Sín­dro­ma do vi­na­gre cor­rói ci­ne­ma an­go­la­no

Jornal Cultura - - Primeira Página - ADRIANO DE MELO

Sem es­ti­los ou cor­ren­tes pa­ra li­mi­tar a sua cri­a­ção ar­tís­ti­ca, Thó Si­mões de­sa iou os li­mi­tes do seu ima­gi­ná­rio pa­ra cri­ar uma (des)cons­tru­ção dos vá­ri­os mul­ti­ver­sos da cons­ci­ên­cia, er­gui­dos so­bre uma aná­li­se so­ci­al, que de­no­mi­nou “Con­go­lân­dia”.

A ex­po­si­ção, que es­te­ve pa­ten­te no Ca­mões, até à pas­sa­da quin­ta-fei­ra, dia 4, in­cluiu pin­tu­ra, ins­ta­la­ção e per­for­man­ce, es­ti­los mul­ti­dis­ci­pli­na­res a que o ar­tis­ta já acos­tu­mou o seu pú­bli­co. Po­rém, pa­ra ino­var e dar “uma pi­ta­da” di­fe­ren­te à “Con­go­lân­dia”, Thó Si­mões ex­plo­rou o pa­pel da per­for­man­ce, co­mo ins­tru­men­to ide­o­ló­gi­co que vei­cu­la idei­as so­bre a ci­da­da­nia e a co­mu­ni­da­de.

Pa­ra a sua per­for­man­ce, o ar­tis­ta con­vi­dou con­gé­ne­res seus, que em tons de pre­to e bran­co, de­ram ao pú­bli­co que as­sis­tiu a ce­ri­mó­nia de inau­gu­ra­ção no Ca­mões - Cen­tro Cultural Por­tu­guês mo­men­tos sin­gu­la­res. A mai­o­ria das pes­so­as icou im­pres­si­o­na­da pe­la sim­pli­ci­da­de e a “ac­tu­a­ção” dos per­for­mis­tas.

Ten­do co­mo re­fe­rên­cia o tra­ba­lho da nor­te-ame­ri­ca­na Ro­sa­lee-Gold­berg, uma das mai­o­res pro­mo­to­ras da per­for­man­ce ar­tís­ti­ca a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, co­mo com­pa­rou a di­rec­to­ra do Ca­mões, Te­re­sa Ma­teus, “Con­go­lân­dia” trou­xe à aná­li­se do pú­bli­co uma no­va for­ma de ver a ar­te con­tem­po­râ­nea, com a in­clu­são de vá­ri­as dis­ci­pli­nas nu­ma úni­ca ex­po­si­ção, on­de to­das so­bres­sa­em em si­mul­tâ­neo. O ob­jec­ti­vo da in­clu­são des­te con­cei­to, co­mo des­ta­cou Thó Si­mões, é apre­sen­tar a “ar­te co­mo um pro­ces­so de­mo­crá­ti­co de es­co­lhas efec­tu­a­das pe­los es­pec­ta­do­res”. Com ba­se nes­ta ideia, o ar­tis­ta uti­li­zou o pú­bli­co co­mo “ma­te­ri­al” pa­ra po­der cri­ar “Con­go­lân­dia”, uma ex­po­si­ção na qual os vi­si­tan­tes po­de­ri­am se en­vol­ver e par­ti­ci­par de for­ma ac­ti­va.

Em­bo­ra al­guns teó­ri­cos acre­di­tem que a per­for­man­ce ar­tís­ti­ca te­nha as su­as ori­gens na an­ti­gui­da­de, o ter­mo ga­nhou uma mai­or di­men­são nos úl­ti­mos anos, co­mo for­ma de agre­gar vá- ri­as dis­ci­pli­nas, co­mo a dan­ça, mú­si­ca, mí­mi­ca, ou ma­la­ba­ris­mo, nu­ma ex­po­si­ção de ar­te, e “Con­go­lân­dia” trou­xe um pou­co des­tas ex­pres­sões ar­tís­ti­cas. Na mos­tra, a per­for­man­ce sur­ge co­mo um meio li­ber­ta­dor por ex­ce­lên­cia e tam­bém um com­pro­mis­so com os es­pa­ços so­ci­ais di­ver­si ica­dos.

Thó Si­mões pro­cu­rou igual­men­te ex­plo­rar a per­for­man­ce na sua di­men­são mais van­guar­dis­ta, de tal for­ma que qual­quer meio uti­li­za­do por si na ex­po­si­ção é vis­to co­mo uma mar­ca do seu per­cur­so ar­tís­ti­co e uma for­ma de com­ple­tar a sua ur­gên­cia in­te­ri­or de pes­qui­sa e es­tu­do de al­gu­mas di­men­sões da ar­te con­tem­po­râ­nea.

Co­mo um as­pec­to re­cor­ren­te na sua ar­te, o cri­a­dor fez uso de vá­ri­as lin­gua­gens ar­tís­ti­cas pa­ra rea ir­mar a sua apos­ta na mul­ti-di­ver­si­da­de, de uma for­ma mais abran­gen­te, ao pon­to do seu al­can­ce não es­tar sus­cep­tí­vel ao en­qua­dra­men­to em ca­te­go­ri­as, es­ti­los ou cor­ren­tes. “De­cli­nan­do ró­tu­los, Thó Si­mões pin­ta, faz co­la­gens, cria ar­te ur­ba­na e di­gi­tal, per­for­man­ce, ins­ta­la­ções, ci­ne­ma e fo­to­gra ia. Con­si­de­ra-se ‘sim­ples­men­te’ um ar­tis­ta”, de­fen­deu Te­re­sa Ma­teus.

A di­rec­to­ra do Ca­mões - Cen­tro Cultural Por­tu­guês des­ta­cou ain­da o fac­to de “Con­go­lân­dia - Mul­ti­ver­sos em de­sen­can­to” ser a es­treia do ar­tis­ta na­que­le es­pa­ço. “Es­pe­ra­mos que se­ja a pri­mei­ra de ou­tras pro­pos­tas ino­va­do­ras, nes­te tem­po em que as no­vas tec­no­lo­gi­as per­mi­tem a cir­cu­la­ção, à ve­lo­ci­da­de da luz, de ex­pres­sões ar­tís­ti­cas, co­mo a per­for­man­ce evo­ca­da por Thó Si­mões nes­te tra­ba­lho”.

O AR­TIS­TA

An­tó­nio “Thó” Si­mões nas­ceu em 1973, em Ma­lan­je. Fez a sua for­ma­ção em Ar­te, em Lu­an­da, on­de tam­bém man­te­ve os pri­mei­ros con­tac­tos com ar­tis­tas de re­fe­rên­cia na União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas Plás­ti­cos (UNAP). Anos de­pois, o ar­tis­ta in­te­grou o “Mo­vi­men­to dos Na­ci­o­na­lis­tas”, on­de co­me­çou a de­mar­car-se dos câ­no­nes es­té­ti­co/ar­tís­ti­cos en­tão do­mi­nan­tes.

O seu per­cur­so ar­tís­ti­co in­clui a re­a­li­za­ção de vá­ri­as ex­po­si­ções, in­di­vi­du­ais e co­lec­ti­vas, a ní­vel na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, com des­ta­que pa­ra Por­tu­gal, Itá­lia, Ga­na, Áfri­ca do Sul e Bra­sil. A sua prin­ci­pal fon­te de ins­pi­ra­ção e te­ma de in­ves­ti­ga­ção, re­cor­ren­te nas su­as mos­tras, são as su­as raí­zes afri­ca­nas, em ge­ral, e an­go­la­nas, em par­ti­cu­lar.

Os seus tra­ba­lhos, que in­clu­em pin­tu­ra, co­la­gens, ar­te ur­ba­na e di­gi­tal, per­for­man­ce, il­mes, ins­ta­la­ções e fo­to­gra ia, pro­cu­ram ex­pri­mir afec­tos e al­ter­nam in luên­ci­as da ar­te mo­der­na com a tra­di­ci­o­nal, com mai­or in­ci­dên­cia pa­ra a cokwe, com ins­pi­ra­ção no mo­do de vi­da da tri­bo mu­muí­la.

Ac­tu­al­men­te tra­ba­lha em pro­jec­tos de ca­rác­ter só­cio- cultural e am­bi­en­tal, co­mo o graf iti que faz no Elin­ga Te­a­tro, con­tra a des­trui­ção do es­pa­ço. Tam­bém fez par­te do pro­jec­to Mu­rais da Le­ba, que le­vou um gru­po de ar­tis­tas a pin­ta­rem mu­rais nas pro­vín­ci­as do Na­mí­be e Huí­la.

LUÍS DAMIÃO

LUÍSÍS DAMIÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.