CAR­TAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ARMANDA FRANCISCO | ADALBERTO LUCAS | FER­NAN­DO AN­TÓ­NIO |

Me­di­a­ção de con­fli­tos

Há ain­da no país vá­ri­os con­fli­tos no seio das fa­mí­li­as, mui­tos dos quais re­sul­tam em tra­gé­di­as. As fa­mí­li­as são uma ins­ti­tui­ção im­por­tan­te em qual­quer so­ci­e­da­de. As­se­gu­rar a es­ta­bi­li­da­de das fa­mí­li­as é fun­da­men­tal, pa­ra que ha­ja paz so­ci­al.

Há ins­ti­tui­ções que têm tra­ba­lha­do imen­so pa­ra me­di­ar con­fli­tos fa­mi­li­a­res, com re­sul­ta­dos po­si­ti­vos. A OMA (Or­ga­ni­za­ção da Mu­lher An­go­la­na) é uma des­sas ins­ti­tui­ções. Não há dú­vi­da de que a OMA tem con­tri­buí­do imen­so ao lon­go de mui­tos anos pa­ra di­ri­mir con­fli­tos no seio de fa­mí­li­as. São inú­me­ros os ci­da­dãos (ho­mens e mu­lhe­res) que re­cor­rem até ho­je à OMA pa­ra re­sol­ve­rem pro­ble­mas fa­mi­li­a­res. Tam­bém as igre­jas têm aju­da­do mui­to na bus­ca de so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas que ocor­rem no seio das fa­mí­li­as. A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca é um fe­nó­me­no que tem pre­o­cu­pa­do a so­ci­e­da­de, pe­lo que é ne­ces­sá­rio que vá­ri­as ins­ti­tui­ções tra­ba­lhem em co­la­bo­ra­ção com o Es­ta­do pa­ra se su­pe­ra­rem mui­tos pro­ble­mas que acon­te­cem nos la­res. Que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do vo­ca­ci­o­na­das pa­ra a pro­mo­ção da har­mo­nia no seio das fa­mí­li­as con­ti­nu­em a fa­zer um am­plo tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção jun­to dos la­res, pa­ra que nin­guém se­ja mal­tra­ta­do no seio da sua pró­pria fa­mí­lia, em par­ti­cu­lar as pes­so­as mais vul­ne­rá­veis, co­mo as cri­an­ça e os ve­lhos. Que as igre­jas não pa­rem de di­zer aos fiéis que há ne­ces­si­da­de de ter­mos bo­as con­du­tas pa­ra que as nos­sas fa­mí­li­as vi­vam na paz. On­de não há paz há so­fri­men­to. E não po­de­mos dei­xar que ha­ja pes­so­as que fa­çam so­frer ou­tras, sob di­ver­sas for­mas. Fo­ram bem-vin­das as pa­la­vras da se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher, Ana Pau­la Sa­cra­men­to, se­gun­do as quais a ac­ção pre­ven­ti­va pa­ra se evi­ta­rem ac­tos de vi­o­lên­cia na co­mu­ni­da­de “de­ve ser de­sen­ca­de­a­da nas es­co­las, nas igre­jas, nos par­ti­dos po­lí­ti­cos, nas fa­mí­li­as e na so­ci­e­da­de ci­vil”.

Re­sul­ta­dos da al­fa­be­ti­za­ção

Gos­ta­va que se di­vul­gas­sem re­gu­lar­men­te os re­sul­ta­dos das cam­pa­nhas de al­fa­be­ti­za­ção que se re­a­li­zam no nos­so país. Co­mo ci­da­dão, te­nho in­te­res­se em sa­ber co­mo es­ta­mos a com­ba­ter o anal­fa­be­tis­mo no país. Sei que há mui­tas es­co­las de al­fa­be­ti­za­ção es­pa­lha­das por to­do o país, mas era bom que nos dis­ses­sem por exem­plo quem es­tá a ser al­fa­be­ti­za­do, quan­tos es­tão a ser anu­al­men­te al­fa­be­ti­za­dos, que ida­de têm as pes­so­as que já não são anal­fa­be­tas e se es­tão a con­ti­nu­ar os seus es­tu­dos. Sei que mui­tas pes­so­as que fre­quen­tam os cur­sos de al­fa­be­ti­za­ção são jo­vens e não sei se es­tá as­se­gu­ra­do que es­tes ci­da­dãos pros­si­gam os es­tu­dos. Se não hou­ver con­di­ções pa­ra en­ca­mi­nhar es­tes ci­da­dãos que aca­bam de ser al­fa­be­ti­za­dos pa­ra ou­tras es­co­las pa­ra pros­se­gui­rem os es­tu­dos, era im­por­tan­te que eles fos­sem en­co­ra­ja­dos a au­men­tar os seus co­nhe­ci­men­tos.

En­si­no su­pe­ri­or e mé­dio

Foi po­si­ti­vo o fac­to de o Es­ta­do ter cri­a­do vá­ri­as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or em vá­ri­as re­giões de An­go­la, o que tem per­mi­ti­do o aces­so de mi­lha­res de jo­vens an­go­la­nos a uni­ver­si­da­des e a ou­tras es­co­las su­pe­ri­o­res.

Mas é ne­ces­sá­rio ago­ra que se tra­ba­lhe tam­bém e mais pa­ra que o nos­so en­si­no mé­dio te­nha ele­va­da qua­li­da­de. No pas­sa­do, saíam do en­si­no mé­dio es­tu­dan­tes bri­lhan­tes que aca­ba­vam por ser ex­ce­len­tes qua­dros su­pe­ri­o­res.

As nos­sas fa­cul­da­des de Me­di­ci­na e de En­ge­nha­ria, pa­ra só ci­tar es­tas, for­ma­vam nos anos 70 e 80 do sé­cu­lo pas­sa­do bons qua­dros.

O Ins­ti­tu­to mé­dio Ma­ka­ren­ko pre­pa­ra­va de for­ma ex­ce­len­te alu­nos pa­ra o en­si­no su­pe­ri­or, par­ti­cu­lar­men­te pa­ra os cur­sos de en­ge­nha­ria.

Os jo­vens es­tu­dan­tes or­gu­lha­vam-se de es­tar no Ma­ka­ren­ko e os qua­dros mé­di­os que saíam des­ta ins­ti­tui­ção eram mui­to res­pei­ta­dos pe­lo seu sa­ber e fa­cil­men­te en­con­tra­vam em­pre­go. Gos­ta­va ain­da por ou­tro la­do de acon­se­lhar a to­dos os jo­vens re­cém-li­cen­ci­a­dos a não de­sis­ti­rem dos li­vros.

A li­cen­ci­a­tu­ra de­ve ser vis­ta co­mo o co­me­ço de uma car­rei­ra du­ran­te a qual de­ve­mos es­tar sem­pre dis­po­ní­veis pa­ra apren­der ca­da vez mais. A li­cen­ci­a­tu­ra não é o fim. É o iní­cio de um per­cur­so que nos de­ve con­du­zir à ob­ten­ção de ele­va­das com­pe­tên­ci­as.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.