E os Koevoet co­me­çam a recuar

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

po­si­ci­o­na­men­to for­te de Mart­ti Ah­ti­sa­a­ri.

A 4 De Agos­to de 1989, num se­mi­ná­rio or­ga­ni­za­do pe­lo Ins­ti­tu­to de Es­tu­dos Es­tra­té­gi­cos, em Pre­tó­ria, o re­pre­sen­tan­te do se­cre­tá­ri­o­ge­ral das Na­ções Uni­das na Na­mí­bia dis­se que “a mai­o­ria dos ele­men­tos do PLAN ti­nha re­gres­sa­do à Na­mí­bia co­mo ci­vis, a es­tru­tu­ra de co­man­do do PLAN ti­nha si­do des­man­te­la­da e as ar­mas do PLAN es­ta­vam ar­ma­ze­na­das e guar­da­das, a se­te cha­ves, em An­go­la”, pe­lo que, nos ter­mos da Re­so­lu­ção 435/78 do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, não ha­via ne­ces­si­da­de de se con­ti­nu­a­rem as ope­ra­ções de con­tra­sub­ver­são da Po­lí­cia do Su­do­es­te Africano no nor­te da Na­mí­bia.

Es­ta afir­ma­ção de Mart­ti Ah­ti­sa­a­ri cons­ti­tuiu um gol­pe di­rec­to des­fe­ri­do con­tra os ra­cis­tas su­la­fri­ca­nos, e par­ti­cu­lar­men­te con­tra o ad­mi­nis­tra­dor-ge­ral do Su­do­es­te Africano, Louis Pi­e­na­ar, que con­ti­nu­a­men­te re­pro­du­zia os ar­gu­men­tos da RAS e jus­ti­fi­ca­va a pre­sen­ça dos Koevoet no Nor­te da Na­mí­bia com a po­ten­ci­al ame­a­ça que os ele­men­tos do PLAN re­pre­sen­ta­vam.

O ar­gu­men­to já não ti­nha ra­zão de ser e era ago­ra mis­ter que to­dos os ele­men­tos dos Koevoet in­te­gra­dos na Po­lí­cia do Su­do­es­te Africano (SWAPOL) fos­sem ime­di­a­ta­men­te des­mo­bi­li­za­dos e rein­te­gra­dos na so­ci­e­da­de.

No en­tan­to, Pre­tó­ria re­cu­sa­va-se a se­guir as de­ci­sões da ONU e man­ti­nha re­so­lu­ta­men­te as su­as ba­ses no Nor­te da Na­mí­bia. Se­gun­do Ve­ze­ra Bob Kan­de­tu, di­rec­tor dos Ser­vi­ços de In­for­ma­ção e Mo­ni­to­ri­za­ção das Igre­jas em Windho­ek, até 9 de Agos­to de 1989 mais de 400 quei­xas ain­da en­vol­vi­am as ac­ti­vi­da­des da uni­da­de Koevoet na Na­mí­bia e ti­nham si­do apre­sen­ta­das à UNTAG.

A 10 de Agos­to de 1989, Mar­tii Ar­ti­sa­a­ri vol­tou a pro­nun­ci­ar-se so­bre a in­tran­si­gên­cia de Pre­tó­ria, des­ta vez em Stel­len­bos­ch (Wes­tern Ca­pe), afir­man­do que os pro­ble­mas que ain­da pre­ci­sa­vam de ser abor­da­dos na Na­mí­bia in­cluíam a si­tu­a­ção do po­li­ci­a­men­to no Nor­te, pois a per­se­gui­ção nes­ta zo­na da Na­mí­bia es­ta­va a to­mar for­mas que eram re­al­men­te ina­cei­tá­veis.

“Os ex-mem­bros da Koevoet pe­ne­tra­vam até mes­mo em cur­rais na ten­ta­ti­va de des­co­bri­rem os com­ba­ten­tes do PLAN, bra­ço ar­ma­do da SWAPO”, de­cla­rou o re­pre­sen­tan­te es­pe­ci­al do Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU.

Não su­por­tan­do a pres­são in­ter­na­ci­o­nal le­va­da a ca­bo pe­la SWAPO e pe­los seus ali­a­dos in­ter­na­ci­o­nais, a 16 de Agos­to de 1989 o ad­mi­nis­tra­dor-ge­ral da RAS na Na­mí­bia ce­deu e anun­ci­ou que os ex­mem­bros da uni­da­de pa­ra­mi­li­tar Koevoet se­ri­am re­ti­ra­dos do Nor­te da Na­mí­bia e acan­to­na­dos nou­tros lu­ga­res.

Pa­ra jus­ti­fi­car a sua po­si­ção, Louis Pi­e­na­ar dis­se: “o PLAN já não tem ca­pa­ci­da­de pa­ra re­pre­sen­tar uma ame­a­ça, pe­lo que, agin­do sob es­tas ga­ran­ti­as e, em con­for­mi­da­de com os com­pro­mis­sos an­te­ri­o­res as­su­mi­dos por mim, es­tou pre­pa­ra­do pa­ra re­ti­rar os 1.200 mem­bros da for­ça Po­li­ci­al do Su­do­es­te Africano das re­giões do Nor­te, o re­ma­nes­cen­te da com­po­nen­te de con­tra-sub­ver­são”.

Ape­sar des­tas de­cla­ra­ções, o re­gi­me ra­cis­ta de Pre­tó­ria nun­ca dei­xou de usar as su­as ar­ti­ma­nhas pa­ra di­fi­cul­tar o pla­no de in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia di­ri­gi­do pe­la UNTAG.

A 24 de Agos­to de 1989, a RSA de­sen­ca­de­ou mes­mo uma úl­ti­ma ten­ta­ti­va, ao afir­mar que a SWAPOL ti­nha en­con­tra­do dois de­pó­si­tos de ar­ma­men­to da SWAPO, no nor­te da Na­mí­bia. Um de­les, ale­ga­va, ti­nha si­do en­ter­ra­do “re­cen­te­men­te” na ma­ta per­to de Gro­ot­fon­tein e o ou­tro foi lo­ca­li­za­do 18 qui­ló­me­tros a su­do­es­te de Ru­a­ca­ná.

Can­sa­do des­tas ar­ti­ma­nhas do re­gi­me de apartheid em Pre­tó­ria, que tu­do fa­zia pa­ra im­pe­dir o bom an­da­men­to do pro­ces­so de paz e de in­de­pen­dên­cia, ten­tan­do per­pe­tu­ar a sua pre­sen­ça no Su­do­es­te Africano, e em fa­ce dos mui­tos ape­los da SWAPO so­bre as cons­tan­tes vi­o­la­ções dos sul-afri­ca­nos, a 29 de Agos­to de 1989 o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, por ini­ci­a­ti­va do Mo­vi­men­to dos Paí­ses Não-Ali­nha­dos, apro­vou a im­por­tan­te Re­so­lu­ção 640/89, que di­zia, en­tre ou­tras coi­sas, o se­guin­te:

“O Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, ten­do re­vis­to cri­ti­ca­men­te o pro­ces­so de im­ple­men­ta­ção da Re­so­lu­ção 435 de 29 de Se­tem­bro de 1978 e no­tan­do com pre­o­cu­pa­ção que to­das as su­as dis­po­si­ções não es­tão a ser in­te­gral­men­te cum­pri­das;

Pre­o­cu­pa­do com os re­la­tos de in­ti­mi­da­ção ge­ne­ra­li­za­da e per­se­gui­ção con­tra a po­pu­la­ção ci­vil, em par­ti­cu­lar por ele­men­tos da uni­da­de Koevoet na Po­lí­cia do Su­do­es­te Africano;

Re­co­nhe­cen­do os es­for­ços do Gru­po de As­sis­tên­cia das Na­ções Uni­das pa­ra o Pe­río­do de Tran­si­ção pa­ra le­var a ca­bo as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des, ape­sar dos obs­tá­cu­los co­lo­ca­dos em seu ca­mi­nho;

1. Exi­ge de to­das as par­tes, par­ti­cu­lar­men­te da Áfri­ca do Sul, o ri­go­ro­so cum­pri­men­to dos ter­mos das Re­so­lu­ções 435 (1978) e 632 (1989);

2. Exi­ge tam­bém a dis­so­lu­ção de to­das as for­ças pa­ra­mi­li­ta­res, ét­ni­cas e uni­da­des de co­man­do, em par­ti­cu­lar os Ko­e­vo­ets e o des­man­te­la­men­to das su­as es­tru­tu­ras de co­man­do, con­for­me o exi­gi­do pe­la re­so­lu­ção 435 (1978).”

Es­ta Re­so­lu­ção, uma ver­são di­luí­da de um pro­jec­to com o fo­co for­te­men­te di­rec­ci­o­na­do pa­ra a Áfri­ca do Sul por de­li­be­ra­da­men­te não cum­prir o Pla­no de In­de­pen­dên­cia das Na­ções Uni­das, foi de­ter­mi­nan­te pa­ra ace­le­rar o pro­ces­so de re­ti­ra­da das tro­pas sul-afri­ca­nas do Nor­te da Na­mí­bia e, con­se­quen­te­men­te, cum­prir uma das con­di­ções pri­mor­di­ais pa­ra que as elei­ções fos­sem re­a­li­za­das num cli­ma de paz e de se­gu­ran­ça.

No fi­nal de Agos­to de 1989, as tro­pas sul-afri­ca­nas, que ti­nham si­do re­du­zi­das me­ra­men­te a 1.500 ho­mens, es­ta­vam acan­to­na­das e os ele­men­tos que res­ta­ram da an­ti­ga Uni­da­de de Con­tra-Sub­ver­são da Po­lí­cia do Su­do­es­te Africano, ou­tro­ra de­no­mi­na­da Koevoet, fo­ram acan­to­na­dos em ba­ses dis­tan­tes da fron­tei­ra.

“As­sim, no fi­nal do mês de Agos­to, o que é que a SWAPO ti­nha con­se­gui­do?”, per­gun­ta Pe­ter Stiff em de­ter­mi­na­do mo­men­to do seu li­vro. “As tro­pas sul-afri­ca­nas, que ti­nham si­do re­du­zi­das me­ra­men­te a 1.500 ho­mens, es­ta­vam acan­to­na­das. Os ele­men­tos que res­ta­ram da an­ti­ga Uni­da­de de Con­tra-Sub­ver­são da Po­lí­cia do Su­do­es­te Africano, ou­tro­ra de­no­mi­na­da Koevoet, fo­ram acan­to­na­dos em ba­ses mui­to lon­ge da fron­tei­ra. O país es­ta­va de for­ma in­qui­e­tan­te des­con­for­ta­vel­men­te aberto a uma gran­de in­cur­são da SWAPO”, res­pon­de o pró­prio Stiff, trans­mi­tin­do a ideia par­ci­al pre­sen­te em to­das as aná­li­ses dos es­tu­di­o­sos ali­a­dos do apartheid se­gun­do a qual a in­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia, o fim do apartheid e a der­ro­ta da UNITA em An­go­la se­ri­am o fim da mi­no­ria bran­ca na Áfri­ca Aus­tral.

Jo­ga­das es­tra­té­gi­cas

O apartheid foi uti­li­za­do pe­las po­tên­ci­as oci­den­tais co­mo bas­tião an­ti-co­mu­nis­ta na re­gião aus­tral de Áfri­ca. Ten­do fra­cas­sa­do nes­ta em­prei­ta­da e com o apro­xi­mar do fim da Guer­ra Fria, a Áfri­ca do Sul viu­se en­vol­vi­da num cli­ma de in­ten­sa pres­são in­ter­na e ex­ter­na pa­ra pôr fim ao re­gi­me.

Co­mo as elei­ções ge­rais na Áfri­ca do Sul es­ta­vam agen­da­das pa­ra o mês de Se­tem­bro de 1989, por si­nal a úl­ti­ma elei­ção par­la­men­tar sob os aus­pí­ci­os de um re­gi­me se­gre­ga­ci­o­nis­ta re­a­li­za­da na Áfri­ca do Sul, as po­tên­ci­as oci­den­tais con­si­de­ra­vam que es­te era o mo­men­to pro­pí­cio pa­ra co­me­çar a en­gen­drar mu­dan­ças.

A 18 de Agos­to de 1989, o em­bai­xa­dor dos Es­ta­dos Uni­dos na RSA, Wil­li­am Swing, re­a­fir­mou a po­si­ção do seu país se­gun­do a qual a Áfri­ca do Sul de­via agir ra­pi­da­men­te pa­ra ne­go­ci­ar o fim do apartheid após as elei­ções de Se­tem­bro. “Os Es­ta­dos Uni­dos es­tão de­ter­mi­na­dos a aju­dar a fa­ci­li­tar es­te pro­ces­so”, fri­sou Swing.

Pa­ra­le­la­men­te à pres­são in­ter­na­ci­o­nal que a Áfri­ca do Sul so­fria da par­te dos seus ali­a­dos, os Es­ta­dos Afri­ca­nos e os Paí­ses Não-Ali­nha­dos re­pre­sen­ta­dos no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU pres­si­o­na­vam igual­men­te a Áfri­ca do Sul e cri­ti­ca­vam ve­e­men­te­men­te a sua po­lí­ti­ca in­ti­mi­da­tó­ria e a sua pre­ten­são de fal­si­fi­car os re­sul­ta­dos das elei­ções ge­rais no Su­do­es­te Africano que se re­a­li­za­ri­am em No­vem­bro de 1989.

Es­ta ati­tu­de da Áfri­ca do Sul foi igual­men­te con­de­na­da a 22 de Agos­to de 1989, quan­do o Pre­si­den­te do Mo­vi­men­to dos Paí­ses Não-Ali­nha­dos, o zim­ba­bu­e­a­no Isack Mu­den­ge, in­for­mou o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das que a Áfri­ca do Sul pre­ten­dia man­ter a Na­mí­bia co­mo um Es­ta­do cli­en­te sob um re­gi­me fan­to­che. Pa­ra is­so, ha­via mon­ta­do uma es­tra­té­gia pa­ra que a SWAPO não con­se­guis­se ob­ter, nas elei­ções de No­vem­bro, uma mai­o­ria de dois ter­ços na As­sem­bleia Cons­ti­tuin­te.

Se­gun­do El­nan Scho­e­man, no seu li­vro “South Afri­ca’s Fo­reign Re­la­ti­ons in Tran­si­ti­on 19851992”, um do­cu­men­to de tra­ba­lho que des­cre­via as pre­ten­sões do re­gi­me de apartheid e que cir­cu­lou res­tri­ta­men­te pe­los re­pre­sen­tan­tes dos Paí­ses Não-Ali­nha­dos, os cin­co mem­bros per­ma­nen­tes na sua for­ma ac­tu­al con­si­de­ra­vam já es­sa ati­tu­de dos sul-afri­ca­nos ina­cei­tá­vel.

El­nan des­ta­ca igual­men­te a de­ci­são to­ma­da pe­lo Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, a 29 de Agos­to de 1989, de apro­var a Re­so­lu­ção 640/89, que, in­ter alia, exi­gia a dis­so­lu­ção de to­das as for­ças pa­ra­mi­li­ta­res, ét­ni­cas e uni­da­des de co­man­do, em par­ti­cu­lar os Ko­e­vo­ets e o des­man­te­la­men­to das su­as es­tru­tu­ras de co­man­do, con­for­me o exi­gi­do pe­la Re­so­lu­ção 435 (1978).

To­do es­te ce­ná­rio foi fun­da­men­tal pa­ra que o ad­mi­nis­tra­dor-ge­ral do Su­do­es­te Africano, o sul-africano Louis Pi­e­na­ar, de­ci­dis­se re­ti­rar e acan­to­nar os 1.500 mem­bros dos Ko­e­vo­ets des­do­bra­dos no nor­te da Na­mí­bia, con­for­me re­que­ri­do pe­la UNTAG. Uma de­ci­são vi­va­men­te aplau­di­da pe­los re­pre­sen­tan­tes dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, da Grã-Bre­ta­nha, da União So­vié­ti­ca, da Chi­na e da Fran­ça e, so­bre­tu­do, pe­lo po­vo na­mi­bi­a­no.

AR­QUI­VO HIS­TÓ­RI­CO

O Ba­ta­lhão 101 pre­pa­ra mais uma mis­são tác­ti­ca con­tra os guer­ri­lhei­ros da SWAPO

AR­QUI­VO HIS­TÓ­RI­CO

Mo­vi­men­ta­ção de uma pa­tru­lha num lo­cal on­de sus­pei­ta­vam es­ta­rem guer­ri­lhei­ros da SWAPO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.