Di­nhei­ro para mi­li­ta­res nun­ca es­te­ve em cau­sa

De­pu­ta­dos con­ti­nu­am a discutir o do­cu­men­to nas co­mis­sões de es­pe­ci­a­li­da­de

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁ­CIO|

O Or­ça­men­to re­vis­to as­se­gu­ra o pa­ga­men­to das pen­sões e das re­mu­ne­ra­ções para o fun­ci­o­na­men­to mí­ni­mo das ins­ti­tui­ções, com des­ta­que para os ór­gãos de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, afir­mou on­tem o mi­nis­tro das Fi­nan­ças. Ar­man­do Manuel, que res­pon­dia às ques­tões apre­sen­ta­das pe­los de­pu­ta­dos du­ran­te a aná­li­se do Or­ça­men­to re­vis­to na es­pe­ci­a­li­da­de com os ór­gãos de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, sa­li­en­tou que a mai­or par­te dos pro­jec­tos do pro­gra­ma de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos é fi­nan­ci­a­da com re­cur­sos do Te­sou­ro. Os de­pu­ta­dos ana­li­sa­ram o Or­ça­men­to re­vis­to com o sec­tor da De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e com os Mi­nis­té­ri­os das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, mas os par­la­men­ta­res cen­tra­ram mais as su­as pre­o­cu­pa­ções ao sec­tor da De­fe­sa e Se­gu­ran­ça. O pre­si­den­te da Co­mis­são de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ro­ber­to Le­al Mon­tei­ro “Ngon­go”, lem­brou que a co­mis­são que di­ri­ge re­a­li­zou vá­ri­as au­di­ções par­la­men­ta­res com o sec­tor da De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e cons­ta­tou que o Exe­cu­ti­vo te­ve em li­nha de con­ta man­ter uma es­ta­bi­li­da­de na dis­po­si­ção com­ba­ti­va de to­dos os ór­gãos de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal.

O or­ça­men­to re­vis­to as­se­gu­ra o pa­ga­men­to das pen­sões e das re­mu­ne­ra­ções para o fun­ci­o­na­men­to mí­ni­mo das ins­ti­tui­ções, com des­ta­que para os ór­gãos de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, afir­mou on­tem o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­man­do Manuel.

Ar­man­do Manuel, que res­pon­dia on­tem às ques­tões apre­sen­ta­das pe­los de­pu­ta­dos du­ran­te a aná­li­se do or­ça­men­to re­vis­to na es­pe­ci­a­li­da­de com os ór­gãos de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça, sa­li­en­tou que a mai­or par­te dos pro­jec­tos do pro­gra­ma de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos são fi­nan­ci­a­dos com re­cur­sos do Te­sou­ro.

Os de­pu­ta­dos ana­li­sa­ram o or­ça­men­to re­vis­to com o sec­tor da De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e com os mi­nis­té­ri­os das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, mas os par­la­men­ta­res cen­tra­ram mais as su­as pre­o­cu­pa­ções ao sec­tor da De­fe­sa e Se­gu­ran­ça.

O pre­si­den­te da Co­mis­são de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Ro­ber­to Le­al Mon­tei­ro “Ngon­go”, lem­brou que a co­mis­são que di­ri­ge re­a­li­zou vá­ri­as au­di­ções par­la­men­ta­res com o sec­tor da De­fe­sa e Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal e cons­ta­tou que o Exe­cu­ti­vo te­ve em li­nha de con­ta man­ter uma es­ta­bi­li­da­de na dis­po­si­ção com­ba­ti­va de to­dos os ór­gãos de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal.

Se­gun­do o par­la­men­tar do MPLA, cons­ta­tou-se não es­tar re­gu­la­ri­za­da a aqui­si­ção de far­da­men­tos. Fo­ram ad­qui­ri­dos e fei­tos con­tra­tos com a Chi­na no va­lor de 44 mi­lhões de dó­la­res para uni­for­mi­zar as For­ças Ar­ma­das. A pre­si­den­te da Co­mis­são de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais e Co­mu­ni­da­de no Es­tran­gei­ro, Exal­gi­na Gam­boa, sa­li­en­tou o fac­to de no or­ça­men­to re­vis­to cons­ta­rem as ver­bas para o pa­ga­men­to dos con­tra­tos com a co­o­pe­ra­ção internacional.

“Es­sa é uma ques­tão que nos pre­o­cu­pa bas­tan­te, por­que nós ain­da de­pen­de­mos da co­o­pe­ra­ção internacional em re­la­ção à Edu­ca­ção, Saú­de e vi­mos com agra­do que há aqui um cres­ci­men­to de ver­bas”, dis­se a de­pu­ta­da Exal­gi­na Gam­boa.

Em re­la­ção às ver­bas des­ti­na­das às mis­sões di­plo­má­ti­cas, a de­pu­ta­da do MPLA re­fe­riu que “al­gu­mas mis­sões di­plo­má­ti­cas não es­tão a re­ce­ber com a de­vi­da re­gu­la­ri­da­de os seus sa­lá­ri­os e is­so tem co­lo­ca­do as fa­mí­li­as dos di­plo­ma­tas em si­tu­a­ções de­li­ca­das”, aler­tou a de­pu­ta­da, que pe­diu a re­gu­la­ri­za­ção e pri­o­ri­da­de dos sa­lá­ri­os dos fun­ci­o­ná­ri­os no ex­te­ri­or .

Pre­ser­var a imagem

A de­pu­ta­da dis­se que An­go­la tem uma pro­jec­ção mui­to im­por­tan­te, es­tá na pre­si­dên­cia de vá­ri­os fó­rum in­ter­na­ci­o­nais e de­ve con­ti­nu­ar a pre­ser­var es­sa imagem. O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da UNITA, Adal­ber­to da Costa Jú­ni­or, con­cen­trou as su­as pre­o­cu­pa­ções tam­bém no sec­tor da De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e fa­lou so­bre as ver­bas des­ti­na­das aos es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais. “Co­mo é pos­sí­vel ter uma ver­ba para as pri­sões mui­to in­fe­ri­or das ver­bas des­ti­na­das à de­fe­sa ci­vil que tem ver­bas mui­to ele­va­das?”, ques­ti­o­nou.

O de­pu­ta­do Al­ci­des Sa­ka­la, tam­bém da UNITA, so­li­ci­tou es­cla­re­ci­men­tos so­bre o pro­ces­so de rein­te­gra­ção dos ex-mi­li­ta­res e os cons­tran­gi­men­tos que di­fi­cul­tam a con­clu­são do mes­mo pro­ces­so. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do do In­te­ri­or, Her­me­ne­gil­do Jo­sé Fé­lix , dis­se que no or­ça­men­to de 2017 es­tão con­tem­pla­das ver­bas para 1.077 pen­si­o­nis­tas, ten­do em con­ta que ter­mi­nou re­cen­te­men­te o tra­ba­lho de pro­va de vi­da. Es­cla­re­ceu que as ver­bas des­ti­na­das à de­fe­sa ci­vil têm si­do uti­li­za­das para o apoio da ac­ti­vi­da­de da pro­tec­ção ci­vil.

Or­ga­ni­za­ção nas FAA

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do para os Re­cur­sos Ma­te­ri­ais e In­fra-es­tru­tu­ras do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa, Salviano Cer­quei­ra, ex­pli­cou que a Cai­xa de Se­gu­ran­ça So­ci­al das For­ças Ar­ma­das aten­de apenas ofi­ci­ais “aque­les que du­ran­te a sua par­ti­ci­pa­ção nas For­ças Ar­ma­das fo­ram des­con­ta­dos para a pen­são de re­for­ma”

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do de­nun­ci­ou que, no âm­bi­to da in­for­ma­ti­za­ção dos pro­ces­sos da Cai­xa So­ci­al das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, fo­ram de­tec­ta­dos vá­ri­os in­di­ví­du­os que não per­ten­ce­ram às ex­tin­tas FAPLA nem às ex­tin­tas FA­LA. “Por is­so, é um pro­ces­so sen­sí­vel que va­mos con­ti­nu­ar a or­ga­ni­zar para de­tec­tar quem são os oportunistas”, dis­se Salviano Cer­quei­ra.

O che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, ge­ne­ral Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da, es­cla­re­ceu que, des­de 2002, as For­ças Ar­ma­das co­me­ça­ram a re­gu­la­ri­zar o pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to dos mi­li­ta­res, para não ha­ver sol­da­dos com tem­po de ser­vi­ço mi­li­tar mui­to lon­go”. Sa­chi­pen­go Nun­da dis­se que a Cai­xa So­ci­al es­tá a pri­o­ri­zar os mi­li­ta­res que têm mais de 60 anos de ida­de.

KINDALA MANUEL

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças du­ran­te os es­cla­re­ci­men­tos aos de­pu­ta­dos so­bre as pri­o­ri­da­des do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do re­vis­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.