Vi­as ur­ba­nas em re­a­bi­li­ta­ção

SEDES MU­NI­CI­PAIS DO ZAIRE Pro­gra­ma tem fi­nan­ci­a­men­to es­pa­nhol e de­ve ser con­cluí­do em oi­to me­ses

Jornal de Angola - - REPORTAGEM - VIC­TOR MAYALA |

A se­gun­da fa­se do pro­gra­ma de re­a­bi­li­ta­ção de vi­as ur­ba­nas das sedes dos seis mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia do Zaire co­me­çou na se­ma­na pas­sa­da com uma ce­ri­mó­nia ofi­ci­al re­a­li­za­da no bair­ro 11 de No­vem­bro, na ci­da­de de Mban­za Con­go.

O pro­gra­ma, fi­nan­ci­a­do pe­la Espanha, de­ve ser con­cluí­do em oi­to me­ses. Na se­de pro­vin­ci­al, as obras en­vol­vem cer­ca de 70 jo­vens lo­cais. Na pri­mei­ra fa­se, fo­ram re­a­bi­li­ta­dos mais de três qui­ló­me­tros des­de a Cen­tral Eléc­tri­ca de Ki­an­gan­ga até à zo­na do Nfu­mu, no bair­ro 11 de No­vem­bro.

Ini­ci­a­do em 2014, o pro­gra­ma con­tem­pla a re­a­bi­li­ta­ção e a pa­vi­men­ta­ção de dez qui­ló­me­tros de vi­as ur­ba­nas, dos bair­ros 11 de No­vem­bro, Álvaro Bu­ta, Mar­tins Ki­di­to e Sa­gra­da Es­pe­ran­ça.

O go­ver­na­dor do Zaire, que ori­en­tou a ce­ri­mó­nia, dis­se or­gu­lhar-se dos re­sul­ta­dos ob­ti­dos, com mu­dan­ças na imagem das sedes mu­ni­ci­pais, que têm re­ce­bi­do aplau­sos da po­pu­la­ção do Zaire.

Jo­a­nes An­dré, que re­al­çou a “va­li­o­sa con­tri­bui­ção” do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca na exe­cu­ção do pro­gra­ma, dis­se que es­te vai abran­ger, nos pró­xi­mos anos, to­das as ru­as dos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos de Mban­za Con­go.Uma com­po­nen­te im­por­tan­te dos pro­jec­tos é a cons­tru­ção de re­des téc­ni­cas de ener­gia eléc­tri­ca, que, co­mo re­fe­riu o go­ver­na­dor, é uma ga­ran­tia para o de­sen­vol­vi­men­to dos di­fe­ren­tes sec­to­res eco­nó­mi­cos.

O go­ver­nan­te dis­se que o de­sen­vol­vi­men­to do Zaire é uma cer­te­za com a con­clu­são dos vá­ri­os pro­jec­tos em cur­so, den­tre os quais des­ta­cou o An­go­la LNG, com a sua fá­bri­ca de gás li­que­fei­to, e o ar­ran­que, em 2017, do Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo, que vão in­cen­ti­var os in­ves­ti­men­tos pri­va­dos na agri­cul­tu­ra, in­dús­tria, pes­ca e tu­ris­mo.

As­sis­ti­ram tam­bém à ce­ri­mó­nia, re­a­li­za­da no bair­ro 11 de No­vem­bro, o bis­po da Di­o­ce­se de Mban­za Con­go, Dom Vi­cen­te Carlos Ki­a­zi­ku, o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Cris­tãos de An­go­la, Ze­fe­ri­no Es­tê­vão Ju­li­a­na, en­ti­da­des re­li­gi­o­sas e tra­di­ci­o­nais, po­lí­ti­cos, mem­bros do Go­ver­no e da so­ci­e­da­de ci­vil.

In­ter­ven­ção nas ru­as

O di­rec­tor pro­vin­ci­al das Obras Pú­bli­cas do Zaire, Edu­ar­do Chi­lem­bo, dis­se que, nes­ta se­gun­da fa­se, vão ser re­a­bi­li­ta­das as ru­as da Igre­ja Kim­ban­guis­ta, a ca­be­cei­ra da pis­ta do ae­ro­por­to e a ro­tun­da do Nson­go até às 15 ca­sas, além da via do bair­ro Uí­ge em di­rec­ção à lo­ca­li­da­de do Nfu­mu.

As obras in­clu­em a cons­tru­ção de re­des de dis­tri­bui­ção de água po­tá­vel, ilu­mi­na­ção pú­bli­ca e te­le­co­mu­ni­ca­ções, além de co­lec­to­res de águas plu­vi­ais e es­co­a­men­to das re­si­du­ais, pas­sei­os e lan­cis, si­na­li­za­ção ver­ti­cal e ho­ri­zon­tal. As ru­as de­vem ter 11 me­tros de lar­gu­ra, com du­as fai­xas de ro­da­gem.

Sa­tis­fa­ção dos mu­ní­ci­pes

O bis­po da Di­o­ce­se de Mban­za Con­go, Dom Vi­cen­te Ki­a­zi­ku, con­si­de­rou o pro­gra­ma de re­a­bi­li­ta­ção das vi­as ur­ba­nas um avan­ço no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to de Mban­za Con­go. O pre­la­do ca­tó­li­co dis­se es­pe­rar que a em­pre­sa en­car­re­ga­da das obras apos­te na qua­li­da­de, de mo­do a ga­ran­tir a sua du­ra­bi­li­da­de.

Mi­guel Ân­ge­lo, 31 anos, de­mons­trou sa­tis­fa­ção com a re­a­bi­li­ta­ção das vi­as ur­ba­nas de Mban­za Con­go. O mu­ní­ci­pe cons­truiu uma ca­sa no bair­ro 4 de Fe­ve­rei­ro, co­nhe­ci­do por Nson­go, cu­jas ru­as vão ser as­fal­ta­das em bre­ve. “Es­tou mui­to sa­tis­fei­to com os tra­ba­lhos de as­fal­ta­men­to que o Go­ver­no es­tá a le­var a ca­bo aqui em Mban­za Con­go e nou­tros mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia. Vão con­fe­rir mai­or co­mo­di­da­de na cir­cu­la­ção de veí­cu­los e peões, além de aca­bar com a po­ei­ra no tem­po do Ca­cim­bo e a la­ma na épo­ca chu­vo­sa”, dis­se. Para ele, a ilu­mi­na­ção pú­bli­ca é uma das prin­ci­pais va­lên­ci­as do pro­gra­ma.

O jo­vem en­co­ra­jou as au­to­ri­da­des a da­rem se­gui­men­to às ac­ções, ape­sar do con­tex­to eco­nó­mi­co, por tra­ze­rem gran­des be­ne­fí­ci­os para a vi­da dos mo­ra­do­res.

Graça Vi­o­le­ta, 40 anos, afir­mou que a re­a­bi­li­ta­ção das vi­as ur­ba­nas de Mban­za Con­go, além de tra­zer me­lho­ri­as do pon­to de vis­ta da cir­cu­la­ção de au­to­mó­veis e peões, vai con­fe­rir um no­vo as­pec­to ur­ba­nís­ti­co à ci­da­de, pro­pos­ta pe­lo Exe­cu­ti­vo para pa­tri­mó­nio da hu­ma­ni­da­de da Unes­co. “Es­tes tra­ba­lhos que o Go­ver­no es­tá a re­a­li­zar vão tam­bém con­tri­buir para me­lho­rar o sa­ne­a­men­to bá­si­co”, no­tou Graça Vi­o­le­ta, para quem as obras são uma pro­va da pre­o­cu­pa­ção do Exe­cu­ti­vo na re­so­lu­ção dos prin­ci­pais pro­ble­mas que afec­tam os ci­da­dãos.

Ho­me­na­gem pós­tu­ma

O no­me do pri­mei­ro bis­po da Di­o­ce­se de Mban­za Con­go, Dom Afon­so Nte­ka, pas­sou a cons­tar da to­po­ní­mia da ci­da­de de Mban­za Con­go, uma de­ci­são do Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Zaire tor­na­da pú­bli­ca nu­ma ho­me­na­gem a es­ta fi­gu­ra da Igre­ja Ca­tó­li­ca, que fa­le­ceu num aci­den­te aé­reo a 10 de Agosto de 1991, na vi­la fron­tei­ri­ça do Nó­qui.

Du­ran­te a ce­ri­mó­nia, em que fiéis ca­tó­li­cos, au­to­ri­da­des governamentais e mem­bros da so­ci­e­da­de ci­vil re­lem­bra­ram a vi­da e obra do ma­lo­gra­do, o go­ver­na­dor do Zaire anun­ci­ou que a rua que par­te da Cen­tral Eléc­tri­ca de Ki­an­gan­ga ate à zo­na do Mfu­mu pas­sa a de­sig­nar-se Dom Afon­so Nte­ka. O Go­ver­no do Zaire ou­tor­gou, a tí­tu­lo pós­tu­mo, um di­plo­ma de mé­ri­to ao ma­lo­gra­do, con­si­de­ran­do-o “bis­po da ca­ri­da­de”.

“Dom Afon­so Nte­ka foi um ho­mem de gran­de in­te­li­gên­cia e de­fen­sor da sua cul­tu­ra”, re­cor­dou Vi­cen­te Carlos Ki­a­zi­ku, ao in­ter­vir no ac­to, re­a­li­za­do no an­fi­te­a­tro do edi­fí­cio II do go­ver­no lo­cal.

A ho­me­na­gem foi an­te­ce­di­da de uma mis­sa eu­ca­rís­ti­ca, ce­le­bra­da pe­lo bis­po da Di­o­ce­se de Mban­za Con­go, Dom Afon­so Carlos Ki­a­zi­ku, na Sé Ca­te­dral lo­cal.

Dom Afon­so Nte­ka nas­ceu no dia 13 de Mar­ço de 1940, na lo­ca­li­da­de de Ka­zum­bi, a 20 qui­ló­me­tros da se­de mu­ni­ci­pal da Dam­ba, pro­vín­cia do Uí­ge e foi or­de­na­do pa­dre ca­pu­chi­nho em 1971, de­pois da sua for­ma­ção na Itá­lia e na Bélgica.

Foi no­me­a­do bis­po da Di­o­ce­se de Mban­za Con­go, em 1984, ten­do exer­ci­do an­tes as fun­ções de pa­dre su­pe­ri­or das di­o­ce­ses do Uí­ge e de Mban­za Con­go.

Dom Afon­so Nte­ka mor­reu a 10 de Agosto de 1991, ví­ti­ma de um aci­den­te de avi­a­ção, quan­do um he­li­cóp­te­ro da For­ça Aé­rea Na­ci­o­nal, que trans­por­ta­va uma co­mi­ti­va mis­ta (Go­ver­no/Igre­ja), para a vi­la do Nó­qui, para as­si­nar um acor­do com as au­to­ri­da­des do Con­go De­mo­crá­ti­co so­bre o re­pa­tri­a­men­to dos re­fu­gi­a­dos an­go­la­nos nes­te país vi­zi­nho, se des­pe­nhou.

GAR­CIA MAYATOKO | MBAN­ZA CON­GO

A re­a­bi­li­ta­ção das vi­as ur­ba­nas con­fe­re uma mai­or mo­bi­li­da­de na cir­cu­la­ção de veí­cu­los e pes­so­as me­lho­ran­do as­sim a imagem do mu­ni­cí­pio

Jo­a­nes An­dré or­gu­lho­so pe­los re­sul­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.