Os pi­la­res do acor­do para a paz

Jornal de Angola - - PARTADA - FLORENCE PANOUSSIAN

Um pre­si­den­te de cen­tro-di­rei­ta de fa­mí­lia ri­ca e um lí­der guer­ri­lhei­ro mar­xis­ta de ori­gem cam­po­ne­sa apos­ta­ram o seu ca­pi­tal po­lí­ti­co num acor­do de paz na Colôm­bia para aca­bar com mais de meio sé­cu­lo de con­fli­to ar­ma­do.

Ini­mi­gos de lon­ga da­ta, o pre­si­den­te Ju­an Manuel San­tos e o lí­der das FARC, Ti­mo­le­on Ji­me­nez (“Timochenko”), vão en­trar para a His­tó­ria co­mo os ar­qui­tec­tos do pac­to iné­di­to al­can­ça­do de­pois de qua­se qua­tro anos de ne­go­ci­a­ções e três fra­cas­sos de go­ver­nos an­te­ri­o­res.

“Po­de­mos di­zer que a guerra aca­bou ho­je”, dis­se o pre­si­den­te Ju­an Manuel San­tos na quar­ta­fei­ra em Bo­go­tá, ex­pres­san­do “pro­fun­da emo­ção”, uma “gran­de ale­gria” pe­la “opor­tu­ni­da­de de cons­truir jun­tos uma paz es­tá­vel e du­ra­dou­ra”.

Ju­an Manuel San­tos, que fez da paz com a guer­ri­lha o seu gran­de ob­jec­ti­vo des­de que foi elei­to pre­si­den­te em 2010 e re­e­lei­to em 2014, li­de­rou uma lu­ta fe­roz con­tra as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC) co­mo mi­nis­tro da De­fe­sa do seu an­te­ces­sor, Álvaro Uri­be.

De acor­do com um dos seus con­se­lhei­ros e cu­nha­do Mau­ri­cio Ro­drí­guez, pro­cu­ran­do a paz Ju­an Manuel San­tos “fez a guerra co­mo um meio para a al­can­çar”. O seu ob­jec­ti­vo: “en­fra­que­cer as FARC para as for­çar a sen­ta­rem­se à me­sa de ne­go­ci­a­ções”.

“Por to­da a mi­nha vi­da fui um ini­mi­go im­pla­cá­vel das FARC”, de­cla­rou San­tos, de 65 anos, du­ran­te a as­si­na­tu­ra, em Ju­nho, do acor­do de ces­sar-fo­go com a guer­ri­lha. “Mas vou de­fen­der, com a mes­ma de­ter­mi­na­ção, o seu di­rei­to de se ex­pres­sar e con­ti­nu­ar a sua lu­ta po­lí­ti­ca por mei­os le­gais”, acres­cen­tou.

A mes­ma de­ter­mi­na­ção de Ro­dri­go Lon­doño, de 57 anos, mais co­nhe­ci­do por Timochenko. Lí­der das FARC des­de 2011, é o ter­cei­ro che­fe des­sa guer­ri­lha que nas­ceu de uma in­sur­rei­ção cam­po­ne­sa em 1964. “Fe­liz­men­te con­se­gui­mos che­gar a um porto se­gu­ro. Aca­bou a in­cer­te­za”, de­cla­rou pou­co an­tes do anún­cio do acor­do em Cu­ba. “O acor­do fi­nal vai per­mi­tir-nos, fi­nal­men­te, re­to­mar o exer­cí­cio po­lí­ti­co le­gal atra­vés de mei­os pa­cí­fi­cos e de­mo­crá­ti­cos”, con­si­de­rou Timochenko em Ju­nho, sa­li­en­tan­do que pen­sar nes­ta pos­si­bi­li­da­de há 52 anos “era um ab­sur­do para os po­de­res e par­ti­dos no po­der”.

Timochenko foi ca­paz de con­ven­cer as su­as tro­pas da ne­ces­si­da­de da paz, por­que é “uma das pes­so­as mais que­ri­das das FARC”, de­vi­do à sua es­trei­ta re­la­ção com Manuel Ma­ru­lan­da “Ti­ro­fi­jo”, o fa­le­ci­do lí­der his­tó­ri­co do gru­po re­bel­de, in­di­cou à AFP o ana­lis­ta Ari­el Avi­la, da Fun­da­ção Paz e Re­con­ci­li­a­ção.

Mem­bro de uma fa­mí­lia ri­ca de Bo­go­tá, Ju­an Manuel San­tos, so­bri­nho do ex-pre­si­den­te Edu­ar­do San­tos (1938-1942), é um li­be­ral for­ma­do nos Es­ta­dos Uni­dos e na Lon­don Scho­ol of Eco­no­mics e ocu­pou di­ver­sos car­gos pú­bli­cos na sua lon­ga car­rei­ra po­lí­ti­ca, sem­pre com a pre­si­dên­cia da Colôm­bia no ho­ri­zon­te.

De fa­mí­lia hu­mil­de e nas­ci­do nu­ma re­gião ca­fei­cul­to­ra, mui­to per­to da ci­da­de na­tal de Ti­ro­fi­jo, Timochenko mi­li­tou na Ju­ven­tu­de Co­mu­nis­ta e cur­sou me­di­ci­na na União So­vié­ti­ca e Cu­ba, sem se for­mar.

No seu re­gres­so à Colôm­bia, em 1979, jun­tou-se às FARC, on­de te­ve uma as­cen­são me­teó­ri­ca, al­can­çan­do aos 26 anos o seu Se­cre­ta­ri­a­do, a cú­pu­la re­bel­de de se­te co­man­dan­tes.

Mas, ape­sar dos seus per­fis ra­di­cal­men­te opos­tos, os dois ho­mens en­con­tra­ram um ob­jec­ti­vo co­mum.No iní­cio de 2012, Timochenko es­cre­veu a Ju­an Manuel San­tos pro­pon­do ini­ci­ar “uma hi­po­té­ti­ca me­sa de ne­go­ci­a­ções”.

Pou­co de­pois, os re­bel­des anun­ci­a­ram o fim do se­ques­tro de ci­vis co­mo meio de ex­tor­são eco­nó­mi­ca, uma das mais in­sis­ten­tes exi­gên­ci­as do che­fe de Es­ta­do.

Des­de es­se mo­men­to, a apro­xi­ma­ção in­ten­si­fi­cou-se e con­fluiu na ins­ta­la­ção de uma me­sa de diá­lo­go em No­vem­bro de 2012 em Ha­va­na, on­de na quar­ta-fei­ra as du­as par­tes anun­ci­a­ram o his­tó­ri­co acor­do fi­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.