Dil­ma Rous­seff de­nun­cia gol­pe

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Pre­si­den­te bra­si­lei­ra es­tá sus­pen­sa há qua­tro me­ses e dis­cur­sou on­tem pe­ran­te o Se­na­do, de­fen­den­do o se­gun­do man­da­to para o qual foi elei­ta e acu­sou mui­tos po­lí­ti­cos de que­re­rem ata­car o que foi uma es­co­lha de mais de 54 mi­lhões de bra­si­lei­ros. Num lon­go dis­cur­so, Dil­ma Rous­seff co­me­çou por de­fen­der-se ao afir­mar que ao exer­cer o car­go de Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca res­pei­tou a von­ta­de do po­vo e as­su­miu o com­pro­mis­so de uma na­ção, de­cla­ran­do que se or­gu­lha do se­gun­do man­da­to que ven­ceu em Ja­nei­ro de 2015.

A Pre­si­den­te do Brasil, Dil­ma Rous­seff, não pou­pou nas pa­la­vras na sua de­fe­sa pe­ran­te o Se­na­do, no jul­ga­men­to em que po­de vir a ser des­ti­tuí­da do car­go, do qual es­tá sus­pen­sa des­de Maio: “Cas­sar o meu man­da­to é co­mo sub­me­ter-me a uma pe­na de mor­te po­lí­ti­ca”, afir­mou, fa­zen­do com­pa­ra­ções com o seu jul­ga­men­to du­ran­te a di­ta­du­ra. Nes­te mo­men­to, dis­se, o Brasil es­tá “a um pas­so de uma gra­ve rup­tu­ra ins­ti­tu­ci­o­nal. Es­ta­mos a um pas­so da con­cre­ti­za­ção de um ver­da­dei­ro gol­pe de Es­ta­do”.

Co­mo gol­pis­tas não he­si­tou em iden­ti­fi­car Edu­ar­do Cu­nha, ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, elei­to pe­lo Par­ti­do do Mo­vi­men­to De­mo­crá­ti­co Bra­si­lei­ro (PMDB), acu­sa­do dos cri­mes de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro no pro­ces­so de cor­rup­ção da Pe­tro­bras, in­ves­ti­ga­do pe­la ope­ra­ção La­va Ja­to.

Cu­nha de­ve­ria ser um ali­a­do no Go­ver­no mas tor­nou-se o pi­or ini­mi­go de Dil­ma Rous­seff: “To­dos sa­bem que es­se pro­ces­so de ‘im­pe­a­ch­ment’ te­ve iní­cio nu­ma chan­ta­gem ex­plí­ci­ta do ex-pre­si­den­te da Câ­ma­ra”, afir­mou a po­lí­ti­ca do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT).

A chan­ta­gem te­ve a ver com as sus­pei­tas de cor­rup­ção de que foi al­vo, na La­va Ja­to, co­mo as de que re­ce­be­ra um su­bor­no de cin­co mi­lhões de dó­la­res e além dis­so ti­nha con­tas na Suí­ça, com “des­pe­sas com­ple­ta­men­te in­com­pa­tí­veis com os seus ren­di­men­tos lí­ci­tos”. Du­ran­te o ano de 2015, Cu­nha ten­tou for­çar o par­ti­do de Dil­ma a vo­tar para o pro­te­ger da in­ves­ti­ga­ção, em tro­ca de a man­ter a sal­vo do ‘im­pe­a­che­ment’, que co­me­çou a ser fa­la­do pou­co de­pois de Rous­seff to­mar pos­se para o se­gun­do man­da­to, no iní­cio de 2015.

A sua vi­tó­ria nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2014, fa­ce a Aé­cio Neves, do Par­ti­do da So­ci­al De­mo­cra­cia Bra­si­lei­ra (PSDB), diz Rous­seff, fo­ram o ver­da­dei­ro ga­ti­lho de Pri­mei­ra Pre­si­den­te da his­tó­ria do Brasil en­fren­ta a opo­si­ção de ca­be­ça er­gui­da to­do es­te pro­ces­so. “A pos­si­bi­li­da­de de ‘im­pe­a­ch­ment’ tor­nou-se o as­sun­to prin­ci­pal nos me­dia dois me­ses após a mi­nha elei­ção, ape­sar da fal­ta de fun­da­men­ta­ção evi­den­te”, acu­sou a ain­da Pre­si­den­te bra­si­lei­ra.

“Ar­qui­tec­ta­ram a mi­nha des­ti­tui­ção, in­de­pen­den­te­men­te de quais­quer fac­tos que pu­des­sem jus­ti­fi­car a mi­nha des­ti­tui­ção”, afir­mou. “Não co­me­tam o cri­me de con­de­nar uma ino­cen­te.”

Os se­na­do­res con­fron­ta­ram-na com a acu­sa­ção de ter usa­do di­nhei­ro dos ban­cos es­ta­tais para au­men­tar o in­ves­ti­men­to pú­bli­co du­ran­te o ano elei­to­ral de 2014. Rous­seff res­pon­deu que es­te di­nhei­ro não te­ve im­pac­to no dé­fi­ce to­tal e foi pa­go no ano se­guin­te.

Em su­ma, a Pre­si­den­te de­fen­de-se des­tas acu­sa­ções – mui­tos ana­lis­tas di­zem que es­ta con­ta­bi­li­da­de cri­a­ti­va não é mui­to di­fe­ren­te da re­a­li­za­da por ou­tros go­ver­nos. Foi o que dis­se o ex-mi­nis­tro da Eco­no­mia, Nel­son Bar­bo­sa, ou­vi­do co­mo tes­te­mu­nha. Mas para os acu­sa­do­res, co­mo o se­na­dor Cás­sio Cu­nha Lima (Par­ti­do da So­ci­al De­mo­cra­cia Bra­si­lei­ra, PSDB), o que es­tá em cau­sa é “a mai­or frau­de or­ça­men­tal da his­tó­ria do país”.

“Vo­cês es­tão cri­mi­na­li­zan­do a po­lí­ti­ca or­ça­men­tal”, acu­sa a Pre­si­den­te. “Des­de 2009 nós co­me­çá­mos a en­fren­tar a mai­or cri­se que hou­ve no mun­do de­pois de 1929”, diz Rous­seff, res­pon­den­do às per­gun­tas dos se­na­do­res no ple­ná­rio, jus­ti­fi­can­do-se com a cri­se internacional pós-2008 e do seu im­pac­to na eco­no­mia bra­si­lei­ra.

“As pro­vas pro­du­zi­das dei­xam cla­ro que as acu­sa­ções con­tra mim são me­ros pre­tex­tos”, su­bli­nhou a Pre­si­den­te. Se Dil­ma Rous­seff per­der o man­da­to, não po­de ser elei­ta para car­gos pú­bli­cos du­ran­te oi­to anos.

As pre­vi­sões ac­tu­ais, fei­tas pe­lo si­te Atlas Po­lí­ti­co, apon­tam para que 55 se­na­do­res vo­tem a fa­vor da des­ti­tui­ção, e 26 con­tra.

Te­mer e de­mo­cra­cia

“Pe­ço que fa­çam jus­ti­ça a uma Pre­si­den­te ho­nes­ta. Vo­tem con­tra o ‘im­pe­a­ch­ment’. Vo­tem a de­mo­cra­cia”, pe­diu Dil­ma. “Não lu­to pe­lo meu man­da­to, por vai­da­de ou por ape­go ao po­der. Lu­to pe­la de­mo­cra­cia, pe­la ver­da­de e pe­la jus­ti­ça. Lu­to pe­lo po­vo do meu país”, de­cla­rou.

O seu dis­cur­so foi cheio de crí­ti­cas ao pre­si­den­te in­te­ri­no, Mi­chel Te­mer, que de seu apoi­an­te se tor­nou um ini­mi­go du­ran­te o pro­ces­so de des­ti­tui­ção. “En­tre os meus de­fei­tos não es­tá a des­le­al­da­de e a co­bar­dia. Aos qua­se 70 anos de ida­de, não se­ria ago­ra, sen­do mãe e avó, que abri­ria mão dos meus prin­cí­pi­os”.

Dil­ma men­ci­o­nou o fac­to de o Go­ver­no Te­mer ser com­pos­to mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por ho­mens bran­cos e ter um pro­gra­ma mais in­te­res­sa­do em aco­mo­dar os in­te­res­ses dos mer­ca­dos do que nas me­di­das so­ci­ais. “É um Go­ver­no que dis­pen­sa ne­gros na sua go­ver­na­ção, que re­ve­la des­pre­zo pe­lo pro­gra­ma es­co­lhi­do pe­los elei­to­res em 2014. O que es­tá em jogo no pro­ces­so de ‘im­pe­a­ch­ment’ não é só o meu man­da­to. O que es­tá em jogo é o res­pei­to pe­los elei­to­res, a Cons­ti­tui­ção, os ga­nhos dos úl­ti­mos 13 anos, con­quis­tas da clas­se mé­dia, jo­vens, va­lo­ri­za­ção do sa­lá­rio mí­ni­mo, os mé­di­cos aten­den­do a po­pu­la­ção, o so­nho de ca­sa pró­pria”, afir­mou Dil­ma Rous­seff.

Nas re­des so­ci­ais, re­pro­duz-se a batalha que se jo­ga no in­te­ri­or do Se­na­do: os par­ti­dá­ri­os de Dil­ma pro­mo­vem a hash­tag #Pe­laDe­mo­cra­cia no Twit­ter e os opo­si­to­res di­zem #TchauQu­e­ri­da no Fa­ce­bo­ok, re­la­ta o si­te Bro­ad­cast Po­lí­ti­co.

Mi­guel Ros­set­to, ex-mi­nis­tro do Go­ver­no Dil­ma, su­ge­riu que o par­ti­do po­de ir à lu­ta pe­la re­a­li­za­ção de elei­ções di­rec­tas se a Pre­si­den­te Dil­ma for des­ti­tuí­da.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.