Ana­li­sa­do o grau de exe­cu­ção das obras pú­bli­cas em Ma­lan­je

Re­de de dis­tri­bui­ção de água da co­mu­na de Ngo­la Lui­je pres­tes a con­cluir

Jornal de Angola - - PARTADA -

O grau de exe­cu­ção das obras em cur­so, no âm­bi­to do pro­gra­ma de com­ba­te à fo­me e à po­bre­za nas co­mu­ni­da­des, bem co­mo os cui­da­dos a se ter pe­la po­pu­la­ção du­ran­te a épo­ca chu­vo­sa fo­ram ana­li­sa­dos pe­los mem­bros do Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Auscultação e Con­cer­ta­ção So­ci­al do mu­ni­cí­pio de Ma­lan­je, reu­ni­dos on­tem na sua se­gun­da ses­são or­di­ná­ria.

O en­con­tro ser­viu para pas­sar em re­vis­ta a vi­da so­ci­o­e­co­nó­mi­ca do mu­ni­cí­pio, ten­do con­cluí­do que os pro­gra­mas de com­ba­te à po­bre­za, o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral e a cam­pa­nha de va­ci­na­ção con­tra a fe­bre-ama­re­la no mu­ni­cí­pio de­cor­rem a bom rit­mo, cor­res­pon­den­do às ex­pec­ta­ti­vas das au­to­ri­da­des lo­cais.

Na ses­são, os par­ti­ci­pan­tes fo­ram in­for­ma­dos so­bre o lan­ça­men­to dos agen­tes de de­sen­vol­vi­men­to co­mu­ni­tá­ri­os e sa­ni­tá­ri­os, pre­vis­to para o dia 1 de Se­tem­bro, nu­ma ini­ci­a­ti­va do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, e tam­bém da cam­pa­nha de sen­si­bi­li­za­ção so­bre os pe­ri­gos de mi­nas em cur­so nas co­mu­ni­da­des.

O ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Ma­lan­je, Os­val­do Na­val dos San­tos, dis­se que os pro­jec­tos de com­ba­te à fo­me e à po­bre­za es­tão na fa­se con­clu­si­va, ten­do em con­ta o avan­ça­do grau de exe­cu­ção de to­das as ac­ções ne­les in­se­ri­dos.

Das obras em cur­so, o res­pon­sá­vel apon­tou a re­a­bi­li­ta­ção dos cen­tros de saú­de do bair­ro Ri­ton­do e do Sa­gra­do Co­ra­ção de Je­sus, bem co­mo da re­de de dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel da se­de da co­mu­na de Ngo­la Lui­je, pres­tes a se­rem con­cluí­dos.

Re­la­ti­va­men­te à cam­pa­nha de va­ci­na­ção con­tra a fe­bre-ama­re­la, o ad­mi­nis­tra­dor pre­ci­sou que se atin­giu 94,5 por cen­to da co­ber­tu­ra pre­vis­ta, ten­do si­do imu­ni­za­das 462.755 pes­so­as a ní­vel do mu­ni­cí­pio de Ma­lan­je.

Re­so­lu­ção dos pro­ble­mas

Du­ran­te a II ses­são or­di­ná­ria do Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Auscultação e Con­cer­ta­ção So­ci­al, em que par­ti­ci­pa­ram di­rec­to­res mu­ni­ci­pais, mem­bros da ad­mi­nis­tra­ção, au­to­ri­da­des

Po­pu­la­ção da se­de da co­mu­na de Ngo­la Lui­je vai dei­xar de con­su­mir água im­pró­pria com a con­clu­são em bre­ve da re­de de dis­tri­bui­ção

tra­di­ci­o­nais e re­li­gi­o­sas, fo­ram ana­li­sa­dos vá­ri­os as­pec­tos ati­nen­tes à vi­da do mu­ni­cí­pio.

O Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Auscultação e Con­cer­ta­ção So­ci­al é um ór­gão de con­sul­ta do mu­ni­cí­pio de Ma­lan­je, que participa na aná­li­se dos pro­ble­mas da lo­ca­li­da­de e dos mu­ní­ci­pes, bem co­mo na ela­bo­ra­ção, su­ges­tões e opi­niões para a sua re­so­lu­ção.

O ór­gão é pre­si­di­do pe­lo ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal e in­te­gra re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil, re­li­gi­o­sos, or­ga­ni­za­ções não-governamentais e par­ti­dos po­lí­ti­cos, en­tre ou­tros mem­bros.

Pro­tec­ção das cri­an­ças

O vi­ce-go­ver­na­dor para o Sec­tor Po­lí­ti­co e So­ci­al exor­tou os ci­da­dãos a pro­te­ge­rem os me­no­res con­tra o tra­ba­lho for­ça­do e in­fan­til, sob pe­na de vi­o­la­rem os prin­cí­pi­os da pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta e da pro­tec­ção in­te­gral das cri­an­ças. Manuel Cam­po fez es­sa exor­ta­ção à mar­gem de um se­mi­ná­rio so­bre “O tra­ba­lho de me­no­res e o seu en­qua­dra­men­to le­gal”, pro­mo­vi­do pe­la Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, que ser­viu para elu­ci­dar a so­ci­e­da­de so­bre os as­pec­tos li­ga­dos ao tra­ba­lho in­fan­til e a ne­ces­si­da­de de pro­tec­ção das cri­an­ças.

Para o vi­ce-go­ver­na­dor, a fa­mí­lia, as ins­ti­tui­ções re­li­gi­o­sas e as en­ti­da­des em­pre­ga­do­ras de­vem pro­te­ger os me­no­res con­tra as lon­gas e pe­no­sas ta­re­fas, bem co­mo de to­dos os ac­tos que pos­sam co­lo­car em cau­sa o seu cres­ci­men­to fí­si­co, so­ci­al e in­te­lec­tu­al.

O res­pon­sá­vel pre­ci­sou que quan­do a so­ci­e­da­de não pro­te­ge a cri­an­ça con­tra tra­ba­lhos for­ça­dos, au­to­ma­ti­ca­men­te es­tá a pri­vá-la das opor­tu­ni­da­des, das brin­ca­dei­ras e dos es­tu­dos, pre­ju­di­can­do, as­sim, o seu de­sen­vol­vi­men­to edu­ca­ci­o­nal e bi­op­si­cos­so­ci­al. “Por is­so te­mos to­dos que tra­ba­lhar para com­ba­ter es­te mal que in­for­ma a nos­sa so­ci­e­da­de”, dis­se.“O tra­ba­lho in­fan­til é um pro­ble­ma so­ci­al cró­ni­co que es­tá as­so­ci­a­do à po­bre­za, à de­si­gual­da­de, à ex­clu­são so­ci­al e a ou­tros fac­to­res de na­tu­re­za cul­tu­ral e eco­nó­mi­ca, pois a cri­an­ça tra­ba­lha mui­tas ve­zes em cir­cuns­tân­ci­as que com­pro­me­tem a sua saú­de”, dis­se o vi­ce-go­ver­na­dor pro­vin­ci­al.

Te­mas do se­mi­ná­rio

O se­mi­ná­rio abor­dou te­mas re­la­ci­o­na­dos com o tra­ba­lho de me­no­res, es­tu­dos es­ta­tís­ti­cos e pro­gra­ma­ção dos ser­vi­ços cen­trais da Ins­pec­ção Ge­ral do Tra­ba­lho, en­tre ou­tros.

O tra­ba­lho in­fan­til cons­ti­tui um obs­tá­cu­lo para a edu­ca­ção, ra­zão pe­la qual as Na­ções Uni­das e a co­mu­ni­da­de internacional es­ti­pu­la­ram me­tas para ga­ran­tir que to­das as cri­an­ças com­ple­tem a edu­ca­ção bá­si­ca e se re­du­za as de­si­gual­da­des do gé­ne­ro na edu­ca­ção.

PEDRO MI­GUEL|CU­AN­ZA NOR­TE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.