CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LU­CIN­DA GUI­LHER­ME FÁ­TI­MA ALFREDO AU­RÉ­LIO AFON­SO ESMERALDA PANZO

Va­las de dre­na­gem

É im­por­tan­te que se ex­pli­que para as pes­so­as que as va­las de dre­na­gem não são de­pó­si­tos de li­xo. As va­las de dre­na­gem são mui­to im­por­tan­tes para a eva­cu­a­ção de águas re­si­du­ais.

Acon­te­ce, po­rém, que mui­tas pes­so­as in­sis­tem em de­po­si­tar re­sí­du­os só­li­dos nas va­las de dre­na­gem. Se as va­las não fun­ci­o­na­rem bem, is­so po­de cau­sar pro­ble­mas às po­pu­la­ções. As pes­so­as têm de de­po­si­tar o li­xo nos lo­cais apro­pri­a­dos. Já ago­ra gos­ta­va de ape­lar às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes para se fa­zer uma lim­pe­za a to­das as va­las de dre­na­gem, em pa­ra­le­lo com uma cam­pa­nha de ex­pli­ca­ção jun­to da po­pu­la­ção so­bre a fun­ção de­las.

É in­dis­pen­sá­vel que se ex­pli­que às pes­so­as o que re­al­men­te sig­ni­fi­ca para as su­as vi­das as va­las de dre­na­gem. Acho que se pes­so­as sou­be­rem para que re­al­men­te as va­las ser­vem hão-de dei­xar de lá co­lo­car li­xo. de­vem ser re­sol­vi­dos com ce­le­ri­da­de. Os ser­vi­do­res pú­bli­cos, já dis­se o nos­so Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, de­vem ser­vir o po­vo. Co­mo se po­de com­pre­en­der que uma ro­tu­ra fi­que vá­ri­os di­as sem ser neu­tra­li­za­da?

Não se de­ve adi­ar a so­lu­ção dos pro­ble­mas. Te­mos de nos ha­bi­tu­ar a re­sol­ver os pro­ble­mas lo­go que eles sur­jam.

An­go­la­no na Lá­zio

Fi­quei sa­tis­fei­to com o fac­to de o nos­so com­pa­tri­o­ta Bas­tos Kis­san­ga ter jo­ga­do a ti­tu­lar na sua no­va equi­pa, a Lá­zio de Itá­lia.

To­mei co­nhe­ci­men­to de que a im­pren­sa des­por­ti­va ita­li­a­na elo­gi­ou o fu­te­bo­lis­ta an­go­la­no que, aos 23 anos, po­de vir a dar um sal­to im­por­tan­te na sua car­rei­ra.

De­se­jo que Bas­tos te­nha mui­tos su­ces­sos e que apren­da mui­to com gran­des jo­ga­do­res que evo­lu­em no cam­pe­o­na­to ita­li­a­no.

Que Bas­tos Kis­san­ga se­ja hu­mil­de e tra­ba­lha­dor. A hu­mil­da­de para apren­der sem­pre e o tra­ba­lho po­dem aju­dá-lo a ir mui­to lon­ge.

A nos­sa se­lec­ção na­ci­o­nal de fu­te­bol pre­ci­sa de gran­des jo­ga­do­res. Os clu­bes ita­li­a­nos e mes­mo a se­lec­ção de Itá­lia são fa­mo­sos por ge­ral­men­te pri­vi­le­gi­a­rem de­fe­sas qua­se in­trans­po­ní­veis.

Que o nos­so Bas­tos Kis­san­ga ve­nha a ser no fu­tu­ro um gran­de de­fe­sa, para, quem sa­be, vir a jo­gar num gran­de clu­be eu­ro­peu. Nun­ca me in­te­res­sei mui­to pe­lo fu­te­bol ita­li­a­no. Mas ago­ra que o Bas­tos Kis­san­ga es­tá no cam­pe­o­na­to ita­li­a­no não vou per­der ne­nhum jogo da Lá­zio, o seu clu­be. Mui­tos an­go­la­nos pas­sa­ram a ser adep­tos da Lá­zio de­pois de Bas­tos ter si­do con­tra­ta­do para jo­gar nes­ta equi­pa. Es­tão de parabéns to­dos os que, em An­go­la, con­tri­buí­ram para a for­ma­ção de Bas­tos Kis­san­ga.

Mui­tos ou­tros jo­ga­do­res an­go­la­nos po­dem vir a jo­gar em gran­des equi­pas eu­ro­pei­as, se se apos­tar ca­da vez mais na for­ma­ção.

Os clu­bes de fu­te­bol em An­go­la de­vem pres­tar mui­ta aten­ção à for­ma­ção dos jo­vens fu­te­bo­lis­tas.

Pro­du­ção agrí­co­la

Há mui­tos cam­po­ne­ses que, por di­ver­sas ra­zões, es­tão a vi­ver em zo­nas ur­ba­nas, mas gos­ta­ri­am de vol­tar às su­as zo­nas de ori­gem.

Pen­so que, no qua­dro da di­ver­si­fi­ca­ção da pro­du­ção, se de­ve in­cen­ti­var o re­gres­so de cam­po­ne­ses às zo­nas ru­rais.

Há cam­po­ne­ses com mui­ta von­ta­de de vol­tar ao cam­po para cul­ti­var a ter­ra e não que­rem fi­car em zo­nas ur­ba­nas, on­de o cus­to de vi­da é ele­va­do.

Que se pen­se em al­gum pro­gra­ma des­ti­na­do a cri­ar con­di­ções para que cam­po­ne­ses re­gres­sem às su­as zo­nas de ori­gem a fim de ter­mos ele­va­da pro­du­ção em vá­ri­as re­giões do país.

CASIMIRO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.