Prin­ci­pais par­ti­dos gui­ne­en­ses ain­da dis­tan­tes do en­ten­di­men­to

Jornal de Angola - - PARTADA -

Os dois prin­ci­pais par­ti­dos gui­ne­en­ses man­têm as divergências qu­an­to à fór­mu­la pa­ra ti­rar o país da cri­se política em que se en­con­tra há mais de um ano, um dia de­pois de se mul­ti­pli­ca­rem no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU os ape­los ao diá­lo­go e ao apoio in­ter­na­ci­o­nal e os aler­tas pa­ra as con­sequên­ci­as do im­pas­se po­lí­ti­co na Guiné-Bissau.

À saí­da de um en­con­tro en­tre re­pre­sen­tan­tes das du­as for­ças po­lí­ti­cas, Ma­nu­el dos San­tos, do Par­ti­do Afri­ca­no pa­ra a In­de­pen­dên­cia da Guiné e Ca­bo Ver­de (PAIGC), e Car­li­tos Ba­rai, do Par­ti­do de Re­no­va­ção So­ci­al (PRS), di­ver­gi­ram qu­an­to às con­clu­sões do en­con­tro.

Ma­nu­el dos San­tos apon­tou avan­ços nas ne­go­ci­a­ções, pa­ra a for­ma­ção de “um go­ver­no sé­rio” li­de­ra­do por um ou­tro pri­mei­ro­mi­nis­tro, mas Car­li­tos Ba­rai dis­se per­sis­ti­rem as divergências so­bre os pon­tos em agen­da.

Ca­da par­ti­do con­ti­nua a ter a sua in­ter­pre­ta­ção so­bre a cri­se, de mo­do que não é por ago­ra que va­mos ter um acor­do”, su­bli­nhou, an­tes de acres­cen­tar que o PAIGC in­di­cou três pon­tos pa­ra as con­ver­sa­ções: prin­cí­pi­os e re­gras pa­ra uma sã con­vi­vên­cia de­mo­crá­ti­ca en­tre os dois par­ti­dos, cau­sas do blo­queio no Par­la­men­to e co­mo sal­var a ac­tu­al le­gis­la­tu­ra. O di­ri­gen­te do PRS dis­se se­rem di­ver­gen­tes as opi­niões dos dois par­ti­dos so­bre os três pon­tos, pe­lo que a comissão, que toma par­te nas con­ver­sa­ções, vai ter que pe­dir a anuên­cia da di­rec­ção do par­ti­do so­bre a ne­ces­si­da­de de con­ti­nu­ar com as con­ver­sa­ções com o PAIGC.

Ma­nu­el dos San­tos, por seu la­do, afir­mou que as ne­go­ci­a­ções com o PRS se des­ti­nam à for­ma­ção de um no­vo go­ver­no de con­sen­so en­tre os dois par­ti­dos.

Ad­mi­tiu “avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos” nas ne­go­ci­a­ções com o PRS, mas aler­tou que “ain­da não se po­de fa­lar em en­ten­di­men­to que con­du­za à as­si­na­tu­ra de um acor­do pa­ra a cri­a­ção de um go­ver­no a sé­rio pa­ra di­ri­gir o país.”

Ma­nu­el dos San­tos afas­tou qual­quer pos­si­bi­li­da­de de o próximo go­ver­no ser for­ma­do, a par­tir do en­ten­di­men­to en­tre dois par­ti­dos, por um dos 15 de­pu­ta­dos ex­pul­sos do PAIGC. O ac­tu­al é che­fi­a­do por Ba­ci­ro Djá, pre­ci­sa­men­te um dos 15 de­pu­ta­dos ex­pul­sos do PAIGC.

Os par­ti­dos de­vem vol­tar a en­con­trar-se ama­nhã. O PRS con­di­ci­o­na o en­con­tro à de­ci­são da comissão política do par­ti­do.

No mes­mo dia, em No­va Ior­que, ao apre­sen­tar o mais re­cen­te re­la­tó­rio do Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU so­bre a si­tu­a­ção nes­te país da Áfri­ca Oci­den­tal, o no­vo en­vi­a­do es­pe­ci­al da or­ga­ni­za­ção àque­le país afir­mou que o blo­queio po­lí­ti­co tra­va a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas pro­fun­dos da Guiné-Bissau e a au­sên­cia de um pro­gra­ma apro­va­do pe­los de­pu­ta­dos elei­tos pe­lo po­vo “im­pe­dem o Go­ver­no de le­var a ca­bo as re­for­mas ne­ces­sá­ri­as pa­ra a es­ta­bi­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal.”

Mo­di­bo Tou­ré su­bli­nhou a im­por­tân­cia de pro­mo­ver-se po­lí­ti­cas pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de lu­ta con­tra a po­bre­za e as más con­di­ções de vi­da da po­pu­la­ção e pe­diu aos lí­de­res po­lí­ti­cos gui­ne­en­ses pa­ra po­rem de la­do os in­te­res­ses par­ti­dá­ri­os e fo­ca­rem no in­te­res­se nacional e no bem-es­tar da po­pu­la­ção.

O Con­se­lho de Se­gu­ran­ça ou­viu a en­car­re­ga­da de ne­gó­ci­os da Guiné-Bissau jun­to à ONU, que ape­lou à aju­da in­ter­na­ci­o­nal “pa­ra ali­vi­ar as ime­di­a­tas di­fi­cul­da­des so­ci­o­e­co­nó­mi­cas” dos gui­ne­en­ses. “Sa­be­mos que a con­cre­ti­za­ção dos com­pro­mis­sos da me­sa in­ter­na­ci­o­nal de do­a­do­res po­de es­tar à es­pe­ra de um am­bi­en­te po­lí­ti­co fa­ci­li­ta­dor no país, mas a po­pu­la­ção em so­fri­men­to não po­de es­pe­rar”, dis­se Ma­ria-An­to­ni­e­ta Lo­pes d'Al­va.

A Guiné-Bissau, acres­cen­tou, es­tá pre­o­cu­pa­da com a even­tu­al saí­da da mis­são da ONU do país em Fe­ve­rei­ro de 2017, e es­pe­ra, nes­sa al­tu­ra, en­con­trar uma for­ma de ca­mi­nhar so­zi­nha “pa­ra ga­ran­tir a paz e que os mi­li­ta­res, que se têm man­ti­do fo­ra da ce­na política, as­sim se man­te­nham.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.