Ban­co Mun­di­al anun­cia fi­nan­ci­a­men­tos

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Ban­co Mun­di­al e o Fun­do Mun­di­al de Lu­ta con­tra a Si­da, a Tu­ber­cu­lo­se e a Ma­lá­ria anun­ci­a­ram in­ves­ti­men­tos na or­dem de 24 mil mi­lhões de dó­la­res em Áfri­ca nos pró­xi­mos três a cin­co anos, pa­ra a re­es­tru­tu­ra­ção dos sis­te­mas de saú­de.

“Pa­ra aju­dar os paí­ses a co­lo­car em prá­ti­ca as su­as re­for­mas na área de saú­de, o Ban­co Mun­di­al e o Fun­do com­pro­me­tem-se a in­ves­tir 24 mil mi­lhões de dó­la­res em Áfri­ca”, in­for­ma­ram os dois ór­gãos num co­mu­ni­ca­do con­jun­to.

Os dois or­ga­nis­mos anun­ci­a­ram os no­vos fi­nan­ci­a­men­tos na vés­pe­ra da conferência-Ja­pão-Áfri­ca, que ter­mi­nou on­tem em Nai­ro­bi, Qué­nia.

O Ban­co Mun­di­al acre­di­ta que os go­ver­nos afri­ca­nos es­tão a dar si­nais de gran­de sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de e as su­as po­lí­ti­cas es­tão ca­da vez mais cen­tra­das na so­lu­ção dos pro­ble­mas so­ci­ais e eco­nó­mi­co, se­gun­do o co­mu­ni­ca­do.

A conferência Ja­pão-Áfri­ca, con­si­de­ram os dois or­ga­nius­mos, é uma pla­ta­for­ma de ne­go­ci­a­ções e amos­tra de pos­si­bli­da­des de con­cre­ti­za­ção de pro­gra­mas e cap­ta­ção de fi­nan­ci­a­men­tos aos sec­to­res mais ca­ren­ci­a­dos em vá­ri­as par­tes do con­ti­nen­te. A di­rec­to­ra do Pro­gra­ma da ONU pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD), He­len Clark, exor­tou os par­ti­ci­pan­tes da reu­nião a não es­que­ce­rem o as­pec­to hu­ma­no do de­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca. Pa­ra o PNUD, a pri­o­ri­da­de de­ve ser pa­ra os pro­gra­mas que pro­cu­ram re­ti­rar de si­tu­a­ção di­fí­cil mi­lha­res de pes­so­as que so­frem de­vi­do à fal­ta de ali­men­tos e os ou­tros pro­ven­tos.

O Ban­co Mun­di­al e o Fun­do Mun­di­al de Lu­ta con­tra a Si­da, a Tu­ber­cu­lo­se e a Ma­lá­ria ape­la­ram a uma mai­or aber­tu­ra dos go­ver­nos afri­ca­nos pa­ra fa­ci­li­tar o di­rec­ci­o­na­men­to das ver­bas, por for­ma a se evi­tar que os fi­nan­ci­a­men­tos fi­quem pe­lo ca­mi­nho, co­mo acon­te­ceu al­gu­mas ve­zes.

A si­tu­a­ção de con­fli­to po­lí­ti­co e mi­li­tar tam­bém foi apon­ta­da co­mo um dos gran­des en­tra­ves à apli­ca­ção dos pro­gra­mas, prin­ci­pal­men­te em zo­nas co­mo o Ma­li, o Ní­ger e a Ni­gé­ria, on­de os gru­pos ter­ro­ris­tas cri­am gran­des di­fi­cul­da­des e des­lo­cam das su­as ca­sas e ter­ras mi­lha­res de pes­so­as. A re­gião da ba­cia do Cha­de foi apon­ta­da co­mo uma gran­de pre­o­cu­pa­ção na aco­mo­da­ção dos pro­gra­mas.

O go­ver­no do Ja­pão, pro­mo­tor da conferência, pro­me­teu au­men­tar o seu in­ves­ti­men­to pa­ra 30 mil mi­lhões de dó­la­res em Áfri­ca nos pró­xi­mos três anos. O pri­mei­ro-mi­nis­tro Shin­zo Abe, ad­mi­tiu bo­as opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os e acres­cen­tou­que as par­ce­ri­as es­tão a dar fru­tos.

O en­con­tro na ca­pi­tal do Qué­nia é o sex­to da Conferência In­ter­na­ci­o­nal de Tóquio so­bre o De­sen­vol­vi­men­to de Áfri­ca (Ticad), que se re­a­li­za em ter­ri­tó­rio afri­ca­no, e não na ca­pi­tal ja­po­ne­sa, co­mo acon­te­ceu des­de a pri­mei­ra edi­ção, em 1993.

“Es­pe­ro que o mon­tan­te che­gue a 30 mil mi­lhões de dó­la­res”, de­cla­rou Shin­zo Abe na aber­tu­ra da Ticad, as­si­na­lan­do que se tra­tam de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos e pri­va­dos.

Pe­lo me­nos trin­ta Che­fes de Es­ta­do par­ti­ci­pa­ram na Ticad, cu­jos prin­ci­pais ei­xos são a in­dus­tri­a­li­za­ção de Áfri­ca, a me­lho­ria da saú­de e a es­ta­bi­li­za­ção de um con­ti­nen­te afec­ta­do por cri­ses. Tam­bém fo­ram as­si­na­dos 70 pro­to­co­los di­ver­sos e acor­dos co­mer­ci­ais en­tre o Ja­pão e a Áfri­ca. “Tra­ta-se de um in­ves­ti­men­to que tem con­fi­an­ça no fu­tu­ro de Áfri­ca”, afir­mou o pri­mei­ro-mi­nis­tro ja­po­nês, após o en­cer­ra­men­to.

Os 30 mil mi­lhões de dó­la­res pro­me­ti­dos pe­lo Ja­pão in­clu­em no­vos com­pro­mis­sos até 21 mil mi­lhões, as­sim co­mo 9 mil mi­lhões pro­ce­den­tes de uma pro­mes­sa de in­ves­ti­men­to fei­ta há três anos, na quin­ta edi­ção da Ticad, ex­pli­cou à agência AFP o por­ta-voz do Go­ver­no ja­po­nês, Ya­suhi­sa Kawa­mu­ra.

“A mai­o­ria das na­ções que es­ca­pam da po­bre­za fa­zem-no gra­ças à in­dus­tri­a­li­za­ção e a Áfri­ca ain­da não che­gou à al­tu­ra do seu po­ten­ci­al”, afir­mou o Pre­si­den­te do Qué­nia, Uhu­ru Kenyat­ta, en­quan­to Shin­zo Abe clas­si­fi­cou a in­dus­tri­a­li­za­ção co­mo “cha­ve do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e po­lí­ti­co”.

A reu­nião, que ter­mi­nou on­tem, foi or­ga­ni­za­da con­jun­ta­men­te pe­las Na­ções Uni­das, União Afri­ca­na, Ban­co Mun­di­al e Ja­pão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.