pe­ci­ais, é um de­ta­lhe cu­ri­o­so na cul­tu­ra Cokwe. Via de re­gra o pá­tio da ca­sa do lí­der é de­li­mi­ta­do por uma cer­ca de es­ta­cas es­pe­ta­dos no chão.

CONFLITOS MI­GRA­ÇÕES

A pre­lec­ção es­bo­çou os con li­tos no rei­no que ge­ra­ram fac­ções res­pon­sá­veis pe­las mi­gra­ções a par­tir da sua ca­pi­tal Mus­sum­ba, no Con­go De­mo­crá­ti­co. O pre­lec­tor as­si­na­lou a mar­gem es­quer­da do rio Cas­sai co­mo iti­ne­rá­rio im­por­tan­te do fe­nó­me­no mi­gra­tó­rio e o de­sa­ba­men­to de uma tor­re a sua cons­tru­ção, pro­jec­ta­da por um gru­po de re­no­ma­dos ar­tí ices, à se­me­lhan­ça de Ba­bel, a im de to­car o céu. Su­bli­nhou que par­te dos es­com­bros do em­pre­en­di­men­to ja­zem nu­ma lo­ca­li­da­de que con ina os mu­ni­cí­pi­os de Da­la e Ca­co­lo.

Des­cre­veu a com­ple­xa ge­ne­a­lo­gia até à en­tro­ni­za­ção do so­be­ra­no Cokwe Mwatshis­sen­gue Wa­tem­bo, e no­ta que as cir­cuns­tân­ci­as vi­vi­das em dis­tin­tos mo­men­tos al­te­ra­ram de há­bi­tos e cos­tu­mes. Pe­ran­te o pe­ri­go emi­nen­te de ex­tin­ção de va­lo­res, os "Tu­chokwe", as­sim co­nhe­ci­dos no pas­sa­do são cha­ma- dos a pre­ser­va­rem a cul­tu­ra Cokwe, a co­me­çar pe­la lín­gua .

As tec­no­lo­gi­as na vi­são do pre­lec­tor An­tó­nio José Au­gus­to é um su­por­te ao im­por­tan­te pa­ra a di­vul­ga­ção de fac­tos no do­mí­nio da cul­tu­ra, lon­ge de car­re­gar o ró­tu­lo de "ini­mi­go que adul­te­ra e de­la­pi­da os si­nais de iden­ti­da­de . Cri­a­do pe­lo ho­mem pa­ra apro­xi­mar as pes­so­as "não de­ve cri­ar re­pul­sa ou re­jei­ção sob o ve­lho sub­ter­fú­gio de "ser obra do bran­co".

An­tó­nio Au­gus­to que é che­fe de de­par­ta­men­to da cul­tu­ra na pro­vín­cia do Mo­xi­co nar­rou par­te da re­a­li­da­de cons­ta­ta­da no de­cur­so de in­cur­sões pa­ra pes­qui­sa pe­lo in­te­ri­or, em bus­ca de pro­vas au­tên­ti­cas so­bre o pas­sa­do a im de ac­tu­a­li­zar e pu­bli­car con­teú- dos que de for­ma pe­da­gó­gi­ca des­per­tem o in­te­res­se e agre­guem va­lo­res às no­vas ge­ra­ções, ape­ga­das às re­des so­ci­ais on­de as men­sa­gens es­pe­lham re­a­li­da­des alhei­as à cul­tu­ra da re­gião.

Re­fe­riu que o pre­ço pa­ra al­te­rar o qua­dro vi­gen­te im­pli­ca co­ra­gem, in­te­li­gên­cia e sen­ti­do de com­pro­mis­so pa­ra en­fren­tar de­bo­ches e ou­tras for­mas de des­dém di­an­te de ini­ci­a­ti­vas sin­gu­la­res ou co­lec­ti­vas co­mo a do "Ha­no He­ne". O pro­jec­to em cur­so ca­re­ce de um gru­po de in­ten­si­da­de pa­ra res­ga­tar dos mais ve­lhos o le­ga­do guar­da­do. Pa­ra a sua di­vul­ga­ção os pro­ta­go­nis­tas do Ha­no-He­ne op­tam pe­lo te­a­tro com gru­pos ba­se­a­dos em zo­nas al­vos de pes­qui­sas, e a com­pi­la­ção de da­dos em ar­qui­vo di­gi­tal pa­ra ga­ran­tir sub­sí­di­os no pro­ces­so da ac­tu­a­li­za­ção da his­tó­ria .

Das cons­ta­ta­ções o in­ter­lo­cu­tor des­ta­cou a pas­sa­gem pe­la tra­ves­sia do Kawewe, so­bre uma ro­cha, no Cas­sai, lo­ca­li­da­de si­tu­a­da no ter­ri­tó­rio de Mu­con­da, usa­da por uma co­mi­ti­va de li­de­res e res­pec­ti­vos súb­di­tos tra­di­ci­o­nais, que pe­re­gri­na­ram pe­la bai­xa de Cas­san­je, Ma­rim­ba em di­rec­ção a Mu­ku­lo ua ngo­la. In­cen­ti­va à re­a­li­za­ção de pes­qui­sas às ori­gens, ci­tan­do a re­gião de Tan­ga­ni­ca.

HO­MENS NO MUNGONGE E MULHERS NO TXIWILA

O va­lor das ins­ti­tui­ções tra­di­ci­o­nais de en­si­no, Mungonge e Txiwila pa­ra as mu­lhe­res. Mi­tos e cren­ças sus­ten­ta­vam a sim­bo­lo­gia de Deus atra­vés da água, e ân­sia de che­ga­da à ter­ra pro­me­ti­da. A pa­la­vra Ca­lun­ga na pers­pec­ti­va das ins­ti­tui­ções tra­du­zem a ideia de mar, com um sen­ti­do in­ter­pre­ta­ti­vo múl­ti­plo, dai o va­lor sa­gra­do da água usa­do pa­ra o ba­nho e ou­tros ins.

As pre­lec­ções con­ver­gi­ram em re­la­ção à ne­ces­si­da­de de des­co­ber­ta da ver­da­de me­di­an­te um re­gres­so ao sé­cu­lo IV. A che­ga­da tar­dia do co­lo­ni­a­lis­ta no an­ti­go dis­tri­to da Lun­da-Cokwe le­van­ta sé­ria dú­vi­das so­bre a au­ten­ti­ci­da­de da his­tó­ria es­cri­ta da re­gião, à se­me­lhan­ça da exis­tên­cia da tri­bo Lun­da, pe­lo fac­to do ter­mo Tum­bun­gu, atri­buí­do aos an­ti­gos ha­bi­tan­tes da Lun­da, de­sig­nar po­vos ixos da re­gião.

Res­sal­ta­ram o im­pac­to da cir­cun­ci­são (Mu­can­da), pro­va de fo­go que cul­mi­na com a ca­pa­ci­ta­ção do jo­vem pa­ra os de­sa ios na vi­da em co­mu­ni­da­de. A ini­ci­a­ção fe­mi­ni­na na pu­ber­da­de pa­ra cor­res­pon­der às exi­gên­ci­as no lar, va­ri­an­tes na es­cri­ta da pa­la­vra Cokwe por ve­zes al­te­ra­do pa­ra Txokwe, ou Tchokwe e quío­cos nas ver­sões da es­cul­tu­ra Sa­ma­nhon­ga, com as mãos so­bre a ca­be­ça ou apoi­an­do as bo­che­chas, ge­ra­ram in­qui­e­ta­ções en­tre os par­ti­ci­pan­tes que re­co­men­da­ram es­tu­dos e aná­li­ses pa­ra dis­si­par dú­vi­das.

Rei da Lun­da-Tchokwé Mu­at­chis­sen­gue Wa­tem­bo

Mwa­na Pwo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.