A pre­ser­va­ção das es­tra­das

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção re­to­ma o pro­ces­so de in­ter­ven­ção nas es­tra­das na­ci­o­nais, re­a­li­da­de que é uma boa-no­va em to­do o país na me­di­da em que é ele­men­tar a ideia de que o fu­tu­ro pas­sa pe­las vi­as de co­mu­ni­ca­ção. Pa­ra o su­ces­so da ac­ti­vi­da­de agrí­co­la, pa­ra o fo­men­to da agro-in­dús­tria e o cres­ci­men­to das em­pre­sas, bem co­mo a mo­vi­men­ta­ção flui­da de pes­so­as e bens, na­da subs­ti­tui as es­tra­das.

Te­mos um país vas­to e com gran­des as­si­me­tri­as, ra­zão pe­la qual to­dos os es­for­ços pa­ra equi­li­brar o cres­ci­men­to har­mo­ni­o­so e ge­rar as com­ple­men­ta­ri­da­des en­tre to­das as lo­ca­li­da­des de­pen­de mui­to das es­tra­das. O Exe­cu­ti­vo, com­pro­me­ti­do com o ac­tu­al pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e bem-es­tar das fa­mí­li­as, en­ca­ra as es­tra­das co­mo ali­a­do in­dis­pen­sá­vel da re­du­ção das as­si­me­tri­as a to­dos os ní­veis e em to­do o país.

É sa­lu­tar sa­ber que es­tão pre­vis­tas con­sig­na­ções nas pro­vín­ci­as de Lu­an­da, Cu­an­za Sul e Ben­gue­la, de­sig­na­da­men­te nos tro­ços Ca­bo Le­do­pon­te do Rio Lon­ga, pon­te so­bre o Rio Lon­ga-pon­te do Rio Ke­ve, pon­te so­bre o Rio Ke­ve-pon­te do Rio Eval, es­tra­da da Ga­be­la-Qui­len­da, Sum­be-pon­te do Rio Eval, pon­te do Rio Eval-pon­te do Rio Cu­lan­go e pon­te so­bre o Rio Eval-Lo­bi­to, na Es­tra­da Nacional 100. Nes­tes con­tra­tos, pro­mo­vi­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção, es­tão pre­vis­tas as pro­vín­ci­as do Hu­am­bo e Bié, nos tro­ços Cat­chiun­go-Chi­nha­ma e vi­as se­cun­dá­ri­as e ter­ciá­ri­as da ci­da­de do Cui­to, nu­ma ex­ten­são de 15 qui­ló­me­tros.

Com o al­can­ce da paz, o país pro­mo­veu uma cam­pa­nha de re­cons­tru­ção das in­fra-es­tru­tu­ras ro­do­viá­ri­as em to­do o país, ten­do per­mi­ti­do que nu­me­ro­sas mo­vi­men­ta­ções e re­a­li­za­ções por par­te de pro­du­to­res de pe­que­na, mé­dia e gran­de di­men­são se tor­nas­sem uma re­a­li­da­de. Es­sas exi­gên­ci­as, de ter­mos es­tra­das com­ple­ta­men­te em con­di­ções, cres­cem to­dos os di­as à me­di­da da ac­ti­vi­da­de cres­cen­te de em­pre­en­de­do­res e em­pre­sá­ri­os de to­do o país. As es­tra­das de­sem­pe­nha­ram um pa­pel im­por­tan­te na ar­ti­cu­la­ção do tri­ân­gu­lo produção-dis­tri­bui­ção-con­su­mo e es­ti­ve­ram, de al­gu­ma for­ma, sob pres­são. Po­de ter si­do tam­bém por is­so que nu­me­ro­sas vi­as, re­a­bi­li­ta­das e er­gui­das de raiz, so­fre­ram um pro­ces­so rá­pi­do de de­gra­da­ção em to­do o país.

Não há dú­vi­da de que as au­to­ri­da­des que su­pe­rin­ten­dem o sec­tor que li­da com a cons­tru­ção, re­pa­ra­ção e re­a­bi­li­ta­ção das es­tra­das de­vem dar mos­tras de que apren­de­ram al­gu­ma coi­sa com a experiência an­te­ri­or. O país não se po­de dar ao lu­xo de per­ma­nen­te­men­te alo­car re­cur­sos pa­ra fi­nan­ci­ar, fo­ra dos pra­zos e pre­vi­sões ra­zoá­veis, as mes­mas obras li­ga­das às es­tra­das na­ci­o­nais. É ver­da­de que as es­tra­das têm um tem­po nor­mal de vi­da útil, mas não po­de­mos con­ce­ber que as vi­as er­gui­das de raiz ou re­a­bi­li­ta­das se de­gra­dem con­tra­ri­an­do to­das as ex­pec­ta­ti­vas qu­an­to à sua du­ra­bi­li­da­de. A apro­va­ção das obras de re­a­bi­li­ta­ção de es­tra­das, no âm­bi­to do pla­no ope­ra­ci­o­nal da Li­nha de Cré­di­to da Chi­na, cons­ti­tui um pas­so im­por­tan­te nes­ta fa­se em que pre­ten­de­mos ace­le­rar a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. E que es­se pro­ces­so te­nha em aten­ção um con­jun­to de fac­to­res que, acre­di­ta­mos, têm já ser­vi­do co­mo re­fe­rên­ci­as no ac­to de con­ces­são e ma­te­ri­a­li­za­ção das obras já re­fe­ri­das.

A ex­pec­ta­ti­va de to­dos é que os ma­te­ri­ais de cons­tru­ção uti­li­za­dos de­vem es­tar em har­mo­nia com as con­di­ções e exi­gên­ci­as que a ac­tu­al fa­se im­põe ao ní­vel da cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens em to­do o país. Não é acei­tá­vel que ao fim de tu­do se­ja­mos con­fron­ta­dos com ex­pli­ca­ções se­gun­do as quais a de­gra­da­ção das es­tra­das se de­ve ape­nas à in­cú­ria, ao uso de ma­te­ri­ais ina­pro­pri­a­dos, en­tre ou­tros pas­sos pou­co con­sen­tâ­ne­os com as exi­gên­ci­as ac­tu­ais.

À se­me­lhan­ça do que su­ce­de com o pro­ces­so de re­a­bi­li­ta­ção de ou­tras vi­as em to­do o país, pre­ci­sa­mos de evo­luir pa­ra que as nos­sas es­tra­das cons­ti­tu­am um ac­ti­vo im­por­tan­te nes­ta fa­se. Com os in­cen­ti­vos li­ga­dos à di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, es­ta­mos a no­tar em to­do o país si­nais evi­den­tes de cres­ci­men­to da produção. E pa­ra que os la­men­tos ha­bi­tu­ais, le­gí­ti­mos na sua mai­o­ria, da fal­ta de con­di­ções em ter­mos de es­tra­das pa­ra o es­co­a­men­to dos pro­du­tos não per­ma­ne­çam co­mo uma si­na, na­da me­lhor que ter­mos as es­tra­das to­tal­men­te em con­di­ções. Ter­mos es­tra­das es­tá­veis e du­ra­dou­ras de­ve ser uma exi­gên­cia não ape­nas da par­te do Mi­nis­té­rio da Cons­tru­ção, mas so­bre­tu­do das em­pre­sas pa­ra as quais fo­ram con­sig­na­das as ac­tu­ais em­prei­ta­das. As em­pre­sas res­pon­sá­veis pe­la cons­tru­ção e re­a­bi­li­ta­ção das es­tra­das de­vem con­ti­nu­a­men­te fa­zer pro­va do seu pro­fis­si­o­na­lis­mo, da sua efi­ci­ên­cia e, fin­da uma de­ter­mi­na­da em­prei­ta­da, dei­xar tes­te­mu­nho do bem-fa­zer e do bem-ser­vir.

O país ga­nha mui­to com es­tra­das em con­di­ções por­que, além de en­cur­tar as dis­tân­ci­as en­tre as vá­ri­as lo­ca­li­da­des, per­mi­te a ins­ta­la­ção dos prin­ci­pais ser­vi­ços bá­si­cos jun­to das co­mu­ni­da­des. O sis­te­ma de pe­sa­gem em de­ter­mi­na­das vi­as, co­mo for­ma de tes­tar a car­ga nal­gu­mas vi­as, cons­ti­tui uma for­ma exem­plar que con­tri­bui pa­ra a pre­ser­va­ção das es­tra­das. Ao la­do des­tes es­for­ços do Exe­cu­ti­vo pa­ra que as nos­sas es­tra­das es­te­jam em con­di­ções de as­se­gu­rar a li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens, as me­di­das pa­ra pre­ser­var­mos as es­tra­das são fun­da­men­tais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.