CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - MAR­GA­RI­DA FRANCISCO APOLINÁRIO JOÃO FELISBERTO AN­TÓ­NIO FER­NAN­DO COS­TA

O va­lor da sar­di­nha

A sar­di­nha an­go­la­na es­tá a ser mui­to con­su­mi­da pe­las fa­mí­li­as no nos­so país, nos úl­ti­mos tem­pos. Já es­pe­ci­a­lis­tas di­zi­am que a sar­di­nha ti­nha um al­to va­lor nu­tri­ti­vo, mas mui­tos an­go­la­nos não da­vam im­por­tân­cia às opi­niões dos pe­ri­tos. Foi ne­ces­sá­rio ha­ver uma cri­se pa­ra as pes­so­as pas­sa­rem a co­mer sar­di­nha an­go­la­na.

Ho­je, um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de fa­mí­li­as con­so­me sar­di­nha. A sar­di­nha é em mui­tos la­res o pra­to prin­ci­pal. Co­me-se sar­di­nha de ma­nhã, ao al­mo­ço e ao jan­tar. Até es­tran­gei­ros, par­ti­cu­lar­men­te por­tu­gue­ses, es­tão a con­su­mir a sar­di­nha an­go­la­na. Mui­tos an­go­la­nos que se re­cu­sa­vam a co­mer sar­di­nha es­tão a co­mer ho­je es­te pei­xe, que ain­da es­tá ba­ra­to. Gos­ta­va que os es­pe­ci­a­lis­tas que en­ten­dem de nu­tri­ção vol­tas­sem a fa­lar das van­ta­gens em se co­mer sar­di­nha, que du­ran­te mui­to tem­po an­dou afas­ta­da de mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas.

To­mei co­nhe­ci­men­to de que a nos­sa sar­di­nha tem si­do ex­por­ta­da pa­ra um país vi­zi­nho, a Zâm­bia. Se os zam­bi­a­nos com­pram a nos­sa sar­di­nha é por­que se aper­ce­be­ram de que ela é mui­to sa­bo­ro­sa. Por que ra­zão nós an­go­la­nos não pas­sa­mos tam­bém a in­cluir a sar­di­nha na nos­sa di­e­ta ali­men­tar? Tem si­do di­to que as cri­ses cri­am opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os. De­vo di­zer tam­bém que as cri­ses po­dem mu­dar há­bi­tos ali­men­ta­res, co­mo es­tá a acon­te­cer no nos­so país. A sar­di­nha é ho­je um “Very im­por­tant Fish” (VIF),ou se­ja, “Pei­xe Mui­to Im­por­tan­te”.

Fi­quei sa­tis­fei­to com a re­co­lha do li­xo no Lar­go da Por­tu­gá­lia, si­tu­a­do pró­xi­mo da ex-li­vra­ria Lel­lo, na Bai­xa de Lu­an­da. O lar­go es­ta­va já tor­nar-se nu­ma es­pé­cie de con­ten­tor, on­de se iam de­po­si­tar vá­ri­os ti­pos de re­sí­du­os. Gos­ta­va que se fi­zes­se nes­te lar­go um jar­dim, até por­que é ne­ces­sá­rio ter­mos mui­tas zo­nas ver­des na ci­da­de ca­pi­tal. É positivo que a re­co­lha do li­xo se­ja per­ma­nen­te­men­te cé­le­re. A con­cen­tra­ção de li­xo du­ran­te mui­tos di­as cau­sa pro­ble­mas de saú­de. Ve­ri­fi­co que a re­co­lha de li­xo me­lho­rou con­si­de­ra­vel­men­te na ci­da­de ca­pi­tal.

Su­gi­ro que se cri­em bri­ga­das de fis­ca­li­za­ção pa­ra se de­tec­ta­rem os prin­ci­pais fo­cos de con­cen­tra­ção de li­xo e se fa­ze­rem ope­ra­ções de lim­pe­za ime­di­a­tas ali on­de há si­tu­a­ções mui­to crí­ti­cas. A épo­ca das chu­vas es­tá a che­gar, e é im­por­tan­te que não te­nha­mos li­xo acu­mu­la­do nos bair­ros pa­ra se evi­tar, por exem­plo, a có­le­ra e o pa­lu­dis­mo.

Obras ile­gais

Há ago­ra uma mo­da na nos­sa ci­da­de que é a de fa­ze­rem-se obras nas vi­as públicas sem qual­quer au­to­ri­za­ção das au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes. Há ci­da­dãos que tor­nam por exem­plo as vi­as mais es­trei­tas nos seus bair­ros, por­que que­rem cons­truir um pas­seio e ter uma lan­cho­ne­te, sem que pa­ra tal te­nham a de­vi­da au­to­ri­za­ção, cau­san­do trans­tor­nos a ou­tros mo­ra­do­res.

Pen­so que as ad­mi­nis­tra­ções dis­tri­tais de­vi­am im­pe­dir que se fi­zes­sem cons­tru­ções anár­qui­cas nas vi­as públicas. Os mo­ra­do­res não de­vem pri­va­ti­zar es­pa­ços em vi­as públicas em pre­juí­zo de ou­tros mo­ra­do­res. Ou­tra si­tu­a­ção que é in­cor­rec­ta é o fac­to de ha­ver mo­ra­do­res a inun­dar ru­as, pro­vo­can­do ne­las mui­ta la­ma.

Pen­so que os agen­tes das ad­mi­nis­tra­ções dis­tri­tais de­vi­am per­cor­rer mais ve­zes as áre­as sob sua ju­ris­di­ção pa­ra im­pe­dir uma sé­rie de ir­re­gu­la­ri­da­des. Não é jus­to que um pe­que­no gru­po de pes­so­as es­te­ja a cau­sar da­nos nu­ma via pú­bli­ca que per­ten­ce a todos.

Ins­pec­ção e vi­gi­lân­cia

O res­pei­to por cul­tu­ras alhei­as é tam­bém um pres­su­pos­to pa­ra a con­vi­vên­cia na ad­ver­si­da­de, paz e se­gu­ran­ça en­tre as pes­so­as. Na se­ma­na pas­sa­da, na pro­vín­cia de Ben­gue­la deu mui­to que fa­lar uma re­por­ta­gem so­bre um es­tran­gei­ro que ale­ga­da­men­te “gre­lha­va car­ne de ga­to”.

Se­gun­do o ho­mem cu­ja pro­nún­cia do por­tu­guês de­tec­ta­va-se fa­cil­men­te a ori­gem oes­te-afri­ca­na, de­fen­dia-se di­zen­do que a re­fe­ri­da car­ne era ape­nas pa­ra o con­su­mo e não pa­ra o co­mér­cio. Em to­do o ca­so, jul­go que as co­mu­ni­da­des de­vem es­tar mais vi­gi­lan­tes nu­ma al­tu­ra em que mui­tas “ca­sas de ven­da de car­ne gre­lha­da” abun­dam nas gran­des ci­da­des. Mais do que alar­mar os con­su­mi­do­res, mais va­le in­cen­ti­var as fa­mí­li­as e pes­so­as sin­gu­la­res, apre­ci­a­do­res de car­ne gre­lha­da ven­di­da nos cha­ma­dos “ca­bri­tés” (ca­sas de ven­da de car­ne de ca­bri­to), pa­ra fi­ca­rem mais aten­tas.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.