SADC bus­ca consensos

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Co­me­ça ho­je, até quar­ta-fei­ra, a 36ª Ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da SADC, na ci­da­de de Mbam­ba­ne, ca­pi­tal do Rei­no da Su­a­zi­lân­dia em que o Vi­ce-Pre­si­den­te, Manuel Do­min­gos Vi­cen­te, re­pre­sen­ta o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos.Sob o le­ma “Mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos para o in­ves­ti­men­to em in­fra-es­tru­tu­ras ener­gé­ti­cas sus­ten­tá­veis, com vis­ta a uma in­dus­tri­a­li­za­ção in­clu­si­va da SADC em prol da pros­pe­ri­da­de da re­gião”, o en­con­tro foi pre­ce­di­do de uma reu­nião mi­nis­te­ri­al em que fo­ram pre­pa­ra­dos os prin­ci­pais itens a discutir e a apro­var ao mais al­to ní­vel.

Para fa­zer jus à di­vi­sa da pre­sen­te reu­nião, os mi­nis­tros sou­be­ram iden­ti­fi­car os prin­ci­pais de­sa­fi­os da or­ga­ni­za­ção no que a bus­ca de re­cur­sos para fi­nan­ci­ar os pro­jec­tos re­gi­o­nais, a quo­ti­za­ção dos mem­bros, a can­di­da­tu­ra aos pos­tos de co­mis­sá­ri­os da União Afri­ca­na, en­tre ou­tros as­sun­tos, di­zem res­pei­to.

Não há dú­vi­das de que a ace­le­ra­ção do in­ves­ti­men­to e ma­te­ri­a­li­za­ção de pro­jec­tos ao ní­vel de “in­fra-es­tru­tu­ras ener­gé­ti­cas sus­ten­tá­veis, com vis­ta a uma in­dus­tri­a­li­za­ção” cons­ti­tui uma das vi­as para as­se­gu­rar a di­ver­si­fi­ca­ção e ga­ran­tir o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. Pre­ci­sa­mos de ver am­pla­men­te mi­ni­mi­za­dos os pro­ble­mas de­fi­ci­tá­ri­os re­la­ti­vos ao for­ne­ci­men­to de ener­gia que, co­mo sa­be­mos, em­per­ram lar­ga­men­te o ar­ran­que e a con­ti­nui­da­de de nu­me­ro­sos pro­jec­tos. Ur­ge re­pen­sar e in­ver­ter o es­ta­do de “ver­da­dei­ras ilhas” em que se en­con­tram nu­me­ro­sas ba­ses de pro­du­ção, cen­tros fi­nan­cei­ros e de ser­vi­ços den­tro dos Es­ta­dos da co­mu­ni­da­de e, não ra­ras ve­zes, den­tro de um mes­mo país. Mui­tos pro­du­to­res, so­bre­tu­do os de pe­que­na di­men­são, nal­gu­mas re­giões da SADC, en­fren­tam di­fi­cul­da­des no es­co­a­men­to dos seus pro­du­tos e na ob­ten­ção de to­dos os ele­men­tos es­sen­ci­ais para a pro­du­ção de um de­ter­mi­na­do pro­du­to, apenas para ci­tar es­tes in­con­ve­ni­en­tes, por al­gu­mas das ra­zões já avan­ça­das. Nes­tes mol­des, di­fi­cil­men­te po­de­re­mos ter um pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to agrí­co­la para pro­por­ci­o­nar “uma in­dus­tri­a­li­za­ção in­clu­si­va da SADC em prol da pros­pe­ri­da­de da re­gião”, co­mo se pre­ten­de.

A in­ter­li­ga­ção é fun­da­men­tal para as­se­gu­rar que a re­du­ção de fac­to­res co­mo tem­po, cus­tos e aces­so aos pro­du­tos com re­la­ti­va fa­ci­li­da­de se­ja, efec­ti­va­men­te, uma re­a­li­da­de que con­cor­ra para o pro­gres­so e bem-es­tar das fa­mí­li­as. Em Mbam­ba­ne, os Che­fes de Es­ta­dos, de Go­ver­no e os seus re­pre­sen­tan­tes vão de­ba­ter te­mas im­por­tan­tes da SADC que, em mui­tos as­pec­tos, jo­gam um pa­pel de­ci­si­vo na sus­ten­ta­bi­li­da­de ener­gé­ti­ca para as­se­gu­rar o pro­ces­so de in­dus­tri­a­li­za­ção e pro­por­ci­o­nar bem-es­tar às fa­mí­li­as. A ca­na­li­za­ção de re­cur­sos para fi­nan­ci­ar pro­jec­tos da or­ga­ni­za­ção sub-re­gi­o­nal foi sem­pre um dos ca­va­los de batalha, re­a­li­da­de que de­ve dar lu­gar a pro­ces­sos en­dó­ge­nos que fa­ci­li­tem o au­to-fi­nan­ci­a­men­to dos seus pro­jec­tos. Mais de du­as dé­ca­das de­pois, não é exa­ge­ra­do di­zer que o mo­de­lo de ca­na­li­za­ção de fi­nan­ci­a­men­tos ex­ter­nos pre­ci­sa de ser com­ple­men­ta­do com me­di­das al­ter­na­ti­vas in­ter­nas sob pe­na de nu­me­ro­sos pro­jec­tos da or­ga­ni­za­ção fi­ca­rem sub­fi­nan­ci­a­dos ou sem fi­nan­ci­a­men­to.

Sem pre­juí­zo para o pa­pel re­le­van­te que os in­ves­ti­do­res de­sem­pe­nham, a SADC não de­ve con­ti­nu­ar a olhar in­tei­ra­men­te para os fi­nan­ci­a­men­tos ex­ter­nos co­mo uma es­pé­cie de “tá­bua de sal­va­ção” para a ma­te­ri­a­li­za­ção dos seus pro­jec­tos. É pre­ci­so que os pro­ces­sos de quo­ti­za­ção dos Es­ta­dos mem­bros se efec­ti­ve sem cons­tran­gi­men­tos e que o de cap­ta­ção de in­ves­ti­men­tos es­te­ja tam­bém e fun­da­men­tal­men­te vi­ra­do para den­tro.

A SADC não po­de per­ma­nen­te­men­te es­tar de “mãos es­ten­di­das” aos do­a­do­res in­ter­na­ci­o­nais quan­do de­ve equa­ci­o­nar me­di­das al­ter­na­ti­vas de bus­ca de fi­nan­ci­a­men­to den­tro da co­mu­ni­da­de. Há em to­da a re­gião ca­pa­ci­da­de para gra­du­al­men­te ze­lar para o fi­nan­ci­a­men­to dos seus pro­jec­tos, fac­to que de­ve co­me­çar com os pe­que­nos pro­jec­tos que nu­me­ro­sos sec­to­res den­tro dos Es­ta­dos mem­bros já fi­nan­ci­am e com su­ces­so. In­sis­ti­mos na ne­ces­si­da­de de a or­ga­ni­za­ção sub-re­gi­o­nal olhar mais para den­tro em bus­ca de so­lu­ções de fi­nan­ci­a­men­to à me­di­da que a SADC ten­de a ex­pan­dir-se em ter­mos de mem­bros e su­bir o va­lor da quo­ti­za­ção. Em­bo­ra não te­nha ha­vi­do con­sen­so re­la­ti­va­men­te ao pro­ces­so de ade­são de paí­ses co­mo as Co­mo­res e o Bu­run­di, não há dú­vi­das de que a or­ga­ni­za­ção ten­de a cres­cer em nú­me­ro, re­a­li­da­de que alar­ga mui­tas pers­pec­ti­vas. Pre­ten­de­mos to­dos uma or­ga­ni­za­ção sub-re­gi­o­nal me­nos de­pen­den­te em ter­mos fi­nan­cei­ros, para que ha­ja ga­ran­tia da ma­te­ri­a­li­za­ção dos seus pro­jec­tos, ain­da com re­cur­sos exí­guos.

Acre­di­ta­mos que as con­tri­bui­ções dos Es­ta­dos mem­bros po­dem su­por­tar mais do que o sim­ples fun­ci­o­na­men­to das es­tru­tu­ras da or­ga­ni­za­ção para am­pa­rar mui­tos dos seus pro­jec­tos. Nu­ma al­tu­ra em que An­go­la po­de as­su­mir a vi­ce-pre­si­dên­cia do ór­gão de Po­lí­ti­ca, De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da SADC, para um man­da­to de um ano, pen­sa­mos que o nos­so país de­ve re­for­çar o pa­pel exem­plar que exer­ce na re­gião e em Áfri­ca ao pri­mar pe­la re­so­lu­ção pa­cí­fi­ca dos di­fe­ren­dos, ten­do co­mo ba­se o diá­lo­go in­clu­si­vo e a bus­ca per­ma­nen­te de con­sen­so. Es­pe­re­mos que da 36ª Ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da SADC sai­am im­por­tan­tes me­di­das e re­co­men­da­ções para os Es­ta­dos im­ple­men­ta­rem na cer­te­za de que os pas­sos da­dos in­ter­na­men­te for­ta­le­çam e be­ne­fi­ci­em to­da a re­gião.

Água no Pe­lou­ri­nho

Con­ti­nua a cor­rer mui­ta água na Cal­ça­da do Pe­lou­ri­nho, em con­sequên­cia de uma ro­tu­ra num tu­bo. A água cor­re pe­la via pú­bli­ca des­de quin­ta-fei­ra e não per­ce­bo por que ra­zão não se fi­ze­ram ain­da ope­ra­ções para se re­sol­ver o pro­ble­ma.

Um lei­tor do Jor­nal de An­go­la ti­nha aler­ta­do na se­ma­na pas­sa­da para o pro­ble­ma e es­pe­ra­va-se que o as­sun­to vi­es­se a ser re­sol­vi­do ra­pi­da­men­te. Pen­so que os pro­ble­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.