Tá­xis con­quis­tam o mer­ca­do

Jornal de Angola - - PARTADA - DOMIANA N’JILA | ARCÂNGELA RODRIGUES | ALEXA SONHI | FULA MARTINS |

A em­pre­sa “Du­ra Ba­ra­to”, que pres­ta ser­vi­ço de tá­xi há mais de dois anos, em­pre­gou de­ze­nas de jo­vens que es­ta­vam de­sem­pre­ga­dos. No co­me­ço da ac­ti­vi­da­de, a em­pre­sa tra­ba­lhou com tá­xis pin­ta­dos de azul e bran­co. Pos­te­ri­or­men­te, lan­çou uma em­pre­sa de tá­xi per­so­na­li­za­do, que ga­ran­te em­pre­go há mais de 18 jo­vens.

A em­pre­sa fun­ci­o­na com um “call cen­ter” que aten­de os te­le­fo­ne­mas dos cli­en­tes que so­li­ci­tam o ser­vi­ço de tá­xi, que per­mi­te a lo­ca­li­za­ção do mo­to­ris­ta pa­ra re­co­lher o cli­en­te. “Es­ta­mos a tra­ba­lhar em Lu­an­da, por ser o co­me­ço do ne­gó­cio nes­ta área, mas a pre­vi­são é de nos tor­nar­mos nu­ma em­pre­sa gran­de que con­si­ga res­pon­der ao País to­do. As nos­sas vi­a­tu­ras es­tão as­se­gu­ra­das na ENSA, com se­gu­ro con­tra to­dos os ris­cos, e os nos­sos mo­to­ris­tas têm as­se­gu­ra­das as su­as car­tas de con­du­ção”, diz Creu­sa Ki­zo­la, ad­mi­nis­tra­do­ra da em­pre­sa “Du­ra Ba­ra­to”.

O tra­ba­lho de pres­ta­ção de ser­vi­ço de tá­xi é con­si­de­ra­do ar­ris­ca­do, mas, co­mo re­fe­re Creu­sa Ki­zo­la, “tem si­do fei­to ab­so­lu­ta­men­te tu­do pa­ra evi­tar as­sal­tos, in­cluin­do o uso do GPS nas vi­a­tu­ras”. Na ci­da­de ca­pi­tal há as­sal­tan­tes que se fa­zem pas­sar por cli­en­tes de tá­xis. A mai­or par­te vem da zo­na do Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal de Lu­an­da com ba­ga­gem, mas são mar­gi­nais. Le­vam os va­lo­res e bens pes­so­ais dos mo­to­ris­tas, mas nun­ca as vi­a­tu­ras por es­ta­rem se­gu­ras com GPS.

Por es­ta ra­zão, os mo­to­ris­tas, an­tes de exer­ce­rem a fun­ção de ta­xis­tas, re­ce­bem uma for­ma­ção de 15 di­as pa­ra me­lhor res­pon­de­rem às di­fi­cul­da­des do dia-a-dia e à pro­tec­ção dos cli­en­tes.

A ad­mi­nis­tra­do­ra da em­pre­sa “Du­ra Ba­ra­to” afir­ma que a em­pre­sa tem da­do o seu me­lhor: “En­tra­mos no mer­ca­do, não pa­ra com­pe­tir, mas pa­ra aju­dar o País a cres­cer. Em­bo­ra te­nha­mos al­gu­mas di­fi­cul­da­des, os êxi­tos são mai­o­res. Te­mos pa­go os nos­sos im­pos­tos de se­lo atem­pa­da­men­te, pois não que­re­mos de­ver na­da ao Es­ta­do”. Pa­ra Creu­sa Ki­zo­la, a “Du­ra Ba­ra­to” é uma em­pre­sa exem­plar que cum­pre com o que es­tá es­ta­be­le­ci­do pe­lo Es­ta­do.

As ta­ri­fas são co­bra­das con­so­an­te a qui­lo­me­tra­gem que o ta­xí­me­tro apon­ta e de­pen­de do tra­jec­to do cli­en­te. Co­me­ça com o va­lor de 300 kwan­zas, no pe­río­do do dia, e 600 de noi­te, de­pois é só con­fe­rir a qui­lo­me­tra­gem fei­ta e o cli­en­te pa­ga o to­tal. Ca­so o cli­en­te não con­si­ga pa­gar a ta­ri­fa por vá­ri­as ra­zões, po­de en­trar num acor­do com o mo­to­ris­ta des­de que apre­sen­te uma ga­ran­tia, pa­ra de­pois con­tac­tar o mo­to­ris­ta Uma das pers­pec­ti­vas da em­pre­sa pa­ra da­qui a um ano é es­tar ao mes­mo ní­vel das ou­tras em­pre­sas que têm já no­me no mer­ca­do.

Vá­ri­os são os jo­vens que con­se­gui­ram em­pre­go co­mo mo­to­ris­ta na “Du­ra Ba­ra­to”. Jo­sé Do­min­gos, mo­to­ris­ta e che­fe dos mo­to­ris­tas da em­pre­sa, con­ta co­mo o con­se­guiu: “Con­ver­sei com al­guns ami­gos que sa­bi­am da exis­tên­cia da em­pre­sa em Lu­an­da. É uma gran­de va­lia tra­ba­lhar pa­ra es­ta em­pre­sa que se en­con­tra em cres­ci­men­to. É um pro­jec­to jo­vem que já deu e ain­da po­de dar em­pre­go a mui­ta gen­te e que in­ves­te na ju­ven­tu­de an­go­la­na”. As ta­ri­fas são co­bra­das con­so­an­te a qui­lo­me­tra­gem que o ta­xí­me­tro in­di­ca

Ro­se­te Ma­nu­el é es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­ria e con­ta que usa o ser­vi­ço dos tá­xis personalizados. “Sin­to-me mais se­gu­ra. Se ti­ves­se que sair de on­de me en­con­tra­va àque­la ho­ra de noi­te, cor­ria o ris­co de so­frer um as­sal­to ou al­go pi­or. Gas­tei um pou­co mais do que o ha­bi­tu­al, mas foi me­lhor as­sim. Acho que os pre­ços de­vem bai­xar. Em re­la­ção aos tá­xis nor­mais o que se pa­ga de di­fe­ren­ça é mui­to al­to. Re­al­men­te, ao usar es­tes ser­vi­ços evi­ta­mos mui­tos trans­tor­nos, mas a ta­ri­fa é ain­da mui­to al­ta e de­via ser re­vis­ta”, diz a es­tu­dan­te.

Qua­li­da­de de ser­vi­ço

Os tá­xis co­lec­ti­vos, os “can­don­guei­ros”, são o ros­to mais vi­sí­vel do trans­por­te pú­bli­co em Lu­an­da, de­vi­do ao nú­me­ro ele­va­do de pes­so­as que trans­por­tam di­a­ri­a­men­te. Ape­sar da sua uti­li­da­de, os mo­to­ris­tas dos “azuis e bran­co” são apon­ta­dos co­mo os prin­ci­pais cau­sa­do­res do mo­vi­men­to caó­ti­co que se ve­ri­fi­ca no trân­si­to ro­do­viá­rio na ci­da­de de Lu­an­da.

O vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Ta­xis­tas de Lu­an­da (ATL), Jo­sé Bernardo, ga­ran­te que, além de cri­ar de­le­ga­ções mu­ni­ci­pais pa­ra me­lho­rar o ser­vi­ço aos cli­en­tes, es­tão dis­po­ní­veis os te­le­fo­nes 912502819 e 922444447 pa­ra a de­nún­cia de ta­xis­tas in­frac­to­res na con­du­ção e no des­res­pei­to aos pas­sa­gei­ros. “Pa­ra me­lhor or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to da clas­se, es­ta­mos a tra­ba­lhar no sen­ti­do de as­so­ci­ar­mos to­dos os ta­xis­tas”, re­al­ça Jo­sé Bernardo.

O vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Ta­xis­tas de Lu­an­da sa­li­en­ta que o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de de tá­xi tem ser­vi­do ape­nas pa­ra a so­bre­vi­vên­cia dos mem­bros, de­vi­do à fal­ta de em­pre­go e acres­cen­ta que, ao con­trá­rio do que ge­ral­men­te se pen­sa, es­te ser­vi­ço não é tão ren­tá­vel co­mo pa­re­ce. “Di­a­ri­a­men­te, te­mos vi­a­tu­ras dos nos­sos mem­bros ava­ri­a­das na via pú­bli­ca por pro­ble­mas téc­ni­cos”, afir­ma Jo­sé Bernardo, pa­ra quem a si­tu­a­ção toma con­tor­nos alar­man­tes de­vi­do a di­fi­cul­da­des na aqui­si­ção de pe­ças so­bres­sa­len­tes, ca­da vez mais di­fí­ceis de en­con­trar no mer­ca­do.

“Mes­mo os mer­ca­dos que ofe­re­cem al­gu­ma al­ter­na­ti­va pa­ra a com­pra de pe­ças, tam­bém en­fren­tam di­fi­cul­da­des”, la­men­ta o vi­ce­pre­si­den­te Em Lu­an­da es­tão li­cen­ci­a­dos mais de qua­tro mil vi­a­tu­ras pa­ra o ser­vi­ço de tá­xi da As­so­ci­a­ção dos Ta­xis­tas de Lu­an­da. Jo­sé Bernardo su­bli­nha ain­da que as vi­a­tu­ras de mar­ca Toyo­ta Hi­a­ce são as mais usa­das de­vi­do à fa­ci­li­da­de de com­pra de pe­ças so­bres­sa­len­tes e fri­sa que o mau es­ta­do das vi­as ur­ba­nas tem cau­sa­do gran­des cons­tran­gi­men­tos no exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de de trans­por­te.

“Lu­an­da tem uma re­de de trans­por­te pú­bli­ca pe­que­na. So­mos par­cei­ros do Go­ver­no Provincial de Lu­an­da no sen­ti­do de se me­lho­rar a cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens na ca­pi­tal do país”, sa­li­en­ta ain­da o vi­ce­pre­si­den­te da as­so­ci­a­ção. Em Lu­an­da, es­tão li­cen­ci­a­das mais de qua­tro mil vi­a­tu­ras pa­ra o ser­vi­ço de tá­xis. Jo­sé Bernardo re­fe­re que a as­so­ci­a­ção tem so­bre­vi­vi­do ape­nas com uma quo­ta ir­ri­só­ria pa­ga pe­los seus as­so­ci­a­dos e, por is­so, acres­cen­ta que es­tá em aná­li­se uma pro­pos­ta de au­men­to da con­tri­bui­ção dos seus mem­bros.

“To­dos os ci­da­dãos que exer­cem a ac­ti­vi­da­de de tá­xi co­nhe­cem as nor­mas. Al­guns, por in­te­res­se pes­so­al, têm in­frin­gi­do es­tes re­gu­la­men­tos, por­que co­bram aos pas­sa­gei­ros va­lo­res aci­ma dos 150 kwan­zas”, su­bli­nha Jo­sé Bernardo, acres­cen­tan­do que mui­tos des­ses ca­sos são san­ci­o­na­dos de acor­do com a lei. Jo­sé Bernardo re­cor­da que fal­tam pa­ra­gens pa­ra os tá­xis, ape­sar de te­rem si­do cri­a­das al­gu­mas.

ESTANISLAU COSTA

Au­to­car­ros exe­cu­ti­vos le­vam con­for­to ao pas­sa­gei­ro em ro­tas na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais

EDU­AR­DO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.