Mo­çam­bi­ca­nos mar­cha­ram pe­la paz

Jornal de Angola - - MUNDO -

Cen­te­nas de pes­so­as mar­cha­ram pe­las ru­as da ca­pi­tal mo­çam­bi­ca­na, no fim-de-se­ma­na, para exi­gir o fim dos con­fron­tos no país e a res­pon­sa­bi­li­za­ção dos au­to­res de dí­vi­das mi­li­o­ná­ri­as ga­ran­ti­das pe­lo Es­ta­do.

A Pra­ça da In­de­pen­dên­cia, em Ma­pu­to, en­cheu-se de pes­so­as para exi­gi­rem o fim da cri­se eco­nó­mi­co­fi­nan­cei­ra no país e dos con­fron­tos en­tre as For­ças de De­fe­sa e Se­gu­ran­ça e ho­mens ar­ma­dos da Re­na­mo.

Fo­ram li­das men­sa­gens, ou­vi­ram-se dis­cur­sos de oca­sião. E o Par­la­men­to Ju­ve­nil pe­diu uma mai­or par­ti­ci­pa­ção da so­ci­e­da­de ci­vil nas de­ci­sões po­lí­ti­cas.

Du­ran­te a mar­cha, os ma­ni­fes­tan­tes de­nun­ci­a­ram o au­men­to do cus­to de vi­da no país, que tor­na a "vi­da di­fí­cil", e ape­la­ram à res­pon­sa­bi­li­za­ção dos au­to­res de dí­vi­das mi­li­o­ná­ri­as ga­ran­ti­das pe­lo Go­ver­no à re­ve­lia do Par­la­men­to e dos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais.

A ma­ni­fes­ta­ção acon­te­ceu mes­mo de­pois de vá­ri­os po­lí­ti­cos, aca­dé­mi­cos e re­li­gi­o­sos acon­se­lha­rem, atra­vés da im­pren­sa pú­bli­ca, que a mar­cha não se re­a­li­zas­se por ser ino­por­tu­na e por es­tar em cur­so o diá­lo­go para a paz, e por a cri­se eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra ser internacional e a ques­tão das ga­ran­ti­as con­ce­di­das pe­lo Es­ta­do às dí­vi­das es­tar a ser in­ves­ti­ga­da.

A ma­ni­fes­ta­ção tam­bém acon­te­ceu de­pois de o Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que, Filipe Nyu­si, pro­me­ter não des­can­sar en­quan­to o país não es­ti­ver em paz, e su­bli­nhar que es­sa paz “não de­ve ser al­can­ça­da a qual­quer pre­ço” e que “a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca não de­ve ser ras­ga­da”.

Nu­ma alu­são às exi­gên­ci­as da Re­na­mo, o Pre­si­den­te Filipe Nyu­si afir­mou, em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, no fi­nal de uma vi­si­ta de tra­ba­lho de qua­tro di­as à pro­vín­cia de So­fa­la, cen­tro de Mo­çam­bi­que, que “a paz re­al tem que ser tra­zi­da de for­ma re­al e sus­ten­tá­vel” e que de­ci­sões emo­ci­o­nais po­dem não re­pre­sen­tar “o que o po­vo qu­er”. o Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no vol­tou a rei­te­rar que es­tá dis­po­ní­vel para se en­con­trar com o lí­der da Re­na­mo, a qual­quer mo­men­to, e que o seu de­se­jo é que o acor­do que ve­nha a ser as­si­na­do en­tre o Go­ver­no e es­te par­ti­do “se­ja, des­ta vez, de­fi­ni­ti­vo”. E pe­diu aos mo­çam­bi­ca­nos para não per­de­rem a es­pe­ran­ça.

O gru­po de me­di­a­do­res do diá­lo­go po­lí­ti­co em Mo­çam­bi­que para um en­con­tro “ao mais al­to ní­vel” anun­ci­ou a sus­pen­são tem­po­rá­ria das su­as ac­ti­vi­da­des e o re­gres­so aos res­pec­ti­vos paí­ses.

JOÃO GO­MES

Pre­si­den­te mo­çam­bi­ca­no Filipe Nyu­si pro­me­te ser in­can­sá­vel para al­can­çar a paz de­fi­ni­ti­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.